1. Spirit Fanfics >
  2. Meu Psicólogo Jeon Jungkook ( Imagine BTS HOT) >
  3. Bagunça

História Meu Psicólogo Jeon Jungkook ( Imagine BTS HOT) - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Como eu disse no capítulo anterior:

ESTOU REESCREVENDO A ESTÓRIA

Muito obrigada pela atenção de vocês.

TODO DIA TERÁ UM CAPÍTULO NOVO DESSA ESTÓRIA ATÉ ELA ACABAR

Beijos da NamSou ❤️

Amo vocês ❤️

Tenham uma ótima leitura ❤️

Capítulo 2 - Bagunça


Fanfic / Fanfiction Meu Psicólogo Jeon Jungkook ( Imagine BTS HOT) - Capítulo 2 - Bagunça

Jungkook On


— Alô.

— Jungkook, quando você vem pra casa?

Yora — respirei fundo — Eu ainda tenho muito trabalho.

— E eu? Como fico?

— Eu vou está aí às cinco.

Às cinco? — gritou, afastei o aparelho do meu ouvido rápido e aproximei novamente para falar.

Yora, olha, tenta me entender, eu tenho horários marcados, pessoas pra cuidar, aconselhar, eu—

Esquece Jungkook, já está óbvio que você liga mais pra esse trabalho do que pra mim.

— Querida, não pira, você é a minha esposa. Tenta entender o meu lado.

— Tá tá, já entendi. — me sentei na cadeira — Diz pelo menos que vamos jantar na casa dos meus pais esse final de semana.

— Esse final de semana? — droga, eu iria sair pra beber com a _____.

O quê? Já tem compromisso? — ela estava irritada.

Não, tenho não. Eu irei ao jantar.

Que bom porque os meus pais convidaram alguns governadores que são amigos deles. — neguei com a cabeça, outro jantar pra falar apenas de leis e política. Que saco.

Está bem Yora. Eu irei.

— Certo, eu tenho uma audiência hoje no fórum mas estarei em casa cedo, vou preparar a sua comida favorita.

— Muito obrigado.

— Tenho que desligar agora, estão me chamando.

— Ok. Tchau.

— Te amo, até mais tarde.

— Também, até.

Desliguei o aparelho.

O joguei sobre a mesa, esfreguei minhas mãos no rosto frustrado.

Preciso de um descanso, a minha mente está uma completa bagunça.

Yora me cobra tanto, não vê que ela quase mora naquele escritório de advogados, só chega em casa tarde, e quando tem um tempo livre diz que o problema sou eu.

Eu é que não ligo pro nosso casamento. Eu é que não me esforço pra está presente em nada.

Se ela pelo menos pudesse entender meu lado e ser menos egoísta. E ainda tem o meu pai, mesmo depois de anos formado em psicologia, ele ainda não aceita a minha profissão.

Se a _____ e a minha mãe não tivessem me apoiado tanto na época, eu teria mudado o meu curso só pra agrada-lo.

Sim, só pra deixar de ver aquela cara rancorosa, de desprezo.

Suspirei fundo olhando para o teto.

Como resolver essa bagunça que se tornou a minha vida? Aposto que metade dos meus problemas não existiriam se eu tivesse me casado com ela.

Minha _____.

Como eu queria voltar no tempo, não ter deixado me iludir nos encantos da Yora. Além disso, eu deveria ter me declarado pra _____ quando percebi meus sentimentos por ela.

Quando nos conhecemos no fundamental.

Que covarde eu fui.

E agora fico lamentando pelos cantos.

Tics, idiota.

— Com licença Sr Jeon. — a porta foi aberta pela minha secretária.

— Sim?

— A senhorita Moon acabou de chegar.

— Ah, pede pra ela entrar.

— Sim senhor, ah, antes que eu esqueça, o seu amigo Kim Yugyeom ligou, ele quer marcar uma reunião essa semana, disse que é importante e pediu pro Sr retornar a ligação.

— Certo — me ajeitei na cadeira — Me lembre de ligar pra ele assim que a senhorita Moon sair.

— Sim Sr. — saiu fechando a porta.

Fiquei de pé, dei a volta na mesa e me sentei na poltrona no lado esquerdo da sala.

