1. Spirit Fanfics >
  2. Meu Meio Irmão (Harry Potter) >
  3. O Túmulo Branco PARTE 2

História Meu Meio Irmão (Harry Potter) - Capítulo 94


Escrita por:


Notas do Autor


Eaeeeee pessoas?? Boa madrugada para vocês.

Como estão??

Última da noite. Pessoal sinto em lhes informar, mas é daqui pra depressão, brincadeira gente. Kjkjkkk

Como eu havia pedido a vocês que me dessem sugestões, então já irei adiantar que a Serena ficará em Hogwarts e contará como será ter o pai no comando da escola. Porém, eu acredito que não será a melhor fase da vida dela, ela descobrirá alguns acontecimentos do passado aos poucos, naquela vibe bem devagar, porém prosseguirá em um estado totalmente devastado, no qual ela mesmo começará a se torturar com o peso das ações de outras pessoas.

Ou seja estado emocional equilibrado? Não haverá. Kjkjkjkjkkjkj

Espero que gostem e boa leitura!!

Capítulo 94 - O Túmulo Branco PARTE 2


Haviam muita pessoas nas quais eu não reconhecia, porém claro houveram alguns que eu reconheci tirando os alunos de Hogwarts, incluindo os membros da ordem da Fênix. Dora estava aqui também é agora seu cabelo estava miraculosamente havia
retornado para um rosa choque, Remo Lupin, com quem ela parecia estar de mãos dadas. O senhor e a senhora Weasley, Gui também porém ajudado por Fleur e logo atrás seguidos por Fred e Jorge, que estavam vestindo jaquetas de pele de
dragão preta. Nas primeiras fileiras, eu consegui ver que aqui estava presente também Madame Maxime, que ocupava sozinha duas cadeiras e meia. O proprietário do Caldeirão Furado Tom. Arabella Figg, a vizinho trouxa de Harry, o baixista cabeludo do
grupo bruxo As Esquisitonas, as Esquisitonas, Madame
Malkin, da loja de vestimentas do Beco Diagonal, e algumas pessoas que eu conhecia somente de
vista, como o garçom do Hog"s Head e a bruxa que puxava o carrinho de chá do Expresso de
Hogwarts.

Percebo uma breve chegada não muito visível, mas ainda sim era possível de reconhecer.Os fantasmas do castelo
também estavam lá, não eram muito possíveis de se ver no brilho do sol, discerníveis apenas quando se moviam,
insubstanciavelmente resplandecendo cintilantes no ar.

Me separo rapidamente dos alunos da minha casa, me juntando a Harry, Ron, Hermione e Gina, no qual procurávamos lugares no final da fileira ao lado do lago. As pessoas aqui sussurravam umas às outras, parecia o som de um leve movimento na grama, mas a canção de
pássaro estava alta mais longe.

O lugar continuava a chegar cada vez mais pessoas para prestar suas últimas homenagens a professor. Harry encarava algo logo atrás de nós e era Neville que estava acompanhado de Luna que o ajudava a encontrar um lugar

Vejo Cornelius Fudge passar em direção às fileiras da frente, com uma expressão miserável, enquanto girava seu chapéu coco ver de como de costume e atrás Rita Skeeter que me deixará furiosa agora por estar com uma pena-de-escrita-rápida agarrada em suas mãos. Por último, a desprezível presença de alguém no qual me traz péssimas lembranças e uma vontade de marcar meus cinco dedos em seu rosto na esperança de arrancar aquele sorrisinho falso. Dolores Umbridge, sim a própria haverá comparecido, uma expressão não convincente sobre sua face de sapo, com um laço de veludo preto acima de seus cinzentos cabelos enrolados e logo encontrando o olhar do centauro Firenze que permanecia próxima a margem da água, em outra circunstância eu com toda certeza encontraria graça nesse encontro. Ficou nítido o desconforto de Dolores que apressadamente foi procurar um lugar a um boa distância do centauro

Sobre as águas vendo, iluminadas pelo sol, movendo-se abaixo da superfície, era se possível ouvir um coro de sereianos cantando em uma língua estranha que provavelmente ninguém entendia, eu acho. As pálidas faces onduladas, os cabelos projetos transbordando em todas as direções. Não vou mentir que ouvi-los me causava um certo arrepio.

Conforme prestavamos atenção nas faces dos cantores, me transbordava um sentimento de que no final das contas, estavam pesaroso da morte de Dumbledore.

Hagrid também aparecerá, vagarosamente no corredor entre as demais cadeiras. Foi de partir o coração vê-lo chorar silenciosamente, haviam tantas lágrimas em seu rosto, mas possível reparar que em seus braços, escondido embaixo de um veludo e decorado com lantejoulas e estrelas douradas, estava o corpo de Dumbledore.

Olho para Harry e o mesmo estava a olhar o mesmo que eu, seguro sua mão e o mesmo tenta forçar um leve sorriso, que em menos repouso segundos some.

Rony estava pálido e ainda não acreditava que era verdade, lágrimas escorriam em seu rosto densamente e rapidamente

Vemos Hagrid com cuidado posicionar o corpo em cima da mesa e em seguida recuar no corredor, assinado o nariz extraindo os olhares escandalizados de alguns. Tantas pessoas, até mesmo Grope estava aqui.

