1. Spirit Fanfics >
  2. Mi bien, mi mal - Kim Taehyung (V) BTS >
  3. 23. Mudanças de planos?

História Mi bien, mi mal - Kim Taehyung (V) BTS - Capítulo 23


Escrita por:


Notas do Autor


Oie, creio que vocês não imaginavam que eu voltaria depois de dois da atualização né? Pois é, nem eu amores. 😂

A mídia é um gif que infelizmente não funcionou, choremos.

BOA LEITURA, ANJOS 💜

Capítulo 23 - 23. Mudanças de planos?


Fanfic / Fanfiction Mi bien, mi mal - Kim Taehyung (V) BTS - Capítulo 23 - 23. Mudanças de planos?

Continuação.

Mesmo depois de alguns minutos, eu não conseguia me concentrar totalmente, pensamentos insistiam em me levar a desistir do meu objetivo naquela noite, alguma coisa em meu âmago tentava me deter a qualquer custo, trazendo-me o meu filho em mente. Mas não, eu não podia desistir de algo que passei o meu dia todo planejando. Charlotte não podia amanhecer viva, ou ela iria acabar me fodendo, como sei que faria.

Depois de chegarmos ao nosso ápice, Charlotte chamou-me para um banho, mas sei que tudo que ela queria era aproveitar a bela banheira de espuma e pétalas de rosas vermelhas, ao meu lado.

- Você ainda parece tenso. - Comentou me analisando.

- Problemas! - Respondi seco. Eu ainda não sabia como iria eliminá-la.

Afogá-la até que seria uma ideia cabível.

- Vou abrir o espumante. - Avisou, saindo da banheira. - Eu acho que você precisa mesmo é de um segundo round. Aquela sua mulherzinha mosca morta já não serve mais, - Após expressar sua inútil opinião, Charlotte voltou para a banheira e com as nossas taças. - Você deveria deixá-la, esquecê-la, entende? Poderíamos fazer um acordo e ficarmos juntos.

- Charlotte, não fale assim da minha esposa e mãe do meu filho, e eu não sou homem de acordos! - Tentei não deixar minha raiva transparecer mas foi uma tentativa falha.

Levantei-me e me vesti com o roupão, deixei a taça em cima da bancada da pia e me apoiei ali, por ser um caro quarto de motel lá havia muitas coisas para o uso pessoal do cliente, tinha escovas de dentes até secador de cabelo. Era realmente um belo quarto.

- Ah, e como esquecer do pequeno bastardo, não é? - Debochou. Quem ela pensa que é pra falar do meu filho?

- Charlotte, não ataque o meu filho, assim você me fere também! Ele é só uma criança inocente! - Rebati furioso, sem encará-la, liguei o secador e passei a usá-lo.

- É a verdade, Kim Taehyung! Ele veio sem ser planejado, como você me disse, então sim, ele é um bastardo! - Aumentou em duas notas seu tom de voz, odiava quando gritavam comigo, ainda mais se o assunto envolvesse meu filho.

- Retire o que você falou! - Exigi apertando o secador e agora encarando-a, uma ideia havia acabado de surgir em minha mente.

- Não! O que é? Até ontem você disse odiar esse garoto!

- Você entende tudo errado, ele é meu filho e eu o amo! Retire o que disse agora, caso contrário vai se arrepender! - Ela me olhou cínica, bebendo um pouco do espumante.

- Você está me ameaçando, senhor Kim? Logo eu que posso acabar com a sua empresa em segundos? Sua empresa não, a empresa do seu pai! - Riu maldosa como uma bruxa, encarando-me como se estivesse me desafiando, e olha aí, outra coisa que odeio.

- Não sei se você sabe, mas quem dá as cartas aqui sou eu, Lotte. - Liguei e desliguei o secador em minha mão, em seguida apontei para ela como se fosse uma arma. - Pow! - Foi minha vez de rir ao ver seu medo e espanto nítidos. - Eu estou com a faca e o queijo na mão, percebeu agora, amor?

- N-não... Não, Taehyung, não, não! - Rápido seus olhos estavam marejados e não tardou muito para as lágrimas caírem, molhando suas bochechas.

- Por que não, Lotte? - Sorri abertamente. - Vamos, repita tudo o que disse a respeito do meu filho e da minha mulher!

- Pensei que eu fosse sua mulher!

- Pára, você está jogando comigo? Não me venha com essas palavrinhas idiotas, eu nunca disse que você era a minha mulher, e você é casada, você é mulher daquele bobão chifrudo do Nux! - Ela chorou de modo melancólico sem se importar com a minha presença. - Desculpe, mas não posso correr o risco de você acabar comigo.

Em parte era um pesar para mim, eu não queria ter matar alguém de novo, mas eu já estava com a alma suja, já estava fodido mesmo de qualquer jeito.

- T-tae, eu juro não vou fazer nada contra você, eu juro! Eu juro te esquecer, juro esquecer de tudo! Mas não faz isso, me tira daqui! - Ergueu seus braços em minha direção, mas eu já estava decidido e por isso neguei serenamente. - SEU FILHO DA PUTA DESGRAÇADO, INFELIZ, VOCÊ VAI QUEIMAR NO FOGO DO INFERNO! - De repente seus olhos só refletiam o ódio.

