História Meu passado e futuro-Lutteo - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Sou Luna
Personagens Luna Valente, Matteo Balsano, Personagens Originais
Tags Lutteo, Ruggarol, Souluna, Soyluna
Visualizações 171
Palavras 1.892
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


• Galerinha primeiro de tudo EU VOLTEI (não imagina tem um fantasma escrevendo a história)
• Patricinhas e mauricinhos me desculpem a demora de verdade pessoas.
• Espero que gostem, me digam o que acharam, e compartilhem com os amigos de vocês, assim teremos muitos mais mauricinhos e patricinhas por aqui.
• Beijos lindinhos!!

Capítulo 3 - Capítulo 2 - Perdi o controle


                 Matteo Balsano:

  E assim, começa mais um dia, mais um dia na profissão que eu mais AMO, diplomacia, graças a minha belíssima profissão, fui transferido pra Itália no meio do ano passado, fiquei apenas 6 meses trabalhando em uma das filiais de Oxford, sim além de ser uma faculdade famosa, por abordar vários estudos , possuir vários prédios, e particularmente ser meu pesadelo, ainda existem empresas em seu nome.
  Bom vou lhes contar um pouco sobre mim, o rei da pista, o melhor do Blake South Colege, o melhor da minha turma em Oxford, o que faz mais sucesso com as garotas,poderia ficar falando sobre mim por horas, mas bom vamos direto ao ponto.
  Eu perdi o controle da minha própria vida, sei que parece estranho. Afinal o que tem de mais em ter uma pilha de dinheiro e viajar de país para país?

            FLASHBACK ON: 10 ANOS ANTES

   XX: Olhem só, o ragazzo filhinho de papai!- Disse um dos meus colegas de sala zombando do meu sotaque italiano já afetado por outras culturas , quando eu perguntei se poderia jogar futebol com eles.
  Felipe: Ele realmente é uma piada, acha mesmo que vai jogar futebol com a gente? -Completou meu amigo, pelo menos alguém que eu achava ser meu amigo, até aquele dia.
  Gustav: A gente deveria dar uma lição nele, não acham?- Perguntou olhando para os outros 2, que assentiram positivamente - É melhor correr Matteo, antes que seja tarde de mais, se é que me entende.- Disse e começou a andar na minha direção.
  Eu estava tão assustado, perdi o único amigo que eu tinha, não pensei duas vezes e sai correndo, mas ainda pude ouvir a risada dos outros. Corri pela cidade, até chegar em uma praça, e ver uma fonte, a qual apelidei de "Fonte invertida". Eu ia pra lá depois das aulas, já que não tinha ninguém, acreditava que ela ouvia os nossos verdadeiros desejos, pois ela me livrou de uma bela surra. Depois daquele ano, eu me mudei pra Argentina, e me tornei bom em um esporte que seja, Patinação artística .

             FLASHBACK OFF: HOJE EM DIA

  Eu só contei pra uma pessoa sobre a "Fonte invertida", a menina delivery, ou seja Luna Valente. Ela era incrível, mas eu a perdi, a machuquei, a afastei de mim, e até os dias de hoje sofro as consequências.

           FLASHBACK ON: 5 ANOS ANTES


  Luna: Quer saber, Matteo tudo o que eu mais quero é que você entre naquele avião, e de preferência não volte nunca mais! - Eu não estava aguentando, queria que ela soubesse que eu não queria a magoar, e sim protege-la.
  Matteo: Luna eu...eu. Luna por favor não jogue tudo o que tivemos fora,eu só queria te proteger. - Suspirei, eu estava frustrando, estava pagando o preço, o preço de decisões mal tomadas- Te proteger de mim.
  Luna: A sim, agora vai pagar o bom moço, vai me dizer que não inventou um namoro com a Fernandinha? Que você não fez de tudo pra me manter longe? Que na verdade Oxford não é uma maneira de se esconder da própria covardia?
  Matteo: Luna eu não tenho escolha, tenho que ir. Não queria te machucar...Luna eu...- Abaixo o olhar, não conseguia olhar nos olhos dela e ver o quanto eu tinha a machucado - A verdade é que eu não queria que acabasse assim.
  Luna: Já eu agradeço por ter me aberto os olhos com antecedência. Adeus Balsano! Realmente espero que tenha se divertido, brincando com os MEUS sentimentos.- Ela disse e saiu patinando, me deixando sozinho naquela praça, e eu pude sentir um gosto amargo horrível na garganta, era o gosto da tristeza, eu tinha a perdido. Sai andando e sentindo uma lágrima solitária escorrer dos meus olhos, fui na direção oposta da dela, em direção ao carro do motorista do meu pai, em direção ao carro que me levaria pra longe, me levaria até o aeroporto. E assim foi, deixei o País,  em busca dos sonhos do meu pai, abandonei o meu sonho que era e sempre foi a música, abandonando meus amigos de quem eu tinha me afastado naquele ano graças ao meu pai, me afastei até mesmo do Gastón e do Ramiro, estava sozinho, não tinha contato com ninguém, eu tinha abandonado a minha felicidade.

