História Meus amigos não me amam como você. - Capítulo 20


Escrita por:

Postado
Categorias RuPaul
Personagens Personagens Originais
Tags Brian Firkus, Brian Mccook, Katya, Katya Zamo, Katya Zamolodchikova, Rupaul's Drag Race, Tracy Martel, Trixie Mattel, Trixya
Visualizações 35
Palavras 3.037
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), FemmeSlash, Fluffy, Hentai, Lemon, Orange, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo-Ai, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Cross-dresser, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 20 - Capítulo 20


Ela estava em frente ao espelho, analisando todos os defeitos que podia haver naquele maldito vestido, que na verdade não havia qualquer defeito sobre ele, era um lindo vestido que Trixie não podia acreditar que não havia se quer qualquer defeito, uma linha avulsa ou o que fosse.

— Você está linda e mesmo quem estivesse, Katya ainda se casaria. — Assegurou Pearl. Sentada sobre uma grande poltrona no quarto em que estavam.

Trixie a ignorou, ainda com medo de qualquer pedrinha daquele vestido estar faltando. Virou-se de costas para o espelho, estudando todo o vestido de cima a baixo em seu corpo.

Houve duas batidas sutis na porta. Até abrirem-a com cuidado. Era Valerie, sua mãe. Trixie sorriu estonteante em vê-la.

— Oh, minha filha! Como você está linda. — a voz de Valerie era doce.

— Obrigada, mamãe. — abraçou-a sorridente.

— Bom, acredito que Katya ficara feliz em vê-la. Já está pronta? Podemos ir?

— Já estou indo, mamãe. Me dê só mais cinco minutos. — forçou um sorriso fraco e sua mãe saiu do quarto.

Trixie andou de um lado pro outro segurando a calda pesada do vestido. Enquanto Pearl deslizava seus dedos na tela do celular sem dar muito ideia para Trixie que parecia estar quase a desmaiar.

— Pearl? — Trixie começara a se sentir sufocada. — Pearl?

— Que? O...i? — Seu tom de voz mudou quando viu Trixie mais vermelha que um pimentão e sua respiração ofegante. Se levantou rapidamente e ajudou a amiga a abrir o vestido apertado no corpo. — Trixie, o que foi?

— Eu tô com muito medo... e isso, tá me matando.  — Ela segurou o choro não queria estragar a maquiagem, abraçando Pearl com todo seu medo de estar fazendo tudo errado mais uma vez.

(...)

As flores era vermelhas por todo quintal da casa dos McCook, deixando todo quintal lindamente harmônico  e apaixonante,  como ambas acreditavam  ser a relação  entre elas. Katya e Trixie não acreditavam religiosamente em casamentos em igrejas e esses fins, pra elas se tivesse alguém para oficializar e dizer: "Pode beijar a noiva" já era o suficiente. Os convidados sentados frente a Katya, alguns emencaravam seu nervosismo  explícito e outros estavam totalmente  entretidos  nas suas mídias  sociaias. Shannon, sua irmã, estava ao seu lado enquanto Katya não parava de cantarolar "Love" de Lana Del Rey. Ela estava ansiosa, mas não era a mesma ansiedade que sofrera por quase toda vida, dessa vez Katya desconhecia esse sentimento, já que sua ansiedade antigamente não era voltada a uma ansiedade feliz.

— Katya, para com isso. — Sua irmã cochichou e Katya fez uma careta dando de ombros.

Ela continuou cantarolando.

Um homem alto, magro com os cabelos escuros, tio de Trixie caminhou sutilmente até Katya, que até então estava fielmente ávida por Trixie aparecer a qualquer momento.

O homem sussurrou em seu ouvido.

"Trixie... Ela... Ela desistiu."

Katya engoliu a seco a felicidade.

(...)

— Trixie você não pode fazer isso! — havia um motim naquele mesmo quarto. Desta vez que se pronunciou foi Jinkx.

— Claro que ela não pode, ela foge da Katya desde o começo dessa estória. — Courtney rebateu.

