1. Spirit Fanfics >
  2. Meu presente - onesHOT - Jimin >
  3. Seu presente

História Meu presente - onesHOT - Jimin - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor



Capítulo 1 - Seu presente


Fanfic / Fanfiction Meu presente - onesHOT - Jimin - Capítulo 1 - Seu presente

Durante muitos anos naquela escola, o que você mais esperava finalmente havia chegado! O fim do ano letivo e seu aniversário de 18 anos! As inúmeras ideias de como comemorar aquilo surgiram como um tsunami em seus pensamentos. Semanas antes do dia de seu aniversário, você decidiu que faria uma festa comum em sua casa.

No início, o plano era simples e fácil de se executar. Mas após um ser impertinente revelar o que iria fazer praticamente para a escola inteira, você perdeu a paz. Todos os dias pessoas as quais você não fazia ideia de quem eram e que nunca falou na vida, vinham até onde você estava e pressionavam o seu sim para comparecerem à festa. Você começou aceitando o pedido de Lia e quando se deu conta já havia mais de cinquenta pessoas em sua lista de convidados.

É claro que você poderia simplesmente ter dito um "não", mas talvez se o fizesse sofreria uma longa lista de zoações. 

Hoje é o dia de receber toda aquela multidão de pessoas na casa de seus pais, os que para a sua imensa sorte, estavam em uma viagem de negócios. Por conta de ter de pensar em decoração, em convidados e milhares das funções de uma anfitriã, sua cabeça latejava. A dor era quase insuportável, então tu foste orientada pelos professores para ir até a enfermaria e buscar um analgésico.

Você deu algumas batidas na porta branca, que segundos depois abriu revelando uma das enfermeiras estagiárias. A moça de pele branca e cabelos negros estava com o uniforme um tanto desajeitado e o batom vermelho levemente borrado. Claro que você não se importava, achava aquilo no máximo divertido.

— Eu vim buscar um remédio para dor de cabeça — você pediu e assentindo freneticamente a moça deu passagem para você entrar. 

— Sente-se um pouco, já volto. — a moça saiu de vista indo para um outro cômodo

Você vendo a enfermaria sem ninguém, decidiu que aquela era a oportunidade perfeita para esticar as costas no sofá. E assim o fez. Após deitada, fechou os olhos e pressionou o ponto dolorido em sua testa. Uma sensação estranha te rondou, você podia sentir um olhar pairar em seu corpo. Quando abriu os olhos, se deparou com o rosto de Jimin praticamente em cima do seu, o que instintivamente te assustou e fez com que acertasse um tapa na face do mesmo.

— Desgraçado! Quer me matar de infarto? — você esbravejou se levantando do estofado.

— Deixa de ser chata, nanica. — ele retrucou. Aquele apelido fazia seu sangue ferver. De fato sua altura comparada a de Jimin era minúscula, mas convenhamos, ninguém precisa ser lembrado a todo momento que é pequeno.

— Eu já disse para não me chamar assim! — outra vez você esbravejou, mas nesta sua cabeça latejou mais. O que fez você cair no sofá novamente.

— Calma nanica, vai acabar morrendo de stress. Tudo isso por causa da festa?

— Sim. Mas eu estaria muito melhor se você não tivesse contado para todo mundo.

 — Hummm… Problemático. Acho que vou aparecer lá. — ele deu de ombros. Jimin sorriu de canto enquanto se sentava na maca a frente. 

— De todas as pessoas em solo terrestre, a última que eu convidaria é você! — sua palavras saíram de forma ríspida. 

Jimin em todas as outras vezes teria se alterado e saído do local, mas surpreendentemente, nesta ele riu sarcástico para o ar, enquanto jogava a cabeça para trás. Ele voltou a te encarar enquanto passava a mão no cabelo, o rapaz parecia ponderar a decisão que tomaria. Park se levantou de onde estava e caminhou até você, ficando em sua frente ele aproximou seus rostos e desapropriadamente repousou uma mão em sua coxa direita. Um sorriso cínico correu pelos lábios do maior.

— Sabe que eu tenho ficado extremamente cansado disso? — ele deixou leve aperto no local onde estava com a mão — eu tenho suportado por muito tempo essa sua repulsa, mas uma hora eu sabia que minha paciência iria acabar. — ele riu da mesma forma cínica — e quem diria que seria logo quando você fizesse dezoito anos.

