1. Spirit Fanfics >
  2. Meu Primeiro Amor ( Vondy) >
  3. Capítulo 7

História Meu Primeiro Amor ( Vondy) - Capítulo 10


Escrita por:


Notas do Autor


Boa Tarde! Mais um capítulo postado, espero que gostem.

Amanhã eu posto mais.

Capítulo 10 - Capítulo 7


Os três jovens entraram dentro da paróquia, e caminharam até onde a irmã Catharina, já estava com as três jovens, começando a arrumar as coisas para o ensaio.

- Samanta você fica no microfone 2, Pedro no teclado, Camila você vai ensaiar o salmo com a Geovanna, e Felipe você fica no microfone 3 - Disse irmã Catharina.

- Irmã Catharina, a senhora pode da uma chegadinha aqui para eu mostrar as músicas para a missa de amanhã? - Camila perguntou.

- Sim, Camila. - Irmã Catharina se aproximou da jovem que mostrou todas as músicas para a irmã, desde o canto de entrada até o canto final, e todos eles foram aprovados pela irmã Catharina.

Eles ficaram ensaiando até as 20:00 horas da noite, e quando deu esse horário os três garotos foram liberados para ir embora. Samanta também como já havia ensaiado com os demais, e não tinha mais nada o que fazer ali, também foi liberada pela irmã Catharina para ir embora. Ficou somente a Geovanna e a Camila, já que elas estavam ensaiando o salmo, e por conta do nervosismo da Geovanna, já menina acabou desafinando algumas vezes.

***************************************************************************

Padre Uckermann, ficou ali na frente da paróquia por mais alguns segundos, e logo entrou. Chegou na casa paroquial, e Édith ainda estava lá, terminando de deixar a casa no jeito para amanhã. Padre Uckermann, vendo que provavelmente já tinha dado o horário da Édith ir embora, foi até a cozinha, mas porém não encontrou a mesma, foi até a lavanderia, e lá estava ela lavando algumas roupas de cama. Christopher se aproximou dela, e perguntou.

- Estou vendo que tem muita coisa para fazer ainda néh Édith? - Perguntou fazendo Édith levar um susto daqueles.

- Ai Padre o senhor quer me matar do coração. O senhor sempre costuma chegar de fininho assim, e assustar as pessoas? - Perguntou fazendo o Padre começar a rir.

- Ai Édith e você sempre costuma levar sustos a toa? - Disse rindo, fazendo Édith parar o que estar fazendo, para olhar para ele com as mãos na cintura, e dizer.

- E o senhor e sempre tão engraçadinho assim Padre Uckermann? - Perguntou fazendo o Padre Uckermann rir outra vez e responder.

- Não, agora Édith mudando de assunto já são quase 19:00 da noite, e nem sinal do Padre Cícero, por acaso ele não ligou para o telefone ou não lhe avisou para onde ele foi? - Perguntou um pouco preocupado.

- Não Padre Uckermann o Padre Cícero não me disse para onde tinha ido, e muito menos ligou para cá. E se o senhor esta preocupado com ele, não se preocupa que daqui a pouco ele aparece por ai esta bem.

- Sim Édith obrigado. - Saiu da lavanderia, foi até o seu quarto, e abriu o seu guarda roupa caçando alguma roupa mais confortável, do que aquela calça social que ele estava e uma blusa mais confortável da que estava com ele. Saiu do seu quarto, e caminhou até o banheiro que ficava no corredor de frente para o seu quarto, entrou no banheiro, e tomou o seu banho. Saiu do banheiro o mais confortável possível, com uma calça de moleton cinza e uma camisa verde musgo um pouco desbotada, e no pé estava com uma sandália de dedo. Foi até a lavanderia pendurar a sua toalha, e não encontrou mais Édith lá. Resolveu ir para a sala de tv assistir ao jornal, sentou no sofá e ligou a televisão, que estava justamente passando o jornal. Passado alguns segundos Édith, passou na sala de tv, dizendo ao Padre Uckermann que já tinha terminado de fazer praticamente quase tudo, e que estava indo embora, pois ela morava em um bairro um pouco distante dali, ainda teria que pegar dois ônibus para chegar em casa.

