1. Spirit Fanfics >
  2. Meu pequeno doce Ômega (Jikook;ABO) >
  3. Restaurante com o Daddy e a Titia!

História Meu pequeno doce Ômega (Jikook;ABO) - Capítulo 23


Escrita por:


Notas do Autor


Mais um capítulo, demorei porque estava assistindo um novo dorama e também escrevendo uma nova fanfic e outras coisinhas...

Capítulo 23 - Restaurante com o Daddy e a Titia!


Fanfic / Fanfiction Meu pequeno doce Ômega (Jikook;ABO) - Capítulo 23 - Restaurante com o Daddy e a Titia!

-Pode sim meu bem, pode pedir o que quiser tá bom? Fique a vontade.

Falo contendo um pequeno sorriso divertido e quando o garçom falou sobre as sobremesas ergui os olhos divertido porque parece que seu rosto iluminou quando ficou sabendo da sobremesa. Assim que Neide fez seu pedido vi Jimin falando algo pra mais velha um pouco envergonhado e segurei um sorriso vendo os mesmo se levantando, olhei pra meu pequeno sorrindo e observei pra onde eles foram: Ao banheiro. E isso me fez sorrir ainda mais porque ele ficou com vergonha de me dizer.

O pequeno estava com vergonha por ter saído da mesa assim, sendo que não estava em casa. Acompanhou ela até o banheiro onde pôde ler: "Ômega e Beta". E ao lado: "Alfa e Beta". A titia entrou comigo no primeiro.

-Aqui pequeno, melhor você fazer aqui dentro. - cinco portas com privadas dentro, Jimin entrou e escutou ela. -Vou te esperar aqui na porta. - Escutou ela enquanto ficava em pé abaixando o short e segurou o seu pequeno membro deixando aliviar-se. Neide ficou de guarda dentro do banheiro vendo alguns Ômegas entrando e usando o banheiro, a maioria para retocar a maquiagem.

-Bem, eu vou querer um prato desse arroz com milho, pedaços de frango frito com pimenta, uma salada azedinha com uma farinha torrada e purê, uma bebida gelada e de sobremesa gostaria de um mousse de limão.

-Sim senhor, logo, logo traremos seus pratos.

Diz gentil e assinto devagar vendo ele sair, pego meu celular pesquisando sobre o parque mais próximo vendo até que horas vai ser movimentado por lá, assim que os mesmo voltaram, guardei meu celular no bolso.

-Terminei... - Avisou ao sair com vergonha e barulho da descarga ainda. -Vem, lavar as mãos... -Ela sorria para ele, apertando em cima da torneira como um botão ali, fazendo a água sair e indicou o sabonete líquido no recipiente na parede, ele pegou alguns pingos e ficou lavando as mãos. Depois secou na máquina que fazia barulho e o ar quente como vento secando suas mãos o fazendo rir, e a Neide riu dele. Assim sairam do banheiro e voltou, ele sorrio em ver o seu Daddy ali sentado.

-O parque estará aberto daqui a pouco anjo, iram querer ir assim que sairmos daqui? Quando a gente chegar lá, você ainda não irá poder brincar nos brinquedos por que acabou de comer meu anjo e pode colocar tudo pra fora. - falo negando vendo seu bico e sorrio leve dando um beijinho em si. - Mas depois poderá brincar em todos os brinquedos que quiser e leve a Neide junto. -falo divertido.

O pequeno sentado na cadeira todo comportado escutava o seu Daddy com um sorriso em ir ao parque, porém não podia ir logo brincar nos brinquedos fazendo um biquinho descontente. Ele me deu um beijinho.

-Euu? Ahhh não meus jovens! Capaz de eu colocar minhas tripas pra fora! - fala humorada colocando as mãos no peito.

-Tudo bem, eu ainda vou poder brincar, não iria querer vomitar. - O mesmo olhou para a titia com vontade de rir das conversas entre eles. Ela estava certa, não tinha idade para essas coisas. Vai que ela passa mal e não sabia porque o Daddy não iria brincar comigo.

-Não exagere Neide, você não vai negar algo para Jimin não é!? - digo provocativo olhando meu Ômega fazer uma carinha fofa pra ela que sorri derretida.

