1. Spirit Fanfics >
  2. Meu porto seguro - Imagine Hwang Hyunjin >
  3. Lágrimas de ametista

História Meu porto seguro - Imagine Hwang Hyunjin - Capítulo 2


Escrita por:


Capítulo 2 - Lágrimas de ametista


Fanfic / Fanfiction Meu porto seguro - Imagine Hwang Hyunjin - Capítulo 2 - Lágrimas de ametista

Capítulo 2 – Lágrimas de ametista

*Alguns meses depois* 

Despertei assustada de um sono profundo com o agudo som do despertador apontando ser 05:30 da manhã; enquanto o sol iluminava as grandes persianas do dormitório, eu tentava me locomover para desligar o alarme. Pelo visto seria mais um longo dia na faculdade.

Eu dormi tão desconfortável que os meus ossos doíam e rachavam como biscoito. Espreguicei-me e bocejei genuinamente, levantei dando pequenos gemidos enquanto esfregava os olhos. Quanto tive certeza de que estava completamente acordada, abri a gaveta do meu criado-mudo procurando pelos meus óculos já que eu não enxergava nada sem eles; ao encontra-los, coloquei em meu rosto e liguei o meu celular que se encontrava ao meu lado procurando por algumas mensagens, mas não havia nenhuma.

 Fui andando bem devagar até o grande banheiro que se encontrava em meu desordenado quarto. Ao acender a luz, dirigi-me até a torneira fazendo uma concha com as mãos e esfregando o meu rosto que se encontrava extremamente inchado. Escovei os meus dentes caprichosamente bem e tomei um rápido banho; o chuveiro quentinho relaxava e aquecia cada canto do meu corpo, cantarolava enquanto esfregava o shampoo em meus longos cabelos. Não demorou alguns minutos e eu saí enrolada na toalha tremendo de frio, abri o enorme closet em busca de uma roupa quentinha e confortável.

Após checar os meus materiais para ver se tudo estava em seu devido lugar, pude aproveitar o momento para tomar um delicioso café da manhã. O agudo som do chá quente caindo na caneca era o que alegrava a minha manhã, sorri genuinamente enquanto aguardava encher o copo. Subi na ponta do pé dando vários tapas dentro do armário procurando o meu cereal da froot loop, ao encontra-lo, peguei lentamente trazendo até mim empolgada, despejei-o em um pequeno pote com leite e segui em direção à Sala.

Acomodei-me lentamente no pequeno sofá bege que se encontrava na espaçosa e iluminada sala e coloquei os meus pés sobre a redonda mesa de centro. Nunca gostei de comer na cozinha então isso fazia parte da minha rotina. Liguei a televisão colocando num documentário sobre os animais da savana. Eu acho documentários muito divertidos, descobri que o dente canino de um leão pode chegar até seis centímetros, estranho não acha?

Ao lado de uma estante, estava o terrário de Sam, uma linda e mansa serpente branca como a neve. Aparentava ter acordado agora, dando várias cutucadas no vidro do aquário com a língua, como se soubesse que eu estava lá. Gentilmente, me aproximei do aquário mandando um beijinho de longe.

O meu celular despertou novamente notificando a hora de ir para a faculdade, corri até a cozinha jogando os objetos restantes na pia, pegando a minha mochila apressada saindo em direção à calçada.

A estreita e bonita rua apresentava estar deserta, dava longos passos sem muita pressa pensando em absolutamente nada. Até que me deparei com a Phoebe que aparentemente estava distraída com algo, andei na ponta do pé para não chamar a atenção da mesma e pulei rapidamente em suas costas surpreendendo-a:

- S/N?! Nossa eu nem te vi. – Exclamou Phoebe, colocando as mãos nas bochechas fingindo surpresa.

- Oi ruivinha, tudo bem com você? - Dei um forte abraço na mesma.

- Eu estou ótima! E você?

- Eu estou bem. – Sorri Genuinamente.

- Isso é ótimo S/N. Vamos indo juntas? A gente vai se atrasar se ficarmos paradas. – Phoebe afirmou ainda me abraçando.

- Sim, sim. vamos lá.

Nos afastamos do abraço, entrelaçamos os braços e continuamos a caminhar em silêncio. Até que Phoebe me questionou animada:

- Mas e aí S/N, como foi o seu final de semana? – A mesma me olhou fixamente.

- Até que foi bom. Semana passada eu tive que levar o Sam para o veterinário. – Fitei o chão.

- Ah droga... O meu bebezinho rastejante está bem? – Questionou preocupada.

- Ele só estava recusando comida, a doutora falou que ele estava saldável e que eu deveria apenas ficar de olho nele.

- Menos mal... Eu posso visitar ele quando voltarmos pra casa?

- Se ele estiver animado, acho que sim!