A porta da enfermaria se abriu e a moça desajeitada de antes entrou no recinto, ela ficou estática por um momento e o que mantinha seus olhos presos em Jimin, desapareceu. Com rapidez você se levantou e correu até a moça, tomando o remédio da mão dela e sumindo da sala. 

Por algum motivo nunca experimentado, seu estômago estava estranho e seu coração acelerado. Mas rapidamente você ignorou aquela sensação. Precisava relaxar, afinal de contas, você não precisa de mais um infortúnio além da festa.

Os ponteiros do relógio pareciam nunca se movimentarem, e de tanto encarar eles você pegou no sono. E só despertou da deliciosa soneca quando o sinal tocou e uma multidão de pessoas foram conferir coisas sobre a festa. Após informar repetidas vezes o seu número telefônico, endereço e horário, finalmente você teve um curto espaço de tempo para falar com uma de suas amigas.

— Nah, pode me ajudar com algumas coisas antes da festa? — você disse se apoiando no ombro dela e a mesma sorriu lhe dando um abraço empolgado.

— Claro boba!

— Obrigada. — você agradeceu, a abraçou mais uma vez e se despediu. 

Mesmo durante o caminho até sua casa, os telefonemas dos convidados não cessavam e aquilo passou dos limites. Em um ato rápido você se desfez da bateria do aparelho e o jogou dentro da bolsa, assim finalmente ficando em paz longe de todas aquelas pessoas estranhas. O dia estava ótimo e o céu indicava que não choveria, o que é ótimo para usar o jardim dos fundos de sua casa.

Uma vez em casa, o silêncio reinava por cada canto. Mas aquilo era chato demais, arrumar uma casa pede uma música bem alta. Você foi até a TV e escolheu uma de suas músicas favoritas, tirando o tênis e relaxando o pé em um chinelo, você começou a faxina.

A algumas esquinas de sua casa, Jimin escolhia alguma roupa em seu guarda-roupa. É claro que ele sabia que seu nome estava riscado da lista, mas nada iria impedi-lo de entrar naquela festa. 

O tempo passou mais rápido que o esperado, e quando se deu conta, você só tinha quatro horas para se arrumar para aquele evento. Em compensação, a satisfação de tudo estar pronto, mesmo sem a ajuda de suas amigas, era prevalecente. Após a chegada delas e um banho, vocês gastaram o restante das horas se produzindo. Aquilo não era muito comum para você, na maioria das vezes todos viram-te em roupas escolares bastante reservadas. Contudo, você se pegava sorrindo imaginando como seria a reação de todos ao verem aquele seu modelito quente como inferno.

Seu cabelo estava lindo, hidratado e com as pontas onduladas da melhor forma possível. A maquiagem realçava ainda mais a sua beleza. Sem falar no vestido preto que deixava o colo dos seios à mostra e toda a costa e coxas desnudas. Sua pele amorenada estava ainda mais reluzente naquele dia, e os lábios fartos em tom nude transformavam a sua aura de nerd para sexy. 

Devidamente pronta, era hora de receber os convidados no andar inferior. Para sua surpresa já haviam pessoas esperando em sua porta, e sem delongas você abriu a mesma para elas, que ao verem a beldade que você estava naquele dia, perderam as palavras.

— Fiquem à vontade — você sorriu e tudo o que souberam fazer, foi assentir. A frase se repetiu algumas várias vezes até a lista estar completa. Com a prancheta em mãos, seus olhos desceram até o nome de Jimin, que estava totalmente riscado em vermelho. Aquilo te causou um sentimento estranho.

— S/n! Vamos dançar — chamou Namjoon te puxando pela cintura até o centro da sala. Nam era um dos únicos garotos que você conversava na escola, ele era um príncipe. Quase um sonho, se você não soubesse que tudo que havia entre vocês era amizade. — você estava pensativa olhando para a lista, aconteceu alguma coisa? —  ele indagou e você engoliu  seco.

— Ah, não foi nada. Eu só estava pensando quantas pessoas vieram — você deu sua resposta mais convincente. Quando olhou por cima do ombro de Namjoon, seus olhos foram de encontro com Jimin no corredor que levava até a cozinha. Ele acenou sorrindo da mesma forma desonesta. — Como ele?

— Ele quem? — Namjoon perguntou confuso e o ignorando você o deixou onde estava e foi até Jimin. O garoto desapareceu do corredor, restando apenas a opção da cozinha para ele estar. Quando chegou ao cômodo, viu Park sentado no balcão como se esperasse por você. Ele vestia uma blusa vermelha listrada com vermelho, uma calça jeans preta justa e um all star clássico. As inúmeras tatuagens também estavam à mostra, o que não era muito visível quando ele usava as jaquetas de couro.

