História Milan - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Nadadora Salvadora, Romances De Verão, Verão
Visualizações 6
Palavras 6.548
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Famí­lia, Festa, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


eheheh olhem quem decidiu voltar? mas vá, o cap. tá cheio de coisas fofinhas para compensar, e já comecei a fazer o outro, por isso tá. kkkk espero que gostem, e até às notas finais. e, já agora, as pessoas da capa que vocês ainda não conhecem (aquelas que um está às cavalitas da outra) são a Ema e o Robin. AH! e finalmente vai ser o primeiro encontro deles! se o Stuart não tiver sido atropelado antes, claro...

Capítulo 5 - Date


Fanfic / Fanfiction Milan - Capítulo 5 - Date

No capítulo anterior…

Fiquei a vê-lo ir-se embora, e ele ia a passo rápido, como me tinha dito que ia. Fechei a janela, e depois a persiana. Algum tempo depois, recebi uma mensagem. Pensei que fosse dele. não era. Era de um jornal de noticias qualquer que o meu Iphone insistia em mostrar.

“rapaz de 17 anos atropelado em Milão”, era o que dizia. O meu coração deu um pulo. Será que era o Stuart?

Já passavam 10 minutos desde que o Stuart tinha saído daqui. Meu Deus…e se foi ele que foi atropelado? Ele ainda nem me tinha ligado…

 

_Lily_

Estava super preocupada. Será que o Stuart tinha sido atropelado? Quero dizer, isso seria horrível! Levantei-me da cama e pus-me a pensar. Claro que isso seria horrível, sua idiota! Tu não pensas, Lily? Meu Deus, eu pensei que tu fosses inteligente, rapariga!

Estava super stressada. Não, sua idiota, eles ainda não tinham percebido que tu estavas super stressada. Cala-te, subconsciente! Eita, que antipática! AFF! Que chato que tu és.

Estava perdida nos meus pensamentos e no meu stress, quando o Stuart finalmente me ligou. Só tinham passado 15 minutos desde que ele saíra de minha casa, mas eu estava a dar em maluca!

- oi- disse ele, quando eu atendi a sua chamada, tipo nem chegou a tocar uma vez, eu já estava a atender.

- oi- disse eu, aliviada.- estás bem?

- claro- disse ele- agora estou deitado na minha cama. E antes que perguntes, já lavei os dentes, mãe- disse ele, o que nos fez rir. Acho que nunca estive tão aliviada na vida, nem mesmo no fim de ir à casa de banho numa viagem de 8 horas.

- bem lavados?- disse eu, rindo.

- claro! Amanhã não quero estar com um hálito de sapo! Quero dizer, nenhuma rapariga merece ir sair com um rapaz com um hálito pior do que sei lá o quê- disse ele, e nós rimo-nos- eu só não te liguei logo que cheguei a casa porque ia estará correr para me despachar mais rápido, e se te tivesse ligado assim que cheguei a casa, provavelmente estaria a despachar-te, e isso não seria digno de um cavalheiro como eu para com uma donzela como a senhora- disse ele, o que me fez rir. Ele diz cada coisa!

- ok…bem, eu amanhã vou parecer um zombie se não for dormir agora!- disse eu- e eu não fico lá muito simpática quando estou em modo zombie- disse eu, rindo, mas era verdade.

- ok então, boa noite, até amanhã. Espera ai, então tu ficas simpática quando não estás em modo zombie? Nem quero ver o teu modo não-simpático.- disse ele.

- aff, que chato. Boa noite, e até amanhã- disse eu, pensado no quanto ele é simpático, mas também no quanto ele é chato, mas simpático e um amorzinho- ou melhor, até logo- disse eu, e rimo-nos, e depois eu desliguei. GRAÇAS A DEUS QUE ELE ESTAVA BEM. Quero dizer, graças a Deus que ele não tinha sido atropelado.

Passados 5 minutos de me ter deitado estava a dormir. E duvido que tenha sido como uma “donzela”, porque eu estava esparramada na minha cama, com a boca aberta sobre a almofada. É, isto daria uma boa foto!

…………………………………………………………………………………………………………………………………………………..

