História Meu Querido Cunhado - Shawn Mendes - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Magcon, Shawn Mendes
Personagens Nash Grier, Shawn Mendes
Tags Amor, Proibido, Shawn Mendes, Traição
Visualizações 106
Palavras 2.170
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drabble, Drama (Tragédia), Festa, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Cross-dresser, Drogas, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi oi Brasil, turu bom?
Bem minha gente, não aguentei esperar até o fim da outra fic para começar uma nova, tive ideias maravilindas para essa história.
- Leiam os avisos, caso não gostarem, por achar o conteúdo muito pesado, sugiro que não leia. Agradeço desde de já.
É isso, espero que gostem.

Capítulo 1 - O Começo


Julia POV

- JÚLIA PEREIRA SANTOS, LEVANTE JÁ DESTA CAMA - Despertei-me lentamente, enquanto minha mãe me gritava. Provavelmente já estava atrasada para escola. 

Levantei-me com minha lerdeza costumeira e fui direto para o banheiro, me despi e entrei no box. Liguei o chuveiro na água gelada para ajudar-me a acordar. 

Prazer, sou Júlia Pereira Santos, tenho 17 anos e estou no ensino médio, mas logo logo vou para a faculdade, já estou no terceiro ano. Nasci no Brasil, mas me mudei para o Canadá faz pouco tempo. O motivo foi querer experimentar viver em outro país, nada demais. Sou uma garota de 17 anos comum, tenho amigos, namorado e meus pais, felizmente, não são divorciados. 

Me dei conta que estava demorando o suficiente para daqui a pouco minha mãe começar a me gritar de novo. Vesti uma calça jeans, uma camisa branca e por cima um moletom, o frio aqui no Canadá, às vezes, chega a ser insuportável. Coloquei meu tênis da adidas, soltei meus longos cabelos castanhos, passei um perfume maravilhoso e apenas passei um rímel. Peguei minha mochila e caminhei para direção externa de meu quarto. Desci e encontrei minha mãe pegando sua bolsa apressadamente, aposto que estava atrasada. Ela veio em minha direção. 

- Seu pai saiu mais cedo para resolver uns assuntos da empresa, mas voltaremos à tempo para o jantar. E não se atrase pelo amor de Deus - minha mãe dizia desesperada, deveria ser por conta da pressa. Paula Pereira da Silva Santos - minha mãe - tem 39 anos, não daria essa idade para minha mãe, ela parece ser bem mais nova. Como qualquer outra mãe ela é preocupada e às vezes é muito paranóica. Uma das coisas que mais me irrita é seu perfeccionismo, qual é? Apenas um garfo fora do lugar, já e motivo para recitar a bíblia. Já meu pai, Júlio Castro Santos, tem 41 anos, só que ele realmente parece ter a idade que tem. Meu pai é completamente diferente da minha mãe, ele é tipo aqueles tiozinhos que querem se pagar de jovem, uma verdadeira comédia. Uma das coisas que mais me irrita nele, é ele querer ter o total controle da minha vida. Mereço. 

Despertei-me de meus pensamentos assim que ouvi o forte barulho da porta se fechando, minha mãe tinha acabado de sair. Me sentei a mesa e comi lentamente, foda-se se eu estava atrasada, estou querendo relaxar, apenas isso. 

Assim que terminei de tomar meu café da manhã, fui escovar meus dentes e pegar meu celular, conferi as horas já eram 7:47 e minhas aulas começam às 8:00, nem preciso dizer que se eu for a pé vou me atrasar. Minha sorte foi que vi a mensagem de Bryan - meu namorado - me perguntando se queria carona, obviamente respondi sim e o esperei. 

Bryan Richard Mendes, tem 18 anos e bom como vocês já sabem é meu namorado. Começamos a namorar, a uns três meses atrás. Éramos apenas amigos e resolvemos tentar algo mais e realmente tá dando certo. 

Fui em direção à porta e me certifiquei que estava tudo no lugar e a tranquei. Bryan chegou 3 minutos depois, sua casa não é muito longe da minha. Seu carro era uma ferrari. Bryan era filho do empresário Mendes, então nem preciso dizer que ele é podre de rico. 

- Bom dia, amor - dei um selinho nele e me sentei, colocando meu sinto logo em seguida. 

- Bom dia - ele disse dando partida no carro - Amor, minha família te chamou para jantar com a gente hoje - Engoli em seco. Acho que toda garota fica nervosa em conhecer os sogros. Minha mão automaticamente começou a suar. 

- Claro A-amor - Droga! Não gagueja. 

- Tem certeza, amor? Não parece estar confortável com a situação - ele disse estacionando o carro, no estacionamento da escola. A escola era pertinho, por isso chegamos rápido. Mas se eu fosse a pé na preguiça que eu tô, iria chegar aqui só amanhã. 