— Como entrou? — você perguntou o encarando confusa.

— Pergunte para sua amiga. — ele desceu do balcão e foi se aproximando cada vez mais. Você foi dando passos para trás até bater com as costas no balcão, quando ele inclinou o rosto e terminou com o espaço entre seus corpos um arrepio subiu sua espinha.

 — J-Jimin — você espalmou as mãos no peito do mesmo, mas sem sucesso ao tentar movê-lo. Seu corpo não estava respondendo. Ele colocou o indicador em seus lábios pedindo silêncio.

— Shhh… Eu disse que não estou com paciência. — Park segurou sua cintura com firmeza e a mão direita foi para sua nuca, tomando seus lábios entre os dele. A definição para aquele beijo é: profundo. Não era rápido e nem lento, mas te instiga e faz suas pernas fraquejarem por uma curta fração de tempo. Jimin deixava algumas mordidas em seu lábio e não hesitava em usar sua língua com volúpia. 

A sua mão direita apertava com força o braço de Jimin à medida que o mesmo aumentava a intensidade do ósculo, enquanto a canhota adentrou os fios do cabelo do mesmo puxando-os com agressividade.

Ele separou o beijo e o ar voltou a circular em seus pulmões. Aquilo foi incrível. Era tudo o que conseguia pensar. Incrível, mas muito pouco para satisfazer tudo que ele despertou em você. Mais uma vez ele se aproxima, dessa vez indo em direção ao seu ouvido.

— Você não sabe o quão ansioso eu estava por isso. — ele sussurrou e mordiscou seu lóbulo. Jimin levou uma mão até o zíper na parte de trás de seu vestido. Você queria muito o mesmo que ele, talvez nunca teria imaginado querer tanto, mas transar na cozinha onde todos podem ver? 

— Aqui não é muito arriscado? — você sussurrou de volta.

— Isso só não torna mais emocionante? — pergunta retórica que fez seu coração dar um salto. — mas você quem decide.

— Vamos para meu quarto. — apesar de ter certeza, tanto mental quanto fisicamente, que queria aquilo, o nervosismo era inevitável naquele momento. Especialmente julgando ser sua primeira vez. Você pegou a mão de Jimin e o conduziu no meio da multidão até a escada, pelas pessoas estarem embriagadas e envolvidas na música ninguém notou vocês.

Quando colocou o pé no corredor, Jimin inverteu as posições e te prensou na parede, te beijando com mais desespero dessa vez. O tesão queimava cada vez mais em ambos, o que fez com que esbarraram nas paredes e nos móveis presentes até encontrarem a porta do quarto.

Uma vez dentro do cômodo reservado e devidamente trancado, Jimin fez umas das coisas que aguardou por muitos anos: tirou seu vestido. Instintivamente você cobriu seus seios. Ele se aproximou e começou mais um beijo, pausado e tão lento quanto uma dança romântica, que fez você esquecer a vergonha. Sem separar o beijo, ele foi te levando até a cama, te deitando com delicadeza sem separar uma única vez seus lábios. Vez ou outra o mesmo apertava sua cintura e bunda. Por um momento ele separou seus rosto poucos centímetros um do outro.

— Eu queria tanto ser um cara romântico nesses momentos — disse tirando a camiseta e a calça em seguida. Ele estava excitado e apertou o próprio pau por cima da cueca, em seguida gemendo baixo — Mas eu vou te foder sem piedade, garota. — atacando seu pescoço com chupões e mordidas que te fazem arrepiar. Um pequeno gemido escapou de seus lábios quando Park tocou sua intimidade, ele sorriu e encontrou seu clítoris te estimulando. Suas pernas que antes lutavam contra o toque, agora estavam abertas e seu quadril se movimentava pedindo por mais. Eram tantas versões diferentes de um mesmo Jimin, que era confuso para ti.


Quando Park adentrou os dedos por sua fina lingerie, naturalmente suas costas arquearam. Outro arrepio de tesão te percorreu da cabeça aos pés quando ele usou o dedo médio, depois acrescentou mais dois e quando você deu conta estava rebolando por conta própria nos dedos de Jimin que deslizavam de dentro para fora com facilidade por conta da sua libido. Ele estava rindo, gostando e admirando o desespero que você estava.

