1. Spirit Fanfics >
  2. Meu melhor amigo- Jeon Jungkook >
  3. Parte 2

História Meu melhor amigo- Jeon Jungkook - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Não postei no final de semana por que aproveitei para dormir, sério, eu estava precisando. Já comecei a betar a última parte e se eu conseguir posto hoje, mesmo que de madrugada.

Mais uma vez espero que gostem da versão atualizada da fic.

Capítulo 2 - Parte 2


Jeon Jungkook

 

Eu estava suando frio. Porra como eu estava nervoso. Parabéns Jungkook, filha da puta burro que não controla a cabeça de baixo e só faz merda, porra, é tão difícil assim manter esse pau dentro da calça?

 

Além da caralha de vergonha que eu estava sentindo, tinha ainda o adicional da minha declaração. Só de lembrar disso eu já tenho vontade de voltar pra casa e me esconder debaixo das cobertas, e sim, eu sei, atitude de covarde, mas eu nunca neguei ser um.

 

Para piorar a camisa social que eu resolvi usar estava me enforcando, então abri alguns dos primeiros botões e liguei o ar condicionado, batucando no volante enquanto a Ahn não descia.

 

 Já impaciente, desci do carro e fui em direção à porta de entrada, mas congelei no mesmo instante ao ver como S/n estava. Me encostei no capô, porque tamanho foi o impacto que até a pressão baixou. Eu sei que provavelmente vou parecer ter treze anos olhando para as secundaristas peitudas no corredor, mas eu poderia jurar ver uma equipe de produção ao redor dela com holofotes e um ventilador para simular o vento em seus cabelos. Se apaixonar é foda.

 

Quando ela chegou mais perto eu me senti um bobo, e caralho o que essa mulher não faz comigo para eu chegar ao ponto de quase gaguejar e ainda perder um pouco da voz. – ‘Tá gata como sempre. – Foi tudo que consegui dizer.

 

- V-Valeu. – Pelo visto não sou só eu que estou envergonhado.

 

- Vamos? – Quando a chamei alguns segundos depois ela desviou o olhar da parte aberta de minha cabeça para o chão concordando num aceno. Abri a o porta para ela a ajudando a entrar e fechei com calma indo até o lado do motorista e me sentando.

 

O caminho mais pareceu que estávamos indo para um enterro do que para uma festa, o silencio foi tanto que até chegou a me agoniar, principalmente depois que o clima pesou um pouco ficando cada vez mais tenso.
 

Não demorou muito para chegar e por ser um amigo bem próximo do dono da festa consegui uma vaga bem perto da mansão aonde o mesmo morava, o que foi bom pois toda a rua estava lotada.

 

Cumprimentando algumas pessoas que estavam no jardim andamos ainda sem falar com o outro até entrarmos, quando eu tomei coragem e parei de agir como um molenga e a chamei para dançar. Pela quantidade de pessoas estávamos praticamente colados, então foi fácil escutar o sim baixinho que ela me falou. Entrelaçando nossos dedos a puxei até o centro da sala que estava sendo usado de pista de dança. Foi difícil porque mesmo a casa de Jimin, o anfitrião, sendo enorme havia muitas pessoas, cada uma com seu grupo; alguns se pegavam na frente de todo mundo, alguns bebiam ou dançavam. Se forçasse o olhar naquela quase escuridão poderia dizer que até vi alguns fumando.

 

Quando conseguimos um espaço, a antiga música foi trocada e de quebra eu e S/n sorrimos. Digamos que aquela era justamente nossa música. Desde seu lançamento, coisa que acompanhamos juntos, adquirimos um grande carinho por ela, justamente por ser na época em que nos aproximamos mais. Eu não acredito nessa merdas, mas podia jurar que foi destino.

 

Major Lazer - Cold Water ft. Justin Bieber.

 

A batida contagiante e a nostalgia nos possuíam a cada palavra e nota, o que nos ajudou a deixar de lado tudo que havia acontecido e curtir como sempre, sem nada nem ninguém para atrapalhar, como se tudo o mundo tivesse sumido.

 

Após os três minutos de música, nos trocamos sorrisos que espantaram por completo a tensão que havia se formado. Me senti mais confiante, mesmo sentindo que algo daria errado. Apenas ignorei, não era importante.

 

- Quer beber alguma coisa? – Ela perguntou se aproximando mais para não precisar gritar agora que estava tocando uma música eletrônica no último volume.