Faltava pouco para chegarmos à faculdade, entramos em meio à multidão em direção ao espaçoso pátio. Enquanto caminhava distraída conversando com Phoebe, fui surpreendida por um pequeno degrau inútil, caindo no chão como um saco de batatas e derrubando os meus óculos.

Phoebe rapidamente tentou me ajudar, mas recusei. Ao estender uma de minhas mãos para pegar os óculos que se encontravam distantes, alguém havia pegado antes de mim. Reagi imediatamente:

- Ei! Esses óculos são meus!

- Eram! Agora eles são meus, quatro olhos. – Retrucou um garoto desconhecido que seguravam os meus óculos pela lente, o que me deixou muito brava.

- Devolva os óculos dela seu idiota! – Phoebe gritou tentando pegar o par de lentes da mão do indivíduo, mas foi segurada por outro que estava logo atrás.

- Eu só vou te devolver se você sair com a gente, menina da foto. – O outro desconhecido se curvou próximo a mim.

- Não me chame assim! Eu tenho nome.

- Que se dane o seu nome, eu quero saber se você quer sair comigo.

- Eu não sairia com você nem se me pagassem wons infinitos!

- Eu estava brincando, você é uma nojenta! Nenhum garoto sairia com você. Agora eu entendi porque o seu namorado te largou. – Levantou dando um leve chute em meu ombro. – Aqui estão os seus óculos, leprosa. – Jogou o objeto em mim e se retirou junto com o outro que estava segurando Phoebe.

A mesma tentou correr atrás dos garotos, mas eu impedi rapidamente segurando em uma de suas pernas, me levantando logo depois:

- Ignore-os, vamos voltar.

- Você está bem S/N? – Questionou preocupada.

Apenas afirmei com a cabeça.

Entramos na sala e o professor já estava iniciando a aula, o que não permitiu a gente parar para se recompor; assentei-me em qualquer mesa e organizei os meus materiais. Eu estava tão nervosa com o que havia acabado de acontecer que os meus olhos começaram a lacrimejar; para não chamar a atenção das pessoas ao meu redor, tirei os óculos e abaixei a cabeça soluçando silenciosamente.

Os segundos se tornaram horas, eu ignorava completamente a voz abafada e distante do mentor que estava logo a nossa frente. Gritos de desespero e pânico ecoavam em minha mente me enlouquecendo cada vez mais. As lágrimas que escorriam como gotas de chuva no vidro de uma janela, pingavam uma por uma molhando a minha pequena agenda de anotações, a tinta da caneta rosa se misturava com o líquido salgado que acabara de cair sobre a mesma, se espalhando ao redor do fino e quadriculado papel.

Momentos como esse me traziam uma lembrança muito forte do que ocorreu comigo naquele dia, se não fosse pelo apoio de Phoebe e Sophie eu não teria conseguido superar pelo menos uns 30% por cento do que me aconteceu.

“Eu estava brincando, você é uma nojenta! Nenhum garoto sairia com você. Agora eu entendi porque o seu namorado te largou.”

Será que foi culpa minha? Será que um garoto nunca sairá comigo por conta disso? Eu me sinto literalmente um lixo, o lixo mais imprestável que já existiu. Por mais que eu tivesse todo o apoio da minha única e melhor amiga restante, eu não consigo abrir o meu coração para desabafar com ela, é uma angústia tão grande. “A culpa é toda minha” essa frase ecoava na minha cabeça, me dava vontade de morrer.

Até que eu senti uma mão tocando delicadamente em meu ombro, me virei com um olhar frio tentando dizer com os olhos que “eu não estou afim de conversar”. Mas ao ver quem era, a minha feição mudou rapidamente.

Era um belo jovem, de olhos negros e um cabelo loiro amarrado que provavelmente chegava na altura de seu pescoço. O seu olhar expressava um grande sentimento de preocupação:

- Você está bem?

Hyunjin P.O.V on

A aula havia acabado de começar, pude aproveitar o tempo para conversar com Felix e Seungmin (meus amigos de longa data) a respeito do preço do chocolate na cantina, preço esse que está um absurdo. Não demorou muito para o professor entrar na classe apresentando alguns conteúdos como de costume. Porém logo depois entraram duas garotas provavelmente atrasadas, reparei que uma delas aparentava estar desalegre com alguma coisa, o que me deixou bastante aflito não sei o porquê, parecia intuição.

Até que a jovem moça se sentou na minha frente e continuou naquele mesmo lugar inquieta, manifestou-se em mim uma demasiada vontade de ampara-la. Conforme o tempo passava o comportamento daquela desconhecida só piorava, resolvi apenas cutucar seus ombros e perguntar se a mesma se encontrava bem.

- Está tudo bem com você?

Assustada, a jovem se virou até mim rapidamente. Por um curto prazo de tempo eu pude perceber o seu olhar de ira e revolta, as lágrimas que transbordavam ao redor de seus grandes e negros olhos era misteriosas como ametista. Todavia, ao perceber do que se tratava, sua feição mudou rapidamente:

- N-não interessa. – Sussurrou.

