1. Spirit Fanfics >
  2. Meu Querido Destino - Harry Styles Fanfic >
  3. Capítulo 1

História Meu Querido Destino - Harry Styles Fanfic - Capítulo 1


Escrita por:


Capítulo 1 - Capítulo 1


Fanfic / Fanfiction Meu Querido Destino - Harry Styles Fanfic - Capítulo 1 - Capítulo 1

Essa história começa da melhor forma possível, com Zoe Hastings se sentindo extremamente bem, como sempre se sentiu. É o jeito certo a se começar o resumo da parte mais tocante de sua vida, ou seja, não precisamos começar uma bela história de vida contando especialmente os lados negativos. 

Zoe Hastings era uma jovem adulta de 23 anos que acabara de começar sua vida em Nova Orleans. Havia acabado de se formar em literatura inglesa pela faculdade de Tulane, e estava trabalhando há um ano em uma editora local. Morava com seu cachorro Sebastian em um apartamento que alugara de sessenta metros quadrados, era pequeno, mas era perfeito para Zoe.

Desde bebê Zoe havia o dom da independencia. Sempre foi o bebê mais independente, a criança mais proativa, a adolescente mais diferente, a jovem mais coerente com seus pensamentos. Sempre soube que quando completasse a maior idade iria sair de casa porque simplesmente não aguentava ver sua mãe sofrendo as dores do divórcio com seu pai até os dias atual. Não entendia o porquê da mãe se importar com algo que vinha de seu pai, tendo em vista que ele nunca ligou para casamento, nem para vida social, a vida de Mark Hastings era apenas para o trabalho e o dinheiro.

Zoe não entendia como alguém poderia colocar o trabalho e o dinheiro na frente da família, dos amigos e até mesmo do próprio caráter. E por conta disso, aos 18 anos, Zoe se mudou para Nova Orleans, onde começou uma faculdade e atualmente, trabalha com o que sempre quis.

***

– Meu Deus! Nove da manhã, não acredito! – Zoe disse assim que abriu os olhos e olhou o relógio no criado mudo.

Saiu da cama em dois segundos e seguiu até o banheiro, tentando se arrumar da melhor forma que podia, no menor tempo que tinha. Tomou uma ducha rápida, passou uma maquiagem e terminou colocando uma calça jeans preta, uma regata e um blazer por cima. Olhou rápido no relógio e constatou que eram nove e quarenta, respirou fundo.

Saiu do apartamento puxando Sebastian pela coleira, batendo na porta do apartamento ao lado do seu, onde seu melhor amigo, Peter Gerard, mora.

Peter e Zoe se conheceram assim que Zoe chegou em Nova Orleans. Zoe morou por três meses de aluguel ao lado da mãe dele e por sorte dos encontros que o destino proporcionou, eles ficaram muito amigos e não se desgrudaram nunca mais.

Poucos segundos após Zoe bater na porta, se deparou com Peter abrindo a mesma com a cara inchada de sono, vestindo apenas uma cueca samba canção.

– Bom dia, flor do dia! – Peter disse sorrindo ao ver Zoe atrasada – Pelo visto dormiu mais que a cama...

– Eu tinha que estar na editora às nove e meia – Zoe disse sorrindo sem jeito, entregando a coleira com Sebastian para Peter – Tem como você dar uma voltinha com ele? Por favor?

Peter riu e confirmou com a cabeça, vendo Zoe sorrir e lhe dar um beijo na bochecha, correndo em seguida para a escadaria.

– Eu juro que te apresentaria meu irmão, se eu tivesse um! – Zoe disse rindo, descendo os degraus com pressa.

– Eu tenho namorado! – Peter respondeu rindo.

– Tchau, te amo! – a garota respondeu num tom bem alto.

– Te amo! – ele gritou, fechando a porta do apartamento.

