1. Spirit Fanfics >
  2. Meu pequeno grande killer - Jikook >
  3. Uma dádiva memorável

História Meu pequeno grande killer - Jikook - Capítulo 16


Escrita por:


Notas do Autor


ATENÇÃO!
•NÃO MATEM
•NÃO SE CORTEM
•NÃO SE DEIXEM LEVAR, ISSO É PURA FICÇÃO!


Gentee, foi mal pela demora, bloqueio criativo tá osso. Queria trazer um capítulo bem especial, que comecem as teorias! Rsrs.
Boa leitura 💜

Capítulo 16 - Uma dádiva memorável


Fanfic / Fanfiction Meu pequeno grande killer - Jikook - Capítulo 16 - Uma dádiva memorável

Pov: Jungkook

Eu estava em casa como de costume, onde, já se encontrara quase a noite, eu estava desenhando o céu, ainda não tinha nenhum desenho dele, quanto mais no pôr-do-sol. Rsrs, acho que deu pra perceber meu passatempo, né? O desenho já estava praticamente no final, então decido parar um pouco para descansar meus dedos. Vou para o primeiro andar e vejo que não havia feito nada pra jantar, então acabei decidindo sair para comer. Fiquei assisitindo umas séries antes de dar o horário de ir.

Às 18:00...

Já estava me arrumando para jantar, vestia uma blusa larga verde claro com manchas brancas formando um "degradê", uma calça jeans clara com rasgos no joelho, tênis all star brancos, e, por fim, um colar de corrente prata. Ok... Peguei minha carteira, meu celular, e saí de casa.

Estava andando um pouco depressa pelas ruas quando pude ver um garoto deitado no chão, parecia ter algum ferimento em sua perna, já que sua calça estava manchada de sangue. Corri para mais perto podendo ver o mesmo já apagado, conferi se ele ainda respirava e virei o mesmo para cima e... ERA O JIMIN? Rapidamente pude ver que o ferimento em sua perna piorara e que o sangue descia cada vez mais sobre suas pernas, peguei meu celular e liguei para o Namjoon, que logo confirmou vir até aqui. Passou-se 3 minutos e eu já nem sabia o que fazer, eu já havia pressionado o pano de sua calça o máximo póssivel sobre o sangue. Pude ver Namjoon chegar abusinando, então a única coisa que me veio foi pegar ele nos braços já que estava desacordado e não iria conseguir andar, pude ver algo preto cair de seu cinto, mas não me importei em ver o que era. Coloquei o mesmo no banco de trás deitado e sentei no banco da frente do lado de Namjoon.

- Por que demorou? - Perguntei ainda com uma expressão de preocupação.

- Sua casa não é tão perto assim não Jungkook. - Respondeu dando o retorno. - O que aconteceu com ele?

- Provavelmente levou um tiro na perna. - Digo olhando pra trás, fazendo Namjoon também olhar rapidamente e virar pra frente para não perder a direção.

- Uou, ok isso é sério. Vou acelerar o máximo que puder. - Disse ele já pisando no acelerador.

No hospital...

Já havíamos chegado no hospital fazia uns 30 minutos e já tinham nos atendido, eu e Namjoon esperávamos ansiosos nas cadeiras de lá. Afinal, o que Jimin estava fazendo na entrada do local de onde moro? Lá não é um local seguro, quando aluguei ela por um site, pensei que fosse em um local melhor por conta do preço, de certa forma a casa é ótima, espaçosa e bem confortável. Mas ela fica praticamente no início de uma quebrada, o que faz dela uma casa perigosa...

Eu me mudei faz um tempo para essa casa, eu morava com meus pais, era rico, enfim... Tinha uma vida quase perfeita, eu estudava numa escola grande e famosa de Busan, foi lá onde eu conheci o Taehyung, e com o tempo eu... Me descobri bi, então Tae deu a ideia de contar pra eles, e foi o que eu fiz, mas eles não reagiram da melhor forma...

Alguns meses atrás...

"- É... Omma, Appa tem uma coisa que eu preciso dizer pra vocês. - Eu estava aflito e não parava de passar as mãos no cabelo

- Pode dizer querido. - Respondeu minha omma paciente.

