História Meus primos, Jimin e Jungkook - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Bts, Hetero, Hoseok, Imagine Bts, Imagine Jimin, Imagine Jungkook, Jimin, Jin, Jungkook, Suga, Taehyung
Visualizações 300
Palavras 2.060
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Lemon, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Não esqueçam de me falar se estão gostando ou não! ;)

Se houver algum erro, me desculpe.

Boa leitura ♡

Capítulo 2 - Beijos proibidos


Fanfic / Fanfiction Meus primos, Jimin e Jungkook - Capítulo 2 - Beijos proibidos

Park Minah POV

A música estava alta demais, já era 22 horas e eu sabia que amanhã os meninos seriam notificados pelo barulho.

Ninguém na sala mostrava que estava se importando, o apartamento mediano estava cheio de pessoas que meus dois primos conheciam, eu como a intrusa que chegou a 6 meses atrás, conhecia apenas os melhores amigos, e uma amiga da faculdade que nesse momento tagarelava ao meu lado.

- Meu Deus, seus primos são uns pedaços de mal caminho. – Ouvi minha amiga Yura falar de uma forma exagerada, ela já estava bêbada.

- Sim são, mas já namoram, então se aquieta. – Disse sentindo o tom aborrecido na minha voz, a garota do meu lado não percebeu porque estava bêbada demais para notar algo.

- Se você tivesse me apresentando a 1 mês atrás, eu poderia ser sua prima agora.

- Já tenho que te suportar como amiga, prima já é demais. – Falei dando risada logo em seguida, Yura era uma boa amiga, foi a primeira que falou comigo na faculdade.

- Esse seu jeito de falar me machuca, você deveria me amar. – Senti o hálito de bebida perto demais.

Yura ficava meio soltinha quando bebia, e eu sempre era seu alvo, já tínhamos nos beijado por insistência dela.

- E eu te amo, nunca disse o contrário. – Olhei pra garota emburrada, ela era alguns centímetros mais baixa que eu, seus longos cabelos castanhos e sua franja davam um toque meigo. Usava um vestido quadriculado azul e vermelho.

- Vocês estão no canto da festa por que? – Suga questionou nos olhando demoradamente. Ele era um dos melhores amigos dos meus primos.

- Só estamos conversando, Suga. – Falei dando uma risada.

- A festa não chegará até vocês, se ficarem aí. Vem, Yura! Vamos dançar! – Ele disse puxando minha amiga do meu lado, a mesma seguiu dando uma risada exagerada.

Suspirei vendo que estava sozinha, procurei meus primos na pequena multidão, e os encontrei perto da porta da cozinha, Jimin estava com o braço nos ombros da garota que ele supostamente namorava, supostamente porque em nenhum momento ele deu um rótulo para a relação, e Jungkook estava perto deles, mas não estava participando da conversa já que sua boca estava ocupada, com a melhor amiga da suposta namorada de Jimin.

Suspirei mais profundamente dessa vez, me sentindo patética, eu era apenas a priminha que veio passar um tempo no apartamento deles, até ter coragem e dinheiro de morar sozinha.

Crescemos quase juntos, nos víamos apenas em datas comemorativas, mas eles sempre me trataram bem, Jimin era meu primo de sangue, e Jungkook era irmão adotivo, o que se tornava um primo de consideração.

Ele era filho da prima da mãe de Jimin, perdeu a mãe cedo, e como não tinha nenhum parente próximo, minha tia ficou com a guarda, Jimin era filho único, e amou ter um irmão da mesma idade.

Olhando para eles daqui, e lembrando de como eles são no dia a dia, eu não acharia que os dois garotos tinham 20 anos.

Eles era tão confiantes, decididos, experientes, maliciosos.

Mas comigo o assunto sempre mudava eu sempre era tratada como a única priminha e a mais nova, eu tinha 18 anos e estava próximo de completar 19. Meus cabelos curtos e róseos me deixavam com cara de mais nova, mas eu amava a cor e me sentia bem.

Hoje Jimin estava completando 21, e era esse o motivo da festa e da bagunça no apartamento.

- Um doce pelos seus pensamentos. – Ouvi a voz doce e forte de Jin.

- Meus pensamentos não valem um doce, te garanto. – Olhei pra ele desafiadora.

- Um beijo, então? – Jin questionou, ele era tão lindo, na verdade todos os amigos dos meus primos eram lindos, mas Jin tinha uma beleza extraordinária.

- Pelo que eu sei a regra era: não dar em cima da prima do Jimin e do Jungkook.