 

- Vê se tem ponche, ainda vou dirigir hoje.

 

- Já volto. – Sorriu uma última vez sumindo pela multidão, enquanto eu aproveitava a música a sua espera.

 

Ahn S/n

 

Porra como eu estava feliz. Passei o dia todo me martirizando pensando que iria perder a amizade de Jungkook, mas no final deu tudo certo.

 

Suspirei.

 

Era bom o que acabou de acontecer, mas eu não conseguia me impedir de querer mais, porque caralho, eu gosto do Jeon desde que eu mal consigo lembrar e saber que há uma chance enorme de continuarmos apenas como amigos, me deixa temerosa.

 

Suspirei novamente espantando os pensamentos negativos e tentando focar no agora, em curtir a noite com meu melhor amigo.

 

Até me surpreendi quando achei uma batida de morango sem álcool, justamente em uma festa de universitários loucos por bebida, como eu sabia que eram, mas apenas fiquei mais aliviada, pelo menos assim Jungkook não ficaria sem nada.

 

Já tentando voltar para onde deixei o moreno, observei um pouco mais ao meu redor me sentindo um pouco deslocada e envergonhada. Claro eu já havia beijado outras pessoas, mas tinham uns ali que quase estavam tirando as roupas e transando na frente de todos e até mesmo o anfitrião Park estava no meio, quase sendo fundido a uma das pilastras por Min Yoongi, um amigo do Jeon também.

 

Não tinha preconceito, até porque eu não só peguei homens, para me considerar hétero, mas também sou preguiçosa demais para ver com qual sexualidade eu me identifico.

 

Tomei um pequeno gole do meu copo podendo confirmar que era apenas um tipo de suco com energético para me distrair, mas ao avistar Jungkook me senti mais aliviada.

 

(...)

 

O relógio grande em uma das paredes indicava que já era quase meia noite, mas a festa parecia mal ter começado. Eu e Kook estávamos revezando as idas atrás de mais daquela bebida, e bom novamente era minha vez. Já estava com os dois copos na mão, mas antes que pudesse sair Jungkook me impedia segurando em um de meus pulsos.

 

- Podemos conversar? – E na hora já me senti sem jeito, não acho que estou pronta para conversar sobre o que aconteceu mais cedo, principalmente ao ver que o outro também parecia envergonhado.  

 

- Pode falar.

 

O Jung demorou um pouco, mas pude ver ele sussurrar para si mesmo algo envolvendo coragem e segurei um leve sorriso que iria soltar.
 

- S/n eu tô apaixonado por você, porra, só de olhar ‘pra você eu tenho vontade de te beijar e poder ser chamado de seu. Eu sei que eu posso ‘tá falando merda, mas isso é o que eu sinto. – Eu passei alguns segundos chocada, os olhos arregalados e a boca aberta, enquanto Jungkook me olhava ansioso, os olhos atentos em mim enquanto mordia os lábios. E essa foi minha deixa, me jogando em seus braços, segurei em sua nuca juntando nossos lábios.

 

Eu me arrepiei tanto com sua língua invadindo minha boca, como a pegada forte que Jeon tinha segurando minha cintura. Quando nos separamos ele me deu um último selinho sorrindo para mim.

 

- Sabe, eu ‘tô com um pouco de sede. – Fala como se eu mesma não o conhecesse o suficiente para saber que ele apenas queria um tempo para processar tudo.

 

- Eu já volto. – Murmurei recolhendo os copos que joguei no chão e saí entre a multidão com um sorriso no rosto. Caralho, que beijo.

 

Peguei copos novos e os enchi de ponche, querendo voltar logo, com apenas um beijo aquele coelho á conseguiu me deixar viciada. Uma sensação ruim me apossou no caminho, mas apenas ignorei, minhas paranoias não iriam me atrapalhar justo agora.

 

Ao chegar no meu destino foi como se alguém tivesse me dado um soco no estômago e deixei os copos caírem no chão. Uma dor no meu peito surgiu e aumentou até ficar insuportável. E sabe por quê?
 

Porque Jungkook estava beijando Yuna, a única pessoa naquela faculdade que parece me odiar, mas olha a novidade, eu também nunca fui com a cara da idiota.

 

Ele sabia que nós éramos inimigas e depois de se declarar para mim, ele a beija na minha frente? Eu apenas fiquei estática e eles pararam o beijo. Yuna me olhava debochadamente e Jungkook ao me ver arregalou os olhos. 

