1. Spirit Fanfics >
  2. Meu PASSADO me persegue >
  3. Cap II - Depravada

História Meu PASSADO me persegue - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Oi pessoal eu voltei, gostaram? Obrigada hihihi

Capítulo 2 - Cap II - Depravada


Sarada Haruno



    Para mamãe eu seria a filha perfeita, bem é isso que ela sempre fala, não importava oque eu fizesse ela normalmente estava do meu lado, como ela sempre dizia "nao chegue drogada nem grávida e eu te apoiarei", ela dizia isso sempre, por mais que eu soubesse que ela havia engravidado cedo de mim mesmo assim ela dizia sobre eu engravidar cedo, eu sabia como essas coisas funcionam e não faria tal coisa, por um simples fato, eu tenho coragem de abortar se for necessário, já a minha mãe não, ela não faria isso porém apoia. Minhas amigas invejam minha mãe, talvez por ela ser empoderada, talvez por ela ser uma grande gostosa, bem os meus amigos só vêem essa última parte dela, não gosto nem um pouco disso.

     Sim eu tinha quase dezesseis anos e tinha ciúmes da minha mãe de cabelos exoticamente rosas. Hoje seria o grande dia segundo Himawari o dia o qual ela esperava ansiosa, a festa do irmão cabeça de vento que repetiu o ano, não é como se eu odiasse ele, não odiava tanto, apenas não gostava do fato dele viver e respirar no mesmo planeta que eu. O irmão da minha melhor amiga, isso parecia tosco, poderiam pensar que eu estava afim dele, claro que eu ficaria com o Uzumaki, porra ele era gostoso, alto, loiro, legal com todos, com uma exceção, eu, ele não era legal comigo, normalmente estava me pertubando laje resultava em confusão, em eu estar em detenção após as aulas, odiava aquilo pois apenas fazia eu passar ainda mais tempo com o diabo em pessoa e neste tempo foi que eu vi que o diabo era realmente um cara desgraçado pois ele conseguia fazer coisas que outros garotos não faziam.

     Eu já tive uma conversa com a minha mãe sobre algo parecido, dizendo que a Hima estava com essas dúvidas e eu não sabia responder, no fundo ela sabia que era para mim e que era eu que molhava a calcinha por um loiro rico e chato, mas não se através a falar isso em voz alta apenas me olhou e falou em um tom alegre "hipoteticamente a Hima deveria…" e mais boas horas de risadas com minha mãe e suas experiências sexuais, era legal ter uma mãe que não era nem um pouco reservada, mas eu me ferrava algumas vezes, poucas porém ainda tinha aquela pequena porcentagem a qual eu poderia me fodee muito bem com ela. A dona Haruno era alguém incrível quando queria, pois quando não queria era alguém pior que o diabo.


    Mas hoje eu estava aqui, enfrente ao espelho da minha amiga, na grande mansão aonde ela vive com sua família, que no caso não estava, apena ela, o irmão e os talvez duzentos amigos dele? Aniversário de 17 anos e ele adorava esbanjar coisas assim, conseguia sentir o cheiro das bebidas fortes e importadas do quarto de minha amiga.


— Aí Sarada como você está gostosa.


     Ela me disse eu dei risada, estava com um vestido rente ao corpo na cor vermelho, algo que se destacava em meu corpo por meus cabelos longos e negros e minha pele branca, ele era acima do joelho e tinha um corte na lateral que subia ainda mais, era da minha mãe, ela havia me dado por não caber mais nela, estava peituda diferente de mim que não tinha peitos. Me sentei na cama colocando os tênis brancos, queria conforto enquanto me afogava na bebida junto de minha amiga.


— Você quem está olha esses peitões Hima! Me dá um pouco!


     Himawari Uzumaki era linda, uma cópia da mãe, corpuada, com sardas no rosto quase invisível, seus cabelos estavam ondulados e batiam agora no ombro, ela tem os olhos azuis iguais os do irmão, vestia um vestido amarelo, era a sua cor, tinha um pelo decote diferente do meu que as costas eram abertas.


— Aí miga dou sim, mas sabe, só queria um pedacinho do mau caminho do Inojin…


— Você está querendo dizer do pau dele?


— Nossa para… mas sim, eu preciso, desde aquele dia não paro de sonhar com isso, sabe que se o meu pai soubesse disso ele mataria Inojin.


— Eu sei muito bem seu pai é ciumento né… ainda bem que eu não tenho.


— Você tem né, apenas não quer nem se quer o ver pintado de ouro.


— Ele não sabe da minha existência e eu espero que continue assim. 


