1. Spirit Fanfics >
  2. Meu Querido Professor - Kim Taehyung >
  3. 023

História Meu Querido Professor - Kim Taehyung - Capítulo 23


Escrita por:


Notas do Autor


Olá!

Pela primeira vez nessa fic escrevi um capítulo com 2000 palavras!

Espero que gostem desse capítulo.

Boa leitura

Capítulo 23 - 023


Fanfic / Fanfiction Meu Querido Professor - Kim Taehyung - Capítulo 23 - 023


— Eu não sei o que fazer Kookie.— A história da traição do meu pai, ainda está pesando em minha consciência mesmo tendo se passado três dias.

Não falei com a Denise e fico se sentida por isso, se fosse eu no lugar dela iria querer saber da traição. Estou na casa do Kookie deitada em sua perna enquanto ele mexe em meu cabelo, Jungkook não acreditou quando eu falei com ele o que havia acontecido.

Eu já tinha conversado com meu pai, ele me falou que aconteceu somente aquela noite que tinha traído a Denise antes, não acreditei é claro. Já com a Júlia é outra coisa, eu não falo com ela desde o acontecido e não dei explicação sobre, se eu for sentar pra conversar com ela pode ter certeza que vou partir pra agressão.

— Conta pra ela amiga, só assim pra você tirar esse peso da consciência.— isso é fato, mas resolvo parar de pensar nisso por um tempo e resolvo também que vou contar pra Denise.

Fico na casa do Kookie até às nove da noite, jantamos e ficamos jogando conversa fora com a mãe e o irmão dele. Até que dá a hora de ir embora.

No táxi meu celular apita.

Professor delícia.
Onde você está?

Eu.
No táxi indo pra casa, por que a pergunta?

Professor delícia.
Eu gostaria de te ver.

Uauuuu, olha ele. Será que está tão caidinho por mim?

Eu.
Não posso, tenho algo para resolver.

Professor delícia.
Resolve depois, vem aqui em casa. Por favor :-(

Eu.
Ok, vou ir.

Professor delícia.
Te espero ansiosamente.

Nossa que fogo hein.

Desligo o celular e me concentro no caminho até minha casa.

Uns minutinhos depois eu entro em casa, Denise está sentada no sofá assistindo televisão.

— Oi meu amor.— Ela diz, dou um beijo na bochecha dela e sento ao seu lado.

— Seu pai está em casa? — pergunto e puxo uma linha da minha blusa.

— Não, ele saiu com o Guilherme.— Concordo.

Ficamos um tempo em silêncio até que ela se vira pra mim.

— Ok, fala o que foi?

Olho minha madrasta linda de morrer, ela parece uma Barbie modelo. Como meu pai teve coragem de trair esse espetáculo de mulher? É negra com os olhos bem pretos e o cabelo também preto. Sua pele é lisinha.

— Como você sabe que tenho algo a dizer?

— Você não fica na sala e nem em silêncio.— Nossa como me conhece.

Respiro fundo e dou de ombros.

— No último dia que os meninos dormiram aqui. Eu fui até o banheiro de madrugada e... eu vi meu pai beijando a Júlia, eu não queria te contar mas se tivesse no seu lugar eu gostaria de saber, sabe? Me desculpe por contar assim.... e....

— Ei, respira.— Faço exatamente o que ela diz.

— Como você está? — pergunto.

— Abalada e sem acreditar. Os desgraçados ainda tiveram coragem de me tratar normalmente no outro dia.— Ela diz e balança a cabeça sem acreditar.

— Pensei o mesmo, eu cortei meu vínculo com a Júlia você nunca mais vai ver ela junto de mim novamente. Mas agora, o que você pensa em fazer?

— Primeiro eu penso em conversar com ele. E talvez bater naquela cabeça dura dele, aí que ódio. Me trocando por uma novinha, me traiu dentro da minha casa! Eu estou muito puta.— Ela diz e começa a andar de um lado a outro.

Denise puta, issa é inédita. Ela é sempre tão pacífica, quer sempre resolver tudo na base da conversa.

— Obrigada por me dizer, querida. Agora eu preciso começar a pensar um pouco.— ela deposita um beijo em minha testa e vai pro quarto.