-Vem comigo titia, nos brinquedinhos pequenos mesmo. - Dando o meu melhor: a carinha mais fofa todo pidão que faria o coração dela derreter. Conseguindo conquistar ela.

-Impossível negar algo pra esse bebê céus!

A mesma aperta as bochechas dele o deixando com biquinho adorável. Ficamos conversando um pouco sobre o que iremos fazer no parque e logo o garçom chega com nossos pedidos e só deverá dar água na boca, já tudo servido, pego o guardanapo e olho pra Jimin.

- Vocês me mimam muito. Sei agora que sou muito fofo. - Falou todo convencido com ela apertando minhas bochechas gordinhas fazendo um biquinho gordo com os lábios entre abertos. Falava dos brinquedos que iria adorar ir quando sentir um cheirinho delicioso.

-Obrigado moço! - Agradeci sorrindo para ele e olho o meu prato pegando o garfo e a faca com as duas mãos preste a comer quando olho o pano e olho o Daddy soltando os talheres e seguro o tecido.

-Anjo coma devagar tá bom? - Coloque o guardanapo no seu colo caso algo caia, não lhe suje. - explico paciente vendo ele fazer certinho e sorrio satisfeito bom menino.

-Assim... - Ele me explicava e fazia exatamente o que ele falou deixando sobre minhas coxas todo dobrado. Sorrir fofo por ter sido elogiado pelo Daddy. A titia Neide colocava as batatinhas da porção em meu prato para eu não pegar com a mão nelas, a mesma cortou em pedaços a carne para mim. Eu a agradeci e bebi um pouco do suco, começando a comer.

O olho orgulhoso achando extremamente fofo como seus olhos ficam em um risco ao sorrir e começamos a comer, realmente a comida é uma delícia desse restaurante, nunca comi assim tão bem na presença de pessoas que me fazem tão bem.

-Delicioso! - Comentei baixinho, pegando um pouco do purê e molho de tomate da parmegiana, fico comendo não conversando muito. Comi muita batatinhas e deixei só um pouquinho de nada do suco, um dedo de altura. Porque não gostava das sementes pretas no final.

Quando chegou a parte da sobremesa mordi meus lábios escutando a forma que Jimim arfava de prazer com o sabor de sua sobremesa e aquilo estava me fazendo ter pensamentos nada puros e por alguns segundos fechei meus olhos apertando fortemente meu punho sentindo meu lobo mais uma vez lutar pra me controlar, mas nego ma mesma hora o ignorando respirando calmamente, sorri leve para meu anjo e beijo seus lábios gordinhos demorado limpando o cantinho de sua boquinha sujinha de torta, chupei ali e voltei a saborear meu mousse.

-Oba, sobremesa! - bateu palmas com alegria fazendo o garçom rir um pouco, enquanto colocava os pratos sobre a mesa. E saiu, o pequeno começou a por um pedaço de morango com chantilly na boca, se deliciando sentindo o sabor do morango bem docinho pegando a geleia do mesmo, com a mão na bochecha o mesmo arfava pelo sabor que tanto gostava. Seu predileto. -Delicioso...

Em deleite quando o daddyzinho me beija podendo sentir o gostinho da sua sobremesa e em seguida sua língua no canto da minha boquinha, chupando a sujeira deixada pelo chantilly, olhei o daddy com vergonha vendo ele comer o dele de volta.

Me sentia estranhamente bem com ele. "Oi, pequeno". Jimin olhou pro lado e não via ninguém além da titia e do seu Daddy. Ignorou a voz.

(...) PARQUE:

Estava de barriguinha cheia conversando com a titia e com o Daddy sentiu do carro quando finalmente chegamos e eu sair com ela todo apressado e a mesma soltava: "Calma bebê, você vai se machucar." Desci do carro em um pulo olhando um brinquedo enorme em cima que podia ver, bem mais alto do que o muro e as árvores.

Confesso que eu nunca vi um parque tão cheio assim de pessoas como esse, parece até um monte de formigas, crianças correndo, músicas, tudo REALMENTE de um verdadeiro parque com direito a todos oa desfrutes, sorri largo porque Jimin parecia uma criança querendo sair correndo por ai, mas segurei sua mão.