— Vamos lá rabugenta, vamos beber alguma coisa, vai que eu acho um cara delícia lá e você também…


    A questão é, Hima era tímida, perto de mim não, mas agora depois que essa garota bebe um pouco ela vira uma depravada e eu não posso dizer muita coisa, pois eu aprendi isso com ela, talvez ela comigo ou nos com alguém. Ninguém nunca saberá inclusive nós.


     E eu realmente queria fazer algo hoje 

     Se era dar? Chupar? Ou só beijar? Isso a bebida iria me dizer, completamente virgem e completamente depravada, prazer Sarada Haruno.



     E depois de cinco shots acompanhada por Hima eu me sentia alegre o suficiente para me enfiar no meio de um jogo de verdade ou desafio, bem depois de dançar muito, conversar com pessoas que nunca vi, beijar uma garota, e talvez, só talvez já ser depois das duas ou três da madrugada, acho que seria legal jogar um jogo com pessoas que eu nem se quer conheço. E lá estava eu segurando um copo com coca e gin, uma combinação muito boa que te deixava bêbado a todo momento e acordado, talvez tivesse colocado energético mas não ligava mais para tal coisa.


— Verdade ou desafio Hima? — pergunto encarando minha amiga que estava naquela roda, ela me encara e toma alguma coisa de uma garrafa que eu não enxerguei muito bem.


— Desafio.


— Ah… — fingi olhar para todos da roda, até que cheguei a Inojin que estava entre Boruto o diabo a quem era o "dono" da festa e Shikadai que só estava ali por pura pressão conhecendo ele. — Sete minutos no paraíso com Inojin.


     Sorri e rapidamente vi o loiro com a pele mais pálida que a minha se levantar e a minha amiga também a puxando escada acima, ouvi o irmão dela falar alguma coisa e apenas me levantei mas quando ia sair da roda ouvi meu nome e parei, pensei que tivesse caído para eu fazer a pergunta. Mas não era nada disso pois Boruto segurava meu pulso e me puxava escada a cima igual o amigo havia feito com a irmã, eu não entendi nada, pensei que fosse apenas para ele me xingar por ter feito aquilo com a irmã porém ele entrou num quarto e fechou a porta me empurrando contra ela.


— Bo… Boruto?


— Calada!


    Foi uma ordem e eu como sou iria o responder porem ele praticamente me ergueu pela bunda me fazendo soltar um pequeno gemido, o sorriso perverso e malicioso dele era visto me encarando com luxúria, ele me beijou sem mais nem menos, sua língua fazia um tour incessante por minha boca e eu não reclamava apenas cedia aquilo pois a minha queria amiga lá de baixo estava me fodendo, ele mal me tocou e eu estava molhada. Não sabia ao certo quando ele me tirou da parede mas sentia algo pavio e percebi que estávamos na cama, com ele encima dele mim segurando uma de minhas coxas mais para cima apertando com força, minhas mãos estavam em seus ombros, e caralho como eu queria sentar nesse homem. Eu estava bêbada, claro, ele estava bêbado, óbvio que sim! 

     Mas aquilo estava bom, o cheiro dele estava misturado a tipos de cerveja e bebidas curtas diferentes, os toques dele eram bons também, suas mãos são grandes e ágeis, estava quente, com calor, muito calor, principalmente quando ele parou de me beijar e desceu para o pescoço e suas mãos foram entrando em minha virilha colocando minha calcinha de lado. Ele não falou nada apenas enfiou um dedo o colocando um pouco para cima e me martubando e eu como sou gemi baixinho, ficando provavelmente corada pois ele parou de beijar e deixar chupões em meu pescoço apenas para me olhar, seus olhos sobre mim era algo estranho, atraente porém entranho, eu apertava um pouco os ombros dele e ele apertou minha cintura o'que me fez gemer mais alto, pela música eu sabia que ninguém ouviria, a não ser o diabo que estava fazendo isso comigo e pelo deuses eu faria tudo para o fazer gemer também. 


— BORUTO! — aquela voz me assustou e ao loiro a minha frente também, já que a porta foi escancarada pelo pai dele e outra pessoa de terno. 


     O loiro acima de mim retirou o dedo com rapidez e eu me virei um pouco sentindo tanta vergonha como eu poderia imaginar, não pisaria o pé aqui nunca mais em toda a minha vida miserável. Me sentei na cama meio tonta pela bebida.


— Eu estava me divertindo! — Boruto esbrava com o pai que fechou a porta para que ninguém visse aquele show e o cara entrou eu vi os cabelos negros e os olhos negros, eu sabia quem ele era mais preferia nem se quer citar o nome.