Acordei às 8:45, com o maldito despertador a tocar. Ah, que sono! Já sei que vou ter de beber café. Estava mesmo cheia de sono. Levantei-me um pouco a custo. Um pouco não. Custou-me muito levantar, e eu estava cheia de sono! Acho que vocês já perceberam que eu estou cheia de sono, não?

Fui à casa de banho, e tomei banho, mas com a água fria. Tipo gelada, o que me fez soltar um gritinho, mas depois até me habituei à temperatura da água e até soube bastante bem. No fim do banho, já não tinha sono absolutamente nenhum. Viram? É assim que se faz! Aprendam comigo.

Fui ao meu closet, escolher o que iria vestir, e liguei à Ema. Surpreendentemente, aqui o fuso horário é o mesmo de lá, então pronto. A esta hora, ela já devia estar acordada!

Contei-lhe sobre o meu encontro (ela ficou histérica), e perguntei-lhe o que vestir.

- sei lá! Um vestido? Não sei…deixa-me ver o teu top 5 de favoritos, tipo escolhe só 5 looks, e depois eu ajudo-te a escolher entre eles- disse ela.

- ok, bem pensado- disse eu. Estávamos a fazer uma videochamada, e eu tinha vestido o pijama.- JÁ SEI!- gritei.

- até me assustaste!- disse ela. Ela estava sentada na cama dela. E ao lado dela, a dormir, estava o Robin. Eles são um amor! O Robin assustou-se com o meu grito, e a cara que ele fez quando acordou foi tão engraçada!

- quê? O que é que aconteceu?- perguntou ele, estremunhado. Tanto eu como a Ema nos rimos, e ela deu-lhe um beijinho. Que adorável!

- a Lily tem um encontro! E eu estou a ajudá-la a escolher a roupa que ela vai levar- disse a Ema, como se estivesse a falar com uma criancinha de 5 anos. E, bem, logo que acorda, o Robin meio que parece uma criancinha de 5 anos.

Olhei melhor para eles: ele estava de tronco nu (nada que eu nunca tivesse visto, nós os dois somos como irmãos), e a Ema tinha o lençol à frente do peito. EU SABIA! Eles estiveram a fazer coisas impróprias ontem à noite!

Eu já lhes tinha contado tudo o que se passara.

- e então, os meninos divertiram-se ontem à noite?- perguntei eu, marota.

- ah? O que é que queres dizer com isso?- perguntou o Robin.

- vá lá, tu, Robin, estás com, pelo menos, o tronco nu, e tu, Ema, estás com um lençol ao peito. Vocês nem sabem disfarçar!- disse eu, rindo.

- oh, como se tu não soubesses o que nós fazemos!- disse a Ema.

- kkkk vocês são um amor. Então, o que eu estava a pensar levar eram as minhas culotes pretas- disse eu.

- aprovado-disse a Ema.

- com a minha camisola rosa bué clarinho em cima de ombros recortados e com renda em cima- disse eu.

- aprovado- disse a Ema, de novo.

- com as minhas All star brancas- disse eu.

- Yup- disse ela.

- com o meu casaco de ganga e a minha bolsa azul clarinha- disse eu- e depois a minha pulseira dourada com um malmequer num pulso e o meu elástico de pano rosa bué clarinho no outro pulso. –disse eu.

- perfeito! Ah, e o perfume, vai ser qual?- perguntou a Ema.

- bem…pode ser o meu de framboesa, aquele tipo doce, sabes?- disse eu.

- ya, acho que fica giro- disse ela.

- Yup, aprovada- disse o Robin, que agora já não estava com uma cara de sono tão má- depois conta-nos TUDO!- disse ele.

- Yup, absolutamente tudo- disse eu. Contei-lhes que agora o Stu ia ter a prova de nadador salvador e que depois me ia mostrar a cidade e assim.

- isso quer dizer que o vais ver sem camisola, e acabado de sair da água!- disse a Ema.

- opa, a Lily é que é uma safada, não somos nós- disse o Robin à Ema.

- à próxima vez nem vos digo nada- disse eu.

- nós matávamos-te- disse a Ema.

- Yup- disse o Robin.

