1. Spirit Fanfics >
  2. Meu T2 - Meu guarda costas (BTS) KIM TAEHYUNG >
  3. Prólogo.

História Meu T2 - Meu guarda costas (BTS) KIM TAEHYUNG - Capítulo 1


Escrita por: Obrien_hyung

Capítulo 1 - Prólogo.


Pov Coraline. 

Sentada na mesa de jantar, encarando as expressões sorridentes nos rostos dos meus pais, e o nervosismo na cara de Senhor Park, lá estava eu. Usando uma calça jeans com os joelhos rasgados, e uma camiseta larga por cima. 

- Não quero um grude vinte e quatro horas no meu pé. - eu repeti a mesma coisa de duas horas atrás, olhando para o mais velho sentado ao lado de minha mãe, já que a ideia havia partido dele. 

- Cora, você não tem escolha. - Minha mãe respondeu, calma. 

- Eu tenho. Se eu tenho escolha para escolher as minhas roupas ou o que eu quero comer, eu tenho escolha de não QUERER um babaca na minha cola o tempo todo. - expliquei, calma, intercalando minha atenção nos três presentes na mesa. 

- É diferente, meu bem. - minha mãe tentou explicar, mas eu não dei ouvidos. 

- Diferente porquê? - indaguei, já ficando irritada com aquilo tudo. - Porquê o meu pai faz as cagadas e eu que pago o pato? - perguntei, debochada e meu pai, bateu a mão na mesa, causando um estrondo. 

Ele parecia bravo, o que era bem raro. Ainda mais, comigo. 

Posso contar nos dedos quantas vezes ele se irritou comigo, e sem dúvidas, não foram muitas. Três no mínimo. 

Quando eu quebrei o vidro de sua bmw quando jogava vôlei com Yuna. Aos sete anos.

Aos dezesseis anos. Quando eu matei aula pela primeira vez para sair com meu ex namorado, e ele descobriu. 

E agora, com dezessete. Por falar mal de seu trabalho. 

- Qual é, pai! Você, eu e todo mundo sabe que é verdade! Você quem faz as merdas e depois, a mamãe e eu pagamos! 

- Coraline. - meu pai falou, calmo. A voz baixa, os olhos atentos aos meus. Ele não parecia estar bravo, só queria que eu entendesse. 

- Pai.. - tentei imitar minha melhor expressão de cãozinho abandonado, mas tudo que eu ganhei foi um pequeno sorriso curto, e uma expressão preocupada.  

- Cora, meu bem.. Eu sei que você não gosta, mas tente entender. Estão ameaçando te matar! Eu não posso deixar você solta por aí, sabendo que você corre risco de vida. O segurança vai cuidar de você, e vai pegar os bandidos que estão te ameaçando... E depois disto, eu prometo que mandarei o guarda-costas embora. - explicou ele, sem desviar os olhos para o segurança fiel ao seu lado. 

Suspirei, frustada. 

- Pai, mãe. Vocês já encheram essa casa de câmeras. Cada canto dessa casa tem três câmeras me filmando! Fala sério! Eu já não tenho privacidade! Se o medo de vocês é que eu seja assassinada me deixem trancada aqui dentro, e contratem apenas uma professora particular. Mas, por favor, não me deixem amarrada a um segurança, por favor!! - eu estava quase implorando, mas pela expressão tranquila no rosto de senhor Park, não havia mais nada que eu fizesse e fasse que adiantaria. 

- Tarde demais, Cora. Já estamos procurando seu guarda-costas. - Meu pai avisou, com um sorriso, enquanto se levantava da cadeira almofadada, onde pegou seu paletó que estava pendurado e o vestiu rapidamente.

 - Fique em casa hoje, quando chegarmos já teremos a ficha do seu segurança, senhorita Lee. - Senhor Park avisou, e meu pai se apressou em beijar minha testa. Deu um selar rápido em minha mãe, e se afastou sendo seguido pelo companheiro de fé. 

- Tente entender seu pai, meu bem. - Minha mãe murmurou, com um sorriso curto na minha direção. - Ele só está preocupado com você. - Minha mãe explicou, e eu assenti, irônica. 

- E só por estar preocupado ele acha que pode mandar um homem desconhecido ficar na minha cola exatamente o tempo todo? - Perguntei, arqueando as sobrancelhas na direção da mais velha. 

- Cora... 

- Qual foi, mãe. Se fosse você no meu lugar, você se sentiria da mesma foram! - resmunguei, e ela assentiu, levemente ressentida. - Eu não tenho culpa se o papai errou. 