- Você sabe que quando é proibido fica mais gostoso, Minah. – Ele disse chegando mais perto, tenho certeza que foi o álcool que o deixou mais corajoso, já que eu sabia que sóbrio ele nunca iria infringir a regra dos amigos.

- Vem aqui preciso ir ao banheiro. – Senti minha mão ser puxada pela Yura, olhei pra trás e vi um Jin desconcertado, me olhando envergonhado.

- Calma, Yura! – Minha amiga parou na frente da porta do meu quarto. – Tem banheiro aqui fora, porque quer ir no meu quarto?

- O banheiro daqui de fora está um nojo, eu tomei muita cerveja abre a porta pra mim. – Ela pediu suplicante, peguei a chave no bolso da calça e abri a porta.

Minha amiga correu até o banheiro do meu quarto, a porta trancada era pra impedir que alguns engraçadinhos entrassem e fizessem besteira no meu quarto.

Eu lembro quando Jimin trocou de quarto comigo, eles queriam que eu tivesse privacidade, então me colocaram no único quarto que tinha banheiro.

Algo me diz que eles não queriam me ver andando por aí de toalha.

- Ufa! Achei que ia explodir. – A voz dela ainda estava meio arrastada por ter passado da conta.

- Melhor irmos, sabe que daqui a pouco Jimin ou Jungkook vem aqui. – Comecei a ir pra porta.

- Eles são muito protetores com você, eu não entendo o porquê disso, você é mais responsável que eles as vezes. – Vi a menina vir até aonde eu estava e me olhar intensamente.

- Eles só gostam de cuidar de mim, Yura. Minha mãe deixou claro que se algo acontecesse comigo, mataria eles.

- Sua mãe é tão assustadora, ela sabe como você é de verdade, Minah? – A voz da minha amiga ficou mais sensual, e a mesma chegou mais perto de mim passando os dedos delicados na minha bochecha.

- Não estou entendendo sua pergunta. – Engoli em seco olhando para a morena na minha frente.

- Eu lembro como se fosse ontem, você beija tão bem, e eu sinto algo por você, não estou dizendo que me apaixonei, mas você é tão linda que mexe comigo. – Ela disse passando agora a mão na lateral do meu corpo.

- Melhor irmos, Yura. Você já está bêbada. – Tentei me afastar, mas senti quando a mesma segurou meu pulso.

- Só um beijo, e eu deixo você sair desse quarto. – Sua voz estava num tom manhoso e perigoso.

Respirei fundo e concordei, eu gostei de beija-la também, eu não me julgava como lésbica, bi ou hetero. Eu gostava de pessoas, gostava das sensações.

E Yura também mexia um pouco comigo, não tanto quanto meus dois primos, mas a morena deixava meu corpo em alerta.

Seus lábios vermelhos se moveram para os meus, senti o cheiro de cerveja e chiclete de melancia, suas mãos pousaram nos meus ombros, e as minhas foram para sua cintura, foi um beijo lento e tortuoso, senti o piercing da minha língua ser chupado quando a mesma sugou minha língua.

Com um selinho, minha amiga se afastou me dando um sorriso.

- Está vendo? Nem doeu! – Me deu uma piscadinha e se afastou.

Soltei uma risada contida pelo nariz, e olhei para porta já pensando em sair do quarto e procurar uma bebida forte pra tomar.

Percebi que a porta estava entreaberta, pelo que eu me lembrava eu tinha fechado, em meio ao beijo não ouvi se alguém abriu, na verdade estava muito concentrada e não percebi nada.

- O que foi? – Yura me questionou quando viu que eu fiquei tempo demais olhando pra porta.

- Jurei que tinha fechado a porta. – Olhei pra ela, e ela ainda me olhava de uma forma divertida.

- Talvez não tenha fechado, melhor voltarmos, preciso beber uma água. – Ela saiu primeiro, eu ainda olhei o quarto todo como se eu pudesse achar uma resposta.

Sai e tranquei e segui pelo corredor, esbarrei em algumas pessoas, ninguém me olhava com um ar de eu sei o que você fez no quarto, então talvez, eu tenha mesmo deixado a porta entreaberta.

Fui a caminho da cozinha e estranhei meus primos não estarem mais lá, fui até a geladeira peguei uma cerveja e com o auxílio do abridor, logo já estava tomando um gole.

Vi quando Jungkook entrou na cozinha sem olhar ao redor, indo direto pra geladeira, ele parecia ansioso, ou nervoso, mexia nos cabelos enquanto olhava pra dentro da geladeira.

