1. Spirit Fanfics >
  2. Meu Melhor Lugar >
  3. Porque Eu Me Apaixonei!

História Meu Melhor Lugar - Capítulo 7


Escrita por:


Capítulo 7 - Porque Eu Me Apaixonei!


Fernando levou Charlene e Mariana para outra tenda bem distante da que Lucero estava para conversarem com privacidade.

 

 

− Bom, a Lucero acordou. – Fernando falou depois de se sentarem frente a frente.

 

 

− Isso nós já percebemos, não é? –Mariana falou como se fosse óbvio. – O que eu quero saber é por que você a chamou de Luz. Por acaso se esqueceu de quem ela é?!

 

 

− Eu não, mas ela sim. – Fernando falou e as mulheres ficaram mais confusas ainda. – Lucero acordou e não se lembra de nada, inclusive me perguntou qual era o próprio nome.

 

 

− E onde entra a história da Luz? – Mariana perguntou com os braços cruzados.

 

 

− Eu disse a ela que era assim que a gente a chamava desde que ela veio para cá. – Fernando abaixou a cabeça.

 

 

− Por quê?! – Mariana perguntou impressionada.

 

 

− Porque eu me apaixonei! – Fernando falou alterado, mas logo suspirou, abaixando a voz. – Isso nunca aconteceu antes, mas foi inevitável me apaixonar por ela. Lucero é uma mulher famosa, com uma carreira consolidada, um marido e dois filhos. Quando ela descobrir isso, eu tenho certeza que ela não vai querer nem olhar para mim, então eu quero ter ao menos uma chance para conseguir conquistar o coração dela.

 

 

− Mas, Fernando, você já parou para pensar na reação dela quando souber que você a conhecia e mentiu, dando a ela outra identidade? – Charlene perguntou sem jeito.

 

 

− Ela vai estar suficientemente apaixonada por mim para entender os meus motivos. – Fernando falou convicto. – Eu só preciso que vocês me ajudem a controlar o resto do nosso povo para que eles guardem o segredo.

 

 

As duas mulheres se encararam, mas assentiram para Fernando. O dever delas era acatar qualquer ordem do chefe, mesmo que não concordassem.

 

 

~ ♥ ~

 

 

Em alguns minutos, Fernando, Charlene e Mariana conseguiram reunir todo o povo em frente à barraca em que conversavam antes, bem distante de onde Lucero estava.

 

 

− Bom, eu reuni vocês aqui para comunicar que a Lucero acordou. – Fernando começou aos poucos.

 

 

− Ah, que bom. Agora ela pode ir embora e tudo vai voltar ao normal. – Romena falou olhando as unhas.

 

 

− As coisas não são bem assim. Lucero acordou, mas não se lembra de nada.

 

 

− Como é?! – Romena perguntou histérica. – Não tem problema. A gente tenta encontrar a família dela e eles explicam quem ela é.

 

 

− Você vai me deixar falar ou não?! – Fernando respondeu rude e Romena se encolheu, fazendo todos se assustarem, pois ele nunca havia falado com ninguém daquele jeito. – O fato é que eu disse que nós não a conhecemos. – ele suspirou. – E por isso é para todos a chamarem de Luz, pois esse foi o nome que eu dei a ela, entendido?

 

 

− Mas por que você fez isso se nós podemos muito bem mandar ela para casa? – um dos homens perguntou.

 

 

−Por que... – Fernando tentou pensar rápido numa justificativa. – Porque ela está muito confusa e nervosa, por isso acho melhor não tornar isso público agora e tratá-la como uma de nós. Posso contar com vocês? – Fernando encarou a todos minunciosamente.

 

 

Fernando não queria que todos soubessem naquele momento que ele estava apaixonado por Lucero, pois temia que alguém dissesse alguma piadinha na frente dela e a deixasse mais confusa do que já estava. Algumas pessoas assentiram de prontidão, mas outras ainda o encaravam desconfiadas, até que um deles resolveu falar.

 

 

− Se isso trouxer problemas para o acampamento, você se responsabiliza?

 

 

Fernando engoliu o seco.

 

 

− É óbvio que sim, mas não vai acontecer nada se vocês me ajudarem a manter o segredo.

 

 

Todos assentiram, mas Romena estava morrendo de ódio por dentro. Ela não era boba e sabia muito bem que Fernando amava aquela loira sem sal, mas esperaria apenas o tempo necessário para fazer a bomba explodir no mundo inteiro.

 

 

~ ♥ ~

 

 

Lucero continuava deitada tentando não se preocupar com a sua perda de memória. E se ela tivesse uma família que estivesse a procurando e precisando dela? Era horrível não se lembrar de nada do seu passado, nem mesmo sabia quem era, sua vida era como uma página em branco. Até que ela se sentiu sendo observada e olhou para o cantinho da barraca, encontrando um menino a olhando por trás de uma cortina.

 

 

− Oi. – Lucero se sentou e o menino se escondeu com medo, a fazendo sorrir. – Está tudo bem, não precisa ter medo. Vem aqui. – ela estendeu os braços.

 

 

O menino foi até ela, acanhado, mas Lucero o pegou no colo e o sentou do seu lado na cama.

 

 

− Como você se chama? – Lucero perguntou.

 

 

− Arthur e você? – a criança encarou Lucero.

 

 

− Luz. – Lucero desviou o olhar com os olhos marejados por se lembrar que nem sabia o seu nome verdadeiro.

 

 

− Você é tão bonita. – Arthur falou e Lucero sorriu, deixando que as lágrimas caíssem. – Por que está chorando? – ele levou as mãozinhas ao rosto dela, enxugando-o.

 

 

− Não é nada. – Lucero forçou um sorriso. – Você também é muito lindo, sabia?

 

 

− Obrigado. – Arthur falou envergonhado.

 

 

Eles passaram alguns minutos conversando e aquilo contribuiu para que Lucero se acalmasse um pouco. Quem sabe se antes de se esquecer de tudo, ela não adorasse criança e por isso havia se dado tão bem com aquele pequeno?

 


Notas Finais


Perdão pela hora, mas é que minha sobrinha veio passar uns dias comigo e passou a manhã aqui, ela é muito bebêzinha e precisa de total atenção, então se esses dias eu postar fora do horário normal, com certeza estarei com ela <3

Sobre o capítulo, será mesmo que o povo do acampamento, principalmente a Romena, vai guardar esse segredo? E o Arthurzinho é um fofo, vocês vão amá-lo <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...