- Coraline, na fale mal do trabalho do seu pai! - minha mãe me repreendeu, e eu revirei os meus olhos, imediatamente. 

Soltei uma risada baixa ironizando o fato de que meu pai está usando a imagem de um cara morto para se promover.

- Se você diz que usar a imagem de um bandido morto é trabalho, quem sou eu para discordar? - falei, irônica. 

- Não vou ficar discutindo com você, Coraline! Você só tem dezessete anos, e por lei, nós ainda mandamos em você. O segurança chegará em breve, e enquanto isso fique em casa. - A coreana se levantou, ajeitou o vestido qual usava e me deu um beijo na cabeça. - Vou trabalhar, te vejo mais tarde. - depois de pegar sua bolsa de ombro, ela sumiu indo na direção da sala de estar. 

E eu continuei sentada numa das cadeiras almofadas, olhando para o café da manhã apetitoso sobre a mesa, sentindo minha fome descer pelo ralo. 

Alguns dias atrás. 

A primeira coisa que costumava fazer quando acordava era pegar o meu celular e verificar minhas redes sociais. Mas, naquele dia, eu preferi tomar banho e fazer minhas higienes. 

Depois de já estar pronta, e com meus cabelos úmidos penteados, eu desci para o café, enquanto abria todas as notificações mais importantes. E uma delas, chamou minha atenção: um e-mail. 

Eu não costumava receber tantos e-mails, sempre que eu recebia eles eram bem raros. E sempre eram de agências de modelos, e os professores da escola. 

Mas, aquele e-mail tinha um nome diferente. 

@Xxxx.1.8.1.8.morte_vingada 

Algo me dizia que aquilo não era nada demais, e sem prestar atenção, imaginei que era uma das baboseiras de Seokijin, meu melhor amigo. 

Me juntei aos meus pais para o café da manhã, e enquanto comiamos waffles com chocolate e mel, Senhora Jung, a governanta apareceu na sala de jantar, com uma caixa entre as mãos. Ela explicou que havia meu nome na caixa, mas não havia destinatário. 

Minha curiosidade atiçou, e com sede, eu abri a caixa, tomando um grande surto com que havia dentro da mesma. 

Pitty's. - Meu urso de pelúcia que eu havia ganhado aos dois anos de idade dos meus pais. - sem a cabeça. E junto dele, havia uma folha de papel dobrada ao meio. 

Meus pais pularam com o susto assim como eu, e enquanto meu pai pegava a folha de papel para ler, minha mãe procurava na caixa alguma coisa que denunciasse quem mandou aquilo lá.

Lee Coraline. 

Espero que entenda o que seu urso de pelúcia significa. Eu o preparei pensando em você! Se você não entendeu o que eu quis dizer com o coitado Pitty's, eu faço questão de explicar. 
Eu vou caçar você, vou matar você e vou usar sua cabeça como prêmio. E aí, seu pai vai sentir a dor de perder alguém especial. Alguém como você, que ele ama tanto. Eu não quero dinheiro, e se quiserem podem chamar a polícia. O que eu quero, ninguém pode me dar. Só você, Lee Cora. E eu vou te encontrar, custe o que custar. 

Atenciosamente: @Xxxx.1.8.1.8.morte_vingada

Aquele nome não me era estranho... E com um impulso, eu corri na direção do meu celular e abri as notificações dos e-mails, indo de encontra ao último e-mail recebido. De um tal de: @Xxxx.1.8.1.8morte_vingada. 

- Mãe? - Minha voz estava fraca, e eu já começava a tremer. 

A mais velha correu na minha direção e tirou o celular das minhas mãos, logo se apressando em ler em voz alta para que meu pai pudesse escutar. 

@XXXX.1.8.1.8MORTE_VINGADA: Lee Cora, 

Se eu fosse você, vestiria seu hobby rosa de seda, e desceria até o primeiro andar, para pegar uma caixa que eu deixei de presente para você em frente a porta da sua mansão. 

Eu preparei com carinho. Espero que goste. 

Aliás, você está extremamente bonita hoje. Esse pijama de mini sorvetes deixa suas coxas apetitosas. 

09:36 AM

Depois daquele dia, meus pais começaram uma busca incansável por um guarda costas bem útil, e bastante confiável. 

Afinal, naquele momento, ninguém era bom o bastante para proteger a filha do juíz Lee s/p. 


Notas Finais


Lee seu/pai


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...