História O meu mundo sem você (Imagine Gong Yoo) - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Gong Yoo
Personagens Gong Yoo
Tags Gong Yoo
Visualizações 6
Palavras 1.791
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Álcool
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Hello queridas leitoras, como vocês estão? Espero que bem.

Como eu havia dito, aqui está uma fanfic do nosso maravilhoso Gong Yoo.

Hehe

Boa leitura nenês

Capítulo 1 - Amo ler


Fanfic / Fanfiction O meu mundo sem você (Imagine Gong Yoo) - Capítulo 1 - Amo ler

Hoje é apenas mais um dia comum para mim, depois de acordar cedo e me arrumar, fui pra cozinha preparar meu café da manhã, observando se tudo estava no lugar certo.

— Bom dia Gong Ji-Chul, você está lindo hoje. - falei para mim mesmo enquanto me olhava na porta espelhada do microondas.

Sorri e comecei a fazer meu café da manhã, peguei uma maçã, cortei em fatias, coloquei dentro do liquidificador, peguei a garrafa de água na geladeira, colocoquei um pouco de água no liquidificador, tampei e liguei o liquidificador, logo vendo a maçã ser triturada e virar um belo suco.

TINTIN

A torradeira apitou indicando que as torradas já estavam prontas, as mesmas, douradinhas, "saltaram" da torradeira, as peguei e coloquei num prato.

Coei o suco e passei geleia de pêssego nas torradas. Me sentei e comecei a comer, reparando no silêncio que tanto amo.

Assim que terminei de comer me levantei e lavei a louça que havia sujado.

Antes de sair da cozinha, olhei para ela apenas para ter certeza de que tudo estava no seu devido lugar.

Peguei minha "maleta" e saí de meu apartamento. Entrei no elevador e apertei o botão do térreo.

Eu moro no 15° bandar de um prédio com 16 andares, a vista lá de cima é maravilhosa, o apartamento é espaçoso, frio por conta da altitude e bem silencioso.

Tenho 39 anos de idade, sou editor e escritor, trabalho como editor chefe em umas das melhores editoras da Coréia do Sul, já editei mais de 100 livros e já escrevi 7, 90% dos que editei e todos o sete que escrevi viraram bestseller.

"Não tenho família", me afastei de todos depois do falecimento precosse de meus pais, não estou em nenhum relacionamento e nunca estive, não tenho muito tempo para isso, no passado quando eu era mais "solto" fiquei com algumas mulheres mas nada marcante.

Eu prefiro mil vezes o silêncio, a paz, e a minha organização, por isso não quero ninguém na minha vida.

— Bom dia Sr.Gong. - Lee Eun-Ji sorriu fofa e fez uma breve reverência.

— Bom dia. - passei por ela e fui pra minha mesa.

Organizei tudo, ajeitando cada milímetro de qualquer objeto estivesse fora do lugar.

— Sempre tão minimalista.

Paro o que estava fazendo e olho para cima logo vendo Lee Jong Suk com seu sarcástico sorriso de canto.

— Sempre tão intrometido. - rebati - terminou de editar o manuscrito que lhe pedi? - o olhei sério.

— Aqui está Sr.Gong - me entregou uma impressão do manuscrito de um livro que lançaremos assim que terminado.

Levei uns 3 minutos minutos para ler aquilo e avaliar.

Circulei todos os erros e olhei para o mais novo que mantinha seu sorriso sarcástico no rosto, odeio esse garoto.

— Está de brincadeira Lee Jong Suk? Olha só quantos erros isso têm!! EU TE DEI TRÊS DIAS E VOCÊ ME ENTREGA ESSA PORCARIA??? - me exalto já sem paciência, já perdi a conta de quantas vezes atrasamos o término de um livro por causa dele - tem até A-M-A-N-H-Ã para me entregar isso com 0 erros. - joguei o manuscrito na mesa e me sentei.

— Sim Senhor. - ele pegou e se retirou.

Olhei ao redor e todos os outros editores me encaravam assustados, suspirei e comecei a fazer meu trabalho.