- Seja breve, trabalho cedo e tenho hora extra. - Disse meu appa em um tom firme. O que só me deixara mais nervoso

- Lembra que... Eu havia dito pra vocês desde ontem que talvez eu me mude semana que vem? - Os mesmos apenas assentiram com a cabeça. - Antes tem algo que preciso dizer.

- Vamos Jungkook, sabe que eu não tenho o dia todo. - Disse meu appa mais impaciente ainda, olhando seu relógio o tempo todo.

- Eu sou... Bissexual. - Eu disse tenso, vendo meus pais ficarem quietos por alguns segundos, tentando processar a informação.

- Está insinuando que... V-Você é... Gay? - Perguntou minha omma com os olhos já marejados

- Não, não foi o que eu disse! - Tentei explicar. - Bi é quando você... Fica tanto com garotas quanto garotos...

- Isso é uma pouca vergonha! - Meu appa que até agora se mantinha calado, estressou-se. - EU NÃO VOU ACEITAR ISSO EM MINHA CASA JEON JUNGKOOK, OU VOCÊ DESISTE DESTA P*RRA OU É DAQUI PRA FORA DE CASA! - Cuspiu as palavras, soou como um tapa em meu rosto da parte de minha omma.

- Por que Jeon? - A mesma já se encontrava em prantos. - Eu e seu pai ralamos todos os dias, p-pra você dizer uma besteira dessas? Você é uma vergonha! UMA VERGONHA JUNGKOOK! 

- Tens 3 dias pra sair de nossa casa, não é mais o nosso Jungkook. Não é mais um Jeon como nós, é apenas um desconhecido e não passa disso seu moleque ingrato.

- Como podem ser tão preconceitusos? Pensei que como minha família e meus pais iriam entender o meu lado! - Também estava com os olhos cheios de lágrimas que controlava o máximo pra não deixar cair. - Não preciso de 3 dias, sairei daqui hoje mesmo. - Subi as escadas deixando cair as lágrimas que tanto segurava."

•>>>Agora<<<•

Bem, nesse dia eu praticamente me emancipei, e fui morar num apartamento em Seoul, mas esses dias mesmo mudei-me de lá, Taehyung acabou vindo comigo já que ele morava com sua tia que não vinha sendo uma boa influência pro mesmo, pois ela fumava e bebia muito. Então Tae era praticamente "independente", seus pais eram muito ocupados então ele foi morar com a tia, o que foi pior, digamos assim. Mas Tae sempre foi muito alegre e sempre me animava, ele é praticamente como um irmão pra mim. 

- An... Acompanhante de Park Jimin, quarto 36. -Disse a atendente.

- Sou eu... - Disse para a mesma que logo me deu um cartão com o número do quarto.

- É só seguir este corredor virar a direita seguir reto novamente e procurar pelo número no crachá. - Explicou.

- Ok, obrigado. - Agradeci seguindo o caminho que a mesma indicou.

Porta 36... Porta 36... Achei! 

Entrei no quarto vendo Jimin deitado, parecendo ainda tentar entender o que havia acontecido.

- J-Jungkook? - Perguntou se sentando.

- Oi... Se sente melhor? - Me sentei de lado na maca.

- O que... Você tá fazendo aqui? -Respondeu ainda sonolento.

- Eu vi você desmaiado no chão e... Com a perna sangrando, então chamei Namjoon pra trazermos você aqui. - Respondi calmo

- Valeu... - Sua voz ainda estava meio falha. Cadê... - Passou a mão em sua cintura. Cadê meu cinto? - Perguntou preocupado.

- Ah, acho que tiraram pra não apertar você e te fazer sentir dor. - Respondi simplista.

- Eu... Preciso achar aquele sinto, agora! - Tentou sair da cama, mas eu impedi. - Ei!

- Jimin, você perdeu muito sangue, e acabou de tomar soro. Não se preocupa, depois a gente acha esse tal cinto.

- Jungkook, o cinto é meu ou seu? -Disse sério para mim, que logo revirei os olhos. - Então pronto, se não vai me deixar sair, vai procurar o cinto ou mandar alguém  vir entregar.

