1. Spirit Fanfics >
  2. Meus Verdadeiros Pais - Chenle >
  3. Capítulo 2

História Meus Verdadeiros Pais - Chenle - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


:)

Capítulo 2 - Capítulo 2


Chenle acordou sentindo seu corpo todo doer, e então olhou em volta reparando que estava em uma maca de hospital, na sala estavam seus pais, Kun, Doyoung, os pais de Jeno, Jeno, Jisung e Renjun.

Aos poucos o chinês se lembrou do que havia acontecido e então começou a rir de maneira exagerada, fazendo todos ali consigo lhe olharem estranho.

- Do que está rindo mané? - Renjun sem muita paciência perguntou.

- O Kun gege falando que ele e o Doyoung hyung são meus pais - Chenle sorriu - Eu sei que estou sonhando, mais um daqueles sonhos que não entendemos nada e quando vamos pesquisar no 'Google ele diz que estamos com câncer - O chinês deu de ombros.

- Então já que é um sonho, como vai fazer para acordar? - Renjun era o único que falava, ele estava achando engraçada toda aquela situação.

- Contar quantos dedos eu tenho - Novamente Chenle disse - Sempre quando sonhamos e percebemos que é um sonho, a gente pode contar nossos dedos e 'pá! Acordamos.

- Então por que não tenta? - Renjun incentivou o sobrinho.

Foi quando Chenle tentou, e tentou exatas três vezes até realmente perceber que não estava dormindo ou sonhando. Agora ele encarava Kun e Doyoung com lágrimas nos olhos, e então olhou para seus até então pais.

- Mamãe - Chenle chamou por Meyling que não aguentou e correu para abraçar o neto.

Na verdade, todos estavam tentando imaginar o que Chenle sentia, porém ninguém de fato iria conseguir aguentar sua dor. O chinês sentia que como se tudo o que viveu fosse uma verdadeira mentira.

- Chenle - Kun chamou baixinho pelo filho.

- Que tal a gente deixar ele pensar um pouquinho sim? -  Taeyeon sugeriu - É muita coisa para pouco tempo.

- Quer ficar sozinho pequeno? - Doyoung perguntou aflito.

Chenle negou com a cabeça e apontou com a cabeça apenas para seus avós, dando sinal para que Luhan e Meyling ficassem no quarto consigo.

Kun suspirou e então foi puxado pela mão por Doyoung para fora do quarto, sendo seguido pelos outros.

[...]

- Isso é muito louco - Jeno falava após escutar com atenção o que Doyoung e Kun falavam - Então você é meu cunhado? - O coreano perguntou a Kun e então olhou assustado para Renjun - Eu namoro meu outro cunhado?!.

- Neno! - Junmyeon falou olhando o filho assustado - Menino não? Renjun não é 'teu cunhado, é do Doyoung.

- Então está tudo bem eu namorar ele? - Jeno sorriu genuinamente ao ter a concordância dos outros - Mas ainda sim é meio doido saber que o Lele é meu sobrinho.

- Eu 'to doida para ver ele me chamando de vovó! - Taeyeon sorriu para o marido que concordou.

- Então é por isso que vocês tratam ele melhor do que eu! - Jeno comentou - Por isso o Dodo hyung prefere ele!.

- Óbvio né Jeno, ele é meu filho - Doyoung sorriu ao poder dizer em voz alta e clara que Chenle era seu filho.

- Hyung, como vai ficar agora? - Jisung se pronunciou - Lele vai morar com vocês?.

Um fato era Kun e Doyoung eram de fato casados, porém poucos sabiam. Eles evitavam falar ou se tratar como casados na frente de outras pessoas inclusive na frente de amigos.

- Bem, não custa tentar certo? - Kun disse - Isso se ele não me odiar.

- Dúvido muito, Chenle te admira - Renjun falou sincero.

- Ele ama falar de você - Jeno respondeu.

Kun sorriu e foi abraçado pelo marido, até então sair Meyling e Luhan do quarto do neto sorrindo gentilmente.

- Lele quer conversar com vocês dois - O chinês mais velho disse - Ele disse que já podíamos ir para casa.

- Tem certeza que é seguro? - Jisung perguntou apreensivo.

- É sim Sung, ele vai ficar bem, afinal agora ele está com os pais dele - Junmyeon comentou e abraçou o garoto pelo pescoço - E agora você vai pedir conselhos para quem sobre o Lele?.

- Pai! - Jeno riu.

- Como assim conselhos sobre o Lele? - Doyoung perguntou com um pouco de ciúmes.

- Vocês não podem deixar o Lele esperando não é? - Renjun tentou desviar a atenção - Nós já estamos indo embora.... Tchau!.

[...]

- Com licença - Kun pediu adentrando o quarto do hospital - Como está ele?.

- Daqui a umas duas horas ele já pode sair - A enfermeira sorriu - Licença, vou deixar vocês a sós.

O clima ficou extremamente desconfortável para os três ali presentes.

- Filho - Doyoung começou lentamente.

- Por favor hyung não me chama assim ainda - Chenle choramingou - Eu ainda não processei tudo direitinho.

- Tudo bem! Nós entendemos - O coreano respondeu, ele que teria que dar a frente pelo visto - Você está bravo com a gente?.

Chenle pensou durante alguns segundos antes de responder - Sinceramente bravo não, mas sim magoado, poxa porquê vocês demoraram tanto tempo para me contar que são meus verdadeiros pais.