☆ ☆ ☆

Cheguei no meu andar, ouvi uns soluços e olhei para baixo, havia um moça sentada no chão, chorando. Passei direto por ela mas assim que segurei na minha maçaneta soltei todo o ar de meus pulmões e fui até ela.

— Está tudo bem moça? Aconteceu algo? - me abaixei e fiquei a olhando.

Que linda...

— E-eu... fui fui... despejada. - falou entre soluços - não posso... voltar... p-para a minha mãe... ela é muito excessiva. - enxugou suas lágrimas.

Pensei... Pensei e Pensei... medi minhas palavras e respirei frustado.

— Fica calma... vem... vamos pro meu apartamento... vou fazer um chá e conversamos... podemos achar uma solução, que tal? - falei tudo aquilo no calor do momento, sabia que iria me arrepender depois.

Ela entrou tímida em meu apartamento e olhou ao redor, ainda fungava um pouco, a guiei até o sofá.

— Me espere, vou fazer o chá, okay?

— Okay... o-obrigada por isso. - ela sorriu e eu senti uma pequenina pontada em meu coração.

Algumas lágrimas ainda escorriam pelo seu rosto que estava vermelho de tanto chorar, mas mesmo assim, ela sorriu e que sorriso.

Sorri de volta.

Voltei da cozinha com duas xícara de chá de jasmin, a entreguei uma e me sentei ao seu lado.

Ela agradeceu e tomou um gole do chá.

— Está melhor? - quebrei o silêncio.

Ela me olhou e sorriu.

— Sim sim. Obrigada. - ela suspirou e olhou ao redor.

Seu olhar parou na minha parede bibliotecária – apelido que dei para minha estante cheia de livros –

— Eu amo ler... - ela falou - e escrever também. Quando eu era adolescente, escrevia fanfics em plataformas próprias para isso... era apenas um hobby... Eu ganhava alguns favoritos e me sentia satisfeita com isso. Com tempo, aquilo passou de hobby á paixão, desde então meu sonho foi ser escritora, me empenhei nisso, mas nunca tive o apoio da minha mãe que queria que eu me tornasse advogada.

Ela fez uma pequena pausa.

— Aos 23 anos de idade, consegui um emprego numa pequena editora que nem se quer é conhecida. Eu estava trabalhando em um livro, mas fui demitida semana passada. Eu havia apostado todas as minhas cartas nesse emprego, o meu salário não era tão alto, mas eu fui orgulhosa e aluguei esse apartamento que estava acima do meu orçamento. - suspirou - o aluguel estava três meses atrasado, então fui despejada.

Algumas lágrimas escorriam por seu rosto, ela parecia tentar ser forte mas não estava conseguindo.

— Como eu disse antes...minha mãe não me apoiava na carreia de escritora, então ela havia me expulsado de casa, se eu voltar, ela não vai me aceitar. - começou a chorar de vez, desabando em lágrimas.

Abaixei minha cabeça, eu não sabia exatamente o que devia fazer, então, para consola-la, a abracei.

— Calma.. vai ficar tudo bem. - cochichei para tentar acalma-la mas foi em vão, ela chorava como uma criança.

E novamente eu pensei, até que tive uma idéia, meio precipitada, mas acho que poderia resolver.

— More comigo, pelo tempo que precisar, eu nem passo muito tempo em casa, tem um quarto de hóspedes, você traz suas coisas e mora aqui, eu trabalho em uma editora, assim que eles liberarem vagas você se candidata, passa por mérito seu e consegue uma vida estável, pronto tudo resolvido.

Ela arregalou os olhos, parecia desacreditada.

— Está falando sério?? Acabou de me conhecer e vai fazer isso por mim?? T certeza??

Assenti receoso.

— Muito obrigada... - deu espaço para que eu falasse meu nome.

— Gong Ji-chul. - sorri fraco.

— Muito obrigada. Mesmo. - ela sorriu alegre, me abraçou novamente e se levantou, saltitante e alegre.

Fiquei surpreso com a sua mudança repentina de humor.