- mas sim, vocês têm razão, eu vou vê-lo só de calções de banho, e na água e tals- disse eu, e depois eles riram-se.

- se eu não estivesse ocupada e feliz com a minha ocupação, pedia-te que depois me mandasses foto dele. Assim peço à mesma, mas com ele de camisola. Até pode ser de vocês os dois!- disse ela.

- ei!- disse o Robin- eu depois também quero ver essa foto, senhora Ema e senhora Lily.

- claro- disse eu.

- logo se vê- disse a Ema, e nós rimo-nos. Já eram 9:10, então tinha 20 minutos para estar pronta. Virei o computador para o outro lado, enquanto me vestia.

- então, nervosa para o teu primeiro encontro?- perguntou a Ema.

- talvez- disse eu- claro que sim!

- é normal, nós também estávamos assim.- disse o Robin. No fim de 15 minutos a falar com eles, já estava vestida, com a pulseira e o elástico, calçada, penteada (cabelo solto) e com o perfume posto. Eram, por isso, 9:25 da manhã. Se o Stuart fosse pontual, estaria aqui dentro de 5 minutos. Ok, vamos esperar.

Sabem aquele nervoso que vocês sentem antes de uma apresentação oral, ou antes de um teste? Tipo, a vossa barriga a contorcer-se toda. Eu estou assim agora. Estou super nervosa. E se ele não aparecer?

- ei, tem calma- disse o Robin. Eu ainda estava a falar com eles.

- ya, ele vai aparecer- disse a Ema.

- espero bem que sim- disse eu- e se ele não aparecer?

- bem, se ele não aparecer, eu e a Ema vamos até ai a Milão, torturamos o desgraçado e depois matamos o moço- disse o Robin, naturalmente.

- uau, vocês são tipo meus pais ou assim?- perguntei eu, rindo.

- é, nesta questão de rapazinhos sim, nós meio que somos teus pais- disse o Robin.

- e o meu pai tem uma coleção de armas, por isso já sabes. É só pedir.- disse a Ema.

- uau, estou a ficar assustada – disse eu, rindo.- Ei, o Stuart está a ligar-me. Como é que eu estou?- disse eu.

- perfeita- disse a Ema.

- super bem- disse o Robin- se eu não amasse tanto a Ema tu eras a que eu escolhia- disse ele, e todos rimos.

- ok, ok, tchau. Eu depois conto-vos tudo- disse eu.

- Boa sorte Lily- disse a Ema.

- É, boa sorte!- disse o Robin, e eu desliguei a chamada.

Desci as escadas até à Rua. ESQUECI-ME DE TOMAR O PEQUENO ALMOÇO! Bem, podíamos passar numa pastelaria ou assim. Meu Deus, que esquecida que sou eu! Aff. Deixei um bilhete aos meus tios a avisar que ia sair.

- oi- disse ele, quando eu passei o portão casa.

- oi- disse eu. Ele estava tão…cool. Estava com umas calças de ganga, uma t-shirt e um malote. Lá dentro deviam estar os calções de banho, ou algo assim. Não que isso me interessasse. Mentira, mas pronto.

- estás muito gira- disse ele- não é que tu não sejas gira normalmente, mas tu percebeste a ideia- disse ele, sorrindo.

- obrigada, também não estás nada mal.- disse eu.

- é, tinha de estar à tua altura, não podia vir com qualquer roupa- disse ele, sorrindo.

- estás a gozar? Até podias ter vindo de fato de palhaço. Tu ontem viste-me de pijama, por isso não há nenhuma roupa pior que essa!- disse eu.

- mentira! O teu pijama era fofo!- disse ele- bem, vamos andando?

- Yup- disse eu. Acho que não conseguia estar 5 minutos sem que ele me fizesse corar interiormente. Ah, pois é, eu não coro. Graças a Deus, não?

- já tomaste o pequeno almoço?- perguntou ele.

- nope- disse eu- tu já?

-Yup, há 2 horas. Se não, ia para a água na digestão, e depois ficava mal disposto e ainda estragava o dia. E a última coisa que eu quero agora é estragar o dia!- disse ele, fazendo-me rir- mas podemos passar num café, comprar qualquer coisa e depois ir para a praia, se quiseres.

