História Meu verdadeiro eu - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Visualizações 9
Palavras 1.270
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Bishounen, Comédia, Famí­lia, Fantasia, Festa, Luta, Magia, Policial, Romance e Novela, Sobrenatural, Universo Alternativo, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


sem comentários

Capítulo 2 - Minha estranha família


Ok 

 

Neste momento eu tenho duas opções plausíveis, a primeira, que quando eu acordei, escorreguei da cama e bati minha cabeça contra o chão com tanta força que estou alucinando, a segunda, eu devo estar sonhando, um sonho muito realista, convenhamos, da ate pra sentir o pelo...Se concentra criatura!

Pera...

Se for um sonho talvez eu consiga acorda se de alguma forma eu sentir dor.

Belisco meu próprio braço pra ver se ocorre alguma coisa mas nada acontece,o lho de novo pra o espelho e ainda estou com a mesma cara de cachorro.

Voltando pra a segunda opção, se eu realmente tivesse batido com cabeça eu estaria sentindo alguma dor e alem do mas eu minha linha de raciocínio parece intacta.

 

HAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

 

O que eu faço agora, como que eu vou aparecer na escola parecendo a versão feminina da fera, só que sem chifres e sendo algum tipo de cachorro e não um leão, da bela e a fera.

Pior como eu vou esconder esse rabo ,meus shorts nem cabem minha bunda direito imagine um rabo.  

-Elisa que demora é e essa nesse banho, tá parecendo seu irmão, sai logo dai que já ta quase na hora de você e do Samuel pegarem o ônibus.

-Já vou mãe 

-Ei, vê se seu irmão já acordou 

- Ta, eu vou!

Coloco minha farda com muito desgosto rezando que essa aparência seja apenas fruto da minha imaginação, tento esconder meu rabo dentro das minha roupas de baixo, mas alem de ficar muito desconfortável fica aparecendo por cima da roupa.

Saio do meu quarto e vou em direção ao quarto do encosto da minha vida na qual minha mãe enciste em falar que eu o amo do fundo do meu coração. Entro em seu quarto sem bater procurando a peste, olho para a cama e encontro aquela praga ainda dormindo, todo enrolado parecia ate uma múmia, só que no lugar de faixas eram cobertores. Sem pensar duas vezes grito

 

-SAMUCA LEVANTA DAI QUE A GENTE TA ATRASADO 

-ELISA NÃO GRITA QUE MINGUEM AQUI É SURDO-grita minha mãe la da cozinha 

-MAS A SENHORA TA GRITANDO 

-EU POSSO SUA MOLECA, ENQUANTO TIVER COMENDO DO MEU FEIJÃO QUEM MANDA NESSA CASA SOU EU 

-Calem a boca vocês duas, isso la é jeito de acorda uma pessoa, idiota 

-idiota é você e se não corre vai perde o ônibus

-foda-se

mostro meu maravilhoso dedo do meio pra ele, mas duvido que ele tenha visto que esta todo mumificado nos cobertores.

Quando meu irmão finalmente se desenrola percebo uma coisa que me deixou intrigada. Apesar do quarto estar um pouco escuro eu jurei ver orelhas que nem as minhas na cabeça do Samuel.

-Vou tomar banho tem com sai do meu quarto 

Ele fala isso dando enfase que era seu quarto.

-To indo, só não de mora que o ônibus não espera seus banhos de princesa 

-Vá tomar no cu pra...

- O que foi ?

-Você por acaso esta usando aquelas tiaras com orelhas de animais ridículas ?

Fico assutada com sua pergunta e vou correndo atrás do interruptor pra iluminar o recinto. Quando o encontro  e luz ilumina o quarto e eu me viro pra olhar para o primogênito da família acabo se surpreendendo mais do que quando me vi hoje de manhã. Meu irmão olha pra mim com cara de desagrado.

-Maluca eu já sabia que você era, mas me da um motivo pra eu dizer para as outras pessoas que sou seu parente, que fantasiada assim pra ir pra escola e vergonhoso.

-To "fantasiada" assim pra ir combinando com você

-Como assim ?

