História Meu Querido (John) Jeon Jungkook - Capítulo 11


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Visualizações 93
Palavras 1.383
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Ficção, Ficção Adolescente, Fluffy, LGBT, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Pansexualidade, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Gente, não tive aula hoje e aproveitei pra escrever HSKDHAKSHNSKSDJSS
Deveria estar estudando coreano, mas fiquei com preguiça KSNHSAJKSNA
Achei esse capítulo tão fofíneo <3

Capítulo 11 - Você quer namorar comigo?


Taehyung's POV

Soo Ah havia saído da minha casa havia umas duas horas e eu estava deitado na minha cama, mexendo nas minhas redes sociais. Não tinha muito o que fazer. Meus pais haviam saído para fazer sabe-se lá o quê e não tinha nada bom passando na TV. Em uma das minhas redes sociais eu vi uma foto do Hoseok. 

Merda, porra, caralho.

Ele estava tão bonito, sorrindo enquanto usava mais um conjunto esquisito de roupas coloridas. Desde que eu conheci o ruivo, vi que ele era diferente de todos que eu conheci. O seu sorriso, sua paixão secreta pela dança, sua energia e áurea tão pura... Até o fato de que ele não dava um rótulo para sua sexualidade me encantava. Ele era tão relaxado e tão de bem com a vida que eu não pude evitar de me encantar aos poucos por ele.

Mas é aí que a merda complica. 

Eu me apaixonei pelo Hoseok. 

E isso era a pior coisa que poderia acontecer. Na verdade, a pior coisa era saber que ele retribuía esse sentimento.

— Porra, Hoseok— resmunguei e joguei o celular em algum lugar da cama.— O que eu faço pra te tirar do meu coração de merda?

Tudo bem, eu preciso de assistir dramas, já estou me sentindo um dos personagens. Apesar da forma idiota que eu agia com o ruivo, ele continuava sorrindo quando me via ou quando estávamos juntos. E por mais que eu quisesse me afastar dele, eu agradecia por ele agir tão discretamente. 

E isso fez com que a conversa com Soo Ah voltasse. Eu sabia que, de alguma forma, eu estava machucando ele. Sabia que eu estava enchendo seu coração de esperanças de algo que eu não tinha certeza que poderia acontecer.

Porque meu coração foi machucado demais para eu querer entrar em outro relacionamento tão cedo. Mas talvez, só talvez, dessa vez seja diferente. Talvez possa dar certo.

Suspirei e encarei meu teto. Ele estava cheio de adesivos que brilham no escuro porque eu tive preguiça de tirá-los quando era criança, mas eu também os deixava ali pelas lembranças da minha infância.

Me sentei na cama e vi meu porta-retratos na minha cômoda. Era uma foto minha, da Soo Ah e do Hobi, no primeiro dia de aulas juntos. 

Não tenho certeza quanto tempo nós três éramos amigos, mas parecia décadas.

— Talvez... Eu pudesse dar uma chance...— eu murmurei e encarei meu celular.— O que eu tenho a perder?

Sem pensar duas vezes, desbloqueei o celular num aplicativo de conversas e comecei a digitar.  

 

Hoseok's POV

Eu estava assistindo filme com meu pai quando senti meu celular vibrar. Até pensei em ignorar, mas acabei dando uma espiada, no impulso. Meu coração parou quando vi quem era.

Tae <3

Ok, nada de pânico. Por que meu coração ficou tão acelerado? Por que eu estou suando frio? É só uma mensagem do meu... Amigo.

Qualquer indício de que um sorriso podia surgir sumiu. Ele era meu amigo. E nada além disso. Até pensei em ignorar a mensagem e voltar a assistir o filme, mas era mais forte que eu. Taehyung nunca quis algo mais sério comigo e eu já tinha entendido isso havia muito tempo. Quem não entendeu isso foi meu coração teimoso que insistia em acelerar toda vez que eu o vi ou que seu nome era mencionado. 

Abri o aplicativo e entrei no nosso chat.

Tae <3: Hobi?

Tae <3: Você tá ocupado?

Tae <3: Eu queria conversar com você.

Pronto, o estrago estava feito. Eu nem conseguia respirar direito e sentia meu corpo tremer enquanto digitava uma resposta.

Fica calmo, Jung Hoseok. Fica calmo.

Hoseok: Oi, Tae :)

Hoseok: Não tô ocupado, não. Só estava assistindo um filme com meu pai.

Hoseok: O que você quer conversar?

Não demorou muito para uma resposta vir.

Tae <3: Podemos nos encontrar? 

Hoseok: Agora? Onde?

Tae <3: Na pracinha perto da sua casa.

Hoseok: Ok, te vejo lá :)

Fase um, completa. Consegui responder sem desmaiar. O problema agora é conseguir chegar até lá, respirando, se possível. E sem cair, também. 