Todas as madrinhas começaram a falar uma por cima da outra até Trixie se irritar com um grito estridente.

— CALEM A MALDITA BOCA DE VOCÊS! Courtney você não ajuda em nada, Jikx, Bianca, Adore, Courtney, Pearl, nenhuma de vocês está me ajudando em nada! — segurava o vestido aberto contra seu peito.

Todas se calaram.

— Eu estou enlouquecendo e vocês só estão piorando. Meu tio já disse a Katya, acabou não tem como mais voltar atrás.

Courtney revirou os olhos. Ela não podia deixar de falar nada.

— Mimada! Viu, você é mimada, Trixie! O mundo gira em torno de você. O seu mundo. Você está com medo de que? Medo de que? Me diz.

Trixie desviou o olhar de Courtney, encarando seu próprio reflexo no espelho.

— Me diz, Trixie Mattel. O que te assusta?

O olhar de inferioridade e de dó era evidente pelo reflexo do espelho.

— Tenho medo de não fazê-la feliz. Sinto que o coração da Katya é tão puro quanto deveria ser. Eu duvidei dela esse tempo todo, eu a deixei por medo mais de uma vez, e cada medo tinha um nome diferente, eu sou covarde, disso eu bem sei, e ela, ela é a Katya... Ela está ferida mas ainda te ama, ela não guarda mágoas, ela te perdoa... Quanto tempo eu demorei para ver que a Katya é o ser mais especial desse meu mundo?

Courtney não disse mais nada. Dessa vez não tinha nada para implicar. Ela apenas abraçou sua amiga com todo conforto que podia e assegurou:

— Katya ama você do jeito que você é. 

Abriu um sorriso confiante e logo suas madrinhas vieram fazer parte daquele mesmo abraço.

(...)

Katya estava sentada numa das cadeiras dos convidados, ainda desacreditada com que havia ouvido. Mas uma vez Trixie havia a abandonado. Sua irmã sentou-se ao seu lado e segurou sua mão firme.

— Está tudo bem, irmã. Vai ficar tudo bem.

Katya quis sorrir mas não conseguiu. Levantou-se então da cadeira, já tinha passado muito tempo depois que o tio de Trixie havia dado lhe a notícia. Ela dispensaria os convidados.

Caminhou até o púlpito e dirigiu atrás dele. Apoiou seu corpo contra a madeira e tentou anunciar sua decepção em bom tom.

— Bom, primeiramente boa tarde a todos e segundamente obrigada a vocês que vieram, tiraram um tempo do dia de vocês para ver essa cerimônia — ela deu risada. — acontecer. Mas por um carma que me persegue eu venho lhes dizer que: Trixie ela desis...

Viu Courtney correndo em sua direção, aquele salto fino parecia quebrar a qualquer momento em seus pés. Ela gritou enquanto corria.

— Katya, pare! Paaare!

Apoiou suas mãos sobre os joelhos, recuperando todo fôlego.

— Ela não desistiu. — Garantiu Courtney e olhos de Katya voltaram a brilhar.

Por sua vez Katya voltou ao seu posto. Sacudiu os ombros e quem estava a enlouquecer agora era ela. A pouco veria a mulher de sua vida entrando por todo aquele tapete vermelho.

Courtney acenou com "jóia" para Katya e moveu seus lábios sem emitir som "Estou indo buscar ela" e Katya apenas sorriu aliviada e ansiosa por isso.

Courtney saltou daquele enorme quintal para de volta ao carro onde Trixie estava.

— Você está apronta? — ela indagou recuperando seu ar.

— Como Katya está?

— Te esperando.

— Não, Courtney! — deu um tapa leve em Courtney com o buquê. — como ela está, aparentemente.

— Linda, com lindos lábios vermelhos e se você demora mais um pouco, eu vou pegar seu buquê e sou eu quem vai casar com a Katya sou eu.

Trixie fez um careta e lançou seu dedo do meio para a loira que ria.