- Bom Padre Uckermann antes de eu ir embora eu tenho uma coisa para lhe avisar. Caso o senhor sinta fome, e só esquentar a comida que sobrou do almoço. E que como o senhor não deve saber o Padre Cícero não costuma jantar esta bem.

- Tudo bem Édith obrigada, ah vai com Deus, e cuidado ai esta bem.

- Sim Padre esta bem. - Disse e se aproximou do mesmo que estava sentado no sofá.

- Ah Padre me desculpa mesmo o senhor estando vestido assim tão a vontade, ainda continua sendo um sacerdote, sua benção.

- Deus te abençoe Édith vai com Deus.

- Fica com ele Padre. - Édith Disse, e saiu, deixando o Padre Uckermann sozinho. Passado 15 minutos, Christopher começou a sentir fome, já que o mesmo só tinha comido algo as 16:00 horas da tarde. Foi até a cozinha, abriu a geladeira, pegou queijo presunto e uma salada que a Édith fez que tinha sobrado do almoço. Caminhou até o armário da cozinha, e pegou um prato e o pão, colocou o queijo presunto e salada dentro do pão. Abriu a geladeira novamente, e pegou um suco que a Édith também tinha feito na hora do almoço. Foi até a pia e pegou o copo que estava embocardo sobre a mesma, e serviu-se do suco. Olhou para uma bandeja pequena que estava do lado da pia, pegou ela, colocando o suco e o seu pão, e foi direito para a sala de tv. Quando acabou de comer o seu sanduíche e tomar o seu suco, escultou um barulho vindo da porta da sala, imaginou que pela hora devia ser o Padre Cícero. Padre Cícero caminhou até a sala de tv, olhou para a mesa de centro que tinha na sala de tv, e viu uma bandeja. Olhou para o sofá e viu Padre Uckermann deitado e todo largadão. Padre Uckermann viu que era o Padre Cícero levantou ficando sentado no sofá e disse.

- Padre Cícero porque o senhor sumiu durante a tarde toda e não disse para onde tinha ido? Eu fiquei preocupado. - Perguntou coçando os olhos.

- Rapaz que cara toda amassada e essa, por acaso você não estava dormindo ou estava? - Perguntou.

- Mais ou menos Padre, digamos que eu só estava cochilando.

- Cochilando sei. Ah e respondendo a sua pergunta meu caro jovem, de onde eu passei a minha tarde. Eu fui lá na paróquia do Padre Octávio, você acredita que ficamos tanto tempo conversando, que eu acabei perdendo a noção da hora.

- Sério.

- Sim, depois tivemos que ir lá no arcebispado porque o Dom Ângelo queria conversar sobre algumas coisas de amanhã em relação a sua posse da paróquia. Ah o Dom Ângelo me perguntou o que você tinha achado da paróquia, se você tinha conhecido as irmãs, e também perguntou se você tinha conhecido o Frederico o contador. Ai eu falei para ele que você tinha ficado encantado com a paróquia, e que eu também iria te mostrar fotos antes da reforma da paróquia para você. E outra o Dom Ângelo me disse, que não vê a hora de você começar botar em prática os trabalhos pastorais para atrair mais fiéis para paróquia.

- Hum. -Bocejou.

- Ih rapaz você deve estar cansado não esta- Perguntou.

- Bocejou outra vez. - Mais ou menos.

- Hum, rapaz quando eu tinha acabado de chegar aqui eu vi que a irmã Catharina tinha acabado de sair com as jovens do coral a Geovana e a Camila. Chaveirinho como sempre fazendo o seu trabalho muito bem, sabe de uma coisa jovem Uckermann, aquela irmãzinha vale ouro. - Disse e Christopher esboçou um sorriso fraco em seus lábios por um momento imaginou a conversa que ele teve hoje a tarde com a irmã Catharina, viu a doçura a inocência e o quanto era pura, juntamente com o seu belo sorriso, o sorriso que mais lindo que ele tinha visto em sua vida. Pensou porque toda vez que alguém falava da irmã Catharina ( Dulce) ele tinha que ficar balançado daquela forma e principalmente confuso. Saiu de seus pensamentos, e por fim olhou para o Padre Cícero, que olhava para ele com uma cara de desconfiado, e disse.

