História Mil vezes intenso - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol
Tags Baekyeol, Chanbaek
Visualizações 375
Palavras 4.910
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Hoje mesmo irei postar os outros dois caps =]

Boa leitura ;*

Capítulo 1 - Feridas


Fanfic / Fanfiction Mil vezes intenso - Capítulo 1 - Feridas

Desde o início

Você era um ladrão, você roubou meu coração.

E eu estava disposta a ser sua vítima

Eu deixei você ver partes de mim

Que não eram tão bonitas

E a cada toque

Você as consertou

Você tem falado durante o sono

Coisas que você nunca diz para mim oh oh

Diga-me que você já cansou

Do nosso amor

Nosso amor

Me dê um motivo

Só um pouquinho já basta

Só um segundo, nós não estamos quebrados somente fora do eixo

E nós podemos aprender a amar novamente

Está nas estrelas

Tem sido escrito nas cicatrizes em nossos corações

Nós não estamos quebrados, somente fora do eixo

E nós podemos aprender a amar novamente

Pov Baekhyun.

Eu acreditava em fases ruins.

Eu costumava dizer que Chanyeol era a parte mais bonita de mim. Em 5 anos de relacionamento meu amor por ele continuava da mesma forma intensa e eu podia afirmar que ele era a maior certeza da minha vida. Eu o conheci no auge dos meus 15 anos naquela fase de adolescente rebelde que achava que o mundo girava na palma da minha mão e Chanyeol foi a luz do meu caminho escuro. Por ele eu encontrei um motivo para se viver e dar o meu melhor, foi naquele momento que eu descobri que ver alguém sorrir era o motivo da minha felicidade. Eu descobri o amor da forma mais singela e bonita, em seu olhar eu me perdi no infinito mais perfeito.

Eu estava vivendo uma fase ruim.

Olhei para o corpo adormecido de Chanyeol e um sorriso triste escapou dos meus lábios.

"Kyungsoo... Pare te me tentar..."

Meu coração doeu com seu sussurro enquanto ele se virava na cama perdido no mundo dos sonhos. Olhei para o relógio que marcavam 3 horas da manhã e afundei o rosto em minhas mãos lutando contra as lágrimas.

"Não sei mais o que sinto por Baekhyun"

A primeira lágrima escapou.

Havia virado uma rotina ouvir Chanyeol murmurar aquelas coisas enquanto dormia.

Ah, e como aquilo doía.

Há meses ele não me procurava na cama e estava distante, no início tentei conversar e tentar resolver as coisas mas aquilo só o fez se afastar mais. Ele alegava que estava cansado pelo trabalho exaustivo em uma empresa de administração e sempre que conversávamos ele citava o nome desse rapaz D.O Kyungsoo, o que acabou se tornando incômodo para mim, mas nunca proferir em palavras o ciúme que sentia do amigo de trabalho de meu marido, apenas engoli tudo calado até que em uma noite de insônia o ouvi chamar seu nome pela primeira vez.

Aquela dor havia virado rotina.

Eu não sabia se Chanyeol havia me traído, mas quem quer que seja Kyungsoo, ele estava o provocando a ponto de fazê-lo duvidar de seu amor por mim. Eu não sabia se era o desespero e o medo que me faziam duvidar de sua traição, pois eu acreditava fielmente que ele não havia feito isso mas estava tentado a fazer pois sempre em seus sonhos ele murmurava tentando o afastar o que para mim significava um reflexo de sua confusão.

Kyungsoo estava tentando tirar Chanyeol de mim.

E estava conseguindo.

Eu estava em um estado que não havia explicação, eu não me sentia forte o suficiente para confrontar Chanyeol mesmo que minha vontade fosse gritar e chorar todas as lágrimas do mundo. Eu queria tomar uma atitude e reconquistar meu marido e fazer tudo dar certo mas por dentro eu me sentia tão quebrado e tão magoado que meu desejo era que ele pudesse ver o quanto estava me ferindo e pudesse consertar meu coração quebrado.

Amanhã seria a festa de final de ano da empresa e finalmente eu estaria frente à frente com Kyungsoo, mas não me sentia forte para lutar, não quando meu Chanyeol estava ali chamando seu nome.