 

- S/n e-eu p-posso expli...


         - Me poupe da porra das suas explicações, Jungkook! Me ama né? Estou vendo você demonstrar todo esse amor! Eu vou pra casa, vê se me esquece, desgraçado! - Disse tudo isso de uma forma extremamente fria e seca. Eu podia escutar os cacos no meu coração se formando, mas não iria dar esse gostinho para aquele idiota.

 

Ouvi seus gritos me chamando, mas apenas segui em frente segurando o máximo que eu podia as lágrimas. Ao chegar em frente à casa tive sorte, pois um taxi passou na mesma hora, então o chamei e fui para casa. 

 

Passei o caminho todo de cabeça baixa, segurando com tanta força na barra de minha sais que quase a rasguei com minhas unhas. Quando o carro parou o paguei com os trocados que tinham em minha capinha e sai. Nem ao menos cumprimentei o porteiro apenas segui e silêncio até o elevador.

 

Ao chegar em meu apartamento, após entrar, tranquei a porta e tirei minha bota a jogando de qualquer jeito em um canto. Suspirei já sentindo as lagrimas descerem e fui para o banheiro, tirando minhas roupas e ligando a torneira da banheira.

 

Mesmo morando sozinha, não fiz nem um barulho sequer, chorando em silencio. A merda de dor que eu sentia no meu peito parecia só aumentar.

 

Porra de sentimentos, porra de vida, porra de Jungkook.

 

Agora eu estava completamente só e não apenas de presença e sim literalmente. Não converso dos meus pais desde que saí de casa, e o único amigo que eu tinha era o Jeon.

 

Nunca em todos esses anos de amizade eu pensei que Jungkook chegaria a esse ponto, de apenas querer brincar comigo. Eu preferia ter continuado na merda da friendzone do que ter passado por isso.

 

Caralho eu sei que não sou perfeita, muito menos uma pessoa tão boa, mas eu não consigo me lembrar de nada que eu possa ter feito isso, ao contrário eu sei o apoiei em qualquer merda que ele tenha feito.

 

Chega dessa porra, eu não vou mais me importar com esse desgraçado ingrato.

 

Me levantei e me sequei com a primeira toalha que achei no armário, indo até o quarto. Suspirei fundo e abri o guarda-roupa para pegar um pijama. O mais infantil que eu tinha estava por cima, mas não é como se eu estivesse com paciência para escolher, então apenas o vesti com a primeira calcinha que encontrei.

 

Queria me distrair, mesmo que um pouco, então peguei meu celular para assistir alguma série, coisa que eu deveria estar fazendo desde cedo. Quando o liguei mais uma chamada perdida foi notificada. Além dela havia mais 12 perdidas e 9 mensagens de Jungkook. As ignorei e coloquei qualquer coisa para assistir.

 

Jeon Jungkook


        Caralho como eu estava feliz, tão feliz que poderia sair saltitando por aí. Tudo estava na paz e forçando um pouco mais a visão pude ver S/n enchendo nossos copos e continuei a observá-la enquanto dançava até minha visão ser tampada por Yuna, a ‘mina mais rodada que o gira-gira do parquinho e inimiga de S/n.

 

Tirando eu, não há uma homem naquela escola que não tenha feito sexo com ela. E quando digo homens, não me refiro a somente alunos porque até o diretor ela pegou.

 

- Oi Oppa. – Porra de Oppa, se toca. - O que está fazendo aqui sozinho? Quer que eu te faça companhia? – Revirei os olhos com tanta força que quase vi meu cérebro.

 

- Yuna já te disse que não vou transar com você e me poupe de chamar de Oppa, meu nome é Jungkook e você com certeza tem inteligência pelo menos para saber disso. – Disse tentando me livrar dela, uma porra dessas parece chiclete, só sai na força do ódio.
 

- Poxa Oppa não precisa ser assim, mas sabe, eu adoro homens difíceis. - Colocou suas mãos no meu pescoço se aproximando de mim, mas eu não demorei em tirá-las de lá já com raiva.

 

- Nem comesse esse seu showzinho 'pro meu lado porque sabe que comigo não funciona, agora por que não vai encher o saco de outra pessoa ao invés do meu?

 

- Eu vou... - Sorri vitorioso, mas logo foi desfeito pela continuação de sua fala - Se você me der um beijo.


         - Ainda bem que sonhar é de graça, né?