-Se olha no espelho toto 

Samuel corre pra fora dor quarto, já que seu quarto não tem banheiro então e ele tomava banho no banheiro que ficava o meu quarto, ele entra no banheiro e se olha no espelho.

-MAS QUE PORRA DE BRINCADEIRA É ESSA

Esse gosta de grita que nem o papai, jesus que menino escandaloso.

-Samuel quer para de falar palavrão, é muito feio um menino de poca suj...

Minha mãe tinha congelado na porta quando viu eu e meu irmão que paresiamos ter saído de um filme de fantasio. Ela olho para mim como se procurasse alguma explicação pra toda essa bagunça.

-Mãe fica calma , ok ?

-COMO VOCÊS DOIS QUEREM IR AO COLÉGIO FANTASIADOS DESSE JEITO, VAI TER ALGUMA FESTA NA ESCOLA EU NÃO FIQUEI SABENDO, EXPLIQUEM SE AGORA 

-Mãe se acalma ta

Falo esperando que minha mãe me de olvidos, olha pra ela e me parecia que ela estava da mesma forma na qual foi dormi noite passada ,com seus cabelos castanhos tingidos coma raiz branca voltando á aparecer, porem, ao olhar com um pouco mas para ela, noto que suas orelhas estão bastante pontiagudas como se ela fosse um..

 

-Elfo 

Acabo falando em voz alta    

  - O que tem um elfo a vez com isso Elisa

-Não é isso, olha para as orelhas da mamãe 

Meu irmão me escuta por algum milagre e olha para ela 

-O que tem minha orelhas ? Se for pra me enganar ,vocês estão muito esganado!

-Só se olha no espelho por favor

Fala o Samuel.   

Dona Amelia corre para se olha no espelho pra ver o que tinha de tão especial nas suas orelhas, quando ela percebe o tamanho desproporcional  faca branca e comes a brincar com ela pra ver se são verdadeiras, quando belisca o pedaço de cartilagem e sente dor ela quase caio pra traz.

-Ma-mas o que é isso? O que esta acontecendo ?

-Não sabemos, quando acordei já estava assim 

-A mesma coisa comigo

-Como vocês vão pra escola assim 

- È serio que a senhora ta mas preocupada com o fato de ir pra escola em vez de que seus filhos são sei la...um par de mutantes 

Quando termino de falar escuto o célula de mãe tocar 

-Mãe seu célula ta tocando 

-Atende pra mim por favor 

Vou atras do telefone dela que não parava de tocar 

 

-Alo 

-Bom dia Elisa 

Reconheci a voz como sendo do motorista do ônibus em que eu vou pra escola, o seu Ubiratan. 

-Bom dia, o senhor quer falar com minha mãe ?

-Não pode se com você mesmo, é só pra avisar que o não terrar como levar vocês pra escola hoje 

-Aconteceu o que ?

-EEE-Eu estou doente 

Ele esta muito nervoso ao meu ver, porem, eba não vou pro colégio 

-OK então, melhora 

-Obrigado querida 

Termino a ligação e volto correndo para o banheiro onde encontro minha mãe estava sentada na tampa da privada resmungando baixinho e meu irmão estava se barbeando pra ver se dava um jeito com os os pelos da cara mas cada vez que ele tirava o pelo, não demorado nem dois segundo e o pelo estava la de novo, ele com raiva jogou o barbeado da pia

-Vai quebrar mesmo ?

-Vou-fala mei irmão irritado 

-Mãe era o seu Ubiratan, o ônibus não vai sai hoje, então não se preocupe com a escola,bnão vamos 

-Como pode estar tão calma ?

-Já tive essa crise antes dos dois, e ficar se olhando no espelho como se focem uma retardado não vai ajudar em nada, vou tirar essa farta escruta e ir dormi.

-Como você consegue dormi ?

-Por que eu to com sono e meu cérebro não funciona se eu estiver com sonoSemSem, quando eu acorda vou pensar em alguma coisa ,e mãe é melhor a senhora não ir trabalhar hoje 

-Pior que você tem rasão Elisa

Minha mãe se aproxima de mim e da um beijinho na minha testa

-Nossa como a minha menininha ta peluda 

-MÃE 

 


Notas Finais


beijos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...