E o tanto de gente no parque, estava de boca aberta e os olhos brilhando olhando todo animado, tem até roda gigante enorme fazendo o meu coração acelerar. Iria correr por tamanha emoção, porém o daddy segurou a minha mão e a titia a outra e olhei para eles dois.

-Anjo, não solte minha mão ok? Tem muita gente e vocês pode se perder de mim e de Neide tá bom? Vamos olhar tudo com calma. - digo gentil selando sua bochecha e testa qual brinquedo você iria gostar de ir primeiro!? -pergunto andando com eles pelo parque olhando os diversos brinquedos e logo dei de cara com um que é super alto e que vai até lá encima e... DESCE DIRETO! Com velocidade e só de ver isso fiquei até tonto negando mentalmente....

- Tá bom daddyzinho, eu não quero me perde de nenhum de vocês... -Ficou apreensivo, segurando mais firmes com suas mãos pequenas e gordinhas, os dedos curtos. Sentindo ele selar minha bochecha e testa me fazendo sorrir e a titia arrumando o meu cabelo entrando com eles para dentro, recebemos as pulseirinhas e fiquei bobo por ela brilhar.

-Hum... Carrossel? - Olhando em volta todo empolgado dando pulinhos sem soltar as mãos deles dois. Quando paramos em frente ao brinquedo enorme fiquei de boca aberta, e escuto o Daddy.

-Eu nunca iria nesse brinquedo! -Penso alto demais com uma pequena careta.

- É assustador, né? E rapido... Menos quando sobe, olha! - Vendo o carrinho subindo devagar e depois descer rápido demais e os arrasto comigo para irmos mas fui parado pelo homem.

- Crianças não são permitidas. - Jimin o olhou com um biquinho. - Não sou uma criança moço... Por favor. - Todo pidão e ele suspirou e apontou. -Ali, mede sua altura. Se ela for permitia poderá entrar. - Estava de mal humor e a titia me levou até lá a girafa média a altura que era de 1,65 mas o Jimin só tinha 1,58 de altura.

-Exatamente meu bem, é muito assustador, não vai nesse não ok? - Extremamente perigoso para você anjo.

Falo negando duas vezes beijando sua testa mesmo sabendo que é eu também que tenho medo de ir nesse brinquedo perigoso, sair de perto com Jimin, mas quando vi ele caminhar perguntar ao moço se pode ir no brinquedo, acabei levantando uma sobrancelha com o coração na mal por que claro que não iria deixar Jimin ir, sei que ele pode ficar com medo.

-Pequeno você não pode entrar... -Falou a titia Neide ao ver que o pequeno não alcançava por pouco. O homem viu e explicou. -O cinto ficaria folgado e poderia ocorrer um acidente, resultando que cairia de dentro do brinquedo. - Jimin escutou e negou não querendo mais.

Acabei segurando um sorriso divertido cruzando os braços quando vi o cara confundir Jimin com uma criança e o biquinho do meu pequeno foi tão fofo e engraçado que me fez até ficar com raiva do homem por fazer meu loiro ficar bravinho, mas é divertido a reação dele, fiquei apenas observando Neide o levar para se medir e quando o homem afirmou que ele era pequeno e disse os riscos, suspirei mais aliviado pelo menor não querer mais, não quero correr o risco dele acabar saindo machucado de lá.

-Vamos pro carrossel... Vamos! - Mudando de ideia.

-Isso, vamos para o carrosel bebê. - digo segurando em sua mão pequena e ando com o mesmo até o local vendo alguns jovens e crianças brincando lá também e acabei sorrindo pela animação do menor.


Notas Finais


Obrigada a todos pelo carinho e por me incentivarem a continuar postando essa fanfic. Sei que está tudo devagarinho. Mas tudo tem um propósito! Então quero fazer tudo com o mais detalhes possível e bem caprichado.
Acho que essa fanfic vai ser bem longa com muitos capítulos.
Também não vejo a hora das cenas hots (que é que estou mais ansiosa de fazer/escrever). Mas quero fazer tudo bonitinho e perfeitinho!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...