- Padre Cícero, por acaso a irmã Catharina não foi para o convento uma hora dessas sozinha ou foi? Bom o senhor sabe que pode ser muito perigoso para uma moça tão jovem e bonita andar por essas ruas a noite não acha? - Perguntou com um semblante preocupado e sério. Padre Cícero reparou no jeito preocupado do jovem rapaz, com a irmã Catharina, e achou até bonitinho ele ter essa reação. Para ele isso se não era um começo de uma amizade por eles terem se conhecido hoje, com certeza mais na frente, iria sim se tornar uma bela e bonita amizade.

Padre Cícero olhou para o Padre Uckermann e respondeu.

- Jovem Uckermann como sempre se mostrando preocupado com as pessoas, mas não se preocupa, que a irmã Catharina pegou carona com o pai da Camila.

-Ai, que bom.- Suspirou, assim eu fico menos preocupado.

- Uckermann posso lhe fazer uma pergunta?

- Sim claro Padre.

- Porque essa preocupação toda com a irmã Catharina, se você mal conhece ela? Tudo bem eu até entendo o seu jeito todo preocupado com as pessoas. E sei também que você não só ficou preocupado com ela mas também comigo. E não tiro a sua razão em se preocupar com a irmã Catharina, mas o que esta mais me intrigando nessa história toda, e o jeito que você fala da irmã, a forma que você olhou para ela hoje mais cedo lá na paróquia assim que se conheceram. E eu também percebi a forma que ela te olhou hoje mais cedo assim que acabaram de se conhecer. Sabe rapaz pode ser que eu esteja enganado, mas para mim era como se vocês dois se conhecessem a bastante tempo, e não tivessem se conhecido agora entende. - Diz e Christopher engoliu seco. Pensou ele, será que estava tão na cara que ele tinha gostado da irmã Catharina, que fez até o Padre Cícero perceber. Olhou para o Padre Cícero que estava na sua frente, esperando pela sua resposta e disse.

- Bom Padre Cícero, tem uma coisa que aconteceu hoje que eu não te contei. - Diz mordendo um pouco de seus labios.

- O que aconteceu Uckermann? - Perguntou preocupado.

- Riu. - Padre Cícero, porque esta cara hum. -Riu outra vez. - Não se preocupa não é nada demais. E que assim que o senhor saiu, eu arrumei as minhas coisas, e depois descansei. Depois acordei com o cheiro do café e do bolo de laranja que a Édith tinha feito, e acabei não resistindo.- Riu. - Tomei café com a Édith, e depois fui até a paróquia na intenção de ir lá conhecer a minha sala de atendimento. Mas ao passar por ali perto do presbitério, eu escutei alguém cantando, a voz era doce suave, e isso acabou chamando a minha atenção. Olhei para uma escadinha que dava para a direção de onde vinha essa voz. E resolvi subir para ver quem estava cantando daquela forma. E quando eu cheguei no local para onde essa voz me indicou, eu vi a irmã Catharina abaixada recolhendo eu acho que era alguns fios velhos de microfone. Encostei naquele parapeito em que ficamos mais cedo lembra? - Perguntou interrompendo a história.

- Sim. - Respondeu Padre Cícero.

- Bom continuando, e então comecei a puxar assunto com a irmã Catharina. Acabamos ficando um bom tempo ali conversando, vários assuntos. - Riu lembrando daquela conversa que teve com a irmã Catharina, e também lembrou de suas bochechas vermelhas.- E quando deu 17:00 horas eu deixei ela ali terminando de ajeitar as coisas para o ensaio com os jovens.

- Então quer dizer que você já conversou com a irmã Catharina. Bem rápido você hein rapaz. - Riu deixando Christopher um pouco sem graça, e as bochechas do rapaz começou a ganhar um tom rosado.

- E er.. Padre Cícero seja o que tiver pensando, o senhor está completamente equivocado. E e que eu só queria conhecer a irmã Catharina melhor, é só isso. - Disse olhando para baixo, com as bochechas mais um pouco vermelhas do que antes.