Eu faço o mesmo, me jogo na cama e fecho os olhos.

[•••]

Acordo com meu celular tocando, atendo com os olhos fechados.

— Alô.

— Jenniffer, você não falou que viria? Estou te esperando há horas! — É a voz do Taehyung.

Olho a hora no decodificador da televisão. Já se passa de meia-noite.

— Eu peguei no sono, desculpe.

— Poderia ter me ligado, poxa.— Mordo o lábio inferior e abro um sorriso.

— Quer me ver tanto assim? — Pergunta de forma sacana.

— Quero, muito.

— Então venha me busca. — Vamos ver se ele está mesmo disposto.

— Chego em vinte minutos.— Dito isso ele desliga. Nossa, mas não é que está com disposição mesmo?

Me arrumo rapidinho. Boto um short jeans branco curto e uma blusa de alcinha rosa, prendo meu cabelo em um rabo de cavalo.

Quinze minutos depois recebo uma mensagem no WhatsApp e saio do quarto. Meu pai está deitado no sofá com cara de poucos amigos, a Denise e ele tiveram uma briga daquelas e o resultado foi esse.

— Jenniffer onde você pensa que vai?

— Penso em sair.— Pego minha chave.

— Você não vai a lugar nenhum.

— Já estou indo.— saio rapidamente e puxo a porta tendo tempo de sobra pra trancar e descer as escadas como flash. Mas não vou descer 10 andares de escada.

Saio do prédio e entro no carro do Taehyung.

— É melhor você ir logo, meu pai já, já chega na portaria. — Digo e ele arranca com o carro e depois para em um drive thru, eu pedi pois estou morrendo de fome.

— Você falou vinte minutos.— Ele abre um sorriso e se vira pra mim.

— Não aguentei e pisei no acelerador, mas não ficou feliz que eu cheguei antes?

— Teria me impressionado se tivesse chegado em dez minutos. — Ele solta uma gargalhada.

Me apoio no braço do banco e me inclino pra ele pegando seus lábios com os dentes e cascando o maior beijo em sua boca. Aperto sua nuca e aprofundo o beijo, enfiando minha língua em sua boca gostosa.

Mas o clima é quebrado com a buzina do carro de trás.

— Que estraga prazeres. —Resmungo.

A menina pede para fazermos nosso pedido e eu começo.

— Boa noite eu quero um Crispy Onion Barbecue.

— Aumenta a batata?

— Sim.

— Bebida?

— Aumenta a bebida também, e manda suco de laranja pois eu sou fitness.— A menina do outro lado da risada.

Taehyung pede um Cheddar e também aumenta tudo.

Pegamos nosso pedido e saímos. Depois de guardar o lanche eu volto a provocar meu boy compartilhado.

Mordo a orelha dele e passo a língua por sua mandíbula.

— Você tem um cheiro tão bom.— Desço a mão pelo seu peito e barriga sarada e aperto seu pau semi ereto.

— Para com isso ou eu vou bater com o carro.— Ele diz e respira fundo.

— Só ir devagar.

— Jenniffer, eu quero muito mas aqui não é o lugar. Agora senta e bota o cinto.

— Você é tão estraga prazeres.— um sorriso se forma em seus lábios.

— Eu só estou prezando pelo seu bem estar.— O resto do trajeto segue e ele fica mexendo em meu cabelo e eu fecho os olhos. Amo isso.

— Aiii finalmente, estou morta de fome.— digo quando chegamos, saio do carro e pego os lanches.

Quando entro em seu apartamento vou direto pra varanda e me sento na rede.sem pensar duas vezes começo a devorar meu lanche, o barulho da chuva faz tudo ficar ainda melhor.

— Senta do meu lado.— Digo quando o vejo se sentar na cadeira.

— Aí é instável, não vou conseguir comer. Depois eu fico aí com você. — comemos em silêncio, pois quando estou comendo não gosto de falar com ninguém. Pra mim é um momento sagrado, ainda mais quando são essas delícias do Mc Donald's. Eu sinceramente não sei o que diabos eles botam nesses lanches para sempre tão gostosos.

