História Meu Namorado é um Gumiho (Imagine - Jeon JungKook) - Capítulo 39


Escrita por:


Capítulo 39 - Palácio de Jade


Fanfic / Fanfiction Meu Namorado é um Gumiho (Imagine - Jeon JungKook) - Capítulo 39 - Palácio de Jade

Estava escuro.

Não porque eu havia mandado todos os meus subordinados me deixarem em paz nem porque ordenei que executassem qualquer um que entrasse naquele quarto sem permissão.

Não porque eu havia trancado as portas e fechado todas as janelas, muito menos pela luz fraca do quarto ou a má iluminação.

Eu nem ao menos havia fechado os olhos.

Estava escuro dentro de mim.

Porque algo havia ido embora pra sempre junto com todo o amor pela vida que eu sentia.

As pessoas não entendiam o que era realmente se sentir sozinho.

Não por não ter amigos com quem contar nem uma família a recorrer. 

Minha dor era maior porque eu havia perdido alguém que eu realmente, realmente amei.

Muitas pessoas nem conseguiam achar algo assim, alguém que te tornasse uma pessoa melhor, que fosse seu primeiro pensamento ao acordar de manhã, com quem você imaginaria uma eternidade junto.

A luz havia tirado ela de mim, nem ao menos pude enterrá-la na cerimônia humana normal, o corpo dela havia sumido, havia ordenado que vasculhassem todos os cantos do mundo a procura de qualquer pista, mas eu não fazia ideia do que tinha acontecido, talvez fosse só mais uma parte da maldição em que nem ao menos poderia prestar uma despedida de valor a ela.

Minhas nove caudas estavam restauradas, assim como minha imortalidade, até isso tinham tirado de mim, o poder de acabar de uma vez com aquela dor insuportável da perda...eu estava condenado a viver como morto sem ela pela eternidade.

Tinha certeza que uma hora ou outra os conselheiros apareceriam, claro que não estavam pulando de alegria pela profecia ter se cumprido, afinal nunca quiseram que eu voltasse a Jade, mas sacrifícios e promessas eram levados a sério no mundo sobrenatural, eles teriam que restaurar meu lugar nos céus mesmo que eu já não desse a mínima pra ele.

E me forçariam se fosse preciso.

Enquanto eu esperava para finalmente sair do mundo mortal depois de milênios, tudo que eu conseguia fazer era fitar aquele caderno que ela havia me apresentado na escola...seus desejos do ensino médio.

Eu não parava de olhar aqueles sonhos e desenhos, tudo aquilo que ela havia vivido, o que havia desejado...depois a frase do “Meu par perfeito…”, nada depois disso, ela não teve tempo de terminar…

Aquilo me enfurecia, era raiva e tristeza ao mesmo tempo, joguei o livro na mesa de centro com minha força quase quebrando o aço maciço.

As lágrimas caíam sobre as folhas, embaçando minha visão, não o suficiente para que eu não visse que tinha algo atrás da última folha.

Algo não...desenhos e escritas na verdade.

“E no fim eu descobri que meu par perfeito...é um ótimo mecânico” eu lia, sorrindo ao ver o meu desenho com a face negra ao lado do carro. 

“Adora comer carne, e ficar bem à vontade enquanto isso…” continuava, observando o desenho meu sem camisa assustando ela no hotel aquele dia.

“Odeia noites de lua cheia, e na falta de uma mão pra me ajudar, tem nove caudas que me auxiliam” eu derrubava uma lágrima, não sabia que ela havia feito aquilo...tinha preparado tudo porque sabia que iria embora.

“Ao contrário de tudo que imaginei e planejei pra mim mesma, eu me apaixonei por um Gumiho…” continuei, antes que finalmente chegasse a última frase, no fim de toda nossa história juntos.

“Você me proporcionou a maior aventura da minha vida, e me mostrou a parte que completava o vazio no meu coração...era você JungKook, sempre foi você” 

Caí no chão com o caderno em meu peito, a dor me consumia.

Antes que eu pudesse lamentar mais, aquela mesma luz forte que eu havia visto apareceu em meu quarto.

Coloquei o braço em frente aos olhos para tentar enxergar o que estava acontecendo.

Da luz apareceu um ser alto em vestes reluzentes, em sua mão direita um cetro feito de pedras preciosas, seus olhos roxos púrpura e seus cabelos enormes e dourados, ele me olhava com um ar de superioridade, ri ironicamente, não podiam ter escolhido hora melhor.

-Que ótimo, veio pra relembrar os velhos tempos Vérnon?- eu dizia, reconhecendo um dos guardiões de Jade, achei que teria mais tempo no mundo mortal…

-Velhos tempos?- ele sorriu, ainda não havia me acostumado com o semblante exageradamente brilhante deles. -Gostaria de dizer que sim, estamos ansiosos para sua volta, mas antes de entrar Jade deseja que esteja presente em uma cerimônia- dizia Vérnon, me fazendo franzir o cenho.