— E nem se quer me avisou! — o pai de Boruto, Naruto dizia para o filho e eles se encaravam, eu não poderia sair do quarto não?


— Quem é ela Boruto? — a voz grossa e rouca do homem que era o oposto do pai dele chegou aos meus ouvidos eu suspirei, estava bebada e apenas queria dormir.


— Ah? É a Haruno, a melhor amiga da Hima. — Boruto respondeu com a maior naturalidade.


     "Ah nada não pai eu só ia foder a melhor amiga da minha irmã e a descartar como lixo, nada de mais, poderia dar licença?"


     É impossível eu não querer o matar por mais de duas horas? Era bem impossível mesmo, mas eu olhei para os dois adultos ali, e eu vi como eles ficaram incrédulos apenas de sabe meu sobrenome, porém fiquei calada olhando para qualquer ponto do quarto, o computador gamer do loiro metido a besta que se não fosse os dois inseridos eu estaria mas nuvens agora.

    Nossa eu sou uma depravada bêbada mesmo, com tudo isso eu pensando no quê estava acontecendo a pouco tempo atrás, mas é minha culpa?


— Haruno? Você… você é filha da Sakura? — O Uzumaki mais velho perguntou e eu apenas queria saber aonde era o banheiro.


— Sou sim… algum problema com i…


    Antes que eu podesse terminar eu corri para a porta que eu esperava ser o banheiro e era, abri a tampa da privada e me curvei vomitando toda aquilo que eu ingeri igual uma louca, eu deveria ter comido mais, porém não, eu apenas queria me sentir mais leve ou qualquer coisa? Talvez minha mãe abra uma exceção e me mate por eu ser a pessoa mais irresponsável.

     Senti alguém segurar meus cabelos e eu vomitar mais umas três vezes, guspi no final e levantei a cabeça gemendo, estava com dor na garganta e nem foi por um bom motivo, quando olhei para o lado não era Boruto e eu queria muito que tivesse sido, no meu primeiro PT quem segurava era ele o moreno, Sasuke Uchiha.


— Você está bem?


— Estou…


    Disse e me levantei dando descarga, ele me ajudou segurando meu braço, eu me apoiei na pia e enxaguei a boca, usei o enxaguante bucal de Boruto mesmo, joguei uma água no rosto, conseguia ouvir os berros de pai e filho, eles gritavam pela festa que estava rolando, se fosse a minha mãe já tinha ma mandado a merda e expulsado todo mundo. Porém eu estava com um problema maior, com ele no mesmo ambiente que eu, era estranho o ver de perto, era a segunda vez a primeira eu havia o visto na escola, ele fora buscar Boruto já que era o padrinho dele, pensei por algum tempo, será que ele e Naruto sabiam que minha mãe era a madrinha de Himawari por trás dos panos? 


— Quem é seu pai?


     Meu coração quase saiu pela boca e eu queria estar vomitando até agora, mas não dava, eu fiquei estática, por qual motivo do universo ele estava aqui? Até onde eu sei era para os dois estarem indo para um país aleatório igual todos os ricos por conta de suas empresas estava têm com tanto dinheiro que agora eles tem que dar para os pobres. Ele foi tão direto me encarando, e eu fico pensando agora eu sei o motivo de minha mãe ainda estar apaixonada por esse cara, o jeito que ele me olhava, era estranho e seu não sabia descrever mas ele queria saber, ele não sabia que tinha uma filha, mas eu sim, minha mãe nunca escondeu quem ele era, apenas esperou eu querer o ver e eu nunca quis.


— Um babaca.


    Foi tudo o'que eu disse e sai do banheiro vendo que o dono da casa parou de discutir com o filho e saiu do quarto gritando para as pessoas irem embora que a festa havia acabado, mas eu lembrei de uma coisa, um detalhe o qual eu sabia que poderia dar merda, fui até o ouvido de Boruto.


— A Hima…


    Eu sussurrei e ele me encarou, arregalando os olhos e correndo me puxando, vimos o pai dele descer as escadas desligando o som e nos dois apenas batemos na porta de Himawari desesperadamente até que ela atendeu meio descabelada e aquele cheiro, usando palavras preparativos eu a diria de cara.


— Que bafo de rola Hima.


    E eu disse, não seguro a minha língua bêbada, vi ela me encarar com raiva e depois voltar o olhar para o irmãos e abaixar para nossas mãos, ele segurava meu pulso mais soltou assim que percebeu aonde a irmã mais nova olhava.


