História Meu Querido Fantasma (Reescrevendo) - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Bts, Jikook, Jimin Vacilão, Jungkook Fantasma, Namjin, Opskira, Romance, Vhope, Yoongi Alone
Visualizações 1.611
Palavras 2.139
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Fantasia, Ficção, Lemon, Romance e Novela, Sobrenatural, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Volteeeeei
Só pra explicar: não postei cap ontem pq passei a noite viajando para casa do meu pai e cheguei só hoje de manhã!

IMPORTANTE: Seria bom que mesmo vc que já leu essa estória lesse esse capítulo pois acrescentei um momento onde Jungkook explica um pouco de onde veio.

Enfim, eh isto

Boa leitura 📚

Capítulo 6 - Macarrão com Queijo


Acordei de uma vez com o toque do meu celular ecoando pelo local. Abri os olhos devagar e vi que havia dormido no chão ao lado do sofá onde Jungkook dormia. Ele não mais segurava minha mão, agora ele estava abraçado ao seu travesseiro e com as pernas exageradamente abertas. Levantei com um pouco de dificuldade, devido a dor nas costas da noite mal dormida e atendi o celular.

— ChimChim? – ouvi a voz rouca e grossa que eu estava com saudades.

— Tae? – quase dei um pulo de onde estava.

— Me esqueceu no aeroporto né, viado? – Tae falou do outro lado da linha e por alguns minutos fiquei completamente confuso com suas palavras. – Estou te ligando para avisar que daqui a duas horas eu chego aí pra almoçar. Vou só passar na casa do Yoongi antes, aí nos vamos.

— Na casa de quem? – Tae desligou na minha cara. – Folgado.

Taehyung era meu outro melhor amigo. Eu, ele e Hoseok éramos inseparáveis desde a época da escola. Quando fomos para faculdade Yoongi entrou para nossos grupo formando os três mosqueteiros com quatro pessoas. Mas diferente de nós, Taehyung optou por terminar os estudos em outro país, mas especificamente nos Estados Unidos. E eu tinha esquecido completamente que ele chegaria hoje de viagem, já que suas férias já haviam começado. Eu e Yoongi não nos falávamos como antes, eu não sei bem o que houve, mas nos afastamos. Fui até a geladeira e vi que não tinha um pingo de comida, abri as portas do armário e nada. Voltei para sala e comecei a sacudir Jungkook para que ele acordasse.

— Jungkook, acorda. A gente tem que ir no supermercado. – falei dando tapas leves em seu rosto.

— An...Hyung... Por que? – Ele resmungou.

— Por que meus amigos estão vindo aqui para almoçar e não tem nem um pouco de comida nessa casa.

Como eu disse, precisava da minha mãe. Sem ela aqui eu só lembrava de comprar comida quando ficava com fome ou quando alguém vinha comer aqui.

— Por que não me deixa aqui sozinho? – Ele falou sem abrir os olhos.

— Pra quê? Para você me ligar de cinco em cinco minutos com medo até da sombra? Ou ficar assistindo coisas indecentes? E esqueceu que não pode ficar muito longe de mim – falei empurrando ele do sofá fazendo-o cair no chão – Pode acordar, você vem comigo.

— Meu Deus, hyung. Isso aqui é o paraíso. – JungKook falou abraçando a prateleira de Toddynho.

Tínhamos chegado a mais ou menos dez minutos no supermercado e Jungkook simplesmente não parava de falar em como ele estava impressionado com as cores das coisas e como elas estavam organizadas em prateleiras. O que me levou a repensar na minha teoria de que se Jungkook era uma fantasma então teoricamente ele era um ser humano que vivia na terra antes. Mas ele parecia não saber o que era quase nada.

Será que talvez ele não lembrasse? Minha cabeça ficou confusa só de pensar. Voltei minha atenção para ele.

— Pelo amor de Deus, sai daí. – falei cobrindo o rosto.

— Eu quero levar tudo. – ele falou com os olhos brilhando.

— Meu filho eu sou rico só de beleza. – ele fez biquinho.

— Pois deixa eu levar só alguns, por favor Jiminie. – ele fez uma cara de bebê chorão.

— Tudo bem. – bufei – Coloca aqui no carrinho que eu vou pegar algumas frutas. – falei deixando Jungkook sozinho.

Fui para a área onde tinha frutas e peguei algumas maçãs e algumas laranjas para fazer suco. Pelo menos para tentar fazer um suco decente. Voltei para onde tinha deixado Jungkook e vi que ele não estava mais lá. Onde aquele moleque tinha se metido?

Peguei o carrinho e fui procurá-lo até o encontrar em uma área onde tinha alguns brinquedos para crianças, inclusive um mini escorregador. Kookie brigava com um garotinho.

— Jungkook o que você está fazendo? – gritei indo até ele.

— Esse garoto disse que eu sou velho demais para descer no escorregador. – ele falou apontando para o garoto. — Eu acho muito errado limitar o nível de diversão para alguém baseado na sua idade.