"Kyungsoo, pare com isso"

Aquilo foi estopim para meu coração já machucado, por isso me agarrei ao meu travesseiro e me arrastei até a sala no escuro daquele apartamento que abrigava tantas memórias de pura alegria mas que hoje pareciam sufocantes. Deitei no sofá macio e deixei as lágrimas saírem em um fluxo descontrolado equiparando com o tamanho do meu sofrimento.

A única companhia que tive antes de me entregar aos sonhos foram as lágrimas, a solidão e a dor.

 

 

- Baekhyun?

Não quis abrir os olhos.

Há muito não sentia um carinho suave em meus cabelos daquelas mãos que eu sempre ansiei os toques. Mas então lembrei da noite passada e foi o suficiente para sentir que aquele toque era sujo e manchava toda a pureza do meu amor. Sentei no sofá, me afastando de Chanyeol que me encarou confuso e um tanto assustado pela minha reação.

- Está tudo bem, amor? É a sétima vez que acordo e pego você dormindo no sofá. - seu tom foi quase acusatório e eu quase pude rir amargamente por isso - Está tendo pesadelos? Sabe que pode me acordar se for o caso. - seu tom suave fez um nó em minha garganta pelas palavras que queria desabafar mas ficaram presas junto com minha covardia.

- Estou bem, Chanyeol. - falei baixo e não me forcei a sorrir e nem ser meigo, estava cansado de agir falsamente para tentar manter a paz que não existia mais - Só acordei de madrugada e quis ficar só. - minhas palavras o pegaram desprevenido pela sua expressão.

Não sei o que havia mudado, mas pela primeira vez eu estava cansado de esperar que ele tentasse salvar nós dois.

Pela primeira vez me perguntei se valeria a pena.

- Quer conversar? - ele pareceu verdadeiramente preocupado e em seus olhos pude ver traços do meu Chanyeol que pareciam adormecidos há tanto tempo.

- Engraçado. - não consegui controlar minha língua e ele franziu o cenho - Há dois meses atrás eu te fiz a mesma pergunta por uma semana e você continuou fugindo, talvez Chanyeol... Só talvez eu tenha cansado de esperar. - sorri com tristeza e ele arregalou os olhos levemente.

- O que isso significa? - sua pergunta saiu de forma assustada. O que me surpreendeu.

Até parecia que ele tinha medo de me perder.

- Significa que estamos atrasados para ir à festa da sua empresa. - indiquei o relógio que já marcava 13:00 da tarde - Estou ansioso para conhecer Kyungsoo, tenho escutado o nome mais do que gostaria ultimamente. - suas feições ficaram pálidas e lancei um sorriso cheio de dor me afastando indo em direção ao banheiro.

Talvez eu só estivesse cansado de esperar uma mudança.

- Você está lindo. - me permiti sorrir minimamente esquecendo de tudo que me machucava ao ouvir aquele elogio.

Há quanto tempo Chanyeol não me elogiava?

Mas eu definitivamente havia caprichado no visual, coloquei jeans preto que destacavam minhas coxas e bunda, uma camiseta social branca e fiz questão de destacar meus olhos. Fazia tempo que não me sentia tão vivo.

Mas principalmente não queria dar o gosto a Kyungsoo de pensar que eu era feio ou algo do tipo, muito pelo contrário, eu queria mostrar que não entregaria Chanyeol assim de mão beijada.

- Obrigado. - falei tímido e ele riu baixo.

- Não importa quanto tempo passe, você sempre fica corado quando te elogio. - sua voz soou brincalhona e eu sorri suave.

- Eu te amo. - murmurei e ele me olhou confuso - Você sempre foi e sempre será o homem da minha vida, eu conheci tudo ao seu lado. O amor, o prazer, a felicidade... Eu sinceramente não consigo imaginar minha vida sem você. - encarei seus olhos brilhantes e busquei aquela chama que sempre encontrava quando era romântico com ele. Doeu quando não encontrei nada, apenas confusão.

- Está estranho hoje, meu anjo. - ele voltou a atenção para pista de forma nervosa - Não diga isso parecendo que está se despedindo, você tem certeza que está bem? - sua pergunta me fez rir baixo, ele pode não ter percebido mas foi uma risada totalmente desesperada.

Fiquei em silêncio, até chegarmos ao salão aonde seria a festa.

Assim que descemos do carro segurei seu braço antes de entrarmos e ele se virou para mim confuso.