Zoe gostava da sensação de estar em casa mesmo não estando na Flórida, onde ela havia nascido e crescido. Ela precisou se mudar para começa a se conhecer. Viver em Nova Orleans sempre havia sido o sonho de Zoe, achava a cidade viva, cheia de cores, amores, histórias e pessoas. Achava que a vida durante o dia em Nova Orleans era comum, mas todo fim de semana as ruas se enchiam de pessoas prontas para curtir, os bares ficavam lotados de pessoas comemorando e dançando jazz. E para Zoe, não existia nada mais incrível do que pessoas felizes dançando Jazz.

***

– Bom dia, pessoa atrasada! – Sarah disse sorrindo ao ver Zoe se sentando na sua mesa ao lado de onde Sarah estava.

– Eles perceberam meu atraso? – Zoe perguntou num tom de voz baixo, vendo Sarah negar com a cabeça, sorrindo.

Sarah era a tampa da panela de Zoe. Se conhecem desde quando Zoe se entendia por gente, era como família. As mães de Sarah e Zoe eram amigas, então as duas cresceram juntas, como irmãs. Até que algum dia na adolescência, as duas conversaram sobre o que queriam ser no futuro e a única coisa que Zoe pensava era que ela não tinha certeza de nada na vida, mas sabia que queria ter asas e voar para Nova Orleans. E quando as duas completaram dezoito anos, se mudaram para Nova Orleans.

Ambas se formaram na faculdade e estavam finalmente conseguindo conviver juntas, na mesma roda de amigos e no mesmo trabalho.

– Ninguém percebeu, mas pelo visto, hoje o Jack está atacado com alguns atrasos da editora –  Sarah respondeu, se referindo ao editor chefe – Ele tem uma reunião sobre o livro que havíamos revisado e provavelmente ele não esteja muito feliz com a decisão da empresa de querer publicá-lo.

– Sério que ele está com raiva por isso? – Zoe disse rindo de canto, ligando seu computador para começar o trabalho, vendo Sarah confirmar com a cabeça.

– Hastings? – a voz de Jack se se fez presente vindo da sala dele, fazendo Zoe revirar os olhos enquanto se levantava e ia até o local.

Jack Williams deveria ter seus trinta e alguns anos, cabelos loiros e compridos na altura dos ombros. Um porta muito atlético para alguém que só vivia em pró de trabalho, porém Zoe admitia que ele era o melhor editor de livros que já havia conhecido. Ele era centrado, comprometido, focado e seguia tudo de acordo com as normas padrão da empresa, e aquilo gerava um bem entre as pessoas que ali trabalhavam.

– Oi Jack! – Zoe disse enquanto dava duas batidas leves na porta do chefe.

– Hastings, bom dia... – ele disse sorrindo de canto, voltando a olhar para alguns papéis em cima da mesa – Está tudo bem? Não te vi por aqui mais cedo...

– Ah... É que eu... Eu estava no banheiro – Zoe respirou fundo, tentando manter a mentira – Problemas de mulheres, sabe?

Jack não olhou para Zoe, parecia confiar na palavra da moça. Apenas respirou fundo e disse num tom mais sério:

– Eu vou precisar que você esteja comigo na reunião com o departamento de publicação – disse enquanto pegava as folhas em cima da mesa e se levantava – Eu não concordei com a publicação deste livro porque eu não entendi a proposta desse livro, porém a regra da nossa empresa é que todos os funcionarios votem para validar uma publicação e a maioria concordou em publicar, então...

– Tudo bem, entendi! – Zoe confirmou com a cabeça, sorrindo de canto – Vamos então.

Seguiram até a sala de reunião, fazendo Zoe se deparar com os principais sócios e donos da editora. Ambos estavam sentados a uma mesa de mais ou menos três metros de comprimentos. Zoe sorriu de canto e se sentou entre Jack e o dono da editora, e então todos na salam começaram a conversar sobre a publicação do tal livro.

Duas horas de reunião haviam se passado e Zoe ainda não havia dito nenhuma palavra se quer, apenas tinha feito algumas anotaçães que achara importantes, e tinha certeza de uma coisa: ela iria defender a publicação do livro porque ela votou a favor.