- Então esteja me esperando lá de braços abertos. - Pedi divertido, com um sorriso nos lábios, aumentando o secador ao máximo, em seguida, jogando-o dentro da banheira.

A taça na qual Charlotte segurava caiu de sua mão, sumindo dentre as espumas de sabão da banheira, aquele famoso barulho de curto circuito começou a soar dentro do box e as luzes do quarto falhavam de vez em vez, ela começou a se debater sobre a água e não demorou muito para se afogar também, seu corpo tremia sem parar aumentando as bolhas de sabão e uma fumaça começou a subir por conta do contato do secador com a água. De repente tudo parou, as luzes voltaram ao seu normal. Me aproximei e tentei ver o corpo de Charlotte mas não obtive tanto sucesso, por causa da espuma eu mau consegui ver algo ali.

- Como eu disse... Eu não poderia correr riscos de te ter no meu encalço. Você é grudenta e não aceita "não", vamos ver se na sua próxima encarnação você melhora nesse quesito, vadia. - Comentei.

Depois de já estar vestido e de ter limpado com um pano tudo que toquei ali dentro, deixei a suíte. Ao chegar na recepção do lugar pedi para falar com o dono, logo a recepcionista me indicou a sua sala e eu segui para lá, nos fundos do local.

- Oh, mas que surpresa! - O homem abriu os braços e levantou-se de sua poltrona, olhando-me com um sorriso. - Raramente vem até aqui.

- Eu preciso da sua ajuda. - Avisei e ele se sentou com uma carranca.

- Qual foi a roubada que você se meteu dessa vez, Taehyung?

- Na suíte tem uma mulher morta, eu que matei. - Sentei a sua frente e sua feição era de espanto.

- O quê? Como assim? Por que você matou uma prostituta no meu estabelecimento?

- Ela não era prostituta, é Charlotte, esposa do Nux, tínhamos um caso e eu resolvi acabar com isso hoje, porém, ela não aceitou, disse que iria acabar com a minha vida e matá-la foi a única saída. - Simplifiquei.

- Como a matou?

- Joguei o secador dentro da banheira que era onde ela estava. - Ele suspirou.

- Está explicado o episódio das luzes falhando. - Negou com a cabeça.

- Wow! Veio até aqui? - Ri e ele continuou sério.

- Taehyung, mesmo você sendo meu afilhado vai ficar me devendo um favor tão sujo quanto esse e você não tem outra opção! - Ri novamente enquanto concordava com a cabeça, recebendo seu olhar fulminante.

Dylan pegou o telefone e ligou para o seu capanga de confiança, seu braço direito, pedindo-lhe para que viesse até o motel. Nem me preocupei em ouvir aquela conversa, eu só queria ir para casa, tomar um bom banho e dormir. Minha cabeça doía tanto, talvez fosse o peso da culpa mas a essa altura do campeonato esse sentimento era insignificante para mim, finalmente eu estava livre para viver com S/N como éramos antes.

- Vou apagar todas as imagens das câmeras de segurança que filmaram vocês. Agora vá pra casa e esqueça que você esteve aqui hoje. - Orientou, eu assenti e saí.

Se não fosse pelo motel ser dele eu estaria em maus lençóis agora, não quero nem imaginar estar encrencado logo agora que eu quero tanto que a S/N volte a confiar em mim como antes. Há algum tempo venho sentindo que posso perdê-la, não sei explicar mas sempre que penso nela eu sinto um aperto enorme no peito. Sei que a fiz sofrer muito mas fiz para o bem do nosso amor. Eu não fui o único a errar nessa história, então, na minha concepção, estamos quites.


S/N Povs


O dia amanheceu e como sempre acordei ás oito horas com o choro do Taekwon, a única novidade era que o Taehyung não havia retornado para casa, seu lado na cama não estava bagunçado e seu carro não estava na garagem. Eu quis chorar ao constatar que ele não havia voltado na madrugada, mas respirei fundo e me segurei, não iria me rebaixar tanto assim. O celular que Jeon me deu vibrou em cima da cama, isso enquanto eu lutava para poder colocar a frauda no pequeno, parei e peguei o celular, logo visualizando a sua mensagem, eu já havia salvado seu número.

"Bom dia, está ocupada? Queria muito te ver."

Quando percebi eu já estava sorrindo igual uma boba.

"Bom dia, não estou. Podemos nos encontrar na praça daqui há quinze minutos?"

Resolvi tomar a iniciativa já que ele havia deixado sua deixa. Para ser sincera eu também queria vê-lo, estava bastante agradecida por ele me ajudar e também por não desistir de mim mesmo depois de todos os acontecimentos.

"Claro que sim, nos vemos lá."