- Só estou nervosa, Bryan. E se sua família não gostar de mim? - Realmente esse é um dos meus maiores medos. Ele acariciou minha bochecha. 

- Eles vão adorar você - Disse me dando um breve selinho - Vamos amor, daqui a pouco bate o sinal - saimos do carro de mãos entrelaçadas, até hoje isso atrai olhares. 

- Me dê seu horário, deixa eu ver suas aulas - ele disse enquanto estendia a mão, para que eu lhe entregasse o meu horário - Não vamos ter aula juntos hoje - ele fez um biquinho triste, depois de analisar os nossos horários. 

- Então até o intervalo, amor - Dei um selinho, mas o mesmo aprofundou e virou um beijo intenso. Que vergonha, no meio da escola! 

Assim que nos separamos o sinal bateu. E, que merda! Minha aula agora era Química, com a professora mais chata do mundo. Assim que adentrei a sala encontrei a Tiffany, minha melhor amiga. 

- Menina, você não acredita no babado que aconteceu - Tiffany disse realmente muito empolgada. Tiffany Marie Blake, é minha melhor amida desde que cheguei aqui no Canadá, engraçado como conseguimos pegar muita intimidade com poucos anos de amizade. 

- O que foi que aconteceu, sua doida? - Tiffany fazia uns movimentos estranhos com ss mãos indicando empolgação. 

- Cale a boca todo mundo e abram o livro na página 56 - a professora mal-humorada falou e no mesmo instante a sala toda se calou. Eu e Tiffany ajeitamos nossas posturas. 

- Depois te conto - Sussurrou e eu assenti com a cabeça, logo depois voltamos a prestar atenção na aula. 

As outras aulas passaram lentamente e infelizmente ainda era terça-feira. E para piorar mais ainda, depois da aula de Química, não tive mais nenhuma aula com a Tiffany. Assim que o sinal bateu indicando o intervalo, sai apressadamente em busca de Tiffany e acabei esbarrando em alguém. 

- Desculpa - disse já pronta para seguir meu caminho, mas um braço me pixa bruscamente. Levei uma mini sustinho. 

- A onde vai com tanta pressa, amor? - assim que reconheci essa voz relaxei meu músculos. 

- Desculpa, amor. Estou indo encontrar a Tiffany, vou passar o intervalo com ela - ele fez um biquinho triste. 

- Então, tá. Qualquer coisa estou na quadra com os meninos - me deu um selinho e dessa vez fui eu que aprofundei. 

Nossas línguas travavam um batalha deliciosa e urgente, era como se não nos tivemos nos beijado à séculos. Bryan me prensou na parede da escola e automaticamente pulei em seu colo. Sua mão estava alisando minha bunda, enquanto eu acariciava sua nuca. Ficamos assim por um bom tempo, até eu lembrar que estávamos em um corredor de escola e que a diretora poderia aparecer a qualquer momento, e além do mais eu precisava respirar. 

- Para seu louco, vamos ser pegos - disse separando o nosso beijo, ele abaixou sua cabeça, olhando para seu membro, ele estava ereto. Dei um risinho fraco. 

- Isso, ri mesmo da desgraça dos outros - continuei gargalhando - Se rir mais uma vez vou te foder na sala do zelador - fiquei assustada com sua fala e dessa vez foi sua vez de rir. 

- Besta - dei um selinho nele e me afastei indo procurar a Tiffany. Encontrei-a em um lugar mais afastado do pátio. 

- Até que enfim, a margarida resolveu aparecer - Tiffany disse assim que me viu - Estava em uma rapidinha com o Bryan - Ela fez uma carinha maliciosa. 

- Não, mas tenho certeza que se eu continuassr com aquele beijo, teria transado com ele naquele corredor - Disse e só depois que a Tiffany começou rir me dei conta que minha frase era muito maliciosa. 

- Hmmm safadinha - ela disse se parando aos poucos de rir - Mas deixa eu te contar o babado - fiz um sinal para que ela prosseguisse - Entrou um professor novo de sociologia, e pensa em um professor gostoso - ela disse mordendo os lábios, revirei os olhos e ri. 

- Minha próxima aula é Sociologia, mas eu tenho uma coisa para te contar - Tiffany me olhou fixamente - O Bryan me chamou para conhecer a família dele no jantar que vai ter hoje - a Tiffany começou a dar mini surtos. 

- Vai que é tua amiga, boy lindo e ainda quer te apresentar para a família - Ela disse me chacoalhando - Dá o bote - Ri de suas falas. 

Ficamos conversando sobre garotos, futuro, moda, diversão, e até mesmo memes. Até que o sinal bateu e fomos cada uma para sua sala. 