- Kookie? Tudo bem? – Ele deu um pulo e me olhou assustado, não tinha mesmo me visto lá antes.

- Meu Deus, Minah! Que susto! Da onde você veio? – Pegou uma cerveja.

- Estava aqui antes de você aparecer, está tudo bem? Parecia nervoso. – Disse chegando mais perto.

- Está tudo bem! – Se afastou de mim quando tentei tocar seu braço.

O olhei sem entender, ele nunca foi assim comigo, sempre nos tocamos, fazemos carinho, cuidamos um do outro. Porque do nada ele se afastou?

- Kookie...

- Minah, desde quando você gosta de mulher? – Me perguntou com os olhos levemente arregalados, sua boca estava comprimida, e a garrafa de cerveja estava sendo apertada pela sua mão.

- O-o que? – Gaguejei estranhando a pergunta.

- Vou reformular a pergunta, desde quando você e a Yura estão juntas? – Ele disse chegando mais perto, fui me afastando não entendendo o porquê de me sentir tão errada.

- C-como...? – Tentei formular uma pergunta, mas só gaguejei e travei, ele ainda vinha na minha direção me encurralando na pia da cozinha.

- Como eu sei? Primeiro responde minha pergunta, Minah! Yura nunca foi sua amiga, não é? Ela era sua namorada.

- O que?! Claro que não, Kookie. Ela só é minha amiga! – Tentei me afastar mais, sua mão livre espalmou na minha barriga impedindo de eu sair.

- Não me importo com o que você faz, Minah. Só gosto que as pessoas sejam sinceras comigo. – Me olhou ameaçador.

- Eu estou sendo sincera, Jungkook! Yura é minha amiga, e mesmo que não fosse não é da sua conta quem eu beijo ou não! – Cruzei os braços e senti meus lábios formando um bico.

- É da minha conta quando acontece dentro da minha casa! – Tentei empurra-lo, mas foi em vão.

- Eu não me meto nos seus relacionamentos, não me meto com quem você fica, ou quem o Jimin fica, não me meto quando vocês trazem meninas pra casa e me impedem de dormir com a gritaria do quarto de vocês! Então, não se meta na minha vida, Jeon Jungkook! – Falei mais alto me sentindo uma idiota, quem ele pensa que é? Meu pai?

- Me meto sim! Me meto! – Ele disse encostando agora seu corpo no meu, estava tão nervosa que nem senti a aproximação.

- Porque? Porque quer se meter? – Me aproximei mais dele, sentido a respiração dele bater contra meu rosto.

- Me meto porque... Porque era eu que deveria estar lá, e não ela. – Senti minha respiração presa, e meus olhos arregalarem com o que eu ouvi.

- O quê que você disse? – Senti suas mãos escorregarem para as minhas costas e me trazerem mais pra perto se é que era possível.

- Era eu que deveria estar lá, Minah. Eu e você sabe bem disso. – Sua voz rouca dizia de uma forma mais baixa e calma.

- Kookie... – Minha voz saiu como sussurro.

Perigosamente ele se aproximou acabando com o restinho de espaço que tínhamos, senti sua mão apertar minha cintura, minhas mãos estavam do lado meu corpo, eu ainda não sabia o que fazer, estava em estado de choque.

Sua boca preencheu a minha, e pressionou levemente, ele queria, mas ele ainda não sabia se eu queria, então tomando uma atitude levantei minhas mãos até sua nuca e aprofundei o beijo.

Foi o melhor beijo da minha vida, meu corpo todo entrou em transe, senti meus lábios formigarem, e o som ao redor diminuir.

Ele pressionou seu corpo mais ao meu, e um gemido reprimido ficou preso na minha garganta quando me senti mais úmida pelo beijo.

- Jungkook? Achou a Minah? – Ouvi a voz de Jimin na entrada da cozinha.

Quando eu e Jungkook nos separamos, meu outro primo nos olhos incrédulo, como Kookie era maior que eu, de primeira Jimin achou que poderia ser a ficante do Jungkook ali, mas quando o mesmo se afastou, Jimin pode me ver ali, totalmente entregue e necessitada pelos beijos do meu primo.

- Que porra é essa?

Algo me diz que vai dar merda.


Notas Finais


Mais um cap, quero agradecer os comentários e os favoritos! 😍

Eu tenho uma outra fic só com o Jungkook, se chama O FILHO DO CHEFE, quem tiver interessada, da uma passadinha lá tbm.

Até o próximo cap!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...