História Meu Pecado (Stray Kids- Bang Chan) - Capítulo 27


Escrita por:

Postado
Categorias Stray Kids
Personagens Bang Chan, Lee Felix, Lee Min-ho, Seo Chang-bin
Tags Romance, Suspense, You X Bang Chan
Visualizações 118
Palavras 2.682
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Hentai, Luta, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa Leitura

Capítulo 27 - A noite perfeita


Fanfic / Fanfiction Meu Pecado (Stray Kids- Bang Chan) - Capítulo 27 - A noite perfeita

Não queria mentir, feliz naquele momento eu não estava, depois daquela discussão infantil com os meninos resolvi seguir para minha casa, nada alterava o resultado, estava com raiva de Chan e Felix. Já estava na casa de Lane, havia trocado de roupa e tomei um copo de café.

-S/n.

Escuto a voz de Lane.

-Onde vai?

-Sair com ChangBin, vamos comprar o presente de Minho -Bin.

Confirmei

-Eu iria junto, mas no caso estou muito desanimada.

Lane afirmou.

-E Ray não vai?

Bin estava descendo a escada.

-Não S/n, a Ray foi para o Brasil ontem. -Bin.

-Por que?

-Foi resolver alguns assuntos pendentes na sua família. -Lane.

Confirmei.

-Pensei que ia junto com ela.

Ele mal me olhou e falou bem baixo.

-Eu nem sabia, ele me deixou aqui sozinho, só soube quando ela me mandou mensagem, e ela já estava embarcando. -Bin

A Ray tem um sério problema, ela namora com o garoto mais perfeito do mundo e ainda acha que ele não ama ela, a mesma se vê como um fardo na vida dele, por isto não gosta de preocupá-lo com seus problemas.

-A Ray é assim mesmo Bin. -Lane.

-Porque não pede ela em casamento?

Bin e Lane se olharam.

-Somos muito jovens. -Bin.

-Nada se justifica o tempo que será perdido se não se casarem.

Falei e meus olhos encheram d' água.

-Eu vou falar com a Ray. -Bin.

-Você não vai seguir esta ideia de girico da S/n né Bin? -Lane.

-Vou sim, é como a S/n disse, nada se justifica o tempo que será perdido se eu não pedir ela agora. -Bin.

-Alá, vocês conhecem a Ray, ela vai montar expectativas e no final sempre dá tudo errado. -Lane.

-Deixa ela montar expectativas, eu quero montar com ela também, eu tô nem aí, vamos montar juntos. -Bin.

Confirmei e aplaudi o que Bin falou.

-Vou atrás da mulher que eu amo. -Bin

Ele subiu e logo desceu as escadas com uma mochila, ele saiu correndo pela porta e a fechou.

-S/n você é muito idiota mesmo né garota. -Lane

-Não sou idiota, eu sou realista. -dei de ombros- Mas no fim sempre é verdade.

Tomei um gole mais um gole de café e fechei os olhos.

-Vou ir para meu quarto.

-Não moça, agora você vai me ajudar a comprar meu presente de namoro para o Minho. -Lane.

Revirei os olhos.

-Vou nada.

Mesma coisa da minha pessoa afirmar.

A menina passou o caminho todinho me puxando, fomos a tanta loja que estava tonta.

-Porque não compra uma jaqueta para o Minho?

-Interessante. -Lane.

-Uma capinha de celular. 

-CAPINHA DE CELULAR S/N, EU TE TROUXE AQUI PARA ME DAR IDEIAS BOAS IDIOTA. -Lane.

Ela gritou tão alto em meu ouvido que pensei logo que estava surda. Acabei confirmando com ela e a mesma saiu me puxando para uma loja de roupas masculinas.

-Lane, a quanto tempo você e Minho namoram?

Ela estava olhando as blusas e tirou sua atenção total de lá me olhando.

-A gente começou a namorar no sétimo ano, ou seja teremos quatro anos iremos fazer cinco. -Lane.

Olhei para minha amiga que sorriu boba.

-Você não cansa dele?

-Não, o Minho é diferente, mesmo que ele me estresse pra caramba, ele sempre busca fazer um programa diferente comigo, por isso que eu amo o Minho, ele me surpreende a cada dia me fazendo admirar aquele homem, e eu simplesmente amo ele, e nada vai alterar o resultado, só altera se eu ficar sem ele. -Lane.

Sorri e ela estava com algumas lágrimas no canto dos olhos.