- Olá turma, meu nome é Nash Grier e serei o novo professor de vocês - o professor disse assim que entrou na sala, e caralho, alguém me ensina a respirar? As asssanhadas da sala com certeza começaram a fazer gestos provocantes e obscenos para o professor, piranhas! Seu olhar passou por toda sala e parou em mim, ficou me encarando por um bom tempo até voltar sua atenção à aula. 

- Bom turma, passarei um teste avaliativo para ver como vocês estão em sociologia - Todos reclamaram - mas não se preocupem, não valerá nota, será apenas para avaliar o conhecimento de vocês em sociologia. 

Ele passou o teste para todos da sala, e para minha surpresa demorou uns segundos em olhando. 

Tenho a plena certeza de que fui muito mal nesse teste, mas fazer o que, né? Eu sou uma negação em Sociologia. Entreguei a prova de qualquer jeito e fiquei esperando ansiosamente o sinal bater. 

O sinal bateu e finalmente me veria livre daquela sala. 

- Júlia, você fica - o Nash disse firme. Ah mas que bosta. 

- O que foi professor? - disse olhando fixamente em seus olhos azuis, que faziam qualquer um se perder neles. 

- Descobri que a senhorita não é muito boa em Sociologia - Ele disse se levantando e ficando na minha frente. 

- Sério, descobriu sozinho? - falei em tom de deboche e Nash pareceu se irritar. 

- Olha eu exijo respeito - ele disse firme e juntou nosso corpos, fazendo nosso íntimos se chocarem, isso me fez arfar. Nash deu um sorrisinho. Filho da puta! - Então, meu aviso é só um "estude", por enquanto. - Riu fraco e afroxou seus braços que estavam rodeando minha cintura, aproveitei e o empurrei. Sai correndo da sala.  

Os restante das aulas passaram rápido, eu precisava me abrir com alguém. Mas eu quero ir para casa primeiro. Chegando em casa, me livrei da minha mochila e fuj caçar alguma coisa para comer. Acabei pegando uma barra de chocolate. Fui para o sofá e fiquei assistindo série, até que resolvi contar para Tiffany o que aconteceu. 

Eu: Acredita que o professor de sociologia deu em cima de mim? 

Piranhona: 😱😱

Piranhona: Filha da puta sortuda. 

Eu: É sério amiga, eu não gostei. Tenho namorado. 

Piranhona: Desculpa cadela. Qualquer coisa se isso acontecer de novo, nós contamos para o diretor. 

Eu: Valeu amiga

Recebi uma mensagem do Bryan

Amor: Vida, te pego às oito, ok? 

Eu: Ok, até lá amor😘😘

Amor: Até vida

Fui conferir as horas no meu celular e vi que eram 18:40. Puta que me pariu em um bordel, tenho que me arrumar. 

Tomei um banho rápido, porém o suficiente para ficar cheirosinha. Passei alguns hidratantes e perfume em meu corpo. Decido ir um com um vestido preto rodadinho, com um tênis da adidas, o cabelo com alguns cachos nas pontas e uma maquiagem, marcando mais os olhos. Estava realmente linda. 

Ouvi uma buzina, peguei uma bolsinha e coloquei meu celular, documentos e dinheiro. Fui correndo até a porta e vi o Bryan usando uma social branca, que homem gostoso gente, é meu! 

- Tá linda amor - disse me rodando e logo em seguida me dando um beijo calmo. 

- Tu também tá um pedaço de mal caminho - disse e rimos. 

Fomos o caminho inteiro cantando e sejamos sinceros, não temos uma voz muito agradável. Logo chegamos, em uma mansão e que mansão. 

Assim que adentramos fomos recebidos por dois rapazes e uma mulher. 

- Amor, esses são meus pais: Manuel e Karen, e esse é meu irmão: Shawn - disse e logo em seguida cumprimentei todos com beijo na bochecha, menos o Mendes, cumprimentei-o apenas com uma aperto de mão e vi Bryan sorrir. 

- Vamos o jantar está servido - Disse uma mulher aue eu julguei ser a empregada. 

O jantar ocorreu agradável e calmo, assunto era o não faltava. Só uma coisa não me agradou, Shawn colocava a mão na minha coxa direto e eu retirava sua mão de lá toda hora. Tarado! 

Assim que o Jantar acabou, Shawn já tinha ido para seu quarto. Estávamos na sala até que me deu vontade de ir no banheiro. Me retirei e quando estava a caminho do banheiro, fui puxada bruscamente e prensada na parede. 

- Então a princesa gosta de se fazer de dificil - logo reconheci essa voz: Shawn. 



Notas Finais


Gente que capítulo grande, mas e ai? O que acharam.
Se gostarem continuarei com a fic.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...