1. Spirit Fanfics >
  2. Meu Namorado é um Zumbi >
  3. Eleven

História Meu Namorado é um Zumbi - Capítulo 12


Escrita por:


Notas do Autor


Hello, meus docinhos ❤️❤️

Demorei né ? Me desculpem por isso, a quarentena tem me deixado desanimada e sem criatividade, e até msm pra mexer nessas cenas é complicado pq nunca sei se está bom :(

Capítulo 12 - Eleven



> Boa leitura

Taehyung POV

Respirei fundo, me sentando em um lugar qualquer no chão fora do galpão, sentindo a brisa me atingir na face.

Estava preocupado.

Havia acordado há algumas horas atrás e notado que, estranhamente, Jungkook não estava mais no galpão junto a mim; acabei por demorar a raciocinar o que estava de fato havendo, afinal, tudo parecia estar como antes, a porta devidamente fechada comprovava que não houvera invasão alguma ou algo do tipo.

Se alguém tivesse entrado ou saído dali, havia sido por conta própria, e constatar isso fazia minha cabeça doer, porque até onde eu sabia, Jungkook não tinha planos de ir a lugar algum, e inclusive já dissera que me queria por perto, então por que ? Essa era a pergunta que não queria calar.

No primeiro momento, ainda tentando pensar sobre o que poderia ter acontecido, acabei por imaginar que talvez Jungkook apenas quisesse um momento para si, entendia que a pressão psicológica que ele passava era algo complicado, e eu sabia disso melhor do que ninguém, assim como também sabia que num momento desses, a vontade de "chutar o balde" era grande.
Mas ainda assim, mesmo entendendo que provavelmente Jungkook pudesse querer um tempo sozinho, ainda não me convencia de que ele seria capaz de sair do galpão, não depois de tudo o que tinha acontecido.

Mas de qualquer forma, não tinha certeza de nada.

No fim de todos os pensamentos sem resolução e sem saber o que fazer, havia acabado por tomar a decisão de ir procurar o moreno, até porque não era seguro de forma alguma ele ficar andando sozinho do lado de fora; talvez estivesse em perigo ou perdido, e pensar nisso me deixava um tanto zonzo. Não conseguia pensar na possibilidade de Jungkook sofrendo, não depois de tudo o que o mesmo havia passado e o quanto já havia se mostrado alguém sensível.

De um modo ou de outro, agora eu estava de volta ao galpão.
Tinha passado cerca de duas horas e meia vagando em diferentes direções á procura do menor, mas ainda assim, sem sucesso em minhas buscas.
Não havia rastros ou qualquer sinal de ataque por perto ou em um raio considerável de quilômetros, e eu sabia que se Jungkook havia saído, ele deveria estar em algum lugar. Eu apenas não sabia onde...

A realidade, era que eu já não sabia mais o que fazer, rezava para que Jungkook estivesse ao menos seguro, mesmo que isso fosse difícil. Se algo acontecesse com ele, eu jamais iria me perdoar, afinal, eu quem deveria cuidar do mesmo, eu deveria tê-lo ao meu lado, e deveria proteger ele.

Mesmo sabendo que não era, eu me sentia responsável pelo garoto e por toda a situação.

Me encostei na parede do galpão, fechando os olhos e tentando pensar no que deveria fazer agora, como deveria proceder, mesmo que em minha mente não se passasse nada mais que meus momentos com o Jeon, nossas conversas, nossas brincadeiras, as piadas...

Deus, eu apenas queria meu pequeno de volta...

Funguei quando senti meu rosto molhar com as poucas lágrimas que escaparam desobedientes, me mostrando que aquilo tudo doía mais do que eu imaginava.

É, eu estava novamente sozinho, mesmo que no fundo eu soubesse que esse sentimento estranho não era somente sobre isso.
A minha vontade era de gritar, de revirar tudo o que podia e procurar até no inferno se fosse possível, mas eu ainda era humano, mesmo que tivesse um vírus zumbi correndo por minhas veias, eu ainda era humano e minhas forças eram limitadas. Não poderia fazer nada fora do meu padrão humano, por mais que quisesse.