         - Ah Oppa, deixa de drama é só um beijo.

 

Ok é só um beijo, pela minha paz com S/n. Revirei os olhos e a beijei. Nem sei como os outros dizem que ela beija bem, ela bateu com o dente no meu queixo. Não demorei a acabar com aquela tortura me separando um pouco enojado, mas arregalei os olhos ao ver que a Ahn já estava ali. Porra Yuna, nem para me deixar em paz ‘tu serve.
 

- S/n e-eu p-posso expli...

 

- Me poupe da porra das suas explicações, Jungkook! Me ama né? Estou vendo você demonstrar todo esse amor. Eu vou pra casa, vê se me esquece, desgraçado.  - Disse tudo isso de uma forma extremamente fria e seca, que eu até me arrepiei, nunca havia a escutado falar desse jeito.

 

Ela foi na direção da saída e comecei a gritar pelo seu nome, e iria atrás dela, se Yuna não tivesse me segurado. Eu não disse que um caralho desse é pior que chiclete?

 

- Deixe aquela idiota ir Oppa. Por que não vamos nos divertir juntos? - Disse maliciosa enquanto em abraçava. Me soltei brutalmente fazendo ela cair no chão e a respondi friamente, não estava com paciência para ser educado.

 

- Por que não se toca logo, que eu não fico com vadias como você e me esquece? Tenho coisas mais importantes ‘pra fazer do que perder meu tempo com você.  - Nem esperei ela responder e voltei a chamar por S/n enquanto tentava chegar na saída o mais rápido possível. Estava complicado, havia muita gente e quando finalmente consegui, um táxi saiu e provavelmente ela estaria nele. 

 

Puxei com força meu cabelo e bufei de raiva. Corri em direção ao meu carro enquanto ligava para a Ahn. No tempo em que eu esqueci onde havia deixado ele, 4 chamadas foram para sua caixa postal. Comecei a ficar preocupado e quando entrei no carro, pisei com tudo no acelerador indo em direção ao apartamento dela.

 

 Tentei mais 5 vezes ligar para a mesma, mas continuaram a cair na caixa postal e para piorar quando cheguei na portaria o senhor que estava lá era provavelmente um substituto, então não me conhecia e não me deixou subir, e na vezes que ele interfonou, ela não atendeu. 

 

Decidi deixar ela em paz durante essa noite e voltaria amanhã de manhã para conversar com ela, mas durante o percurso para casa tentei mais 4 vezes ligar para ela e fui ignorado de novo. Estava com muita raiva de Yuna por ter feito essa confusão, mas depois me resolvia com ela.


 

(...)

Ahn S/n 


 

Agora são 9:30 pelo que vi em meu celular e acordei agora. Estava com o rosto inchado de tanto chorar e toda descabelada, em resumo como toda pessoa que já passou por uma desilusão amorosa ou um zumbi. Suspirei fundo e fui em direção a cozinha. 

 

Peguei quase tudo que havia nos armários e na geladeira para comer e levei para o quarto. Tirei do guarda-roupa alguns travesseiros e fui ao banheiro e peguei um caixa de lenços. Coloquei Stitches do Shawn Mendes e voltei para a cama. Abracei um travesseiro e comecei a chorar enquanto comia o primeiro pacote de salgadinhos.

 

Me lembrado da tradução chorei ainda mais, enquanto cantava junto.

 

"Você me vê sangrar até que não possa mais respirar

Eu estou tremendo, caindo de joelhos

(Caindo de joelhos)

E agora que estou sem seus beijos

Vou precisar de pontos

(E eu vou precisar de pontos)

Estou tropeçando em mim mesmo

Pedindo, implorando pela sua ajuda

(Implorando, baby, por favor)

E agora que estou sem seus beijos

Vou precisar de pontos"

 

Não sei por que caralhos, mas quando a música acabou nenhuma outra começou a tocar. Ignorei e voltei a comer enquanto chorava, o segundo pacote de salgadinhos estava sendo aberto e faltava apenas uns 3 lenços para a caixa ficar vazia. 

 

Quando ela acabou eu me levantei para pegar outra, mas a campainha tocou e eu me esqueci que poderia ser Jungkook e abri a porta. Vi que ele se surpreendeu por eu ter aberto, e antes de conseguir fechar a porta ele entrou. Bufei com raiva e revirei os olhos.

 


Notas Finais


É isso, deixem o que acharam nos comentários. Kisses


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...