– Eu não entendi muito bem o contexto do livro – Jack continuou falando – Mas como nós somos uma editora democrática, temos essa regra de publicar um livro onde a maioria dos funcionários votem positivamente para essa publicação. No entanto, estou confessando que não entendi a lógica desse livro, então chamei a Hastings, que é uma ótima funcionária para que talvez ela nos explique melhor algo que eu possa não ter percebido – ele diz de forma calma e todos na sala direciram seus olhares para Zoe, que sorriu de canto.

Zoe não se sentia amedrontada por estar na frente de um monte de homens de terno na sua frente, nem por ser a mais inexperiente daquela sala. Ela sabia o motivo de estar ali e ela estava convicta do que tinha que falar.

Zoe respirou fundo e se levantou, andando até a frente da mesa.

– Boa tarde, senhores. É... – Zoe respirou fundo novamente – Tem algum tempo que eu trabalho como estagiária do Jack Williams, e hoje com apenas vinte e três anos eu acho que tenho a segurança e a gratidão por estar podendo participar de uma reunião com pessoas tão incríveis e competentes – disse e logo viu um pequeno sorriso na boca de alguns dos sócios – Com relação ao livro, esse livro ganhou a maioria dos votos dos funcionários e por isso nós estamos nessa reunião de publicação, porque só falta ser aprovado pelos senhores.

– Isso nós sabemos – um dos sócios comçeou a fazer – Queremos saber do que isso se trata? Quem é esse autor anonimo aos nossos olhos? Quais são as propostas fundamentadas nesse livro? O que a publicação desse livro nos traria de bom?

– O livro se chama: Nos atualizando sobre os sexos, e ele basicamente falar sobre a sexualidade na vida do ser humano. O autor é um jovem chamado Lucas Hills, ele é conhecido apenas como L.Hills, e é bastante conhecido na internet. Tem cerca de um milhão de seguidores só no instagram...

– E por acaso você acha uma boa ideia pegar um autor desconhecido nessa altura do campeonato? Por que leitores atuais não compram livros de papeis, eles preferem algo digital.

– Isso não é uma regra – Zoe deu de ombros, negando com a cabeça – Eu acho que ele tem muitos seguidores e leitores jovens e com certeza essa galera vai acompanhá-lo – Zoe disse, por fim, vendo um aspecto de indecisão no rosto de algumas pessoas ali, fazendo-a respirar fundo – Seguinte... Nós estamos passando por um momento onde os jovens estão lendo mais livros do que há cinco anos atrás. Estamos num momento onde a internet tem números exorbitantes e podemos sim trazer esses números para a nossa realidade! Podemos tirar a vista deles nem que seja de um tablet ou de um computador, para um papel e capa! Eu vejo todo mundo com medo de inovar, de tentar, mas se ninguém tentar, ninguém nunca vai saber...

– Tudo bem – um outro sócio disse, dando de ombros – Mas um livro de sexualidade não interessa ninguém!

– Ah, não? – Zoe prguntou sorrindo de canto, andando até sua bolsa que estava na casa em que ela estava sentada, pegando alguns preservativos que tem em sua bolsa e os colocando em cima da mesa, na frente dos sócios – Então me diz como foi que eu aprendi a carregar isso comigo?

Ninguém ousou a falar nada, um silêncio tomou conta do lugar, mas um sorriso se abria no rosto de cada um ali.

– Eu tenho que me cuidar porque eu posso pegar uma doença, eu posso ter uma gravidez indesejada, eu tenho que estar confortável, eu tenho que me sentir bem e eu aprendi lendo – Zoe continuou falando – Acho que a verdade é que todos nós precisamos saber sobre sexualidade porque isso está nos cercando vinte e quatro horas por dia. O toque, a pele na pele, o olhar, o romance, o flerte. Jovens vivem isso diariamente isso como ninguém e sinceramente, eles precisam se cuidar, precisam entender, precisam falar sobre. Os adultos precisam conhecer mais sobre si, descobrir coisas novas e atualizar seus conceitos. É essencial para todos nós, é um assunto que nunca vai morrer – Zoe diz convicta e sorri de canto, vendo o sorriso no rosto da maioria das pessoas naquela sala, inclusive de Jack, seu chefe.