            FLASHBACK OFF: HOJE EM DIA 


  Quando cheguei em Oxford, estava completamente perdido, tinha sofrido uma desilusão amorosa, e perdido todos os meus amigos, além de estar em um país novo.
  Eu comecei a beber, tenho que admitir que muitas garotas deram mole pra mim, e não evitei me divertir com algumas, mas com a única com quem eu realmente me importava, não aconteceu nada, afinal eu e Luna não atingimos nada muito sério, tudo graças a mim e a minha covardia, como ela mesma disse naquele dia.
  Minhas notas nas primeiras provas, foram decadentes, graças as bebidas. Porém me encontrei com alguém, alguém que me ajudou e me aconselhou muito.

             FLASHBACK ON: 5 ANOS ANTES

  Estava no meio daquele ano, eu estava em uma balada muito cheia, que por sinal estava cheia de garotas me dando mole. Uma delas me chamou atenção. Comecei a conversar com ela óbvio que com segundas intenções , até que o namorado dela apareceu ao meu lado, sim vc não leu errado, o namorado dela, e como eu já estava sorrindo pro nada se é que me entende, quase arranjei uma briga, até que alguém que eu realmente não esperava ver apareceu.
  XX: Ei cara não vale a pena brigar com ele, não vê que o cara tem problemas mentais?- Disse se referindo a mim com o namorado da gorata, parecia que eles eram amigos.
  XX: Mas Xavi, ele estava a poucos minutos dando a maior bola pra minha namorada!- Disse o cara, foi aí que eu reconheci o sujeito, quem estava me defendendo era o Xavi, o que quase namorou com a Nina.
  Matteo: Olha eu não sei do que vo....cês estão faltando. - Eu disse tudo embolado, por ter bebido além da conta.
  Xavi: Tá vendo cara? Ele não tá bem, deve ter esquecido o remédio em casa. Todo mundo sabe que ele não bate muito bem. - Ele disse tentando acalmar os nervos, e foi o que ele conseguiu, saiu com o cara e a namorada dele, mas antes discretamente piscou pra mim. E ai entendi que deveria me calar.
  Já mais tarde naquela noite, eu mal conseguia parar em pé, estava trupicando, tropeçando,caindo, enfim fazendo tudo o que um bêbado tem direito.
  Xavi: Cara deixa que eu te ajudo, me lembro de você, Matteo Balsano não é mesmo?- Ele perguntou passando a mão por debaixo dos meus ombros e me ajudando a caminhar se é que pode-se chamar, o que eu estava fazendo disso. Pelo o que entendi os "amigos" dele já tinham ido embora.
  Depois de uma longa discussão, pra descobrir  se eu estava de carro ou não, ele descobriu que eu não tinha carro naquela época e que tinha vindo a pé, me levou até o prédio de uma das repúblicas, onde eu estava morando, depois de muito insistir. E desde então nos tornamos amigos, ele me aconselhou e me ajudou a seguir em frente, devo muita coisa a aquele pintorzinho, que tenho que admitir:
Tem muito talento.