Admito que eu tenha ficado um pouquinho coagido com a maneira em que ela havia retrucado, me virei até o selim logo atrás em que estava Felix e murmurei:

- Ei "bro".

- Calado! Estou terminando a redação.- Felix sussurrou enquanto lia o seu enorme texto.

- O que está acontecendo é mais importante do que esse seu trabalho aí! - Afirmei com olhar de chacota.

Felix fitou os meus olhos enquanto mordia a ponta de sua lapiseira:

- Então desembucha. - Respondeu com a sua irritante voz fofinha.

- Está vendo aquela menina ali? - apontei para a menor que estava logo a frente.

- Sim, o que aconteceu? Está apaixonado de novo? Se sim cancela, eu não vou te ajudar. – Retrucou fazendo gestos com a mão enquanto segurava a sua lapiseira. – Da última vez em que tentamos te ajudar, você se iludiu feio e passou três dias seguidos chorando.

- Cala a boca seu bobão! Eu só quero que você me diga o que ela tem, a guria chegou com uma cara de choro e eu estou preocupado.

 

- Hwang Hyunjin é serio isso?! Você me faz parar a droga do trabalho só pra ver se a garota que nem sabe da sua vivência está bem ou não? Virei terapeuta de relacionamentos agora? - Felix dirigiu-se a mim aumentando vagamente o tom de voz. Chamando completamente a atenção do professor que estava dando a aula naquele instante.

- Ei meninos! Façam silêncio os dois ou irão para a detenção agora mesmo. - Retrucou o mentor agressivamente. Felix deu um fino sorriso e voltou a encarar o seu trabalho.

Inclinei-me lentamente para trás disfarçando o diálogo com Felix:

- Mas então sarnento, mais tarde a gente conversa tá amigão, obrigado pelo esporro.

- Vá se danar Hyunjin.

Não demorou muito para chegar a tão esperada hora do intervalo. Ao avistar Felix e Seungmin, corri até eles, me sentando ao lado de Felix e abraçando-o pelo ombro:

- E aí amigão.

Felix apenas me encarou como se fosse um gatinho emburrado:

- Desembucha.

- Ah cara você é tão delicado! - Beijei sua bochecha.

- Eu sei, agora me fala o que você quer.

Seungmin, ao ver que o assunto era importante, nos observou com um olhar confuso sem dizer nada.

- Mas então Felix, você viu aquela garota que estava na minha frente? – Questionei afastando os meus cabelos para trás.

- Quem, a S/N?

- Essa mesmo! Nossa que nome lindo... - Observei o vazio me lembrando do momento em que eu chamei-a deixando escapar um ingênuo sorriso, para me livrar da minha distração coloquei os meus cabelos para trás da orelha direcionando o meu olhar para Felix novamente. - Você conhece essa menina de onde?

Seungmin respondeu rapidamente:

- Eu não conheço muito bem ela, mas sei que essa menina sofre.

- Fofoqueiro, me conta tudo. – Respondi encarando o mesmo.

- Fofoqueira é a sua vó!  Mas enfim... Ela era uma aluna bem normal, mas aí o ex namorado dela postou as fotos intimas dela na internet e agora ninguém quer falar com ela. – Afirmou num tom de voz dramático, como se estivesse narrando uma história de terror ou falando um trava língua. – Na verdade eu não me recordo muito bem do que aconteceu, isso foi há uns meses atrás. É sério que você não se lembra dela? 

- Sério cara? – Questionei boquiaberto. 

- Por que eu mentiria pra você Hyun?

- E alguém já fez algo a respeito?

- Pelo o que eu saiba o cara já foi preso, mas a coitada está cheia de sequelas. Mas pouquíssimas pessoas mantém contato com ela.

- Então eu viro amigo dela, simples! - Me levantei rapidamente com os ombros erguidos e as mãos na cintura, fazendo os meninos gargalharem.

- Hyunjin não é assim que funciona! Eu ouvi muito bem quando você chamou a S/N. Ela acha que você é como aqueles outros garotos que não dão a mínima para ela, se quiser ajudar ela você vai ter que se esforçar, ou sei lá... Desistir já que ela não quer nem saber de você. – Afirmou Felix.

- Desistir não está no meu vocabulário. – Voltei a me sentar ao lado do mesmo.

- Ok já que você insiste... Mas o meu conselho é evitar ao máximo ser um idiota ou senão irá traumatiza-la mais ainda. - Retrucou dando ênfase no “idiota”.

- Pode confiar em mim irmão.

- Tá bom Hyunjin... - Afirmou o mesmo rindo da minha situação.

 - Vamos voltar, o intervalo já está acabando. – Seungmin levantou rapidamente estendendo as mãos para me levantar.

Hyunjin P.O.V off

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...