Era um bom sinal, na verdade, sorrisos sempre são bons sinais.

***

– Um brinde para a mais jovem, inteligente, linda e sexy pessoa a ser contratada para ser a agente do chefe de edição! – Peter disse enquanto erguia uma caneca com chopp de cerveja.

Após a reunião, Jack Williams fez questão de conversar com Zoe e a convidou para ser sua agente na editora. Ela seria responsáveis por toda a papelada, por todo contrato e por todos contatos. Ela integraria o quadro fixo de funcionários da editora. E além da comemoração da contratação de Zoe, todos estavam comemorando o casamento de Louis e Ellen, que iriam se casar no dia seguinte.

Seria um casamento bem simples e pequeno, no quintal dos fundos da casa de Louis e Ellen, algo só para firmar o relacioanemento de ambos, porque Louis e Ellen já tinham uma filha de três anos.

Eles estavam em um bar onde a especialidade era cerveja gelada e muito jazz. Zoe estava se sentindo bem, havia tido uma promoção incrível no trabalho e estava rodeada de todas as pessoas incríveis que ela havia conhecido em Nova Orleans: Sarah, Peter, Louis e Ellen.

Eles brindaram as canecas cheias de cerveja e ficaram conversanso sobre diversos assuntos, afinal de contas, era Sexta-feira e eles não estavam com nenhum tipo de preocupação com horário de ir embora. Queriam só comemorar!

– Agora você precisa começar a juntar dinheiro – Ellen disse sorrindo de canto – Juntar um dinheiro, sair daquele apartamento alugado e comprar uma casinha pra você...

– Não fala assim do meu apartamento, eu amo! – Zoe disse rindo, dando um gole na cerveja.

– Talvez fazer uma festa foda na sua casa nova! – Louis disse rindo, fazendo Zoe rir e confirmar com a cabeça.

– E quem sabe procurar alguém pra começar uma vida a dois – Ellen disse, por fim, fazendo Zoe sorrir de canto.

– Amiga, minha vida começou há quase vinte anos atrás – Zoe disse rindo, revirando os olhos de forma debochada – Eu não quero pensar nisso agora. Eu não quero me casar, não quero montar uma família, eu não tenho isso como desejo na minha vida, sabe? – ambos confirmaram com a cabeça – Eu só quero focar no meu trabalho, dar o melhor de mim... Quem sabe daqui a alguns anos isso pode se tornar um desejo, mas no momento eu quero viver pra mim – Zoe falou por fim, vendo Louis e Ellen confirmarem com a cabeça.

Zoe agradeceu mentalmente pelo garçom na mesma hora ter chegado com as duas pizzas que eles haviam pedido, para quem sabe mudar esse assunto chato que se instalou na mesa.

Quando Zoe pensava em seu futuro, ela sempre tinha uma visão de alguém formado, trabalhando, ganhando bem e feliz. Isso era o desejo de Zoe. Não queria namoro, casamento, gravidez e filhos. Isso tudo parecia muito maduro para a pouca experiência de vida que Zoe achara que tinha. Defintivamente nada disso estava nos planos de vida de Zoe Hastings.

– Em homenagem a Zoe, pizza de mussarela com três vezes mais queijo! – Sarah diz batendo palminhas de forma animada.

– Está parecendo ótima! Quero comer essa pizza toda! – Ellen diz sorrindo, animada.

– Sabe o que eu quero? Seu metabolismo! – Zoe disse olhando para Ellen, que deu uma gargalhada ao ouvir a amiga – Você teve uma filha há três anos, olha seu corpo!