Avisei ao meu pai que iria me encontrar com um amigo e subi para meu quarto. Meu pai sabia da minha orientação sexual e não via problemas. Foi difícil no começo, mas ele disse que desde que ele não visse nenhuma cena indecente, estava tudo bem. A minha mãe, que deveria estar dormindo no quarto, também aceitou bem. Foi difícil explicar para eles o que é pansexualidade e que eu não sinto tesão por animais.

Enfim, eu peguei um moletom alaranjado e vesti, já estava frio e escurecendo. Olhei meu reflexo no espelho e dei o meu melhor sorriso. Eu não podia aparecer na frente de Taehyung com uma cara deplorável. Apesar de acharem que eu sou sempre feliz, eu tinha meus momentos de tristeza, que eu odiava. 

Pouco tempo depois, eu estava chegando na pracinha que havíamos marcado e não precisei me esforçar muito para encontrá-lo. Sabe aquela pessoa especial que você consegue encontrar no meio de uma multidão porque parece que seu corpo tem um magnetismo com ela? Era meu corpo com Taehyung. Eu podia encontrá-lo em qualquer lugar, mesmo no meio de uma multidão. 

Mas, na verdade, dessa vez, eu o encontrei pelo seu cabelo mesmo. Eu adorava o seu corte de cabelo. O mullet o deixava ainda mais bonito, apesar de não superar o seu sorriso quadrado que eu amava tanto.

Quando me aproximei, vi que ele deu um sorriso fechado, me dando espaço para sentar ao lado dele no pequeno banco.

— Oi, Tae — eu disse, ao me sentar.

— Oi, Hobi.

Ele me chamou pelo apelido, isso significa que não é algo sério, certo? 

— O que você queria conversar? — perguntei, vendo que ele não ia falar sem um incentivo.

— Eu... Eu conversei com a Soo Ah hoje e... — a sua voz rouca estava baixa e insegura. Eu nunca vi ele assim. — Eu sei dos seus... Seus sentimentos por mim. E eu andei pensando que talvez o que a gente está tendo esteja te magoando.

— O quê? Não!

— Deixa eu terminar, Hobi... — eu não queria, mas acabei ficando quieto. — Você é muito precioso para mim e eu não quero te magoar porque... Merda, você é lindo pra cacete! Eu não posso te magoar.

Então era isso. Ele queria dizer que não vamos ter o que quer que nós tínhamos. Abaixei a cabeça e encarei meu tênis neon. Talvez eu fosse energético demais, talvez eu fosse estranho demais. Ou o meu rosto seja muito feio.

Suspirei e pensei em ir embora, fingindo que estava tudo.

— Eu nunca quis relacionamentos sérios por inúmeros motivos e sempre os achei desnecessários, — ele segurou minha mão e o olhei .— mas não consigo pensar em outra pessoa além de você para isso, Hobi. 

Eu estava surpreso. Ele estava se declarando pra mim ou eu tinha comido algo estrago de novo? Porque se fosse isso, eu ia ficar bem decepcionado.

— O que você está falando, Tae?— minha voz não era nada além de um sussurro.

— Estou dizendo que quero tentar. Quero enfrentar esse meu medo e... Quero enfrentar com você ao meu lado— ele disse e segurou meu queixo.— Você é o cara mais lindo, engraçado e mais incrível que eu já conheci. E tenho o prazer de dizer que estou completamente apaixonado por você.

Alguém, pelo amor de Deus, pode me dizer que isso tudo não é uma pegadinha e que está realmente acontecendo? Ou me beliscar? Ou simplesmente me dar um tapa na cara? Eu não consegui acreditar que ele, Kim Taehyung, o cara mais lindo e perfeito, além de ser minha paixão de dois anos, estava se declarando para mim. 

— Eu... Eu quero saber se você me daria essa chance, Hobi— ele disse, suavemente.— Você quer namorar comigo?

Preciso mesmo dizer que quase gritei um sim e me joguei em cima dele, o abraçando tão forte que o mesmo quase morreu asfixiado? Não, né? Ótimo!

O menino de sorriso quadrado acariciou meus cabelos e segurou meu rosto, me olhando nos olhos.

— Eu não sou muito bom com relacionamentos, então tenha paciência, ok? — Tae pediu, ainda inseguro.

— Eu também não sou muito bom. Vai ser uma aprendizagem mútua.

Ele sorriu e nós, enfim, selamos nossos lábios. E eu não podia estar mais feliz.

 


Notas Finais


AAAAAAAAAAAAA
EU AMEI ESCREVER ESSE CAPÍTULO <3
Vocês gostaram? Eu achei tão fofo KAJSKDSNASKDNJ
Enfim, provavelmente postarei outro capítulo daqui a pouco porque eu não tenho nada pra fazer além de assistir séries e escrever
Vocês querem que eu faça mais capítulos assim?

MAIS ALGUÉM SURTOU COM EPIPHANY? O JIN TÁ TÃO LINDO, DEU MAIOR ORGULHINHO VER MEU BEBÊ CANTANDO UMA INTRO *-* ELE MERECE TODO RECONHECIMENTO!!!!! <3<3<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...