Peguei a caderneta e a caneta.

Faça chuva ou faça sol, um psicólogo nunca para.

[...]

Estacionou o carro na garagem, olhei pelo retrovisor vendo o portão automático fechar, peguei minha maleta no banco traseiro do carro e em seguida sai batendo a porta.

Tirei meus sapatos na entrada da cozinha e deixei na sapateira, o cheiro do molho apimentado entrou nas minhas narinas e isso foi como um energético.

No mesmo momento ganhei a cor de alegria que me faltou a manhã toda desde a hora que a ____ deixou a sala.

Passei pela cozinha entrando na sala, deixei a chave do carro sobre a mesa de centro, Yora não estava aqui. Subi as escadas correndo e assim que cheguei no corredor, entrei no primeiro quarto do lado esquerdo.

Não seja boba, é claro que eu vou lembrar de você. — riu se levantando da cama indo em direção ao espelho.

Ela estava animada, bem diferente da forma que me tratou no telefone mais cedo. A ligação deveria está sendo ótima para ele exibir esse sorriso largo.

A ignorei colocando minha maleta sobre a cômoda, aos poucos abri minha camisa branca social e tirei. Abri o cinto da calça também tirando junto com a calça preta.

Andei no quarto somente de box, coloquei a roupa suja no cesto e entrei no banheiro afim de tomar meu banho.

Assim que termine, enrolei a toalha na minha cintura e deixei o cômodo, mas minha passagem foi barrada pela minha esposa que estava furiosa.

— Seis e meia Jungkook. — cruzou os braços me encarando.

— Surgiu um imprevisto — passei por ela indo em direção ao closet — Yugyeom apareceu e tínhamos um assunto urgente para resolver.

— Que durou uma hora e meia?

— E nós nem resolvemos tudo. — ditei calmo.

— Assim não dar. — começou — Você não leva nada a sério, qualquer coisa é mais importante pra você do que eu. Do que esse bendito casamento!

Respirei fundo.

Separei uma calça moletom e uma camisa branca de manga curta.

Ela ainda falava. Ou melhor gritava.

Será que ela não ver o quão desnecessário isso é? Eu não sou um cachorro que ela vai falar vem, e eu vou simplesmente abanar o rabo e a seguir.

Assim que terminei de me vestir, voltei para o quarto e lá estava ela.

Gritando.

— Você me ouviu Jungkook?

Minha paciência acabou.

— Yora, chega! Chega tá legal? — falei com a voz mais alta — Eu não tenho tempo pra discutir com você por conta das suas besteiras. Eu estou cansado tá legal? Você não é a única que se estressa no trabalho não.

— Mas Jungkook—

— Eu disse chega. — a encarei — Eu não sou seu cachorro, nem sei filho pra você mandar em mim. Eu sou um homem. Então me trate como tal.

— Jungkook, eu só estou com saudade. — ditou com a voz manhosa — Eu preciso de você o dia todo, mas você nunca está lá pra mim. Quando faço um jantar você sempre chega horas depois. Eu estou cansada disso.

— Você não ver o que eu passo? Pessoas estão morrendo lá fora com depressão, jovens se machucam! É meu dever como um profissional e ser humano ajudá-los! E ainda tem o meu pai que me despreza, nem olhar na minha cara ele quer. Aí vem você que poderia ser a minha única torre forte, mas não, está sempre jogando a responsabilidade dos nossos problemas sobre mim. Agora me diz, quem não está cansado?

Ela apenas me olhou sem dizer uma palavra.

— Eu também sinto saudade. De ter paz nessa casa.

Virei as costas e voltei para o closet, troquei minha calça moletom por uma jeans, em seguida sai.

— Vai pra onde? — me perguntou

— Beber. — deixei o cômodo fechando a porta.

Desci as escadas com rapidez, peguei a chave do carro sobre a mesa de centro e andei rumo a garagem.

Só havia uma pessoa no mundo todo que poderia me entender e me ajudar agora.

E era pra ela que eu iria.

Continua...


Notas Finais


TODO DIA TERÁ UM CAPÍTULO NOVO DESSA ESTÓRIA ATÉ ELA ACABAR

Se vocês já odiavam a esposa do Jeon antes, imagina agora kkkkk


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...