-Eu não vou chorar,  meu dia vai ser perfeito hoje. -Lane.

Confirmei e comecei a ajudar a garota na escolha do presente.

Lane nunca falha comigo, ela é uma amiga perfeita, conheci ela e a Ray no sexto ano, o ano mais doido da escola, elas sempre foram presentes em minha vida, sabia demais da vida delas, da Lane e suas noites de amor e as histórias mais doidas da vida de Ray. Elas me conheciam perfeitamente, do perfume que eu era alérgica até o garoto que é meu tipo ideal, e como eu digo elas nunca falharam comigo, uma vez se quer. Eu e Lane estávamos comendo uma iguaria, bem raro de se encontrar, pastel. Pastel é a nação, é vida e o centro do meu universo, meu prestígio de vida, a Lane já prefere coxinha, no cone, e já a Ray a mulher da pizza, come todo fim de semana.

-Lane, você sabe se a Ray e o Bin tipo…

-Transaram? -Lane.

Confirmei.

-Sim -ela comia o pastel- ela ia te dizer, só que a mesma pensava que tu tava com raiva dela. -Lane.

Revirei os olhos.

-É a Ray, fazer o que. -ela deu de ombros. -Lane.

Tomei minha coca e logo levantei.

-Vamos?

A mesma confirmou.

Tínhamos chegado em casa, abri a porta e vi Minho sentado no sofá, ele estava todo arrumado, sorri para ele que nos olhava com uma cara de tédio.

-Lane, amor estava preocupado. 

Ela tinha sorrido. Revirei os olhos, quando eles eram fofos me dava enjoo.

-Vou subir.

Falei tentando descontrair, mas eles nem olharam na minha cara. Logo fui subindo as escadas e abri a porta do quarto, logo vi Felix mexendo em meus livros.

-Pare de mexer onde não deve.

Ele deu um pulinho para trás e me olhou.

-Desculpe.

Confirmei.

-Mas o que faz aqui?

Tirei minha jaqueta.

-Eu tenho um dever.

Sorri.

-Sério? Isto me surpreende.

Me sentei na cama.

-Me fale seu dever.

Ele negou.

-Se arrume, coloque uma roupa bonita, na verdade fique uma gatinha, vou te levar para um lugar, e começa logo fiquei aqui te esperando um tempão e já são cinco e vinte cinco, vamos sair seis horas, se ajeite.

Ele saiu do quarto me deixando com cara de tacho.

-Tinha que ser Lee Felix.

Fiz como ele mandou, fui até o banheiro e me banhei, foi um banho longo, queria morar debaixo do chuveiro. Saí do banheiro, me enxuguei e fui até o quarto, passei meu pós banho e meu hidratante e me vesti, não sabia o que vestir, coloquei um vestido preto tomara que caia, ele era apertado em meu tronco e rodado na cintura, coloquei um salto preto e logo fiz uma maquiagem básica, arrumei meu cabelo e coloquei na bolsa o necessário, desci as escadas e vi Fefe sentado no sofá mexendo no celular.

-Vamos?

Ele me olhou e mordeu o lábio.

-Kim S/n, você está linda.

Sorri.

-Vamos sair juntos?

Ele negou.

-Você saberá.

Ele se levantou e puxou minha mão para sairmos juntos do local, saímos andando da casa e logo chegamos a rua, andamos e andamos, estava com meus pés nas últimas.

-Pronto é aqui.

Olhei ao redor.

-Felix aqui é tão deserto, a estrada está totalmente escura e logo bem aqui perto da floresta?

Ele revirou os olhos.

-Vira de costas.

Me virei, logo o mesmo tampou minha vista com um pedaço de pano.

-Felix o que é isso?

Ele não falou mais nada, senti uma mão envolver a minha e me puxar para a floresta.

-FELIX SE EU CAIR EU TE DOU UMA VOADORA EU JURO.

O mesmo não falava nada e eu nem escutava, só escutava o som do vento que batia em meus ouvidos, escutei logo uma voz.

-Sente-se.

-SENTAR?

-É vai ficar em pé?

Fiz como mandado, eu estava desconfortável com a venda, mas logo ela foi retirada revelando o local que eu estava. Olhei ao redor e estava tudo bonito, uma mesa à minha frente cheia de comida, tinha velas e rosas, o local estava iluminado por luzes douradas e por vários abajures pequenos no local, estava tudo tão bem organizado que fiquei emocionada.

-Gostou?