— Hum sei, olha lá em jovem Uckermann, você sabe que um sacerdote e uma religiosa não podem se sentir atraídos um pelo outro. Além de ser pecado, e proibido ambos terem esse tipo de relação, porém a única coisa que e permitida, e a amizade. Eu entendo, filho eu também fui jovem igual a você, e as vezes acabamos achando uma ou outra pessoa, bonita e se sentimos atraído por ela. Mas o melhor a se fazer quando sentir assim, e manter sempre o pensamento firme em Deus, e pensar na sua vocação, nunca perdendo aquele primeiro amor de que quando o vocacionado ou a vocacionada entra para o seminário ou o convento certo.— Diz e o Christopher olha para o Padre Cícero  um pouco sério e pergunta.

— Padre Cícero, aonde o senhor quer chegar com isso que acabou de dizer? Por acaso o senhor não está insinuando que eu esteja atraído pela irmã Catharina, ou esta? — Perguntou.

— Olha rapaz quem sou eu para insinuar algo, eu só estou apenas conversando com você, que ninguém está livre disso. Mesmo você eu sendo Padres, nos somos seres humanos, e sentimos as coisas, não somos anjos. Era só isso que eu queria te dizer, eu não estou insinuando nada, até porque você ainda não me deu motivos para isso. Só foi um alerta mesmo que eu quiz te dá, pois as coisas começam assim, com uma atração, e quando vamos ver estamos nos envolvendo por completo. — Disse, e saiu deixando o jovem rapaz ali com os seus pensamentos sobre a direta que o Padre Cícero tinha acabado de lhe dar. O mesmo resolveu ir para o seu quarto descansar, pois o dia de amanhã será bem puxado.

****************************

O Pai da Camila, deixou a irmã Catharina no convento, a mesma saiu do carro se despedindo das meninas, e falou para elas estarem na paróquia meia hora antes, já que a missa iria começar as 19:00 horas. Tocou a campainha, e logo a irmã porteira Maria Belém veio abrir o portão do convento. Irmã Catharina olhou para irmã Maria Belém, e perguntou pela Madre Virginia,  e quando ela ia dizer onde a Madre Virginia estava, a mesma apareceu na sua frente.

— Sua benção Madre.

— Deus te abençoe filha. — Disse fazendo uma cruzinha na testa da jovem, e lhe deu um abraço. — Você deve estar com muita fome não é irmã, a irmã Florencia deixou o seu prato de comida lá na cozinha, e só você esquentar e comer. E como foi lá no ensaio com os jovens? — Perguntou.

— Ah foi bom Madre, e como sempre a Geovana fez manhã porque não quer cantar o salmo e que tem vergonha. Mas eu conversei com ela, e ficou tudo bem.

— Hum filha que bom. Vocês chegaram a conhecer o novo Padre da paróquia? — Perguntou.

— Ah sim, ele estava lá. Quando nos conhecemos ele, o Padre Cícero juntamente com o Padre Octávio estavam lá.

— Sim, irmã o Padre Octávio já voltou de Roma? — Perguntou.

— Sim Madre inclusive o Padre Uckermann veio com ele de Monterrey.

— Hum, então o nome do novo Padre e Uckermann? — Perguntou.

— Sim porque? — Perguntou.

— Por nada irmã Catharina. Por acaso esse Padre Uckermann que veio de Monterrey ele é um dos Padres recém ordenados que o Dom Américo juntamente com o Dom Ângelo estava cogitando a vim para a paróquia? — Perguntou.

— Sim, e por sinal ele é bem jovem Madre e tem menos de 25 anos a senhora acredita.

— Como irmã Catharina o Dom Américo pode ordenar um Padre com menos de 25 anos, isso não pode.

— Irmã Catharina deu de ombros. — Bem Madre ai eu não sei, vai que o Dom Américo achou o Padre Uckermann bastante maduro para a sua idade.

— E irmã vai entender mesmo. Boa noite, ah amanhã a. irmã Thamia vai chamar vocês as seis da manhã certo.

— Sim Madre. — Quando ia sair, a Madre Virginia a chamou.

— Filha quando acabar de jantar não precisa rezar as completas, só faz uma visitinha a Jesus e vai descansar esta bem.

— Sim Madre com licença. — Disse, e irmã Catharina saiu para cozinha. Acabou de jantar, lavou o seu Prato, passou na capela fazendo uma visita ao Jesus e foi descansar.

.







Notas Finais


ABRAÇOS!!!!

COMENTEM!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...