História Mil e uma utilidades - Imagine Kim Namjoon - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Kim Nam-joon / Rap Monster
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Bangatao, Bts, Hot, Imagine Sem S/n, Jimin, Kim Namjoon, Kim Taehyung, K-pop, Rap Monster, Romance, Sexo
Visualizações 81
Palavras 1.540
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olha eu aqui de novo, agradeço os comentários, em breve irei responder todos eles, mas agora...

Boa leitura 💘

Capítulo 10 - O jantar


Estávamos todos sentados à mesa, meu appa em uma ponta e Taehyung na outra, minha mãe do lado direito de meu appa e eu do lado esquerdo com Jin, minha ajuma ficou ao lado de meu primo. Todos pareciam estar contentes menos eu e Jin, que estávamos muito desconfortáveis.

A escolha de meu appa não fazia sentido, será que cansaram de juntar relações financeiras e decidiram me casar com alguém de confiança?

— Então filha, o que achou? – minha omma decidiu puxar assunto comigo.

— Da comida? Está ótima como sempre, obrigada Seol. – agradeci a nossa empregada que estava servindo a bebida.

Sabia que minha omma estava perguntando sobre Jin, porém eu realmente não estava afim de discutir o assunto.

— Estou louco para sair daqui – murmurou para mim.

— Se comermos rápido a gente consegue – murmurei de volta para ele.

— Já estão íntimos para falarem baixinho? – meu appa abriu um sorriso largo.

Taehyung pigarreou ao ouvir aquilo, ele não parava de me encarar.

— Como vão as coisas no hotel? Vocês se falam bastante? – foi a vez de minha ajuma insistir naquilo.

Nós dois nos entre olhamos e Jin preferiu responder por mim.

— Não somos próximos.

Suspirei aliviada, ele acabou com a tensão com uma única frase.

— Mas podem ficar... – minha omma insistiu.

Taehyung não suportou, terminou a comida mais rápido que todos nós e retirou-se da mesa.

— O que deu nele? – meu appa estava confuso.

Se eu levantasse naquele momento seria estranho, porém se eu não fosse atrás dele poderia perder meu melhor amigo.

— Desculpa – levantei-me.

— Preciso ir ao banheiro – Jin aproveitou para livrar-se do interrogatório que lhe fariam.

Meus familiares se entre olharam confusos com a situação, mas não disseram uma só palavra.


(...)


Mostrei o banheiro à Jin e segui para o lado de fora, temos uma ponte e um lago na parte de trás de nossa casa, e lá estava ele sentado em um banco de madeira atirando pedras na água como fazíamos antigamente.

— Tae? – sentei ao seu lado e ele virou o rosto — Está chorando? – segurei seu rosto e o virei para mim, ele estava mesmo.

— Eu não quero... Não quero ficar sem você, larguei a faculdade para vir morar aqui. Nada dá certo na minha vida se não tiver você. – respirei fundo e sequei suas lágrimas com os meus dedões.

— Primo, eu sempre disse para nunca nos apaixonarmos um pelo o outro, por favor não me faça quebrar o elo que criamos por causa disso – ele se afastou e fungou.

— Você só me usou em todos esses anos.

— Éramos adolescentes, tudo não passou de diversão. Eu nunca quis que fosse sério, não estrague nossa amizade.

— O que há com você? Sempre deixei claro que estava apaixonado e você parecia não perceber, sempre me usando.

— Foi por isso que nunca transamos! Não queria que isso acontecesse, achei que se passasse de um beijo eu me apaixonaria por você.

— Se for por isso então vamos agora!

— Não! Aceite que nunca mais vamos ter o que tivemos em nossa juventude, somos adultos agora e temos que lidar com isso de forma sensata. Não vamos ficar juntos Taehyung e vamos continuar sendo bons primos e bons amigos – fui curta e grossa, precisava dizer isso antes que ele pensasse em fazer algo.

— Não vamos mais ser amigos se for assim, primos seremos sempre já que isso é inevitável. Adeus! – levantou e saiu correndo para o jardim da frente.

— Espera! Taehyung! Não faça isso! – meus olhos estavam marejados, não queria perde-lo.

— O que aconteceu? – Jin havia surgido do nada, mas serviria como meu ombro amigo.

Corri e o abracei e ele afagou meu cabelo.

— Ele revelou que gosta de mim, mas não posso corresponde-lo. Eu o amo demais, mas não como homem – falei choramingando e soluçando.

— Calma, calma. – acariciou meu cabelo.

Entramos para dentro e Jin estava me abraçando de lado enquanto eu escondia meu rosto em seu peito. Meus parentes ao verem a cena riram sorridentes e nos parabenizaram, porém pedi para que Jin me levasse até a cozinha para que eu me recuperasse daquela confusão e conseguisse conversar com meu appa sobre esse casamento arranjado.

Alguns minutos depois me acalmando pedi para que Jin chamasse meu appa.

— Por que ele?

— Sabia que ia perguntar filha – abriu a geladeira e despejou água na taça de cristal.