- Antigamente havia uma chama em seus olhos quando eu dizia que te amava. - sussurrei olhando seus olhos atormentados - Antigamente você respondia que me amava. - sorri sem esconder a dor e quando ele abriu a boca para responder, apenas o ignorei e segurei sua mão, puxando-o para entrar no salão.

Talvez os olhos de Chanyeol já tenham me dado a resposta que precisava.

Entramos no salão lotado de mãos dadas e sem medo, eu sabia que no trabalho de Chanyeol todos sabiam sua opção sexual, quem era contra tinha a decência de respeitá-lo. Sorri falsamente fazendo o papel de marido feliz quando seu chefe se aproximou.

- Baekhyun, finalmente pudemos nos encontrar. - o chefe de Chanyeol, Kim Joonmyun sorriu alegremente - É um prazer te conhecer. - me curvei encantado pelas boas maneiras do homem.

- O prazer é meu. - me curvei de volta e ele sorriu abobadamente.

- Ora, Chanyeol... por que não me disse que seu marido era tão bonito e educado? - aquele comentário me pegou desprevenido e pude ver nos olhos de Chanyeol que ele havia ficado incomodado.

Pois então ele ainda sentia ciúme de mim, surpreendente.

- Para ninguém tentar roubá-lo de mim. - Chanyeol brincou mas soou mais como um aviso e eu tinha certeza que naquele momento estava corado.

- Aigoo, que lindo... Ele está vermelho. - Joonmyun me encarou com os olhos brilhantes e eu fiquei sem saber como agir, pois aparentemente o chefe do meu marido estava dando em cima de mim na frente dele e de forma inconsciente minha mão foi apertada com força - Olha só, Kyungsoo... o marido de Chanyeol é uma gracinha. - aquele nome me deixou tenso, o que me fez ignorar o tom brincalhão de Joonmyun.

Observei a pequena figura e não tão bem arrumada, de olhos arregalados e um sorriso debochado se aproximar de nós. Ele era bonito não iria negar. Ele me encarou de forma divertida e seus olhos correram dos meus pés até minha cabeça, e no final um sorriso de escárnio cresceu em seus lábios. Naquele momento percebi que Kyungsoo era um jogador, e pelos seus olhos e seu sorriso vi que ele era aquele tipo que gostava de plantar a discórdia e provocar, então naquele momento tive a certeza que não poderia vacilar e nem entrar em seu jogo.

- Prazer, Baekhyun. Já ouvi muito sobre você. - seu sorriso foi sugestivo como se estivesse rindo de mim por saber algo que eu não sabia.

Me senti fraco, quis correr e chorar.

- O prazer é meu, Kyungsoo. Digo o mesmo, é bom poder conhecer finalmente um dos melhores amigos de Chanyeol. - falei de forma inocente como se estivesse alheio a tudo e isso só pareceu o divertir mais.

Implorei para que Chanyeol não tivesse me traído com ele, seria muita humilhação.

- Oh sim, eu e o Chanyeol nos damos muito bem. - ele direcionou um sorriso lascivo a Chanyeol e até mesmo Joonmyun percebeu aquilo pois pareceu desconcertado e sem graça.

Eu senti como se todos soubessem que algo acontecia ali e estivessem rindo de mim pelas costas.

- Eu sei que sim. - sorri e não me preocupei em olhar para Chanyeol pois de longe podia sentir sua postura tensa.

- Então me conte mais sobre você Baekhyun. O que faz da vida? - ele perguntou curioso e eu arqueei a sobrancelha.

- Ora, amor! Fala tanto sobre mim e não contou minha profissão? Fico me perguntando o que conversam. - brinquei e Chanyeol sorriu de forma tensa e Kyungsoo riu alto.

- Eu e Chanyeol não temos muito tempo para conversar. - novamente aquele tom sugestivo.

Chanyeol afrouxou a gravata de forma tensa como se fosse passar mal a qualquer momento.

- Ah claro, muito trabalho certo? - perguntei e ele riu divertido como se me achasse bobinho e estivesse se divertindo muito por isso - Eu sou escritor. - falei e seu sorriso foi debochado.

- Oh, sério? - Joonmyun perguntou empolgado e eu assenti alheio ao novo grupo de pessoas que se aproximavam de nós.