Suspirei entrecortado, enxugando meu rosto e tentando manter a calma e pensar em algo, mesmo que me sentisse quebrando pouco a pouco.

Senti o vento bater suave por meu rosto, como uma brisa praiana, secando os vestígios de lágrimas em minha face. Senti meu coração se acalmar, e um cheiro familiar me atingir fracamente as narinas.

Respirei profundamente, reconhecendo o aroma tão característico e me levantando de supetão, os olhos atentos em todas as direções e o olfato buscando por mais.

Sabia que era Jungkook, era inconfundível, doce e suave como só a pele dele tinha.

Tentei aguçar ao máximo meu olfato, visando saber de onde vinha o cheiro, mesmo que ele estivesse muito fraco e quase imperceptível. De qualquer forma, tinha pela primeira vez a vantagem de ser um meio zumbi e ter o olfato anormal, o que me permitia ter uma sensibilidade maior aos aromas.

Eu não tinha muito, mas era tudo o que eu tinha, e se essa era minha pista, iria seguí-la.

Fechei meus olhos mais um vez, me acalmando e tentando me concentrar melhor no único cheiro que me interessava, conseguindo sentí-lo um pouco mais forte em uma única direção.
  
Movi meus pés naquela direção, vez ou outra abrindo os olhos para ver o caminho e fechando em seguida para me concentrar novamente. Não fazia ideia de onde estava indo, e talvez, realmente não me importasse com isso.

Tinha um único objetivo, e era encontrar Jungkook, simplesmente porque algo em meu interior me dizia que eu não deveria perdê-lo, jamais.

[...]

Jungkook POV

Eu estava estático no lugar, não sabia ao certo a quanto tempo, mas imaginava que já haviam alguns minutos.

Ainda não acreditava em quem estava parado á minha frente. Não podia ser realmente Jimin, podia ? Não havia qualquer lógica, tinha consciência de que o Park não tinha saído do Forte, então era impossível ele estar justamente aqui.

Por um momento, pensei estar delirando, ou tendo uma miragem, mesmo que isso não fizesse tanto sentido. Eu não estava louco, estava ?

Concluí que não ao ouvir o som da panela caindo no chão e o choro do mais velho ecoar pelo ambiente silencioso quase em um eco.

-- Jimin... Céus, o que...?-- sussurrei confuso, ainda tentando me localizar.

Mesmo exitante, caminhei mais para perto de si, ficando próximo o suficiente para lhe tocar o ombro e encarar seus olhos marejados. Tive a certeza, ele estava ali, não sabia como, mas estava.

Não pude perguntar nada, visto que o menor uniu seu corpo ao meu sem restrições, me apertando e soluçando contra meu peito em um choro sofrido.
Abri minha boca para falar, mas acabei por me perder, então apenas envolvi o corpo pequeno de volta, esperando que em algum momento o rosado se acalmasse, até porque eu sequer sabia como consolá-lo.

-- Estão todos mortos, Jungkook... Mortos...-- ele sopra entre soluços, e acabo por entender finalmente que talvez as coisas não estivessem tão bem.

-- Está tudo bem, não vai acontecer nada, não pense em muitas coisas agora, okay ?...-- sussurro de volta em um consolo que sabia que serviria para mim também.

O vejo assentir com a cabeça, se afastando um tanto para poder limpar o próprio rosto, numa tentativa de se recompor.

No fundo eu sabia que ele deveria estar tão perdido e desesperado quanto eu.

-- Me desculpe por isso...-- ele se pronuncia ao que funga uma última vez, me olhando com o rosto um tanto avermelhado pelo choro recente.

-- Não... Não tem problema, eu só... Estou tentando entender o que está acontecendo.

Jimin me olha por alguns segundos, desviando o olhar para o teto e respirando fundo, soltando em um expiro prolongado.

-- Vamos sair daqui, é mais seguro lá em cima. Vou te contar o que aconteceu e você pode comer algo; suponho que esteja com fome, certo ?

-- Na realidade, sim, muita.