- Tá, tá, tá bom eu já entendi! Mas... O que tem de tão importante assim nesse seu cinto pra você querer ele de volta agora?

- Ele foi caro e é especial pra mim. Agora você pode ir?

- Ok, ok eu já vou. - Disse me retirando da sala e procurando pela enfermeira. 

Alguns minutos depois...

Caraca aqui não tem enfermeira não? Já andei um monte de corredores e não acho uma sequer!

- Precisa de algo, moço? - Perguntou uma mulher que usava uma roupa branca, que concluí ser a enfermeira.

- É... O paciente Park Jimin, quarto 36. Que chegou em emergência com um ferimento na perna.. Queria saber onde estão as roupas dele.

- Hum... Ah sim! Venha comigo, vou te levar até lá. - Disse e eu acompanhei a mesma até o local. - Bem, é aqui, qualquer coisa vou estar no quarto 28. - Falou pegando uma blusa preta e retirou-se. Procurei o tal cinto que ele tanto falava e vi que estava enrolado junto da blusa laranja que antes ele usara. Peguei a blusa e o cinto que se encontravam embolados, eu hein, esse povo nem tem coragem de dobrar ao menos- 

- Ai! - Disse após cortar minha mão em algo.

Desembolei melhor o cinto e pude ver... Uma navalha? Espera! Uma faca? Não... Com certeza esse não é o cinto do Jimin.. Disse procurando pela sala outro cinto qualquer que fosse, mas não achei. Por que diabos tinha objetos cortantes no cinto do Jimin? Ahh mas ele vai explicar... Eu realmente não entendo...

Volto para o quarto que Jimin estava com esse pensamento, mas nada me vinha em mente.

- E aí? Achou? - Perguntou preocupado.

- E como achei. - Mostrei o corte em minha mão para o mesmo. - Posso saber por que tem uma faca e uma navalha no seu cinto? Você é algum tipo de louco ou algo assim?

- É... Bem... Digamos... É... Aquele local é meio perigoso, acha mesmo que eu não iria levar nada pra me defender? Que ingênuo você Jungkook!

- Mas pô, tu ia se defender ou matar a pessoa por que né?!

- Aish, para de falar besteira! - Falou irritado.

- Tá... Tá bom... Eu entendo seu lado mas... O que você fazia lá? Você levou um tiro na perna, e se fosse pior, hein?

- Jeon eu sei me cuidar... Quanto a isso... Eu... Tava a caminho da casa de uma amiga minha que ficava por ali e acabei me perdendo, e já saí de casa com medo, daí levei essas coisas.

- Entendi... Quando eu te levei pro carro caiu algo preto do seu cinto, o que era?

- A-Ah, provavelmente um botão que tem nele, é. - Fez reverência ao cinto.

- Ah... Então, como tá a perna?

- Eles colocaram essa faixa aqui e... Bom, eu não senti muita coisa já que eles aplicaram anestesia... - Explicou. - Que horas são?

- Acho que... -Conferi no relógio da parede. - 19:03 Uou!

- Eu já posso ir embora daqui? -Perguntou impaciente 

- Acho que tens que esperar o médico ou médica dar alta e enfim.

- Argh, era só o que me faltava. - Revirou os olhos 

- Bem, melhor eu deixar você descansar, até logo. - Coloquei o cinto numa mesinha de canto que tinha.

- Até. - Respondeu se deitando.

Fui até a recepção vendo Nam mexer no celular sorrindo feito um bobo. Então decido dar um leve susto no mesmo.

- Boo - Disse colocando a mão em seu ombro, vendo o mesmo jogar o celular no chão.

- Jungkook... Se meu celular tiver quebrado tu vai me pagar outro! - Tentou se acalmar mas dava pra sentir a fúria em sua voz. Apenas vi o mesmo pegar o celular devagar e eu torci pra que não tivesse quebrado nada e... - Você é muito cagado mesmo! - Exclamou vendo o celular intacto. Ufa!

- Mas conta aí... Por que os sorrisos?

- É... Sabe aquela admiradora secreta? - Engulo a seco lembrando que eu e Tae esquecemos completamente de pegar a carta antes de Nam como tínhamos combinado, merda!