-Cerimônia? Feita pelo próprio deus Jade? O dono dos céus dos sobrenaturais?- ri. -Não temos uma dessas há milênios, que tipo de cerimônia seria presidida por ele e ainda o faria requerer minha presença? 

Ele olhou para mim, em silêncio, quase como se quisesse que eu descobrisse por mim mesmo.

-Qual é a única cerimônia da qual você poderia participar raposa?- Vérnon perguntava, a luz atrás dele ainda tão forte quanto antes.

Pensei mais a respeito, e a única opção que vinha a minha mente parecia completamente inaceitável.

-A única coisa que eu posso pensar é...mas não seria possível e…- Ele sorriu.

-Para Jade muitas coisas impossíveis são possíveis...

Arregalei os olhos.

-É a cerimônia de criação?- perguntei, com medo da resposta.

Ele sorriu. -Muito bem Gumiho...sua inteligência não se foi totalmente, venha, me acompanhe junto com todos os outros seres de Jade para presenciar o mais novo ser sobrenatural...a nova criatura criada pelo deus Jade…

Vérnon terminava, eu ainda desacreditado, Jade não criava um ser sobrenatural com as próprias mãos por milênios, a imortalidade era justamente para não precisar reproduzir mais, se ele havia decidido algo assim uma coisa grande devia ter acontecido.

Acompanhei Vérnon tremendo dos pés à cabeça.

Que tipo de ser Jade haveria criado?

Afinal, que tipo de merda havia acontecido desde a batalha final?

+++

*S/n*

A dor da adaga em meu estômago já havia ido embora.

Eu vi uma luz apenas, sentindo meu corpo se desintegrando em partículas minúsculas.

Não houve nada do que imaginei que haveria quando eu morresse, um filme não passou na minha cabeça dos momentos que eu vivi, e nem ao menos sabia se eu estava no paraíso ou no inferno.

Minha nossa...era bom eles não terem mandado a minha ficha pro lugar ruim…

Na verdade eu nem imaginei que eu poderia ter esse tipo de pensamento depois de enfim bater as botas, por que eu estava conversando comigo mesma e por que ainda parecia tão boba e inútil como quando estava na terra? Cadê meu corpo celeste maravilhoso?! Eu não ia nem poder ser uma estrela?! Caracas meu!

-A consciência dela voltou mestre- eu ouvia uma voz dizendo ao meu lado, me assustei ao ver aquele...ser estranho olhando pra mim com aqueles olhos roxos púrpura e cabelo dourado, era assim que os anjos eram?!

-Que ótimo, não poderia deixar essa oportunidade pra trás- ouvi outra voz dizer, mais grossa que a do cara ao meu lado, olhei ao redor e fiquei de boca aberta, era quase um oásis em meio ao deserto mas milhões de vezes melhor, eu estava em uma cama feita de ouro e ao meu lado havia um jardim bem aberto, cheio das mais variadas flores, uma fonte no centro enorme com esculturas de seres sobrenaturais, as escritas dos guardiões que eu eu sempre via nas pilastras do que parecia ser um enorme palácio…

Espera, PALÁCIO?!

Isso era um bom sinal não era?! Tinha que ser! Eu tinha que estar no céu!

-Eu...eu tô no céu?!- ai por favor diz que sim! Eu não lido muito bem com ambientes quentes e cheios de tortura eterna…

O cara dos olhos roxos sorriu.

-Acho melhor deixá-la sozinha com o senhor, assim será mais fácil explicar as coisas- dizia ele, desaparecendo como mágica, indo para qualquer um dos milhares de lugares possíveis naquela imensidão que estava em minha frente.

-Você me parece muito...normal- dizia o homem se aproximando com aquele vestido de linho fino, quase como um deus grego, ele parecia jovem e bonito, mas de alguma forma estranha eu não conseguia descrevê-lo exatamente, talvez porque não haviam palavras humanas que pudessem dizer exatamente suas características, às vezes ele parecia humano e às vezes apenas uma grande luz perambulante, a única coisa da qual tinha certeza era de seus olhos...pareciam ser feitos de duas pedras preciosas, mas não qualquer tipo de pedra…

Eram pedras de Jade.

-Espero que eu ainda esteja normal mesmo depois de ter morrido- respondi, ele sorriu, se aproximando.

-Mas então...estou no céu ou não?- cara eu precisava muito saber!

Ele deu uma pequena risada.

-De certa forma sim...no paraíso dos seres sobrenaturais, no meu paraíso, mais precisamente no meu palácio- arregalei os olhos, não...não...aquilo era muita maluquice, eu poderia ainda estar viva e estar delirando durante uma cirurgia agora mesmo, era impossível que...aquele ser na minha frente fosse…

-E-esse é o...palácio de...o palácio de Jade?!- perguntei, minhas mãos trêmulas, gaguejando.