-- Está bem, me deixe apenas pegar...-- ele pausa a fala, se inclinando para alcançar algo como uma lata, esta que estava servindo de suporte para três velas.-- Isto. Agora podemos ir.

O sigo quando começa a subir pelos degraus da escada que eu havia visto anteriormente, ainda me mantendo atento a qualquer movimentação estranha ou ruído.

-- Esse lugar é seguro ?-- questiono assim que chegamos ao topo da escadaria.

O breu sendo clareado precariamente pelas chamas das velas, acabava por tornar o cenário mais assustador do que eu gostaria, e me pegava pensando se eu deveria realmente estar ali.

-- Não totalmente.-- me responde assim que deixa o suporte de velas em um canto qualquer do cômodo, no chão.-- Eu vasculhei tudo quando cheguei e fechei todas as entradas traseiras e laterais, mas ainda assim, é bom se manter atento.

Concordo silenciosamente, observando o outro remexer em algumas coisas por ali, não sabia exatamente no que era, a luz não atingia o ambiente proporcionalmente.

Por um momento, distraído e um tanto cansado de toda a adrenalina das últimas 12 horas, acabei me pegando em um susto macabro com a minha própria sombra enorme refletida na parede.

-- Você precisa descansar, acho que mais um pouco disso e sua mente não vai aguentar, uh ?-- ouço o mais velho dizer enquanto ainda tentava controlar meus batimentos cardíacos.

-- Eu sei...-- passo a mão pelos cabelos em um ato nervoso, por mais que quisesse me acalmar e relaxar, era impossível.-- Mas eu não consigo, hoje não foi um dia fácil e eu acho que minha cabeça vai explodir! Na realidade, até agora não consigo realmente saber se você está aqui ou não, tenho medo que seja um delírio.

-- Calma lá, está tudo bem, eu estou realmente aqui, okay ?-- pergunta firme, me encarando por alguns segundos como se reforçasse sua presença ali, se sentando em seguida ao meu lado no chão e estendendo um enlatado, este, que percebi ser de salsichas.-- Come, vai te fazer bem.

-- Obrigado, mas... Não vai te fazer falta ?-- me refiro ao alimento, mesmo que já estivesse o comendo.

-- Por ora, não. O prédio tem muitos andares e quando resolvi me estabelecer aqui, acabei por juntar toda a comida que encontrei, então eu consigo me manter por algum tempo, mesmo que seja pouco.

-- Pretende continuar aqui ?

-- Eu não sei, na verdade eu tenho evitado pensar nessas coisas, eu sequer tenho um lugar para ir agora...

-- Hyung, o que realmente aconteceu..?-- resolvo perguntar, sabia que talvez não fosse algo bom para Jimin, mas eu precisava saber.

Me arrependo um tanto de ter feito a pergunta quando a expressão do rosado se torna triste e fria, me encarando como se procurasse ajuda, ou apenas me avisasse que já não havia mais nada o que fazer.

-- Duas semanas depois que você me enviou aquela mensagem, as coisas no Forte começaram a ficar estranhas. Os militares não nos atualizavam mais sobre a situação do lado de fora, e também pediam para que a gente se mantesse ao máximo dentro das barracas, tudo parecia perigoso demais e eu temia que algo ruim estivesse prestes a acontecer.
Foi questão de apenas mais alguns dias até o Forte ser invadido. Me lembro que tudo aconteceu muito rápido... Eu não tinha obedecido as ordens naquele dia, estava fora da minha barraca e vi o momento em que alguns zumbis conseguiram alcançar os muros e se jogar para dentro, um seguido de vários outros e numa velocidade incrível.
Estavam todos dentro das barracas, Jungkook... Eles sequer puderam se defender...

Ficamos em silêncio após isso. Ainda era duro lidar com informações assim, mesmo que com o tempo, elas se tornassem cada vez mais reais e frequentes.

Mas ainda assim doía, perder pessoas doía, mesmo que fossem estranhos ou familiares, doía. Se sentir cada vez mais sozinho em meio á atribulação, doía demais.