- Ora, seu nome é Byun Baekhyun, certo? - assenti encarando Kyungsoo e me mexi desconfortável pelos olhares fixos sob do novo grupo que havia se aproximado - Não lembro de ter lido nada seu. - quase ri, Kyungsoo queria me humilhar.

Todos ficaram em silêncio de repente, parecendo surpresos com a atitude do rapaz de olhos arregalados.

- Kyungsoo. - Joonmyun falou surpreso e um tanto confuso.

- Eu fui sincero, me desculpe se o ofendi, Baekhyun. - não senti a sinceridade em suas palavras.

Ri alto.

- Não se preocupe, Kyungsoo... não me ofendeu. Afinal, eu não assino meus livros com meu nome, eu uso um pseudônimo chamado Park Chanhyun, as combinações do meu nome e de Chanyeol pois além do homem que eu amo, ele sempre foi meu melhor amigo e me incentivou a escrever. - sorri vitorioso e deixei uma expressão arrogante me dominar - Talvez não tenha lido, mas bem talvez já tenha ouvido falar, eu sou o autor da série "Noite Sombria". Acabaram de lançar o terceiro filme baseado em meu livro, talvez tenha escutado em algum jornal que ele bateu recorde de bilheterias na Coréia, China e Japão. - expliquei de forma inocente como se fosse a coisa mais banal do mundo, aquilo pegou todo mundo de surpresa e um burburinho se iniciou.

- Não acredito. - um rapaz moreno falou alto me assustando - Eu sou fã dos seus livros, eu não consigo acreditar... Por que nunca nos contou, Chanyeol? - todos pareciam afobados com a informação, o que me fez rir baixo.

- Baekhyun não gosta de ser exposto. - ele explicou com um sorriso orgulhoso.

- Omo, estou esperando o quinto livro ser lançado. - um rapaz de covinhas fez bico me fazendo rir.

- Bem, eu tenho um exemplar em casa que a editora me enviou, posso te dar. - sugeri e quase ri do brilho dos olhos do rapaz.

- Sério? - ele praticamente se jogou em cima de mim e eu gargalhei assentindo.

- Claro, segunda-feira peço para Chanyeol te entregar, aí quem quiser ler na empresa você empresta, pode ser? - perguntei e todos começaram a discutir quem seria o segundo a ler.

Arrisquei olhar para Kyungsoo que me olhava com desdém mas apenas o ignorei quando os amigos de Chanyeol começaram a pedir para tirar foto comigo e autógrafos. Fiquei um tanto incomodado e quase me arrependi por ter divulgado aquela informação, eu realmente odiava chamar a atenção. Quando me virei para pedir socorro a Chanyeol com um olhar, me assustei e engoli em seco ao não encontrar ele e muito menos Kyungsoo ali.

- Eles foram para a ala de fumantes. - a voz de Joonmyun me assustou e eu senti uma onda de humilhação me atingir, não acreditava que ele havia feito isso comigo na frente de todos - Chanyeol é um bom rapaz, não caia no jogo de Kyungsoo... E se serve de consolo, que eu saiba ele nunca te traiu e eu sempre o pego tentando fugir e afastar Kyungsoo. - me senti desconfortável com as palavras do chefe de meu marido, era como se ele pudesse desvendar minha alma - Não desista, é isso que Kyungsoo quer ao te provocar dessa forma.

- Eu estou cansado de lutar. - desabafei e ele me olhou compreensivo.

- Lembre a Chanyeol o porquê dele ter te escolhido para amar e o ensine a amar de novo. - suas palavras me deixaram desconcertado - Acho que você também precisa o amar de novo, Baekhyun. Você está se sentindo ferido porque tem medo de ser trocado mas o que eu vi hoje foi você aceitando tudo calado. Como o antigo Baekhyun agiria? - sua pergunta me deixou sem reação.

- Eu gritaria, brigaria com Chanyeol e o mostraria que eu posso ser muito melhor e daria um jeito em Kyungsoo. - confessei percebendo que eu também estava errando e Joonmyun sorriu vitorioso por me fazer reconhecer aquilo.

- Vá atrás de Chanyeol, vocês precisam aprender a amar novamente e renascer aquela chama do início do relacionamento. - assenti freneticamente completamente agradecido por aquelas palavras e fui pelo caminho indicado.

Joonmyun estava certo, eu calado somente empurrava Chanyeol mais ainda para Kyungsoo.