- Aham, sei... O que tem?

- Ela mandou outra carta com coisas fofas e tals mas... Ela me mandou umas coisas engraçadas no Whatsapp e...

- Você tem ela no Whatsapp? - Fiz o desentendido

- Tenho, o nome dela é Anny.

- Hum... E você... Acha que essas cartas dela vão dar em algo? - Vejo o mesmo suspirar pesadamente antes de responder.

- Eu não sei Jeon, tá tudo tão confuso... Mas me conta, e o Jimin?

Pov: Jimin

Jungkook já havia saído da sala, e eu estou até agora me perguntando como eu consegui ser tão sortudo da arma ter caído do meu cinto e ele não ter visto o que era. Minha perna até o momento não doía, mas foi só acabar o efeito da anestesia que começou a latejar.

Que merda!

Decidi apenas fechar meus olhos e não me concentrar na dor, o que era difícil, mas com um tempo fui sentindo sono e a dor que até agora se encontrara presente, ia escondendo-se.

Com o passar que meus olhos encontravam o sono dentro de si, veio acompanhado de um lugar escuro, onde habitara há um tempo, era como se eu estivesse recordando a várias correntes prendendo um transcorrido de anos atrás...

Pude sentir uma voz leve e doce gravada no fundo de minha memória se revelar, como se fosse uma dádiva presa as correntes, ela mexia a boca lentamente, como se falasse algo que eu não ouvira, minha visão foi ficando nítida e consegui ver finalmente quem agora me chamara, nunca havia esquecido de sua voz aprazível e simplista me acordando todas as manhãs, omma.

- Filho, filho, é hora de acordar! - Abriu a cortina. Vamos! Está um dia lindo lá fora para você ficar deitado aí.

- Só mais uns minutinhos ommaa. - Pedi manhoso.

- Mais uns minutinhos e você vai perder as maravilhas que o mundo oferece seu preguiçoso! Vamos, acorde. - Pediu novamente e me dei por convencido.

- Tá... Tudo bem... Eu... Tô indo. - Digo me levantando com sono, quase caí para trás novamente, mas minha omma me segura. - Desculpa...

- Jimin... Quantas vezes eu já não lhe disse para se alimentar! Você pode ficar com anemia querido, seu corpo está ótimo, por que faz isso com si mesmo? - Perguntou a mesma preocupada.

- A senhora sabe que ele... - Sou interrompido por um enorme barulho na sala, algo que se assemelhava a algum item sendo quebrado. - Ele chegou omma.

- Não saia daqui filho, eu já volto. - Disse saindo mas parou após me ouvi-la chamar.

- Omma. - A mesma se virou com um "Hum?". - Qualquer coisa grita. - A mesma apenas assentiu fechando a porta.

O pior dia da minha vida se fez presente em minha mente, como se tudo houvesse sido transformado em uma página de livro ou cena de filme, do qual tudo que eu queria  era terminar de ler ou ver. A única coisa que caso acontecesse nos dias de hoje eu teria medo.

Aquele grito.

Um forte gemido fora ouvido por todo o apartamento, e um barulho de vidro sendo quebrado, como se alguém tivesse passado por ali, e realmente tinha.

Ele tinha.

A única coisa que consegui fazer foi me encolher o máximo que pude do lado da porta deixando todas aquelas lágrimas contidas descerem como uma cachoeira sem piedade, pude sentir algo molhar meu pijama, abri meus olhos lentamente podendo ver sangue invadindo o meu quarto, indicando que ambas as lágrimas não foram em vão, era surreal.

Ela havia ido embora, e nunca mais voltaria para me dar bom dia com sua voz doce, com sei cheiro agradável, com sua preocupação amável, e com seu jeito de me acalmar e repreender meus erros. 

Ele havia causado aquilo. E eu não iria me vingar.





Eu faria pior que isso... Disso você pode ter certeza. 

Se alguém fosse sair ferido, esse alguém não era eu.


Notas Finais


Eitaaaa minha gente! Do que vocês acham que o Jimin estava falando? Comentem suas teorias e opiniões, 2 beijos e talvez eu encontre vocês na segunda!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...