A música de repente parou e todos prestavam atenção à frente novamente. Um pequeno homem com chapéu de pelos e em vestimentas pretas lisas chegou à frente e ficou parado
na frente do corpo de Dumbledore. Não conseguia direito ouvir o que ele dizia. Palavras estranhas fluiam de volta para eles em milhares de bolhas.

Foi uma completa tristeza, segurei a mão de Harry o tempo todo, eu sei que ele estava muito mal por isso, se culpava o tempo todo. Primeiro seu pai, a nossa mãe, depois Sirius e agora Dumbledore.

Quando o enterro havia terminado tudo e todos continuavam sem clima, mas agora estavamos a voltar para casa. Eu precisaria ir com Tonks e Remus que me acompanhariam de volta a casa da Tia Andromeda.

Antes de deixar o castelo, voltamos para pegar o que faltava, eu no caso só precisaria pegar a nuvem de volta e me despedir dos meus amigos e de Harry.

Voltamos nós quatro a torre de Astronomia, eu segurava o medalhão enquanto o analisava silenciosamente.

— Acha que ele conseguiria Draco?— Hermione pergunta
— Não— Harry responde rápido— ele não queria fazer. No final foi o Snape, foi sempre o Snape e eu não fiz nada— entrego o medalhão a Hermione— é falsa— diz ele— pode abrir e assim ela faz, havia apenas um papel dentro
— "Ao Lord das Trevas. Sei que a muito estarei morto quando ler isso, mas saiba que fui eu quem descobriu o segredo. Roubei a Horcrux verdadeira e pretendo destrui-a assim que poder. Enfrento a morte, má esperança de encontrar o adversário certo tenha se tornado talvez mortal." R.A.B?— pergunta
— Não sei, mas seja quem for está com a verdadeira Horcrux. O que indica que foi tudo em vão. Tudo em vão...
— Sabe que o Rony já aceita você e a Gina?— Hermione pergunta e acabo deixando escapar um sorriso meu— se eu fosse você com ele por perto eu beijaria o menos possível.
— Não ocorrerá tão cedo, não é?— pergunto e o mesmo concorda por ter terminado com Gina mais cedo
— Eu não irei voltar. Eu tenho que terminar o que Dumbledore começou e não sei pra onde isso vai me levar, eu aviso a você, o Rony e a Serena. Onde estou.
— Eu sempre admirei a sua coragem Harry— diz Hermione
— Mas, as vezes parece que te falta parafusos— falo
— E as vezes você é muito burro— concordo com Hermione— acredita mesmo que vai encontrar essas Horcruxes sozinho Harry?— Hermione pergunta— você precisa da gente.
— Nunca percebi como este lugar é lindo— ouço Harry dizer é entrego o medalhão a Rony

Me aproximo dele e de Hermione e ouço um breve canto no céu, era a Fênix que um dia pertencerá a Dumbledore. Nos juntamos todos para observa-la partir nas densas nuvens que cobriam o céu acompanhado dos últimos raios de sol.

Antes de irmos embora, Dora concordou em me deixar acompanhar Harry a ir embora, mas logo após eu voltaria com ela.

— Seja rápido, ele precisa ir— diz Remus e concordo
— Harry!— corro até o mesmo e o abraço— eu irei ver você.
— Você não pode Serena.
— E ficará esse tempo todo sozinho? Você é idiota?
— Eu prometo que ainda nos veremos antes de eu ir atrás das Horcruxes.
— Eu vou com você.
— Não vai não. Você vai ficar aqui!— me afasto do mesmo
— Harry, não! Você sabe que aonde for eu estarei com você, nao vou deixar você fazer isso sozinho.
— Serena eu não quero arriscar que você vá comigo, já pensou no problema que isso pode ser? Eu não tenho capacidade de imaginar a ir em seu funeral e saber que morreu por minha causa.
— E quem disse que isso irá acontecer? Harry por-favor?
— Eu preciso que fique aqui em Hogwarts, eu tenho outros planos para você.
— Harry...— resmungo
— Serena não insista, eu não quero arriscar mais ninguém nisso. Não quero que mais alguém seja morto por minha causa, eu perdi as pessoas mais importantes, não seria capaz de lidar se for você, ou um dos meus amigos. Entende?— desliza o polegar pela a minha bochecha
— Por que é tão teimoso?— pergunto
— Por que você é tão persistente?— pergunta e acabo sorrindo— Serena, só não quero que se machuque, seu pai já é um grande problema, se um deles descobre a usariam para me manipular.
— Eu não pensei por esse lado.
— Por isso terminei com Gina, não quero que sofram, eu sinto que conseguirei. Enquanto isso, se comporte.
— Por que toda vez sinto que estamos nos despedindo?— pergunto com o velho pressentimento ruim me invadindo
— Isso é só coisa de sua cabeça, não de tanta atenção. Para onde mais eu iria?— pergunta e simplesmente prossigo tentando fingir que não era nada— preciso ir. Nos veremos em breve.
— Até mais Harry.
— Sei que você diz isso muito mais do que eu, e as vezes eu pareço soar frio com você, mas é que apenas guardo para dizer em momento nos quais eu acredite ser mais sincero.
— O que você quer falar?— pergunto
— Eu te amo.


Notas Finais


Espero que tenham gostado.

Fico me perguntando como será quando a Serena descobrir a verdade sobre Harry e Voldemort?

até a próxima!!!♥️🦁


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...