— Nem nessa e nem nas suas próximas vidas!

A provocação de Courtney fez Trixie sair do carro. Ela ajeitou seu vestido, fingindo estar tudo bem. Mas por dentro seu coração estava louco, sua barriga parecia uma montanha-russa, sua boca estava seca que ela mal podia engolir o desespero, ela estava assustada com esse amor, esse amor que consumiu sobre a Katya e parecia só naquele momento a ficha cair.

Ouviram a orquestra começar a tocar a clichê marcha nupcial.

Katya encarou sua mãe, que sorriu lhe assegurando. Tudo estava bem.

Os convidados se levantaram das cadeiras em que se encontravam sentados, viraram-se para trás a espera da noiva entrar.

Courtney encarava Trixie, segurando sua mão. Por mais um pouco era capaz de Trixie desmaiar ali, nunca tinha visto-a tão nervosa e com medo. Trixie estava encarando seu maior medo: Aceitar que amava Katya a ponto de se casar com ela.

Trixie apanhou o braço de sua mãe, que lhe beijou a têmpora. Valerie estava orgulhosa e muito emocionada por sua filha.

— Você está tão linda. — ela disse.

E num piscar de olhos e num andar lento seus olhos se encontraram com os de Katya a sua espera.

Ela viu aquele sorriso largo e branco surgir nos lábios de Katya e ela tentar se contar em pequenos pulinhos, isso fez Trixie sorrir.

Segurava seu buquê sem tirar os olhos de sua futura esposa que lhe sorria com olhos brilhando feito uma criança. Os convidados encaravam surpresos, de fato Trixie estava linda como além do costume.

Seus passos eram lentos e quanto mais perto estava de Katya mais seu coração disparava. Tudo dentro dela rugia. Ela viu uma feliz lágrima escorrer sobre a face de Katya que logo limpou-a recebendo a mão de Trixie dada por Valerie.

Katya sorriu. O sorriso que parecia entrar como facada dentro do peito de Trixie, naquele momento ela teve a certeza do quão era apaixonada em ver Katya sorrir.

"Droga, você está tão linda!"

Pensou consigo.

Katya ao tomar a mão de Trixie teve todo cuidado com a loira. Elas deram alguns passos ao homem, que não era padre e nem qualquer coisa de "valor" para celebrar o casamento, era apenas celebrante que Bianca arrumou para se vestir de branco e passar uma imagem pacífica e de paz.

Ele encarou as duas, até o homem pode sentir a energia daquele amor em seu peito. Então ele iniciou suas falas.

— Estamos aqui hoje, nesse dia especial para realizar e oficializar o amor entre Trixie Mattel e Katya... — ele tomou um tempo e leu em sílabas. — Za-mo-lo-dchi-ko-va... Vocês foram convidados para compartilhar este momento com a Trixie e com Katya porque são as pessoas mais importantes para elas. O respeito, a compreensão e o carinho que sustentam o relacionamento delas têm suas raízes no amor que todos vocês deram a este jovem casal. Por isso, é uma honra para as noivas contar com a sua presença, aqui, hoje.

Trixie pode ver Pat e Valerie chorando em união, aquilo fez ela sorrir. Mas logo seus olhos voltaram aos da Katya, vendo que no olhar brilhante dela dizia "eu te amo" tão explícito.

— Embora muitos não morem exatamente ali na esquina, juntos a Trixie e Katya, vocês nunca estão distantes dos seus corações. Vocês são parte insubstituível do seu ontem, do seu hoje e de todos os seus amanhãs. Um casamento precisa de uma comunidade, não apenas para amparar o casal nos momentos de adversidade, mas também para celebrar junto os momentos de alegria. Que todos nós possamos sempre fazer tudo o que esteja ao nosso alcance para apoiar e nutrir a união entre estas duas pessoas que tanto amamos.