Escutei uma voz e logo olhei em frente, vi Chan, ele trajava uma blusa social branca e com uma calça jeans azul escura e um tênis. 

-Ai tô arrumada de mais.

Ele sorriu.

-Eu pedi ao Felix que ele dissesse a você para caprichar, te acho linda super arrumada.

Sorri e peguei sua mão.

-Lhe amo.

-Também, e este jantar é uma forma de lhe pedir desculpas por ontem, eu vacilei muito falando aquilo.

Confirmei.

-Tudo bem.

Ele beijou minha mão.

-E é uma forma de lhe comprar com comida.

Acabei rindo do que o mesmo disse.

-Quer comer o que?

-O que tem?

Ele pegou em minha mão me fazendo ir até uma mesa que havia diversas comidas.

-Deixa eu adivinhar, foi você que cozinhou?

Ele confirmou.

-Claro, eu sou um homem perfeito.

Abracei ele por trás e beijei seu braço.

-É sim, meu branquinho.

Ele sorriu e levantou os braços e se virou para mim, me abraçando.

-Eu te amo Kim S/n, muito.

Confirmei.

-E eu te amo Christopher Bang.

O mesmo colocou suas mãos em meu rosto e me beijou.

-Agora vamos comer.

-SIMMM.

Ele me deu um prato e logo coloquei minha comida, o mesmo também se serviu, nos sentamos e começamos a conversar sobre várias coisas, dentre elas foi a sensação de como nos conhecemos.

-Eu não vou mentir amor, quando você entrou correndo na floresta e as pessoas atrás de você eu já achei estranho e ainda mais com a sua queda inesperada, eu não me aguentei eu sorri tanto, e quando o pessoal saiu e você ficou ameaçando eles, eu estava rindo tanto, aí foi quando você me viu e logo me fiz de intelectual.

Acabei rindo.

-Quando eu te vi, eu lhe achei o cara mais estranho e misterioso do pedaço, a cidade era estranha e tinha um garoto vagando pela floresta, era bem estranho, e sempre que eu chegava perto de você meu corpo começava a arrepiar.

Ele riu e me olhou.

-Ainda faço?

Confirmei. Ele começou a gargalhar e olhei para ele.

-Não ria.

-Não se preocupe, isto acontece quando você está perto também.

Sorri e me arrepiei.

-Olha isso.

Ele levantou e beijou meu pescoço ficando de joelhos no chão.

-S/n, eu sei que é tarde, nossa e bem tarde.

Ele pegou minha mão e colocou um anel, ele era perfeito, era dourado e tinha um rubi.

-A cor da salvação, isto é para você ficar de recordação, isto é uma lembrança.

Olhei para ele. O mesmo se levantou e se sentou, ele também tinha um, era dourado e tinha pedrinhas pretas ao redor.

-S/n, eu quero falar sério com você.

Engoli em seco.

-Como você sabe hoje é o terceiro dia, o último que ficamos juntos.

Meu coração apertou.

-Eu não quero te perder, mas algo dentro de mim me diz que eu tenho que partir, você não sabe como eu passei estes três dias, eu pensei tanto, eu fico ou não fico? Se eu ficar eu farei ela feliz?

Deixei lágrimas caírem, o mesmo também deixava algumas caírem em meio a um sorriso.

-Mas eu vi que não, eu não quero te deixar em hipótese alguma, mas é preciso.

Neguei, comecei a soluçar.

-S/n, por favor entenda, eu só quero te ver feliz, vai doer muito, para nós dois mas é amanhã, o dia de amanhã traça o seu destino.

Olhei para ele.

-Eu entendo Chan.

Mordi o lábio contendo a dor.

-Mas eu não quero fazer isto -bati em meu peito- isto dói muito, eu me acostumei a acordar e ver você ao meu lado, rolar pela cama e te beijar, esperar o seu bom dia, escutar você reclamando comigo, parece estranho, mas eu sinto saudade das dificuldades que passamos, eu vou sentir falta de você Chan, e não é pouca.

Eu me levantei e fui até o mesmo abraçando ele, me sentei em suas pernas, ele colocou suas mãos em meu rosto e limpou minhas lágrimas.

-Desculpa por te envolver na minha problemática, desculpa por eu lhe dar este destino cruel.

Neguei.

-Se eu não tivesse ele, eu não conheceria o amor da minha vida.

Ele começou a chorar.