-Sim, meu palácio- puta...merda…

-Ent-tão você é Jade? Tipo...O Jade?! O cara supremo dos seres sobrenaturais?!- gritei, sentando na cama finalmente, parando pra observar que eu estava com as mesmas vestes brancas do sacrifício, porém sem nenhuma gota de sangue ou ferimento em meu corpo.

-O próprio- dizia, comendo cachos de uva de sua bandeja de prata próxima.

-Mas se esse é o céu dos seres sobrenaturais...por que estou aqui?- perguntei, confusa.

-Você foi o sacrifício para que eu perdoasse o Gumiho...ele sacrificou sua vida a mim, a de alguém capaz de realmente ver como ele é, o que eu particularmente achei impossível...mas de alguma forma Você foi capaz de fazer essa proeza, eu não poderia perder a oportunidade de ver com meus próprios olhos quem conseguiu ver bondade em um ser que aterrorizou minha casa e os mortais por tantos milênios- ele dizia, era muito estranho saber que ele era um deus, meu pai amado eu tava conversando com um deus…tipo O deus Jade...o chefão...

Não conseguia acreditar.

-Eu sei que o ama, vi o que você fez para impedir que ele morresse, só não entendo o porquê…

Olhei para ele com uma sobrancelha erguida.

-Achei que soubesse de tudo- ele deu um meio sorriso.

-Nem os deuses podem entender o amor humano minha querida- dizia, se sentando ao meu lado, me assustando.

-Vejo que não teme a mim...é corajosa e sincera...entendo porque o Gumiho se apaixonou por você…

Meus olhos brilharam ao lembrar de JungKook, tudo que eu mais queria era estar com ele agora…

Espera...se ele tinha restaurado seu lugar em Jade...será que…

Jade riu.

-Nem pense em vê-lo, sua estadia aqui não é permanente, como você mesmo disse, esse céu é dos seres sobrenaturais, você só veio a mim pelo sacrifício, quis tirar a curiosidade de te conhecer, mas seu lugar não é aqui- ele dizia, franzi o cenho.

-Isso quer dizer que nunca mais vou vê-lo?- perguntei, sentindo vontade de chorar, mas nenhuma lágrima saía de meus olhos.

Ele suspirou, se levantando.

-Você o ama mesmo não é?- ele dizia, olhando para o além de seu palácio com um olhar saudoso, quase como se ele estivesse se relembrando de tempos em que também havia amado alguém, como se ele soubesse como era o sentimento.

-O que fez por ele foi muito nobre S/n- dizia, se virando a mim novamente. -Você tem meu respeito…

Acredito que ser respeitada por um super deus dos céus sobrenaturais era uma coisa boa né.

-Agora, me tira uma dúvida…- dizia, seus olhos de Jade me fitando bem no fundo de minha alma.

-Até onde você iria pelo Gumiho?

+++

*Jungkook*

O portal nos levou ao palácio de Jade.

Não era como se eu estivesse com saudade do lugar, mas nunca deixava de ser impressionante o quanto era infinito e belo.

A cerimônia já estava prestes a ser realizada, todos os seres sobrenaturais reunidos formando um círculo ao redor da tábua de pedra que abrigava o novo ser sobrenatural que Jade criaria.

Vérnon sumiu tão rápido quanto havia aparecido, o clima estava tenso, todos os seres celestes olhando para mim, quase como se eu fosse a atração tão esperada da festa.

Me posicionei no círculo assim como todos os outros, a pedra distante de mim, o corpo já em cima dela para ser transformado, imaginei quem Jade haveria escolhido para dar poderes longânimos e imortalidade, talvez um CEO, talvez um soldado condecorado, certamente havia escolhido alguém que havia caído em suas graças.

Quando Jade percebeu minha presença abriu logo um enorme sorriso, isso era mal sinal, ele nunca fazia isso, toda vez que eu aparecia era motivo de tristeza e preocupação pra ele, algo estava errado…

-Que maravilhoso se juntar a nós raposa! Chegou atrasado e perdeu parte do ritual, mas não tem problema algum, o importante é que poderá ver o resultado…- dizia ele, acenando para que eu me aproximasse.

-Vamos, venha nos dar a honra de acordar nosso mais novo membro…- ele dizia, aquilo era ainda mais estranho.

Caminhei lentamente até o altar de pedra, cada passo me revelava melhor o corpo que estava sobre ele.

Não.

Quase caí para trás.

S/n.

Ela...ela estava ali…

-O que está esperando JungKook?! Acorde-a!- ele ordenou.

Coloquei minha mão sobre a dela, as minhas trêmulas, sem saber o que esperar.

E então como se alguém tivesse dado um sopro de vida em seus pulmões ela voltou a respirar.

Abriu seus olhos.

Porém eles não eram os mesmos que eu conheci.

Estavam mudados.

Não eram os olhos de S/n.

Eram os olhos de uma raposa.

 


Notas Finais


Por essa vcs não esperavam né? KKKKKKKKK Joguei a bomba e saí correndo 🏃‍♀️ 😂😂


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...