Katya virou seu rosto para seus convidados. Viu Bianca chorar, Adore, Tatianna, Ginger, Jinkx e Courtney era a única que lhe sorriu fazendo mais uma vez o sinal de "jóia" com seu dedão. Courtney tinha cumprido sua  missão de uma ótima madrinha.

Ela apertou as mãos de Trixie sobre as suas e a mais alta lhe sorriu. Não podiam dizer nada naquele momento e isso estava deixando Katya inquieta.

O celebrante então iniciara a introdução aos votos.

— Trixie e Katya, vocês já foram muitas coisas uma da outra: colegas de competição, amigas, companheiras, namoradas, noivas e até mesmo professoras e alunas, pois vocês já ensinaram muito uma ao outra e já aprenderam muito uma com a outra. Agora, com as palavras que vocês estão prestes a trocar, vocês passarão para a próxima fase. Pois, com estes votos, vocês estarão dizendo ao mundo: “esta é minha esposa”. Trixie, é de livre e espontânea vontade que você aceita Katya como sua companheira em matrimônio?

Trixie sorriu, viu como as mãos de Katya tremiam pela resposta.

— Sim. — saiu feliz de sua boca.

O celebrante então direcionou sua visão para Katya.

— Katya, é de livre e espontânea vontade que você aceita Trixie como sua companheira em matrimônio?

A orquestra tocou o Dramatic Chipmunk. Os convidados deram risada com isso. A maioria acreditava nunca ver Katya a se casar.

— Sim. — Respondeu ao homem sem tirar seu foco dos olhos de Trixie.

— Sendo assim, por favor, dêem-se as mãos e preparem-se para dar e receber suas juras de amor, que estão entre os maiores presentes da vida.

Houve um longo suspiro de Trixie quando ouviu o homem lhe lembrar sobre os votos.

Ela tinha esquecido completamente desse detalhe, de decorar votos, de por no papel todo sentimento por Katya, apesar dela saber que isso era impossível, não tinha como ela decorar esse sentimento dentro de sua cabeça, ela resolveu dizer ali improvisado porém muito mais sincero do que se estivesse escrito algo no papel.

— Katya... Eu realmente admiro sua força de vontade e sua determinação. Sem você não estaríamos aqui e se quer eu imaginária te amar como te amo hoje. Você me ensinou a aceitar meus medos e fazer dele meu futuro, você me fez ver que além de risadas e escandalosas, dentro de você, havia alguém tão apaixonado quanto eu acreditei que poderia haver. Eu confesso que odiava te amar desse jeito, porque não sabia o que aconteceria entre nós, o medo sempre me dizia que era melhor eu te deixar, mas hoje com meus votos e como sua futura esposa venho te dizer: Eu prometo te amar sem medo, prometo não surtar de ciúmes quando ver você colada com a Courtney. — ela ouviu a vítima dar risada. — eu prometo com todo meu amor que sinto por você sempre está ao seu lado, independente de suas escolhas e suas atitudes. Eu prometo cantar nossa música quando você estiver triste só pra te ver sorrir dessa maneira que me sorri agora e além de tudo eu lhe prometo e juro que nunca mais em qualquer hipótese da minha vida, te deixar novamente.

Ouviram um gemido de choro de Farrah e outros convidados fungado seus narizes.

Os olhos de Katya brilhavam como uma pedrinha de diamante. Ela estava feliz e ainda não sabia se era verdade ou sonho todo aquele momento. Para ela, parecia ser uma estória muito bem narrada que por ironia lhe colocara num final feliz.

As palavras de Trixie eram doces, suaves e ternas. Katya sabia que tudo vinha de alma e coração por isso não hesitou em deixar suas lágrimas molharem sua face, então era sua vez de iniciar seus votos.