— Papai está aí… pelo menos ele pegou eu com a Sarada não você…


    Boruto brincou com a irmã e eu bati no ombro dele, a porta foi mais aperta e Inojin saiu colocando a blusa, consegui ver o abdômen dele e ele estava cheio de chupões assim como olhei para o pescoço de Hima e ela também tinha, a garota me puxou para dentro do quarto dela e tranco a porta deixando os dois com cara de taxo e eu dei risada vendo ela arrumar a cama meio sem jeito e tirar as roupas, eu também fiz isso. 

     Tomamos banho juntas como melhores amigas fariam depois de umas noitada eu havia trazido pijamas e por minha grande sorte ou uma mãe previnida remédio para dor de cabeça. E aqui estamos nos dois bebendo isso enquanto escutávamos que a mansão da família Uzumaki estava vazia, todos haviam ido embora mas nos ficamos ali dentro do quarto quietinhas com nossos pijamas, não ousava sair e nem a Hima.

     Ela me contou tudo com todos os detalhes do que fez com o loiro albino do Inojin, eu dava risada ela sussurrava e falava aquilo, fazia tempos que ela queria fazer isso com aquele cara, sempre gostou eu digo isso porém ela fala que não. Disse que só não transaram porque eu e o irmão batemos iguais loucos e ela pensou que algo ruim havia acontecido. E eu a contei oque aconteceu entre mim e o irmão dela. 


— Oi? Você e o Boruto?


— Primeira e última vez…


    Digo e ouvimos três batidas na porta eu suspirei e apenas perdi aos deuses que fosse só os dois Uzumaki's e nada de Uchiha por hoje. Mas assim que a Hima abriu a porta eram quatro homens, e conhecíamos os quatro, Naruto, Boruto, Inojin e Sasuke, já se passava das quatro e eles ainda estavam ali de pé. Hima havia coberto seu chupão com um pouco de maquiagem e com seus cabelos que lisos eram maiores e chegavam aos seus seios fardos.


— Oi papai…


— Não tem nada para me contar princesa? — apelido carinho, o pai apenas parecia preocupada com a filha, acho que era normal, eles eram bem apegados, por mais que a Hima não contasse muita coisa para o pai.


— Eu bebi… não muito 


    MENTIROSA! Ela bebeu igual um Impala e vomitou antes de pegar o gostosão do Yamanaka que estava naquele resinto, eu apenas me encolhi na cama me cobrindo um pouco mais, meu pijama era normal, uma calça xadrez vermelha que eu tiraria para dormir e uma blusa grande de um anime que eu gostava no caso Fairy Tail. Suspirei dando um sorriso vendo que o pai virou para Boruto.


— Viu sua irmã só bebeu, e você fez pior! Uma festa! Sabe oque a sua mãe vai falar? Pra mim! Eu tô ferrado! Se eu não transar por sua causa eu te mato moleque!


    Todos que estavam lá riram, ele não estava preocupado com nada, apenas não queria que a mulher ficasse brava, eu já vi Hinata brava e não estavam em meus planos ver isso de novo, nesta vida e na próxima eu preferia fica longe de tais coisas.


— Fala sério seu velho! 


— Velho?


     Os dois saíram daquele quarto brigando igual dois adolescentes idiotas, mas a tensão estava meio chata, Inojin apenas acenou para mim e para Hima e saiu, já o outro adulto ali, no caso o meu progenitor estava parado me encarando com os braços cruzados como se me analisasse, ele me olhava e eu sabia que ele sabia, sabia que eu sou sua filha.

    Mas ele saiu quando a minha melhor amiga deste mundo disse que iríamos dormir e eu saí na cama ouvindo ela girar a chave, suspirei pesadamente e a encarei por alguns segundos a vendo se deitar ao meu lado, eu tirei minha calça e  me cobri olhando para ela.


— Ele é o meu pai…


— Que? Eu tô bêbada ainda Sah!


— O Uchiha foi quem me fez… — disse me virando, precisava falar para alguém, senti ela me abraçando.


     Sorri com aquilo, Himawari sabia que eu não iria falar muita coisa depois desta condição, eu odiava falar sobre o meu pai e não seria agora que eu faria tal proeza. Mas o dia seria longo amanhã, bem longo, apenas esperava que ele não dormisse nesta casa hoje, esperava muito que não, pois não queria acordar na casa aonde tinha mais de um diabo em pessoa, um que fazia minha calcinha molhar só de lembrar de seus toques e outro que eu queria socar até a morte por fazer a minha mãe chorar.


Notas Finais


Eai gostaram? Espero que sim... Oque querem para o próximo capítulo? Querem a Sakura ou o Sasuke narrando?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...