– Troco meu metabolismo pelos seus peitos, eles são lindos! – Ellen rebateu, fazendo Zoe dar uma gargalhada.

– Que peitos? Esses? – digo colocando a mão nos meus peitos de forma engraçada, fazendo todos da mesa rirem – O único remédio para isso é ficar bebada e achar que tem peitos bonitos – Zoe diz rindo, entregando um caneca de cerveja para Ellen.

– Ah... Obrigada amiga, mas eu não vou beber... – Ellen diz, dando um sorriso de canto.

– Sério? Por quê?

– Está tomando remédio? – Peter perguntou, sorrindo – Não me diz que vai colocar um silicone!

– Ela está grávida, gente! – Louis diz sorrindo e então todos na mesa ficaram por alguns poucos minutos os olhando, imaginando que era uma brincadeira.

– Sério? – foi a única coisa que saiu da boca de Zoe.

– Sério! – Ellen diz animada – Eu estou grávida mesmo, mas não vamos descatar o lance do silicone depois...

Zoe deu uma gargalhada e logo se levantou para cumprimentar os amigos.

– Meu Deus, que legal! – Sarah disse animada – Um irmãozinho ou irmãnzinha para a Cammie.

– Foi até por conta da gravidez que nós preferimos adiantar o casamento – Louis diz voltando a se sentar.

E a noite seguiu de forma leve e gostosa até altas horas da madugada, durante todo o momento todos conversavam sobre tudo, parecia que estavam comemorando mais do que a contratação de Zoe, a gravidez e o casamento de Ellen e Louis. Ambos sentiam que estavam comemorando a amizade que havia entre eles.

Até que uma música diferente chegou aos ouvidos de Zoe, fazendo-a pegar o telefone que estava tocando. Era sua mãe.

– Licença, vou atender minha mãe lá fora, o som está muito alto aqui dentro... – Zoe disse sorrindo de canto, se levantando e seguindo em direção à saída do bar.

Assim que saiu do local, notou que a madrugada já estava dando seus sinais de chegada. As ruas começavam a ficar mais vazias, alguns bares estavam vazios e outros estavam fechando, com exceção do que Zoe estava. Parecia que aquele bar em específico estava mais lotado e mais animado do que o normal.

Se encontou na parede e atendeu o telefone.

– Oi mãe! – Zoe disse sorrindo de canto.

– Oi meu amor! – a mãe respondeu do outro lado da linha – Já está em casa?

– Ainda não, estou com uns amigos comemorando – respondeu.

– Ah... Toma cuidado então, tudo bem?

– Tudo bem, mãe! – Zoe respondeu rindo.

– Eu só liguei para te dar os parabéns pela contatação, eu estou muito orgulhosa de você e espero que sue pai também esteja da filha linda que ele perdeu a chance de poder criar e ver essa pessoa linda que você está se tornando.

– Ah, mãe... – Zoe respirou fundo – Obrigada. Mas deixa o papai pra lá, eu não tenho contato, você também não, vamos deixar entre nós apenas.

– Você sabe que eu não admito as coisas que ele fez para você, e...

– Mãe, eu preciso desligar, estão me chamando com urgencia aqui... – mentiu.

Decidiu mentir e interromper a mãe porque sabia que se prolongasse a chamada com sua mãe, ela iria começar a ficar sentimental, rancorosa por conta do pai e iria chorar na ligação. E tudo o que Zoe menos precisava era ouvir sua mãe chorando e se lamentando.

– Tudo bem, minha filha. Toma cuidado aí hein!

– Pode deixar, mãe.

– Tchau, meu amor.

– Tchau, mãe! – Zoe diz de forma calma, desligando a ligação e respirando fundo, tentando mandar para longe todas as lembranças não muito boas que tinha com sua mãe.

