1. Spirit Fanfics >
  2. Meu Meio Irmão (Harry Potter) >
  3. Cujo aquele que traiu, irá se libertar.

História Meu Meio Irmão (Harry Potter) - Capítulo 25


Escrita por:


Notas do Autor


Boa madrugada a todos vocês meus queridos kjkjkjkkk

trago já quase os últimos capítulos da parte do "Prisioneiro de Azkaban", em breve uma das que eu mais esperava óbvio "O cálice de fogo", muitas mudanças na Serena, spoiler.

Capítulo 25 - Cujo aquele que traiu, irá se libertar.


Por incrível que pareça hoje eu tive um pequeno descontrole de raiva na aula de porção e acabei surtando um pouquinho também após termino e mais tarde cumprirei detenção na sala do meu pai mais tarde.

— Tem que ter coragem em senhorita confusão— encaro Will— nenhum aluno tem essa coragem toda de enfrentar o professor Snape, há não ser Harry.
— Se eu fosse filha dele teria medo de qualquer deslize— Arabella diz

Estávamos todos sentados nos bancos do pátio com outros alunos também, óbvio. Eu estava sentada no gramado a frente de Will, enquanto Charlotte estava deitada em meu colo lendo um livro.

— É que as vezes ele exagera no que diz, talvez eu não esteja apenas acostumada.
— Mas, não podemos ignorar o fato de que muitas vezes ele está certo— impossível Tobias estar o defendendo— vai pessoal. Os alunos da Grifinoria não são santos.
— Assim como nós também não— respondo 
— O problema está relacionado a ser puro-sangue— Charlotte sussurra 
— Inacreditável que ainda tem gente que leva isso em consideração— Arabella pega a maçã que estava em minha bolsa— quer dizer você ser de uma família bruxa ou não, não te faz ser menos bruxo, você continua sendo.
— Exatamente— pego a maçã de sua mão e mordo 
— Aí Serena!— entrego a maçã 
— Pessoal, preciso ir— Will levanta
— Também preciso— o acompanho 
— Aonde vão?— Tobias pergunta 
— Treino com o time hoje— respondo— precisamos ir— aceno 

Havíamos reservado o campo hoje para poder treinar. Foi super de boa, apenas o Draco que a todo momento tentava me provocar de alguma forma.

Enquanto eu terminava de guardar as minhas coisas, Draco estava com alguns garotos do terceiro ano conversando.

— Potter? Quem ele acha que é? Acha que pode me enfrentar— reviro os olhos

Pior que meu pai em questão a essa perseguição ridículo a meu irmão, só o Draco para superar mesmo.

— Hoje na aula de poções ele...— falava r falava tremendamente mal de meu irmão— esqueci que temos companhia— me viro 
— Malfoy, é evidente essa sua perseguição pelo o meu irmão— cruzo os braços— será que não tem algo a mais nisso?— sorrio e caminho em direção a saída 

Pelos corredores acabei vendo Hermione correndo, parecia estar chateada.

— Hermione?— a chamo 

Ela precisa não ter me escutado, então invento de correr atrás da mesma que havia entrado no banheiro da Murta.

— Hermione?— a vejo se olhando no espelho— o que aconteceu?— pergunto 
— Eu já disse que odeio Adivinhação?— pergunta 
— O que houve— pergunto 
— A professora Trelawney disse que os livros não ajudam muito nessa aula. Eu pouco me impressiono com as leituras dela com as folhas de chá, sempre está associado a morte. Ela sempre diz que os formatos das folhas de chá do Harry se parecem com o sinistro, eu discordo, estão longe de parecer.
— Tenho certeza que quando eu começar a ter aulas de adivinhação, tenho certeza que também não será uma das minhas favoritas.
— É péssimo. Eu acabei desafiando as visões dela na aula e depois disso claro tivemos Transfiguração com a professora McGonagall e eu acabei de vim de exatamente da sala dela. Eu quis conversar com ela e então eu expliquei o que havia ocorrido e expliquei o porquê a turma parece estar bem deprimida.
— E o que ela disse?— pergunto 
— Eu fiquei impressionada— suspiro— com a opinião contrária que ela tem sobre a porta iminente de Harry— me sinto desapontada— eu contei a Rony e Harry, eu acho que não irei continuar na aula de adivinhação mais por muito tempo se eu precisar fingir estar vendo e folhas de chá a morte dos outros.
— Agora quem está aborrecida sou eu— encosto na pia
— Nem me fale.

Ao sai nos do banheiro, fomos até o térreo e por acaso Harry e Rony estavam procurando Hermione.

— O que aconteceu?— Hermione pergunta 
— Eu não sei como explicar, mas...
— Harry conta logo— Rony pede
— Certo. Eu havia voltado a sala de adivinhação, após encontrar a bola de cristal que Hermione havia chutado, para devolver— ouvíamos atentamente— mas, quando eu entrei a professora estava sentada na cadeira e paralisada; seus olhos estavam desfocados e sua boca afrouxara. Ela dizia "Vai acontecer hoje à noite." Eu obviamente estranhei e comecei a chama-la— Hermione parecia analisar tentando acreditar em algo— ela parecia não estar me ouvindo e do nada seus olhos começaram a girar. Eu fiquei com medo, confesso. Eu até pensei em correr até a sala hospitalar– mas, e então ela tornou a falar novamente com a mesma voz rouca, muito diferente da sua voz habitual.
— O que ela te disse?— pergunto 
— "O Lorde das Trevas está sozinho e sem amigos, abandonado pelos seus seguidores. Seu servo esteve acorrentado nos últimos doze anos. Hoje à noite, antes da meia-noite... O servo vai se libertar e se juntar ao seu mestre. O Lorde das Trevas vai ressurgir, com a ajuda do seu servo, maior e mais terrível que nunca. Hoje à noite... o servo... vai se juntar... ao seu mestre..."

Senti uma estranha sensação, me invadir, talvez fosse pânico. Eu não sabia dizer se poderia afirmar que aquilo seria verdade ou encarar como uma bajulação.

— E foi isso...
— Eu não sei nem o que dizer...— falo 
— Será que isso é verdade?— Hermione pergunta 
— Olha ela estava normal e do nada mudou totalmente, eu juro não parecia ser mentira e logo após ela havia voltado a agir normalmente. Eu disse ela o que havia me dito, porém a mesma apenas falou que eu deveria ter cochilado assim com ela— ele não parecia estar mentindo, suas expressões denunciavam 
— Harry foi até a sala do diretor, contar a Dumbledore— Rony continua 
— O que ele disse?— Hermione perguntou
— Ele perguntou que teria imaginado e que isso eleva para duas o total de predições verdadeiras que ela já fez. Eu devia dar à professora um aumento de salário...
— Então ele acreditou?— pergunto 
— Bom, eu creio que sim, mas não senti firmeza.
— Eu acho melhor irmos— Rony diz— iremos até o Hagrid mais tarde. Quer vim conosco Serena?— pergunta 
— Por mim tudo bem. Até mais tarde?— pergunto 
— Até— responde 


Notas Finais


espero que tenham gostado.

Até a próxima ♥️🦁


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...