-- Eu... Sinto muito, hyung...-- sussurro a única coisa que conseguia no momento.

Sentia vontade de chorar, mesmo que nada fosse culpa minha, sentia que poderia ter feito algo.

Meu tio estava lá, e saber que talvez agora ele já não estivesse mais vivo, era um pensamento que queimava meu interior de forma ruim.
Sabia que ele não era o melhor exemplo de família, mas ainda assim, tinha sido o meu maior cuidador por um longo tempo, e isso eu jamais poderia esquecer.

-- Eu também sinto, Jungkook-ah... Se pudesse voltar no tempo, teria me esforçado para ajudar a evitar tudo isso.

-- Não é nossa culpa, você sabe disso.

-- Eu sei, mas me sinto culpado por ter fugido como um covarde quando as coisas pioraram, eu deveria ter tentado salvar alguém, deveria ter lutado... Isso tudo pesa demais, entende ?

Não o respondi, mas tinha a consciência de que ele sabia que eu compartilhava de seus sentimentos.
Porque sim, eu entendia, sabia que tudo parecia terrível, e realmente era.
Estávamos ilhados, vivendo como malditos fugitivos, nos escondendo como ratos e dando nossa carne para a dor.

E não, não era o momento para lamentar nada, sabíamos que não deveríamos nos apegar, pessoas agora eram temporárias, a expectativa de vida era medida na lei de quem tinha o maior quociente de inteligência, quem era mais rápido, mais hábil.
Morrer não era um risco, era uma prática, e começava na mente de cada um.

-- Não temos salvação, Jungkook... Não há como escapar dessa destruição toda, não temos como sobreviver. Ninguém diz sobre uma cura ainda, e eu dúvido que vão chegar á isso tão rápido.
Estamos lutando em um ringue onde todos já são perdedores, vamos ter o mesmo destino. Essa merda toda não vale a pena.

Eu sabia o que deveria fazer, deveria cuidar de mim, viver para mim, me manter bem apenas para mim e nada além disso. Não era viver, era sobreviver. E sobreviver significava não ter fraqueza, não ter lágrimas, não sentir dor em hipótese alguma.

Essas eram as regras.

Mas no fundo, eu já tinha a certeza de estar quebrando todas elas, e talvez isso me custasse caro mais tarde, mas não é como se eu me importasse de fato.

Havia me prometido que não viria a dar o braço a torcer mais nenhuma única vez, e almejava cumprir.
Todavia, sentia que não conseguiria sozinho, sabia que a fraqueza iria me atingir e eu precisaria de alguém para me levantar, sabia que deixaria as lágrimas rolarem e precisaria de alguém para me ajudar a secá-las, sabia que iria sentir dor em quase todos os momentos e precisaria de alguém para me ajudar a dividir meu fardo.

Talvez as regras não se aplicassem a mim, ou talvez, eu estivesse mudando minhas próprias regras.

Não sabia, estava jogando um jogo perigoso em pleno breu, e a única coisa que tinha a perder, era minha vida. E de fato, estava disposto a arriscar tudo.

Se o mundo era um ringue de perdedores, eu lutaria contra o próprio ringue, mas não sozinho.

-- Jimin...eu conheço alguém que acho que pode nos ajudar.

Continua...

ווווווווווווווווווו×

Hello, meus docinhos ❤️❤️

Demorei né ? Me desculpem por isso, a quarentena tem me deixado desanimada e sem criatividade, e até msm pra mexer nessas cenas é complicado pq nunca sei se está bom.

Enfim, oq estão achando ? Ainda vamos ter muitas emoções pela frente, então não desistam de mim!!

Volto com mais um cap mais tarde, ou amanhã de manhã.

Beijão, e até o próximo cap. 😘❤️❤️


Notas Finais


Enfim, oq estão achando ? Ainda vamos ter muitas emoções pela frente, então não desistam de mim!!

Aliás, vou estar postando menos capítulos por vez, eu havia dito que seriam 5, mas agr vou postar menos, pq senão fica difícil de eu corrigir, principalmente pq estou tentando trabalhar em algo novo. Espero que entendam ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...