Não que sua mãe tivesse sido uma mãe ruim, longe disso! Sempre soube que sua mãe era a melhor mãe do mundo, mas acontece que ela ficou psicológicamente abalada com a distância do pai, talvez tenha sofrido até mais do que Zoe e por conta disso, qualquer assunto que envolva o pai de Zoe, ela chora. Zoe sabia que a mãe era carente, precisava de demonstrações de afeto constantemente, e Zoe não se sentia bem com o fato de saber que a mãe estava mal pelo pai. Então gostava mais de pensar em ajudá-la lhe mandando dinheiro para as consultas com o psicólogo e a poupando de saber dos problemas que Zoe tinha.

– Mentindo para a mãe? – uma voz masculina disse de repente, a pegando de surpresa.

Zoe se virou para onde estava a voz e se deparou com Harry. Harry era um carinha qualquer que ela havia conhecido na biblioteca da faculdade quando ainda estudava. Eles haviam se esbarrado algumas vezes pelo campus, mas nunca tinham conversado, era mais como “bom dia”, “boa tarde”, “oi,” “tchau”. Não sabia qual curso ele estava cursando na faculdade, e nem sabia onde ele morava, mas o pouco que sabia era que ele era britanico, bonito, tinha uma voz bonita e um sorriso totalmente charmoso.

Charmoso até demais, porque Zoe ficou por alguns bons segundos apenas encarando aquele sorriso lindo que tinha nos labios de Harry. Defintivamente achou Harry muito mais bonito, altura bonita, cabelos castanhos compridos até os ombros, olhos verdes e expressivos, belas covinhas nas bochechas e para arrematar, um maravilhoso sotaque inglês.

– É... – Zoe sorriu de canto, respirando fundo – Só a poupando de saber algumas coisas da minha vida...

– Sua vida é tão ruim assim? – ele perguntou arquenaod uma sobrancelha, fazendo Zoe sorrir.

Mas ela não respondeu, afinal de contas, ele não tinha que saber sobre a vida de Zoe.

– O que está fazendo por aqui? – Zoe perguntou, mudando de assunto – Achei que você era apenas o nerd bonitinho que conheci na biblioteca e do nada você me aparece num bar de madrugada.

– Talvez eu tenha mudado um pouco...  – ele diz rindo – Afinal de contas, tem mais de anos que a gente não se vê na biblioteca...

– É porque eu me formei.

– Eu também! – Harry revirou os olhos, fazendo Zoe rir.

– Mas eu ainda posso ter um pouco do Harry nerd da biblioteca – o rapaz respondeu com um sorriso sapeca no rosto – Só que hoje é aniversário de um colega de trabalho e nós estamos comemorando com uma galera...

– Legal! – Zoe disse confirmando com a cabeça, sorrindo de canto, antres de serem atingidos por um silêncio meio constragedor – É... Eu preciso entrar porque se não meus amigos vão achar que eu estou fazendo algo proibido – disse sorrindo, vendo Harry sorrir e confirmar com a cabeça.

– Ah, eu também preciso entrar... – ele respondeu sorrindo – Foi bom te ver.

– Ah, igualmente! – Zoe disse sorrindo, andentrando no bar, sendo seguida por Harry mas que logo seguiu em direção oposta de onde ela estava.

Voltou a se sentar na mesa em que estava sentada com os amigos e continuaram ali por algumas horas apenas conversando enquanto Zoe tentava não lembrar dos problemas da mãe, afinal, era um dia para se comemorar. 


Notas Finais


oi amorzinhos, como vocês estão? aqui estamos em 2020, com mais uma história =) eu já havia postado essa história antes, porém, agora estou editando tudo, reescrevendo melhor, corrigindo algumas coisas e acrescentando outras coisas. Vem muitas surpresas boas pela frente hein! Espero que gostem e vamos juntos em mais uma história. pra quem é novo por aqui, eu escrevo porque gosto e tento fazer uns traillers de cada história. O trailler já está disponível no youtube, quem quiser é só clicar no link abaixo, se cuidem gente!



trailler: https://www.youtube.com/watch?v=_w9n5C-wyhE


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...