             FLASHBACK OFF: HOJE EM DIA 

  Bom, graças ao talento que o Xavi tem, ele conseguiu vir pra Itália pouco tempo depois de mim, ele estava desempregado antes e a oferta realmente o agradou, uma escola de artes cênicas o contratou como professor de pintura, fora que ele ainda ganha una extras expondo algumas obras em museis as vezes, nós ainda somos muito ligados, e realmente devo tudo o que tenho a ele.
  Agora estou dirigindo na direção da empresa, sinceramente minha vontade era não sair de casa, não apenas por preguiça mas por não querer voltar a ter que ir à reuniões, e encarar mais pessoas que só querem lucros, mas infelizmente essa é minha vida, e tenho que agradecer por não estarem marcando muitas viagens, ou mudanças para mim.
  Assim que cheguei dei de cara com a Valentina, ela é bem louca mas é uma boa pessoa.
  Valentina: Mattizinho, como você está?
  Matteo: Bem,e você Valu?
  Valentina: Aí que bom quer dizer que pelo menos um nde nós não estão de ressaca.- Disse a ruiva dos olhos azuis soltando uma risada.
   Matteo: Um dia a farmácia vai ficar rica só te vendendo remédios pra dor de cabeça. -Disse soltando uma gargalhada, a Valu tem um grande histórico com baladas, é a típica baladeira, não sei como aguenta trabalhar, e acreditem ela está assim em plena segunda-feira.
  Valentina: Muito engraçado Balsano,Se divirta mesmo, pelo menos eu não fico a noite toda enfiado em um apartamento.
  Matteo: Sabe que eu não tenho tempo pra isso.-Disse tentando não entrar naquela mesma conversa sobre eu "não ter vida social" segundo a Valentina.
  Valentina: Matteo, quantas vezes vou ter que dizer que ninguém, ninguém mesmo, aguenta a vida que você leva?
  Matteo: Valu fica tranquila eu estou bem de verdade, e sou feliz na maneira que estou vivendo. E eu tenho mais vida do que você imagina.- Argumentei indo na direção da minha sala.
  Valentina: Pra mim isso é apenas uma maneira de se esconder da própria dor, tem que voltar a viver senhor Balsano.
  Foi a última coisa que escutei antes de entrar em minha sala, essa garota sisma que eu sou muito na minha e muito quieto, que sou um cara muito frio , não sei o que pensar sobre o assunto. Nunca me considerei a pessoa mais feliz do mundo, mas também acredito que eu não seja algo do gênero, apenas não sei, não sinto vontade de sair por ai.
  Teve uma vez que ela, e o louco do Xavi armaram pra mim, tudo pra que eu saísse com eles, a coisa não deu muito certo.
    
                           FLASHBACK ON:

  Xavi: É sério amigo, vai se trocar que eu realmente preciso da ajuda de um diplomata pra conversar com aqueles caras, eles está interessados nos meus quadros, mas só falam alemão. E você sabe esse idioma.
  Matteo: Tudo bem, vou me trocar lá em cima, mas tem pelo menos como dizer aonde a gente vai?
  Xavi: Cara relaxa, eu já te coloquei em furada? - Olhei pra ele como que diz " Não imagina". - Ok, talvez a gente tenha se metido em algumas confusões, mas sério só confia em mim.
  Matteo: Tá bom, mas a gente vai no seu carro.
  Xavi: Fechado.- Disse estendendo a mão que eu apertei.
  Sério vocês não imaginam o que passei, o lugar que ele me levou era uma das baladas maia agitadas da cidade, e a Valentina estava lá como o esperado, mas quando perguntei dos alemães, ele e a Valu falaram tudo, sinceramente a cara deles parecia cara de criança quando é pega roubando doces.
  Eles até conseguiram me manter lá por um tempo, porém assim que pudi fui embora e de táxi. Se eu falasse com o Xavi ele não me escutaria, e a Valentina me mataria, então ir sozinho foi a melhor opção.

            FLASHBACK OFF: HOJE EM DIA

Aqui estou eu, nesta sala, em meio a tantos papéis, sem assistente, e tendo que aguentar tudo isso, e o passado também, tudo o que consigo pensar é que:
            
                        PERDI O CONTROLE.
   



Notas Finais


E aí, bom ou ruim? Digam o que acham meus mauricinhos e patricinhas volto logo!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...