— Ah... meu nome é Kim S/N. - estendeu sua mão e sorriu eufórica.

A cumprimentei.

☆ ☆ ☆

Uma semana havia se passado desde que a S/N se mudou para o meu apartamento, nós não nos víamos muito porquê eu sempre estava ocupado com o trabalho.

Só sei que algumas vezes ela me deixava um pouco irritado.

— Aish... de novo. - olhei pro copo sujo deixado fora da pia.

Eu sempre fui muito organizado e até mesmo um copo fora da pia me incômoda.

Suspirei e lavei o copo, sequei e coloquei milimetricamente em seu devido lugar.

Fui pro meu escritório, comecei a trabalhar em alguns manuscritos.

Ouço passos pela casa, provavelmente S/N indo para algum cômodo.

Eu e ela amamos ler e escrever. Sempre que chego do trabalho venho pro meu escritório para continuar o que estava fazendo na editora, ela está trabalhando em um livro em seu quarto, por conta disso, mesmo estando na mesma casa, nos vemos poucas vezes.

Tomei um pouco de chá e ajeitei meu óculos, li com atenção o que eu havia escrito até agora.

TOC TOC TOC

— Oppa, posso entrar?

Ouço a voz da S/N e arrumo meu cabelo.

— Pode sim. - falo e ela abre a porta lentamente.

— É que... Eu reparei nesses últimos dias que você não come direito. Então fiz o almoço, vem almoçar comigo, huh? - fez um biquinho fofo e juntou as mãozinhas.

A única coisa em que consegui pensar foi na bagunça que ela provavelmente havia feito, não a respondi, apenas corri pra cozinha, onde haviam panelas e vasilhas sujas.

— Não se preocupe com isso, eu vou lavar a louça Yoo... - ela colocou a mão em meu ombro - agora, almoce comigo. - me fez sentar.

Apesar de estar frustado com toda aquela bagunça, uma pontada de emoção surgiu em meu coração ao ver aquela mesa farta. Me lembrou da época em que eu comia junto dos meus pais, desde então, eu não havia tido uma refeição tão completa como essa.

Uma pequenina lágrimas escorreu por minha bochecha, fiquei olhando para todos os pratos que ela havia preparado.

— Yah, eu sei que você ficou chateado pela bagunça, mas não precisa chorar. - enxugou minha lágrima.

Sorri e comecei a comer e U-A-U que comida maravilhosa.

Comi tudo empolgado. Peguei um pouco do peixe, um pouco do kimchi e fui me deliciando com tudo aquilo.

— Pelo visto gostou da surpresa. - ela falou sorrindo e eu sorri em resposta.

☆ ☆ ☆

Os dias se passavam e mais estresses surgiam, mais copos fora da pia, mais farelos em cima do sofá, mais marcas de dedos na geladeira e assim vai.

Eu já estava começando a me arrepender de ter a chamado para morar comigo.

O único ponto bom era que ela havia conseguido uma vaga como assistente na editora em que eu trabalho.

— Senhorita S/N... O papel acabou na impresora. - Lee Jong Suk fala com sorrisinho no rosto.

— Já estou indo buscar mais Sr.Jong - ela saiu e depois voltou com os papéis e colocou na impressora.

— Muito obrigada Senhorita S/N. - ele sorriu e ela retribuiu o sorriso.

Revirei os olhos e me ajeitei na minha cadeira, voltei a fazer o que estava fazendo.

— A S/N não é incrível? - Lee pergunta ao chegar no meu lado - vou chama-la para sair.

Me engasgo com a minha própria saliva.

— Será se ela aceita? - ele me encara.

— Não sei. - fiquei olhando para tela do meu computador.

Provavelmente ela vai aceitar...


Notas Finais


Não sei quando sai o próximo capítulo.

Quero que todos os capítulos sejam bem longos, mas se vocês não quiserem é só me dizer.

Então o que acharam do primeiro capítulo? Por favor comentem o que acharam princesas. Até o próximo capítulo...

Atenciosamente: Emylli Wang


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...