1. Spirit Fanfics >
  2. Meu primeiro amor... >
  3. 15 anos fazem muita diferença...

História Meu primeiro amor... - Capítulo 2


Escrita por:


Capítulo 2 - 15 anos fazem muita diferença...


Chegando a hora da reunião, entro na sala do meu chefe (senhor Daniel) e vejo que ele levou a sério o que eu falei anteriormente, pois nunca vi alguém mais concentrado no trabalho que ele.

_ Se me der licença, estarei entrando. - eu disse.

_ Fique a vontade.

_ Senhor, está na hora da reunião, precisamos ir.

_ Oh, certo. Se importa de esperar dois minutos? Terminarei todo o trabalho pendente nesse tempo.

_ Fique a vontade. Estou surpresa que conseguiu terminar tudo em tão pouco tempo sendo que estava com uma fraca disposição pouco tempo atrás.

_ Haha, o que os pais não fazem por seus filhos...

_ ...

_ ...

_ Esperarei o senhor lá fora, se não se importar.

_ Não me importo, mas já acabei o que estava fazendo, devemos ir?

_ Claro.

Bom, a reunião com a senhorita Smith foi um sucesso, assim como todos os compromissos que vieram a seguir. No horário de almoço o senhor Daniel parecia um tanto cansado, então propus que ele tirasse um cochilo ou algo do gênero, porém o mesmo se recusou dizendo que não queria fazer hora extra, o que fez com que eu me sentisse responsável pelas palavras discursadas esta manhã. Então para resolver esse problema, peguei toda a papelada pendente do diretor.

_ Senhor, deixe-me cuidar disso, vá descansar ou ao menos comer algo. Como são apenas arquivos posso cuidar deles rapidamente, então não se preocupe. Ao contrário de um certo alguém, eu me alimento corretamente e não tenho preocupações familiares para me deixar estressada.

A parte de me alimentar corretamente não é totalmente verdade, mas são apenas detalhes, então ninguém precisa saber...

_ (suspiro) Certo, te ouvirei desta vez. Mas terá que me deixar recompensá-la por isso.

_ Recompensar-me por arquivos? Com todo respeito, terei que recusar, já que isso é apenas o meu trabalho.

_ Tecnicamente é o meu trabalho-

Sem que senhor Daniel tenha a chante de finalizar seu argumento, vou em direção à porta para sair, mas sou interrompida pelo chamado do diretor.

_ Ana, apenas mais uma coisa.

_Pois não?

_ Aproveitando que meu filho voltará hoje, você não está interessada em jantar conosco hoje? 

_ Com todo respeito, acho que ele não irá gostar de ter mais alguém além de sua família, no caso você, no jantar de hoje.

_ Você sabe muito bem que também é família para nós. Você e Igor não são amigos de infância? Tenho certeza que ele irá adorar ver você novamente.

_ Desculpe, mas... (recupera a postura) eu já fiz a reserva à três  semanas atrás para apenas duas pessoas, não acho que seja possível mudar de última hora.

_ T- três semanas atrás? O quão adiantada você pode ser? Até semana passada eu ao menos sabia que meu filho voltaria para cá. Como voce-

_ ... Podemos dizer que eu tenho alguns contatos... 

_ Ah, só mais uma coisa, quando Igor se estabelecer corretamente na cidade e na empresa, ele será o novo presidente.

_ Oh, e o senhor já encontrou uma nova assistente para acompanhá-lo?

_ Por quê eu deveria? Você será a única a ajudar meu filho enquanto ele assumir a liderança.

_ ... Certo.

_ Ana, você não está tranquila demais com o fato de que eu irei aposentar?

_ Ah, eu já sabia sobre isso. O senhor começou a arrumar a papelada desde que seu filho deu a notícia de que estaria voltando para cá.

_ ... Você realmente é adiantada não?

_ Agora, se me der licença, o senhor tem que descansar.

_ Ah, certo. Eu esqueci que tenho uma assistente superprotetora.

