1. Spirit Fanfics >
  2. Meu (não) Querido Irmão - Incesto Yeonjun (TXT) >
  3. Economias

História Meu (não) Querido Irmão - Incesto Yeonjun (TXT) - Capítulo 18


Escrita por:


Notas do Autor


Obrigada pelos 400 favoritos! Eu realmente quero chorar.
:')

Capítulo 18 - Economias


Fanfic / Fanfiction Meu (não) Querido Irmão - Incesto Yeonjun (TXT) - Capítulo 18 - Economias

Suspirei olhando para meus pés por alguns segundos antes de me virar novamente para Beomgyu:

 

— Bem, acho melhor eu ir — me levanto, sorrindo pequeno. — Parabéns pelo jogo! — aceno, correndo até a porta do quadra em seguida. Cheguei ofegante perto de Yeonjun, que me julgava com os olhos. — O que foi, hã? — provoquei-o, bagunçando seus cabelos. — podia ter ido sem mim, idiota — arrumei minha mochila, inquieta.

 

— Podia mesmo, mal-agradecida — cruzou os braços, assim empinando o nariz e andando.

 

— Me espera! — corri até ele, segurando em seu braço. Ele parou na hora e me olhou. Suspirei. — An... Desculpa? — soltei seu braço lentamente, mas ouvi uma risada nasal de sua parte. Como eu odeio quando ele faz isso!

 

— De boa — pegou minha mão, levando-a novamente onde estava segundos atrás. Seu sorrisinho cínico logo sumiu depois que demos mais uns passos a frente. — O que o Beomgyu quer com você hein? Esse moleque não larga do seu pé! — o encarei por alguns instantes mesmo que isso fosse perigoso já que poderia... Você sabe... Me apaixonar mais...

 

— Ele é meu amigo — franzi o cenho — aliás, não vai demorar muito para virar meu melhor amigo — dei entonação a voz, erguindo o peito.

 

— Seu melhor amigo sou eu — disse simplista. Bufei, revirando os olhos:

 

— Você nem mesmo me trata bem para que possa ser meu melhor amigo — brinquei com os dedos, sarcástica.

 

— Mesmo assim! Posso até te ameaçar de morte, mas sei que me ama — passou a língua na bochecha, falando num tom satisfeito — Você já até falou que me ama.

 

— Você também falou! 

 

— Não falei não!

 

— Ah sim, pois então mudei de ideia. Não te amo! — soltei seu braço brutalmente.

 

— Tá bom! Não ame então — bufou, simplista. O silêncio nos acompanhou por mais alguns passos, até que já estávamos fora da escola. — Se eu falar que te amo, você volta a me amar? — falou com tom manhoso, o que fez meu coração aquecer de um jeito. Sorri ladino, vendo o garoto suspirar. — Eu te amo então — ele não olhava para mim, e por um momento pude jurar que ele estava corado.

 

— Você é bipolar hein — resmunguei — mas eu também te amo — sorri de orelha a orelha, e o garoto me analisou por alguns segundos.

 

— Você não entenderia... 

 

— Não entenderia o quê?! — cruzei os braços e um sorriso se abriu no rosto do maior. — Eu entendo tudo, sou muito intelig... — me interrompeu:

 

— Sem mais conversa, mocinha — colocou o braço em meus ombros. — A tia está nos esperando.

 

 

[...]            

 

 

Chegamos em casa, Hyuna andava de um lado para o outro até nos ver.

 

— Oh, ainda bem que chegaram. O E'dawn foi preso hoje mesmo! — ela sorriu, dando pulinhos. Yeonjun e eu nos olhamos e sorrimos, dando um abraço nela.

 

— Sorte que não demorou nada — sorri, acariciando o ombro da mais velha que parecia animada.

 

— Eles me disseram por ligação que não foi nada difícil encontrá-lo. Pelo número que dei, eles rastrearam e assim o acharam fácil fácil — erguiu o peito.

 

— Que bom que você está feliz, tia! S/n e eu faríamos de tudo para vê-la feliz — Yeonjun segurou as alças da mochila que ainda estavam nas costas. Uma ótima idéia pulou como milho de pipoca em minha mente. Já sei!

 

— E vamos fazer! — gritei, feliz com minha brilhante ideia — Você vai viajar tia — coloquei as mãos na cintura. Os dois ali presentes me olharam cerrado. — Eu tenho economias e vou te pagar uma viagem, para um lugar bem calmo e lindo — juntei as mãos.

 

— Você sabe o quanto uma passagem é cara? — Yeonjun me julgou com os olhos.

 

— Sim e por isso você vai me ajudar a pagar — disse, simplista — Nada melhor do que uma viagem para acabar com o estresse — sorri sem mostrar os dentes em direção da mais velha, que retribuiu satisfeita:

 

— Se vocês vão pagar, então eu tô dentro! Nada melhor do que um lugar sem vocês por perto e... — tossi falso — Enfim. Vocês podem procurar pela passagem no notebook, vou me deitar pouco. O almoço tá no fogão! — correu igual criança para o andar de cima.

 

— S/n? Por que fez isso? 

 

— Yeonjun... — o chamei manhosa — a felicidade da nossa tia não tem preço. Pensa no tanto que ela já fez pô nós — vó ele cruzar os braços e me olhar entediado — Yeonjun! — bufei, com uma feição desapontada.

 

— Tá, tanto faz! Com tanto que eu não tenha que dar todas as minhas economias...

 

— Valeu maninho! — pulei em seu peito, o abraçando. Pode parecer um sonho mais... Aquilo estava a cada vez ficando mas confortável de se fazer.

 

 

 

CONTINUA...


Notas Finais


Vou confessar que em geral eu não estou nada bem, mas fiz o meu melhor. Espero que entendam e me desculpem se por acaso eu demorar para postar novamente. 🙈😧


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...