— Me diga, você sempre quis que eu casasse com alguém que viesse de uma família mais rica que nós.

— Sim, é verdade, mas... Descobrimos que Jin é herdeiro de uma fortuna.

— Lógico, sempre pensando em mais e mais dinheiro – revirei os olhos.

— Como se você não gostasse. – terminou sua taça de água.

— Quer saber? Eu preferia não ter que me casar com alguém rico para juntar relações econômicas e sim casar por amor independente da classe econômica.

Ele riu assoprado e acariciou minha cabeça.

— Ainda é uma criança não é mesmo? Amor não existe, se tens toda essa riqueza, se tens um hotel hoje, agradeça a nossa “junção de relações” no passado. Agradeça ao seus avós por terem casado sem se amarem, agradeça aos seus pais também... Agora não seja tão idiota, você pode se apaixonar pelo Jin depois do casamento.

— Não! Não foi assim que aconteceu com vocês dois, quer mesmo que eu fale sobre isso?

— Esse não é o ponto da conversa.

— Claro que não, não é o ponto da conversa quando sua infidelidade está em jogo.

— Sua... – ele levantou a mão para me bater, mas minha omma chegou a tempo.

— Está tudo bem por aqui? – se aproximou de nós dois com um sorriso forçado.

Meu pai respirou fundo e saiu da cozinha.

— O que deu nele?

— Nada omma, ele só não gosta de ser contrariado. Nunca gostou.

— Não faça isso conosco, case-se com Seokjin, pois ele é um bom partido.

— Não me importa se ele é um bom partido ou não, eu tenho 25 anos de idade e tenho direito de escolher com quem irei me casar e já tenho um pretendente.

— O que? – me olhou incrédula.

Inspirei fundo e expirei pesado pousando a mão na testa.

— É isso que ouviu mãe, Jin vamos embora! – chamei por ele saindo da cozinha a deixando lá estática.


(...)


Jin me levou de volta para o hotel em seu carro, eu ainda pensava em Taehyung e no quanto ele deve estar decepcionado e magoado por minha causa.

— Você vai ser herdeiro de alguém e trabalha no hotel – tentei quebrar o silêncio entre nós.

— É só um boato no qual seu appa insistiu em crer. Meu avô está quase morrendo e a fortuna está entre mim e meus irmãos.

— Meu appa é um insensível.

— Ele só pensa em dinheiro, infelizmente. Meus irmãos vão lutar pela fortuna e eu sou o que menos está afim de entrar nessa briga, mas lógico que seu appa me aconselhou a “lutar pelos meus direitos” – Jin tentou imitar a voz de meu appa, o que foi engraçado.

— Desculpa por te fazer passar por isso.

— Que nada, estou acostumado com pessoas ambiciosas.

— Que horas são?

— Oito e trinta e dois.

— Pode me deixar em um restaurante? – dei o endereço do restaurante onde Jimin trabalha e Jin me deixou lá — Obrigada – curvei-me ao sair do carro.

— Não fique até tarde na rua senhorita – acenou arrancando com o carro dali.

| 20:34 |

O restaurante estava cheio e eu não tinha reserva para conseguir uma mesa, dessa vez preferi não usar meu privilégio de rica para retirar alguém que fez reserva antes de mim. Decidi então, esperar do lado de fora, esperei tanto que até tirei um cochilo.

| 21:42 |

— Ei, Acorde... – alguém estava me cutucando tentando me despertar de meu sono.

— Onde estou? – abri os olhos com dificuldade tentando os acostumar com as luzes da cidade.

— Você! O que faz aqui? Novamente... Me disseram que você ficou aqui por um bom tempo. – sentou ao meu lado

— Eu estava esperando por você e.... – minha barriga roncou me constrangendo.

— Vem, vamos entrar – levantou e me estendeu a mão.

Eu a peguei e entramos no restaurante.

Jimin me serviu lámen com suco de laranja.

— É tudo que temos a essa hora.

Dei de ombros, não estava no direito de dar um ataque de rica.

— Está delicioso – comentei ao saborear o macarrão instantâneo.

Ele apenas sorriu ao me ver comendo daquele jeito, parecia uma esfomeada.

— Por que estava me esperando? – apoiou as bochechas nas mãos e os cotovelos na mesa.

— Eu é.... Quis te ver novamente. – estava completamente envergonhada, mal conseguia olhá-lo nos olhos, pois sabia que ele estava com aquele lindo sorriso.

— Você está interessada em mim? – droga, por que ele tinha que ser tão direto?

— Na verdade sim, queria lhe convidar para ser meu noivo de mentirinha.

Ele tossiu.

— Olá! Jimin! – alguém entrou pela porta de vidro e essa pessoa era quem eu menos esperava. — O que faz aqui? – sentou em nossa mesa.

— Kim Namjoon, quanto tempo. – brincou Jimin


Notas Finais


T R E T A S

Espero que tenham gostado minhas lindas, até o próximo capítulo semana que vem <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...