Mas não estava preparado para aquela cena que presenciei assim que coloquei meus pés na área reservada para fumantes.

Kyungsoo sussurrava algo no ouvido de Chanyeol e roçava seu corpo no dele.

Ambos não notaram minha presença.

Fiquei em silêncio, queria ver até aonde aquilo iria.

Prendi a respiração quando Kyungsoo puxou os cabelos de Chanyeol e em câmera lenta vi seus lábios se aproximarem lentamente. Como se acordasse de um transe, Chanyeol o afastou um pouco.

- Não faça isso, eu não vou trair Baekhyun. - Chanyeol falou com a voz rouca e eu poderia suspirar aliviado, mas aquilo machucava mais.

- Você quer. - Kyungsoo rebateu e assim como Chanyeol, eu sabia que ele estava certo.

- Desejo não é suficiente para me fazer traí-lo. - ouvir da boca do homem que você ama que ele deseja outro é como ter uma faca perfurando seu coração.

- É mais que desejo, Chanyeol. Aquele garoto é patético e você precisa de um homem de verdade. - Kyungsoo voltou a se aproximar e eu continuei em silêncio.

Se Chanyeol o beijasse eu jamais o perdoaria.

- Pare, Kyungsoo! Pelo amor de Deus. - podia ver a agonia nos olhos de Chanyeol enquanto ele tentava afastar o outro, podia ver em seus olhos a vontade de ceder.

Chanyeol foi tentar desviar de mais uma investida e quando virou deu de cara comigo.

Seus olhos se arregalaram e toda a cor de seu rosto sumiu.

Kyungsoo pareceu assustado mas logo se recompôs com um sorriso tenso.

- Baekie. - a voz de Chanyeol saiu dolorida e cheia de culpa.

Por um momento quis que ele sofresse.

Por um momento me perguntei se valia a pena tentar amá-lo novamente, porque ele havia destruído uma boa parte do que eu sentia.

Lancei um olhar ferido e decepcionado.

- Sabe o que é pior que a raiva e mágoa Chanyeol? A decepção. - falei e sorri em agonia ao ver uma lágrima escapar dos seus olhos - Sabe, Kyungsoo... eu sinto pena de você. - o baixinho de olhos arregalados me fitou um tanto ofendido.

- Pena? Você tem que sentir pena de si mesmo sabendo que seu marido deseja outro. - sua risada saiu divertida e eu sorri largamente com suas palavras.

- Cala a boca, Kyungsoo. - Chanyeol rosnou surpreendendo nós dois - Não ouse tentar magoá-lo. - ele o avisou raivoso enquanto limpava as lágrimas dos olhos.

- Oh não se preocupe, Kyungsoo não tem esse poder, Chanyeol. - avisei - Só você o tinha, e bem já me machucou. - lutei contra as lágrimas e a culpa que vi em seus olhos me deixou satisfeito.

- Baek...

Ergui a mão o silenciando.

- Não deve ter pena de mim, Kyungsoo. E sim de você mesmo. - voltei a questão anterior - Pois pessoas que tentam destruir o relacionamento de alguém sim é preciso de pena! Se Chanyeol estivesse correndo atrás de você, eu até poderia te aplaudir por conseguir o meu homem e juro que não iria nem questionar pois seria uma escolha dele, não sua e nem minha. Apenas dele e ele pode sim te desejar... Mas veja bem, presenciar essa cena de você se oferecendo faz até uma puta parecer santa. - sorri ao ver a humilhação estampada em sua face - Talvez eu me sentiria da mesma forma que ele, Joonmyun por exemplo, foi um galante comigo e seus elogios fizeram com que eu me sentisse especial. Talvez se ele fizesse o mesmo que você faz poderia me deixar excitado. - provoquei Chanyeol deliberadamente - Deve ser duro não é, Kyungsoo? Correr atrás de Chanyeol e saber que é ao meu lado que ele dorme todas as noites, que é comigo que ele faz amor, que sou que ele chama de marido. - sorri - Ah, isso sim é digno de pena. - ronronei e me virei para Chanyeol - Te espero no carro... Ou precisa de mais algum tempo? - perguntei e ele praticamente correu para o meu lado e eu me voltei para Kyungsoo - Veja só, eu lhe dei a oportunidade de ficar mas ele quer ir, deve ser realmente triste. - cutuquei sem dó a ferida estampada no olho do outro.