Sorri, colocando o aparelho contra o peito, meu coração estava acelerado como se eu fosse uma adolescente marcando o primeiro encontro com o garoto perfeito. Pensando bem, eu queria muito ter conhecido Jeon Jungkook na minha adolescência ao invés de Kim Taehyung, talvez eu não tivesse sofrido tanto. Eu e minha família nunca ligamos para bens materiais dos outros, tínhamos o nosso, e me envolver com Jungkook nunca teria sido um problema. Não que eu me arrependa de ter namorado com o Taehyung, eu o amo, mas eu deveria ter analisado suas atitudes ruins naquele tempo, provavelmente eu teria conseguido mudá-lo na época.

Deixei o café da manhã pronto na mesa e um bilhete para Taehyung, avisando-o que iria no mercado e logo após isso saí de casa. O dia estava bom e eu estava bem. Caminhei com o bebê nos braços até a praça mais próxima, como era de manhã tinha poucas pessoas e crianças. Sentei-me em um banco na sombra, ajeitei o bebê no meu colo e coloquei sua bolsa ao meu lado, Taekwon murmurava parecendo gostar de ver os cachorros correndo de um lado para o outro, na maioria das vezes com os donos, de repente me lembrei de Hoseok e sorri. Não havíamos trocado número porque nem ele e nem eu tínhamos celular, mas de seu rosto bonito eu lembrava muito bem.

- Jeon - Murmurei feliz ao vê-lo caminhar em minha direção, sorrindo.

- Oi, tudo bem? - Perguntou após sentar-se ao meu lado e beijar minha bochecha.

- Estou e você? - Sorri.

- Estou. Oh, então esse é o famoso Taekwon? - Rimos e eu assenti.

- Vocês precisam se conhecer, concorda? - O olhei sugestiva, vendo um brilho diferente em seu olhar.

- Plenamente! - Sorrimos e passei o bebê para Jeon, que o ergueu para cima. - Você é um garotão mesmo, né? - Falou com uma voz fofa, o que me causou risos, Taekwon estava quieto e o encarava como se estivesse emburrado. - Titio Jeon quer ver um sorriso, bebê. Cadê? - Jungkook beijou várias vezes a barriguinha do bebê coberta pelo macacãozinho verde claro de carrinhos, logo após fazendo barulhinhos engraçados com seus lábios, Taekwon reagiu sorrindo grandemente para o moreno. - Isso, o titio gosta de sorrisão!

- Você leva jeito para crianças, Jungkook. - Falei encantada. - Estou admirada, você tem irmãos menores? - Ele me encarou e um sorriso brincava nos seus lábios finos e atraentes.

- Sou filho único, S/N, e me sinto honrado por ter sua admiração, obrigado. - Sorriu e o bebê murmurou, tendo sua atenção. - O meu maior sonho é ser pai, deve ser por isso.

Abri a bolsa do bebê e peguei sua mamadeira pequena que continha água, entregando-a para o Jeon, este que me olhou surpreso.

- Aproveite a sensação, pode não ser tão igual mas já é alguma coisa. - Falei divertida e ele riu todo bobo, ajeitou o meu filho em seu colo e ofereceu-lhe a água. - Parece que ele gostou de você.

- Também gostei de conhecê-lo. - Observamos o bebê tomar a água. - S/N, vejo que terá problemas quando ele crescer.

- O quê? Por que? - Questionei um tanto assustada.

- Porque ele é muito charmoso, Taekwon vai arrasar o coração das garotinhas, prepare-se para vê-las batendo na sua porta atrás do seu filho. - Explicou fazendo-me rir.

- Não tinha parado para pensar por esse lado, e sinceramente, não estou pronta para ver cenas assim. - Fui sincera, levando minha imaginação para o futuro.

- Pois é melhor ir se preparando porque eles crescem rápido, muito rápido. - Orientou e realmente era verdade.

- Você parece até um velho falando assim, Jeon! - Ri batendo de leve em seu ombro e ele me acompanhou.

- Só estou sendo realista, senhorita S/N.

Por alguns minutos o silêncio reinou entre nós, eu observava ao redor enquanto Jeon brincava com o bebê, esses dois daria uma bela dupla isso eu tenho que admitir. Não deixei de sentir uma pontada de inveja por Taehyung não ser igual a ele em relação ao filho, é a primeira vez que Jungkook o vê e já consegue ganhar a confiança do pequeno, diferente do outro que não leva jeito nenhum.

- Jeon - Chamei-o tendo sua atenção rapidamente em seguida. - Precisamos conversar.

- Pode falar, S/N. - Sua voz era serena mas seu olhar tinha aquele brilho chamado de esperança e que eu conhecia bem.

- Você lembra que eu pedi sua ajuda para terminar com o Taehyung, não é? - Ele assentiu apreensivo. - Então, eu decidi que vou continuar com ele.

- C-como assim? - Sua expressão era de doer o coração e mesmo que ele lutasse para esconder eu conseguia enchergar a sua frustração.

- Jeon, estou dizendo que eu me precipitei quando disse aquilo tudo... Eu vou retomar o meu casamento com o Taehyung.


Notas Finais


*Fugindo das pedras*

Eita, eita, o que dizer sobre tudo isso? Tenso.

Qual a opinião de vocês sobre o cap bombástico de hoje? Me digam nos comentários. Até breve, minhas gostosas 😘🌸💜


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...