Ele parou os estímulos, desfez de suas últimas peças e virou você de costas com rapidez. O mesmo segurou seu quadril e te fez armar a posição de quatro, em seguida tirou sua calcinha e se debruçou sobre você para chegar até seu ouvido.

— estou sendo muito mau? — a voz de Jimin saiu rouca, e pela posição era possível sentir o pau dele contra sua buceta. — Tinha me esquecido: feliz aniversário, gatinha. — ele deixou um selar em seu rosto, fazendo outro arrepio te atingir.

Após as palavras a tortura veio em força de leves pincelada em sua vagina, o que fazia-te arquear mais - se é que isso era possível - as costas. 


— J-jimin! — a súplica saiu como um gemido.


— Diga o que você quer


 — M-me, foda. 


 — Eu poderia te dar um presente de aniversário melhor?—  ele riu e sem hesitar, pedir permissão ou piedade, entrou em ti. De imediato a dor cortou seu interior e a ardência era quase insuportável, mas conforme a medida que as estocadas iam e vinham, mais essa dor ia desaparecendo e seus gemidos aumentando.  Logo toda aura era pesada, com sexo pairando por cada pequeno canto do seu quarto, que ficaria eternizado em suas memórias como o lugar em que fodeu com Park Jimin.

O último citado te fodia em uma velocidade recorde, não lhe dando nem tempo de processar o ocorrido. Suas pernas fraquejaram e seu interior retraiu, para logo em seguida se desfazer no pau dele. Naquele momento não lhe restava mais forças para ficar na posição, então quando Jimin saiu de dentro você se deitou na cama o olhando rapidamente, podendo apreciar a escultura que era aquele homem nu.

— Desculpe meu bem, mas ainda não acabou. — ele se aproximou ainda de joelhos e abriu suas pernas, colocando uma em cada braço. E voltou a estocar em ritmo regrado. Não restavam mais ações, seu corpo sequer reagia para realizar qualquer movimento. Era demais, mas não durou muito, Jimin chegou ao seu ápice quando deu seu gemido mais alto desde que começaram.

Ele deixou seu corpo, se deitando ao lado e puxando a coberta toda amassada para cima de seus corpos. Era difícil para você se mexer, estava com o interior dolorido, mas isso não era o suficiente para impedir de se aproximar e repousar o rosto no peito desnudo e levemente soado de Jimin.

— Eu não fazia ideia de que ainda era virgem. — ele comentou de imediato.

— É, e eu não sabia que você fodia tão bem. — sua fala arrancou risadas do maior — mas agora que você tirou a mesma, vai ter que se casar comigo — ele te olhou um tanto assustado.

— Tudo bem. — ele confirmou relaxando a expressão e foi sua vez de se surpreender.

— Era só brincadeira, Ji — o "Ji" sorriu cobrindo a boca, achando extremamente fofa a forma que o apelidou.

— Eu esperei muito tempo para te tocar, S/n. Acho que não quero passar mais dezoito anos distante. 

— E não vai. — você subiu em cima do corpo dele, apoiando os cotovelos no peito do mesmo. Tu estendeu um mindinho na direção — vamos prometer — ele entrelaçou os dedinhos e juntou seus polegares, mas o selo para aquela promessa foi feito em forma de beijo.

Quando se separam, ajeitaram seus corpos na cama. Talvez para dormir, ou não, com Jimin tudo é possível.

— Olha, vou te dizer, ainda bem que a música está bem alta. Porque por um momento eu jurei que seus gemidos podiam ser ouvidos da esquina. — ele caçoou fazendo ambos rirem. Apesar de todas as versões, essa capacidade de ser tantas coisas ao mesmo tempo, era exatamente o que te atraía em Jimin. Ele era único com suas particularidades. 

Você não podia ter recebido presente melhor de aniversário do que esse.



Notas Finais


Hahahaha chegamos ao fim de um ome shot que se tornou a minha queridinha!

Mas antes de encerrar:

PARABÉNS - PELA TERCEIRA VEZ - ISINHA! Talvez seja fora do horário para entregar seu presente, mas foi feito de coração e expero ter atingido toda as suas expectativas! Muitos anos de luz para você meu bem! A pessoa que eu conheci como escritora de in a flash, que agora posso considerar amiga. Inimaginável é palavra para descrever essa nossa relação kkkk

Mas é isso! Espero que tenha gostado do presente meu anjo!

Parabéns @dark_pjjnie
Até uma próxima oneshot!

(Obrigada a todos que leram também! Um beijo na bunda de todo mundo!)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...