_ Tenha um ótimo descanso. - digo enquanto saio de sua sala. - Certo, acho que terei mais algum trabalho antes da próxima reunião. 

Não me levem a mal, mas eu prefiro trabalhar agora e ficar sem comer o dia inteiro do que comer algo agora que não matará minha fome e ainda fazer hora extra por conta de alguns papéis. Eu falei "ficar sem comer o dia inteiro" pois eu não tomo café da manhã, não almoço alguns dias (Como hoje) e às vezes chego em casa tão cansada que prefiro deitar com fome do que cozinhar. Ah, mas eu sempre tomo café da tarde,  nem que seja apenas uma lata de suco.

Depois de terminar o trabalho que fiquei de fazer para o senhor Daniel, e ir à várias reuniões e palestras com meu chefe no turno da tarde, finalmente está na hora de fechar a empresa. Quando estou prestes a sair, ouço o diretor chamando meu nome, o que me dá uma vontade imensa de sair correndo, já que ele provavelmente pedirá para mim jantar com ele e Igor hoje à noite.

_ Posso ajudar em algo?

_ Por favor Ana, você precisa me ajudar hoje, eu prometo que darei o que você quiser depois.

_ Claro, pode dizer. - Falo com uma cara de quem já sabe o que está prestes a ouvir. 

_ Para dizer a verdade, acabei de receber uma ligação dizendo que alguém bateu no meu carro ao tentar estacionar em uma vaga relativamente pequena se comparada ao tamanho do carro, e eu tinha que buscar Igor no aeroporto hoje, então se você puder fazer esse favor e buscá-lo para mim, depois arranjamos um jeito de chegar ao restaurante.

_ Se for sobre isso, não se preocupe. Meu amigo Michael me devia um grande favor, então eu lhe pedi que seu motorista buscasse Igor. Depois de buscá-lo, ele passará aqui para te buscar e entao levará ambos para o restaurante, então não se preocupe.

_ ...

_ Se era apenas isso, eu já vou indo.

_ Certo... Bom trabalho.

_ O mesmo para o senhor. 

(Suspiro) Agora posso ir para casa. Não é que eu tenha algo contra o Igor, mas ele repentinamente foi embora e nunca mais me contatou, então eu acabei ficando um pouco triste. Além de que eu nem sei se ele ainda se lembra de mim.

_ Certo, agora só falta eu dar o ponto e vou poder descansar. - Foi o que eu pensei.

Ao dar o ponto, coloquei um sorriso em meu rosto apenas pensando no que eu poderia fazer neste final de semana, mas ao me virar para ir embora, bato o nariz em alguém e quase caio para trás pelo susto, mas por algum motivo, essa pessoa segura, com uma das mãos, o meu braço, e com a outra, ele me segura por trás, impedindo minha queda.

_ S- sinto muito por isso. Obrigada por me ajudar. - tento me afastar para ir embora com esperança de que ele não tenha ficado irritado, mas a pessoa, aparentemente um homem por suas roupas, não quer soltar meu braço.

_ Pffft, haha. Você não mudou nada nesses últimos anos. Continua a mesma desastrada. - falou o homem misterioso do qual eu não tive coragem de olhar para o rosto ainda.

_ Desculpe, mas o senhor poderia me soltar?

_ Waah, você ao menos se lembra de mim? Falando tão formalmente assim.... Eu sei que em pouco tempo serei o seu chefe mas eu acabei de chegar aqui, não precisa ser tão seria, Ana.

_ O que você...-

Espera, espera, espera! Não me diga que a pessoa com a linda voz que está me segurando agora é o Igor...?

_ Haha, então você lembrou de mim?- ele diz enquanto solta meu braço. - Você ainda mostra muito facilmente suas expressões...

Sua linda voz e suas roupas chiques fazem com que eu olhe para seu rosto com curiosidade. Quanto uma pessoa pode mudar em 15 anos?



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...