Depois que acabamos de comer, Taehyung levou as coisas pro lixo e se deitou na rede e eu me deitei por cima dele.

Ele ficou com um pé no chão balançando a rede suavemente, pois se fosse mais intensamente eu iria vomitar tudo.

O cafuné em meu cabelo me faz fechar os olhos e curtir o momento.

— Eu falei com a Denise sobre meu pai.

— E ai?

— Eles brigaram óbvio, eu nunca vi a Denise tão puta. Ela é pessoa mais calma e pacífica que conheço, ele até foi mandando dormir no sofá.— Taehyung da risada.

— Você fez bem, não tinha porque ficar com isso pra você. E ela deve ter ficado grata por você ter dito pra ela.

— Sim, mas eu não quero que eles se separam. Eu adoro a Denise.

Denise e eu temos uma ligação muito forte, ela é minha segunda mãe sempre me tratou com o maior carinho e nunca fez diferença entre Guilherme e eu. É a melhor madrasta do mundo!

— Eles podem ficar brigados, agora acho que separar é meio difícil. — Assim espero...

Me viro pra ele e beijo sua boca, começo a me esfregar nele sem pudor nenhum. Faço a jus da cadela que sou, o atrito do seu pau com a parte mais sensível do meu corpo nesse momento é maravilhoso e me faz querer cada vez mais.

Uma de seus mãos está em meu cabelo e a outra em minha bunda me apertando e me fazendo pressionar ainda mais em seu pau ereto. Ele se levanta e apaga a luz da varanda, nossa que prevenido.

— Levanta.— Rapidamente faço o que pediu.

Ele se abaixa em minha frente e abre meu short, tira ele e a calcinha juntos.

— Perna direita em cima da cadeira e se inclina contra a mesa.— Papai, eu gosto disso e a voz dele transmite excitação.

— Ele se abaixa entre minhas pernas e passa um dedo da minha vagina ao meu ânus, levando toda a minha lubrificação pra lá, tremo só com esse mísero contato.

— Tão molhadinha, eu amo isso.— Mordo o lábio e fecho os olhos.

Sua língua entra em contato com meu clitóris e não consigo segurar um gemido de satisfação.

— continua, não para nuncaaa. Ahh porra.— Quando estou perto do orgasmo ele se levanta e abre um sorriso.

— Quero que goze no meu pau, não se mexa. Já volto. —Ele corre pra dentro do apartamento e volta alguns segundos depois com uma camisinha.

Bota uma mão em minhas costas e me faz debruçar na mesa.

Me penetra devagar e quando já está todo dentro de mim nós dois gememos. Ele agarra minha cintura, e volta a me penetrar mas agora de forma selvagem e intensa, é tão gostoso que grito sem me importar com quem vá ouvir.

— Eu vou receber reclamação dos vizinhos depois dessa.— Ele diz contra meu ouvido me fazendo dá risada.

— Então vamos aproveitar e gritar mais. Mostrar que você transa .— e como sou afrontosa, grito, mas agora de propósito.— Ahhh, porra. Isso me fodeee!

Taehyung vê isso como incentivo pois vai cada vez mais rápido e fundo. Como é bom, minha nossaaa.

Ele esfrega meu clitóris e eu gozo de forma deliciosa.

[•••]

Saciados mas agora tomados banho e com o cheirinho de perfume. Estamos em sua cama assistindo um filme de ação.

— Os vizinhos ficaram putos com certeza. — Digo e dou risada.

— Ou não, o homem que mora ao lado é solteiro, sozinho e parece um urso de tão peludo. Tem um casal que mora em cima são mais silenciosos que fantasma e o apartamento baixo está vazio. Os vizinhos que ouviram com certeza não tem a vida sexual muito agitada, então demos uma apimentada.

— Que ótimo, fiz minha boa ação do dia.— ele solta uma gargalhada e balança a cabeça.

— E que ação hein. — Ele diz e me dá um cheiro no cangote. Que final de noite maravilhoso.


Notas Finais


Provavelmente vai ter erros ortográficos que eu irei concertar um tempinho depois que eu postar, então terá palavras erradad ou trocadas.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...