— Tracy, você foi a maior encrenca que eu me enfiei. Como você consegue ser tão consistente? Bem, como uma sábia pessoa diz, mimada. Você é aquele fluído rosa que me faltava, você é a metade do meu coração fumante e podre, você é a minha organização no meio de tanta bagunça. Você é aquele final feliz que a gente só encontra nos filmes da Disney, você é meu maior medo e minha maior coragem e eu não consigo ver minha vida sem você junto a mim. Você é a pessoa em quem eu mais confio em todo o universo. Com você, eu me sinto sempre segura, mesmo quando uma maluca me acaba na porrada.Você me dá todo o carinho de que eu gosto e preciso. Você me faz sentir querida, aceita e respeitada. Mas, mais importante, você me faz sentir uma pessoa merecedora de amor, aceitação e respeito. Eu te amo, e prometo fazer o possível para ser tão boa pra você quanto você é pra mim, todos os dias de nossas vidas.

Os olhos de Katya estavam fixos sem piscar enquanto as palavras saiam suavemente de sua boca. Ela viu com os olhos de Trixie marejavam mas ela se segurava para não borrar a maquiagem. Mordeu os lábios e logo sorriu, mas dessa vez não era um sorriso de felicidade, era um sorriso de quem sabia que tinha feito o certo, o sorriso de quem encontrou o amor de sua vida, o amor que ela nunca acreditara ser real.

O celebrante começara anunciar as alianças, quando Pearl se dirigiu para entregá-las.

— Trixie e Katya, que estes anéis sejam um lembrete visível de seus sentimentos uma pela outra neste momento. Ao olhar para eles, lembrem-se que vocês têm alguém especial com quem compartilhar suas vidas. Lembrem-se de que vocês se encontraram uma ao outra e uma na outra, e de que nunca mais andarão sozinhas.

Pearl entrega a primeira aliança nas mãos de Katya. Fazendo a loira iniciar-se:

— Trixie, eu te dou esta aliança como sinal de que escolhi você para ser minha companheira e minha melhor amiga. Receba-a e saiba que eu te amo.  — colocou cuidadosamente o anel no anelar de daqui poucos minutos, esposa.

Agora Pearl dera a aliança a Trixie. Que sorriu para a amiga, e seus olhos se fixaram sobre os dedos da mão de Katya notando o nervosismo de Katya no tremor de suas mãos.

— Katya, eu te dou esta aliança como sinal de que eu escolhi você para ser minha companheira e minha melhor amiga. Receba-a e saiba que eu te amo.  — Trixie fez o mesmo com o anel, e encarou o semblante apaixonado de Katya.

O celebrante se ergueu e iniciou o pronunciamento final.

— Trixie e Katya, ninguém além de vocês mesmas detém o poder de proclamá-los esposas. Porém, vocês nos escolheram como anunciantes desta boa nova. E assim, tendo testemunhado sua troca de votos diante de todos que estão aqui hoje e também com base nesta certidão de casamento que vocês assinaram antes no cartório, é com grande alegria que nós declaramos que vocês estão casados. As noivas podem se beijar.

Trixie e Katya então selaram seus lábios a nova união. O primeiro beijo de uma vida juntas, de uma felicidade eterna, de sonhos, amor e risadas. Não demorou muito para que todos os convidados se anunciaram aos gritos em comemoração.

— Mostra pra ela quem é que manda, Tracy! — Violet gritou.

As duas deram risadas com os aplausos e todo carinho recebido. A torcida pelas duas era realmente grande. Todos também sorriam felizes por terem uma grande parcela nesse amor.

Correram pelo tapete vermelho aos arrozes que lhes jogavam sobre a cabeça. As duas riam de mãos dadas, pareciam estar descobrindo um novo mundo, e estavam, tudo agora mudaria para melhor, assim acreditavam elas.

Katya fez Trixie parar antes de adentraram ao carro, queria deixar aquele momento fotografado e fez sua irmã se responsável por isso.

Ela abraçou Trixie pela cintura que sorria irradiante fazendo-a sorrir da mesma maneira e então a foto ali foi registrada, aquela felicidade foi registrada num simples clique.

— Eu amo você. — Katya beijou os lábios de sua esposa.

Sua esposa.

— Eu amo você, e agora, você pertence a mim.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...