- Como se sente, Baekhyun? Sabendo que ele está com você mas no fundo me quer? - gargalhei alto com sua pergunta.

- Ah, Kyungsoo... Chanyeol pode ir com você quando quiser, não vou pedir para ele ficar e nem vou me matar, posso sofrer sim, mas hoje ele não é digno nem das minhas lágrimas. - falei debochado olhando para Chanyeol que tinha uma expressão de tristeza no rosto - Você pode ficar, Chanyeol, eu posso pedir um táxi. - avisei e Kyungsoo parecia esperançoso e no fundo eu senti medo.

- Não fale assim, por favor. - Chanyeol soluçou mais isso não me comoveu - Vamos embora. - ele implorou e naquele momento eu podia compará-lo com uma criança perdida.

Lancei um último olhar de escárnio para Kyungsoo e deixei o rapaz para trás com lágrimas nos olhos.

Eu era um ser humano egoísta então desejei que Kyungsoo sofresse.

Assim que voltamos ao salão dei de cara com Joonmyun - que encarou Chanyeol com a sobrancelha arqueada por seu rosto visível de quem chorou -, lhe sorri agradecido e me curvei a todos que estavam próximos.

- Agradeço a hospitalidade e a forma que me trataram, muito obrigado. - sorri sinceramente.

- Yah, você é fofo. - o moreno sorriu de forma infantil e eu cocei a nuca sem graça.

- Definitivamente foi um prazer te conhecer, Baekhyun. - Joonmyun falou sugestivo e eu quase ri sabendo que ele queria provocar Chanyeol e eu achei bem merecido - Eu espero que nos encontremos de novo. - assenti pois também esperava - Chanyeol, você é um homem de sorte.

- Eu sou. - Chanyeol murmurou alto o suficiente para que todos ouvissem.

- Pena que não se lembre disso, ou talvez seja uma mentira. - sussurrei para que ele pudesse ouvir e mantive um sorriso falso no rosto enquanto saía do local.

Quando chegamos ao lado de fora agradeci, não precisava mais esconder minha dor.

Não precisava fingir que não estava machucado ou que era forte.

Não precisava segurar mais minhas lágrimas.

- Baek. - Chanyeol murmurou assim que entramos no carro.

- Primeiro, não me chame assim. - minha voz saiu seca e ele parecia ferido com minhas palavras mas eu podia garantir que não era nem perto do que eu sentia - Em casa conversamos. - falei encostando a cabeça no vidro do carro.

Eu precisava pensar em que atitude iria tomar.

Não me importei que ele estivesse vendo, não me importei que eu pudesse parecer fraco. Chorei, deixei todas as lágrimas saírem em vergonha nenhuma, solucei até minha cabeça doer. Eu estava magoado, estava ferido e por mais que não tivesse acontecido, pelo menos não fisicamente, eu me sentia traído.

Chanyeol havia me machucado da pior forma possível.

- Por favor, me machuca te ver assim. - a voz embargada só me fez chorar mais.

Quase desesperadamente abri minha maleta que sempre deixava no carro e tirei um espelho lá de dentro e encarei meu rosto inchado no espelho, as lágrimas ainda caíam incessantes.

- O que tem de errado comigo? Me diz. - perguntei e ele freou o carro bruscamente.

- Não faça isso. - ele implorou com dor nos olhos.

- Eu estou gordo? Estou feio? Não sou mais atraente? - perguntei mais para mim do que para si, podia ver o vazio em meus olhos.

Mas não estava mais vazio que meu coração e minha alma.

- Baek, você é perfeito, meu amor... Não faça isso. - seu choro se misturou com o meu.

- Então, por quê? Por quê? - meu sussurro saiu falhado e cheio de dor.

- Eu não sei, eu nunca te traí... Eu juro. - eu sabia que ele estava falando a verdade e ao mesmo tempo uma mentira.

- Não fisicamente, e talvez fisicamente seja mais suportável. - falei limpando as lágrimas - Vamos embora. - sussurrei antes que ele pudesse retrucar.

Limpei o rosto e voltei a deitar a cabeça no vidro.

Não iria mais chorar, não por ele.

Assim que passei pela porta do apartamento fui direto parar o meu quarto sendo seguido por Chanyeol.