-Eu sei muito mais que os outros sobre o amor, eu sei que ele é imperfeito e bastante errado, por isto é o amor, ele supera barreiras, ele destrói as coisas ruins, ele é perfeito, e só amamos uma vez. Todos dizem que a salvação só ama seu anjo, mas é mentira, até agora eu não conheci uma salvação que não amou seu pecado, até agora eu não soube de nenhuma que chorou porque tinha esta finalidade em mãos, eu não quero fazer isto, mas eu sei que é para nós.

Olhei para ele, o mesmo estava com o rosto vermelho e inchado.

-E não importa meu bem, o tempo pode passar, ele pode colocar várias pessoas em minha vida, mas eu vou lembrar que meu coração só pertence a um, e este é o meu pecado.

Me aproximei de sua testa e esfreguei meu nariz no seu.

-Eu lhe amo tanto meu anjo.

Beijei o mesmo e meus dedos adentraram seus cabelos me ajeitei em seu colo, eu precisava daquilo, eu queria amar ele pela última vez, eu precisava matar minha tristeza.

-Vamos fazer isto, uma última vez.

Ele me olhou.

-Uma prova de amor.

Confirmei.

As mãos do mesmo foram até minhas costas e me ergueram, me prendi em sua cintura.

-Vamos para nossa cabana, minha salvação.

Desci de seu colo e tirei o salto, fomos correndo, o caminho todo ele olhava para mim e sorria da minha cara, eu dava pulos e gritava de alegria, eu não ia chorar, ele me olhava e seus olhos brilhavam, quando chegamos a porta da sua casa ele me olhou.

-Abra a porta.

Fiz como o mesmo mandou, me surpreendi, o local estava decorado como na floresta, a cama estava na sala, tinha achado engraçada a proposta.

-Vamos transar na sala?

-Se quiser podemos ir pro chão do quarto o que acha?

Subi na cama e fiquei de quatro balançando o quadril.

-Vamos fazer aqui.

Ele sorriu e se aproximou de mim, o mesmo se pôs em minha frente ficando de joelhos e logo senti sua respiração se misturar com a minha, senti suas mãos em meus ombros, o mesmo iniciou um beijo calmo, ele puxou meu corpo para perto do seu, me deitei sobre seu corpo, senti suas mãos irem a minha cintura e logo subindo e puxando o zíper de meu vestido, senti meu corpo livre, encerrei o beijo e abri a blusa do mesmo ele se sentou e tirou a blusa de seu corpo, beijei seu pescoço e desci os beijos até seu abdômen.

-Vamos fazer isso devagar.

Escutei a voz dele.

-Sim.

-Quero me lembrar cada detalhe de seu corpo.

Confirmei. O mesmo tirou meu vestido e jogou ele em um canto da sala, me deitei sobre seu corpo iniciando outro beijo, muito mais calmo e envolvente, senti lágrimas entre o beijo e isto não não me impossibilitou de chorar entre o beijo também, ele me deitou na cama e cortou o beijo, o mesmo tirou sua calça e sua roupa íntima e logo tirou minha calcinha, ele se deitou sobre meu corpo, e devagar e forte ele me preenchia, a sala foi tomada pelo som de nossos corpos se chocando, e os gemidos altos e roucos meu e de Chan, algumas partes de som de choro por minha parte, mas eu estava feliz, por incrível que pareça, o Chan me fez dele e fez a noite incrível, surpreendente como este homem me completa.

-S/n.

Escutei sua voz, estava tudo desligado e só um cobertor protegia nosso corpo.

-O que foi?

-Obrigado por entrar na minha vida.

-Eu agradeço também.

-Pelo quê?

-Por me dar amor e um lar, uma finalidade e um motivo para viver.

Ele beijou minha testa.

-Isto eu vou tentar te dar todo dia.

Confirmei.

-Eu te amo muito.

-E eu também Kim S/n, pode parecer louco, mas que tal uma promessa?

Me sentei.

-Qual?

-Em uma outra vida, vamos nascer normais e completar um ao outro?

Confirmei.

-É o que eu mais quero meu bem.

Me aproximei dele e beijei o mesmo.

-Lhe darei filhos, uma casa, você vai ter um trabalho perfeito e muito mais, ah mas quando eu partir, promete viver esta vida até o fim?

E a luz da lua iluminava sua pele branca.

-Eu prometo.

Ele passou seus dedos entre meus cabelos, nos deitamos e logo dormimos.



Notas Finais


Foi isto, desculpem a demora e os erros de ortográfia, não fiz a revisão, tchau e até ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...