Chenle sentia que iria chorar, porém não iria demonstrar isso na frente dos seus pais? Ainda era completamente estranho pensar nisso. Pensar que tudo o que viverá não deixava de passar de uma mentira, um mundo de ilusões, isso o machucava.

- Por favor não chore - Kun se desesperou e correu para abraçar ao filho que não tardou em corresponder mesmo contra a própria vontade.

- Bebê - Doyoung se aproximou também dos dois chineses - Por que está chorando?.

- E-eu sinto que tudo o que eu vivi foi uma mentira, eu realmente acho que nada não passou de uma farsa - Chenle soluçava deixando os dois jovens adultos preocupados com o filho.

- Lele, deixa a gente explicar sim? - Kim perguntou nervoso - Nada do que você viveu foi uma mentira.

- Escute o Kunie Lele - Doyoung começou enquanto mexia nos cabelos do filho - Mas se você quiser nós podemos conversar em outro lugar.

- Eu quero - Chenle disse se limitando a fungar.

[...]

- Foi por isso que eu nunca vim na sua casa não é? - Chenle perguntou ao adentrar a casa de Kun.

- Me desculpe - O chinês disse com a cabeça baixa.

A casa era simples, porém extremamente linda e limpa. Havia várias fotos espelhadas pela a casa, de Kun, Doyoung, Chenle - principalmente de Chenle -, dos dois jovens adultos quando adolescente, deles com Chenle.

- Foi por isso que o Neno disse que você me trata melhor do que trata ele - Chenle comentou fugindo do assunto de nunca ter ido na casa de seu pai?.

- Eu juro por tudo que é mais sagrado que ele não sabia! - Doyoung disse e se sentou no sofá trazendo Chenle para se sentar no meio dele e de Kun.

- Ah, tudo bem - Chenle sorriu.

- Lele, você pode nos escutar agora? - Kun perguntou enquanto pegava na mão do chinês mais novo.

- Claro - Chenle baixou a cabeça.

- Eu e seu pai sempre fomos apaixonados um pelo o outro, aquela coisa de criança e depois só foi crescendo o sentimento - Doyoung começou explicando.

- Claro, é como eu e o Sung - Chenle comentou como quem não queria nada e então se deu conta de que Kun e Doyoung não eram mais seus hyungs, mas sim seus pais.

- Para aí, como é? - Doyoung perguntou.

- Pode continuar? Eu ainda não sei o porquê vocês fizeram isso, de esconder tudo - Chenle disse e Kun balançou a cabeça, depois teriam essa conversa.

- Só que filho, o relacionamento homossexual a alguns anos atrás era visto mil vezes pior do que agora - Quem falava agora era Kun - E então eu e o Dodo fizemos de tudo para esconder dos nossos amigos e pais.

- Porém nossos pais já desconfiavam - Doyoung disse enquanto trazia Chenle para deitar com a cabeça em seu peito - E acabaram descobrindo quando o Kunie engravidou.

- Eles nos apoiaram em tudo, porém o medo de alguém mais descobrir e acabar fazendo algo com você era gigante - Kun disse - Então eu saí da escola, afinal nós ainda estávamos no ensino médio.

- E como a senhora Qian tinha ganhado o Renjun não fazia muito tempo assim - O coreano explicava - Ela fingiu uma gravidez de risco e que precisava da ajuda de Kun com o Renjun em casa - O Kim dizia enquanto acariciava a bochecha do filho e a mão do marido - E então eles foram para a China.

- E eu fiquei em casa durante os nove meses de gestação - Kun dizia mexendo nos dedos do marido - O Dodo ia me visitar uma vez por mês. E quando você nasceu, foi o melhor dia da minha vida.

- Das nossas vidas - Doyoung corrigiu o marido que lhe colocou a língua e arrancou uma risada fraca de Chenle - Porém, nós prometemos lhe contar apenas quando entendesse um pouquinho mais - O coreano explicou - Só que sempre faltava coragem.

- Nem nossos amigos sabem, a gente quer contar para eles mas você tinha que saber primeiro - Kun comentou - Só que não era para ser desta maneira.

- Mas, vocês estão juntos mesmo? - Chenle perguntou - Digo, não que fosse difícil ver isso.

Doyoung riu - Sim, nós nos casamos assim que você nasceu, resumindo dois menores de idade casando ilegalmente.

- Mas oficializamos mesmo quando a gente fez 20 anos - Kun reforçou.

- Os amigos de vocês sabem de vocês dois? - O mais novo perguntou.

- Na verdade não - Kun suspirou.

- Você, perdoa a gente? - Doyoung perguntou.

- Ainda é muita coisa para raciocinar, mas eu entendo o lado de vocês! - Chenle disse e abraçou Kun - Eu só preciso descansar um pouquinho.

Exato cinco minutos que eles ficaram ali e quando Doyoung foi falar com o filho percebeu que ele dormia.

- Acho que vai dar tudo certo não é?.

- É claro que vai - Kun disse e saiu do abraço do filho - Agora, vamos levar esse bebê para a cama - O chinês levantou e pegou o filho no colo como um bebê.

- E depois perguntar para ele quem é Jisung! - Doyoung lembrou o outro.

- O único Jisung que ele conhece e fala é o que vai na casa dos seus pais amor - Kun comentou com o marido que o seguia até o quarto.

- Aquele Jisung?! O pequenininho - Doyoung arregalou os olhos - A mas eu vou ter uma conversinha com ele!.


Notas Finais


Beijinhos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...