—Mas você é velho demais para isso. – falei.

— Isso aí tio. – o garotinho de aparentemente seis anos disse com um sorriso metido.

— Cê tá chamando quem de tio? – falei – Quer morrer menino? Eu não sou teu tio não garoto.

— Jimin, eu quero descer no escorregador. – JungKook falou baixinho.

— Como ele pode te ver? – perguntei me dando conta que o garoto estava vendo Jungkook.

— Infelizmente crianças também podem me ver. Tem algo haver com a pureza delas não sei – Ele deu de ombros – Agora me deixa descer no escorregar, por favor!

— Você não vai descer em nada. Você vem comigo. E depois precisa me explicar melhor esse lance de fantasma. Não pense que esqueci do seu sumiço. Agora vem logo! – puxei a gola da sua camisa – Se não eu devolvo seus Toddynhos.

— Tudo bem, tudo bem. Não vamos exagerar. – ele falou me acompanhando.

Jungkook as vezes, muitas vezes, me tirava do sério. Eu me perguntava como alguém tão alto e forte poderia ter a mentalidade de uma criança.

— Jungkook, você tem que parar de ser tão infantil. Pelo amor de Deus, você não é nem um pouco maduro! – falei cansado.

— Eu sei ser maduro. – JungKook me imprensou contra a parede – É só você deixar – ele sussurrou em meu ouvido.

Engoli em seco, seu rosto estava muito próximo ao meu, eu já não via mais o garoto ingênuo de dois minutos atrás. Esse Jungkook era novo, era... Diferente. Algo em seus olhos mudou drasticamente por alguns segundos, era quase como se fosse outra pessoa ali.

— Para com isso! – me recompus e o afastei – Vamos logo pagar essas coisas que eu ainda tenho que fazer essa droga de almoço.

Já estávamos em casa e Jungkook me ajudava – bem, ele tentava me ajudar – a cozinhar. Depois dele quase tacar fogo em todo a cozinha eu pedi para que ele me deixasse terminar sozinho. Ele sentou-se no balcão e ficou me encarando.

— Por que está me olhando assim? – falei colocando o macarrão no fogo, eu faria meu famoso macarrão com queijo.

— Nada, é só porque você é muito lindo, Jiminie. – ele falou naturalmente me fazendo corar.

— Eu sei que eu sou. – Sorri – Mas eu quero perguntar uma coisa – ele acenou a cabeça para que eu continuasse a falar – Para onde você foi quando sumiu? Que eu saiba não pode ficar longe de mim. – ele pareceu meio sem graça.

— Eu talvez tenha mentido para você sobre não poder ficar longe de você – o encarei com raiva – Mas antes que pense qualquer coisa fiz isso para você não me expulsar.

— Isso que dá confiar em fantasmas que invadem sua casa – peguei um pouco de sal e coloquei no macarrão – Mas você não respondeu minha pergunta.

Ele parecia pensar bem em suas palavras antes de responder. Como se quisesse tentar fazer tudo ficar menos complicado, ele fazia caretas e tentava diversas vezes começar a falar, mas algo parecia o interromper.

— Eu fui para o lugar de onde vim. – ele se limitou a dizer isso.

— Tipo, o céu? – perguntei curioso – Com anjos e essas coisas?

— Não – ele riu um pouco – De onde eu venho não há anjos, ou estradas de ouro como vocês humanos costumam dizer. Não venho exatamente do céu.

O encarei mais confuso ainda. Eu tinha a breve sensação de que Jungkook iria abrir um buraco na minha cabeça, mas eu realmente gostaria que ele me explicasse. E ele pareceu entender meu desejo.

— Para entender você precisa deixar de lado todas as suas crenças e toda a religião. Não se trata de religião... – ele falou com um ar nostálgico – Eu venho de um lugar diferente. Como se fosse uma espécie de realidade paralela. Não fica nesse plano que vocês vivem. É um lugar calmo e relaxante, as estrelas sempre estão presentes, a grama é macia e o clima é sempre bom. Há outros como eu, nós realizamos desejos das pessoas aqui na terra. Observamos vocês de longe e quando vemos que alguém precisa realmente da nossa ajuda fazemos o possível e o impossível. Mas é sempre indiretamente, eu sou o primeiro a aparecer para um humano.

— Por que?

— Eu sempre gostei de observar você Jimin, por isso sei várias coisas sobre você – me senti um pouco constrangido com a ideia de ter sido observado – Não se preocupe hyung, eu não violei sua privacidade. Quando ouvi seu desejo fiz o impossível para vir aqui pessoalmente realizá-lo. Não somos autorizados a interagir com vocês, mas eu dei um jeitinho. Eu não queria só colocar um amigo novo na sua vida.

— Isso parece bem... Complicado – disse por fim.

— Eu sei. Eu sumi esses dias porque precisava pensar um pouco. Lá é o melhor lugar para se pensar, você iria adorar! – ele disse empolgado.