- Vamos conversar, Baek. - ele pediu e eu apenas o ignorei, tirei uma mochila do guarda-roupa e comecei jogar algumas roupas minhas lá dentro - O que está fazendo? Baek, não me deixa! Por favor, conversa comigo... Eu te amo. - o desespero em sua voz me fez virar para si.

- Eu não vou te deixar. - murmurei e isso pareceu acalmá-lo mais.

Eu havia tomado minha decisão.

- O que está fazendo então? - ele sentou à beira da cama e me olhou cansado.

- Hoje de manhã você me perguntou o porquê de eu estar dormindo no sofá, eu vou te responder o porquê. - ele me fitou confuso e eu sorri dolorido - Você fala enquanto dorme, sabe quantas vezes você chama o nome de Kyungsoo enquanto dorme? - minhas palavras o assustaram - Você não me traiu fisicamente mas fez pior, deixou Kyungsoo entrar em sua mente e quando eu percebi que você estava estranho, implorei para você conversar comigo e o que você fez? Se afastou. - acusei sem dó, estava na hora de eu colocar tudo para fora - Imagine por um segundo como eu me senti, vendo o homem que eu amo chamando por outro enquanto dormia, querendo tocar outro... Qual era o seu medo, Chanyeol? Há dois meses você não me toca de forma íntima, tinha medo de me levar para cama e gemer o nome dele? - perguntei magoado.

- Não. - ele falou desesperado - Não estou negando que ele me atiçava e me provocava, Baek. Mas eu nunca cedi e sei que pensar nele dessa forma e o desejar já é uma traição, sei que te machuquei, mas se não te toquei e me afastei foi porque me senti sujo por desejar outro e fazer isso com você! Eu te amo, Baekhyun. E te desejo da mesma forma de sempre, mas Kyungsoo queria me dar aquilo que tínhamos no começo, aquela intensidade... O desejo à flor da pele. Nós caímos na rotina e eu me senti tentado pois queria sentir aquilo de novo. - suas feições ficaram desesperadas como se implorasse para que eu entendesse.

- CONVERSASSE COMIGO, PORRA. - explodi mas respirei fundo porque ele estava sendo sincero comigo - Você preferiu me afastar, ceder ao desejo, fazer com que aquele desgraçado tentasse me humilhar na frente dos seus amigos praticamente insinuando que vocês dois tinham um caso e eu tendo que me fingir de idiota! Você nem sequer abriu a boca para me defender, esse não é o meu Chanyeol que sempre me protegeu do mundo. - minhas palavras o machucaram e eu pude ver. Parecia que finalmente ele estava caindo em si - Você preferiu me machucar, deixar outro passar a mão em você, se esfregar em seu corpo em uma festa aonde eu estava. Você me feriu, me desrespeitou e me humilhou, Chanyeol. - minha voz tremeu em mágoa.

- Eu sei, por favor me perdoe, Baekhyun. Deixa eu corrigir meus erros... Não desiste de mim. - seu pedido entre lágrimas me entristeceu pois podia ver que ele realmente queria se redimir, mas não era o suficiente.

- Você desistiu de nós primeiro, Chanyeol. - acusei e seu corpo tremeu pelo choro - Eu vou te dar uma única chance. - avisei e ele ergueu o rosto limpando as lágrimas e suas feições se tornaram esperançosas.

- Eu vou te dar uma semana para me provar que podemos nos amar novamente. - falei e ele me olhou confuso - Seu amor por mim se quebrou e você quebrou o meu por você. - murmurei magoado - Mas eu quero dar uma chance a nós dois, porque mesmo quebrado eu te amo. - sussurrei e ele assentiu freneticamente - Essa noite eu vou dormir em um hotel e amanhã às 8 horas, eu vou te esperar no aeroporto para irmos para nossa casa de praia em Jeju. - avisei e ele me olhou confuso.

- Eu tenho que trabalhar na segunda. - ele avisou e eu semicerrei os olhos.

- Está na hora de você descobrir o que você quer, tem o resto do dia e a noite inteira para pensar. Saiba que eu largaria tudo por você e meu Chanyeol de antigamente faria o mesmo por mim. - falei e ele fez careta mas assentiu - Se você não aparecer amanhã eu já saberei sua resposta, e nem precisa me procurar mais.

Sai do quarto sem olhar para trás.

Agora seria tudo ou nada.


Notas Finais


Daqui a pouco posto o segundo capitulo ;*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...