Ficamos um bom tempo em silêncio depois da breve explicação de Jungkook. As coisas ainda estavam meio bagunçadas na minha cabeça. Não era todo dia que alguém tão facilmente fazia você duvidar de tudo que acreditava até aquele momento.

Depois de um tempo me deparei com uma importante questão.

— Eu estava pensando, já que você é um fantasma então meus amigos não vão poder te ver?

— Você quer que eles me vejam? – Ele arqueou a sobrancelha.

— Eles podem?

— Você quer? – ele me perguntou mais uma vez. – Se você quiser eles vão poder ver.

— Como assim? – perguntei confuso.

— Eu sou seu fantasma, faço tudo que me pedir. – ele disse pegando um toddynho e tomando. – É só você pedir.

— Eu acho que é melhor eles virem você, pra não ficar estranho sabe? – gaguejei um pouco.

— Tudo bem. – ele sorriu. – Hyung, posso te perguntar uma coisa?

— Eu não tenho outra escolha. – revirei os olhos.

— Você me acha bonito?

Abri a boca para responder algumas vezes, mas eu não queria admitir que sim, eu o achava desnecessariamente bonito.

— O brilho da sua vida chegou! – ouvi a porta se abrindo e já sabia quem tinha acabado de interromper nossa conversa.

— Tae! – gritei e saí correndo até ele, dei um abraço bem forte no meu amigo – Você está aqui! Você está aqui!

— Meu Deus Jimin, para de ser tão gay. – ele falou retribuindo o abraço.

— Ah, oi Yoongi. – eu estava tão feliz que abracei Yoongi, sentia falta dele também.

— Olá Jimin. – ele exibiu um sorriso largo.

— Hoseok está vindo aí. Ele disse que ia trazer uns amigos. – Tae falou. – Ele estava estranho, vocês brigaram?

— Na verdade sim, mas depois te falo sobre isso.

— Olá! – JungKook apareceu fazendo Taehyung e Yoongi olharem para ele.

—Quem é esse pedaço de mau caminho? Seu namorado? – imediatamente me lembrei que Taehyung não tinha papas na língua.

— Ah, eu sou o Jungkook. Fan...

— Ele é um amigo. – interrompi Jungkook – Veio passar uns dias aqui.

— Não Hyung, eu não sou seu...

— Sim, você é. – lancei um olhar feio para Kookie – Ele é meio doido sabe. – sorri nervoso.

— Eu não sou doido. – JungKook franziu a testa.

— Prazer em te conhecer Jungkook. Muito prazer mesmo. – Tae lhe lançou um olhar malicioso – Eu sou o Kim Taehyung e esse é Min Yoongi. – Tae estendeu a mão cumprimentando o Kookie que fez o mesmo com Yoongi.

— Que cheiro bom. – Yoongi falou.

— Estou fazendo macarrão com queijo. – falei empolgado. Estava feliz por poder reunir todos de novo.

— Jimin, você é o melhor. – Tae me abraçou de novo.

— Sim, ele é o melhor. – JungKook falou incomodado.

— Tenho que voltar para a cozinha. Fiquem a vontade. – Falei andando em direção a cozinha.

— Jungkook, vem aqui, vamos conversar. Quero te conhecer melhor. – Tae sentou-se no sofá e chamou Kookie.

— Mas eu tenho que ajudar o hyung. – ele disse.

— Jimin sabe se virar sozinho. – olhei para JungKook e ele me encarou por alguns segundos, mas logo foi em direção a Taehyung.

Traidor.

Depois de alguns minutos Hoseok chegou trazendo dois amigos que ele disse que havia conhecido na faculdade. Jin e Namjoon, eles eram namorados eu já os tinha visto andando de mãos dadas pela universidade uma vez. Eram um casal tão perfeito que dava inveja.

Eu e o Hobi ainda não estávamos nos falando direito e aquilo estava me incomodando. Logo após terminar de cozinhar chamei todos para a mesa.

— Nossa Jimin. Não lembrava que você cozinhava tão bem – Yoongi falou dando a primeira garfada.

— Realmente está divino. – Jin falou com a boca cheia – Sou estudante de gastronomia e devo dizer que você cozinha melhor que alguns alunos da minha classe.

— Jiminie é bom em tudo que faz. – JungKook sorriu bobo.

— Obrigado gente. – falei sem graça.

— E então... – Tae começou – Você e o Jimin são só amigos mesmo? – Ele falou para Kookie.

— Claro que sim! Só amigos. – falei rápido.

— Ele é, eu não. – JungKook falou e logo pôs uma colherada de macarrão em sua boca.

Todos me olharam imediatamente, e eu só queria enterrar minha cabeça debaixo da terra. Algo me dizia que aquele almoço não seria nada fácil.


Notas Finais


Até o próximo capítulo ❤️

Me sigam no Twitter: @ohtaexcitado


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...