- espera ai, não é preciso- disse eu- eu tenho bolo em casa, e posso ir lá buscar- disse eu. Ainda estávamos em frente a minha casa.

- ok, eu espero- disse ele, sorrindo.- por ti eu espero uma eternidade- ele disse isto tão baixo que nem percebi muito bem, mas se foi isto que ele disse, foi super fofo.

Fui a casa a correr, peguei num guardanapo e em duas fatias de bolo, embrulhei-as no guardanapo, pu-las na mala e sai de casa a correr, fechando a porta.

- ok, estou pronta- disse eu.

- foste rápida- disse ele, e começámos a ir para a praia. Ou melhor, ele começou a andar e eu apenas o segui. Eu sei o que há aqui em Milão, mas não sei como é que se vai para esses sítios. Eu sei, é um pouco idiota.

- bem, eu não sei como ir daqui para a praia, por isso vou só seguir-te- disse eu.

- eu ensino-te o caminho- disse ele- existo para alguma coisa, afinal. Certo?

- claro! Tu existes para muitas coisas- disse eu.

- como por exemplo- disse ele.

- isso é uma pergunta existencial e eu ainda tenho um pouquinho de sono, por isso sugiro que me faças essa pergunta daqui a 2 horas- disse eu, e nós rimo-nos.

- combinado- disse ele. Fomos andando até à praia, e chegámos lá 10 minutos antes da prova dele.

- eu vou só aos balneários para vestir os calções de banho e tals- disse ele.

- Yup, na boa- disse eu.

- ah! Eu tenho uma toalha, senta-te ai, eu só vou precisar dela no fim da prova- disse ele, tirando uma toalha de praia gigante do malote e dando-ma.- espera aqui por mim- disse ele, e depois foi em direção aos balneários.  “espera aqui por mim” disse ele. Como se eu fosse fugir, eu nem conheço a cidade.

Passados 5 minutos, cá estava ele. Ok. Alguém tem um balde? É que eu acho que estou a babar. Só um pouquinho. Ele estava com uns calções de banho azuis clarinhos, da mesma cor e tom dos olhos dele, que lhe ficavam super bem. Temos de admitir. Ele era super pálido. Tipo mesmo muito pálido, o que é adorável. E pronto, ele é magro (mas não escanzelado), e tinha semi tabletes de chocolate (ou abdominais. Eu chamo-lhes tabletes de chocolate, ok?).

- e então, estou aprovado?- perguntou ele, dando uma voltinha.

- é, nada mal- disse eu, quando o que queria dizer era “Deus mio, que coisa linda”, mas vá, lá me consegui controlar.

- já estou feliz- disse ele.- bem, vamos?- começámos a andar pela areia até ao sitio onde estavam umas pessoazinhas, e depois eu estendi lá a toalha dele, e ele pôs o malote lá e tals.

- ok, é agora- disse ele- deseja-me sorte. Não que eu precise, mas…-disse ele.

- uau, nada convencido- disse eu, rindo.- já puseste protector solar? É que depois ficas uma lagosta.

- Yup, já pus protector solar, mãe- disse ele, rindo.

- boa sorte- disse eu, quando ele já se estava a afastar. Ele olhou para trás, para mim, e sorriu. Depois foi em direção às pessoazinhas (um senhor de tipo 40 anos musculado e uma mulher de tipo 35 anos bué elegante) e falou com eles.

Depois ele olhou para mim, fez um sinal positivo com a mão, e eu também fiz um sinal positivo com a mão. Em seguida, ele foi em direção ao mar, mergulhou e depois começou a nadar (Autora: não sei porquê, mas ia escrever dançar kkkk, acho que estou com muito sono, ou então só acharia engraçado ver o Stuart a dançar, mas vamos chegar a essa parte, tenham calma), nadando conforme o tipo de natação que os instrutores diziam. Enquanto isso, esses mesmos instrutores anotavam coisas numa tabuleta. E enquanto isso, eu comia o meu bolo de chocolate que estava super bom, e claro que não tirava os olhos do Stuart por um segundo.

A seguir, ele saiu da água, foi em direção ao homem, e depois, pelo que eu percebi, ele tinha de socorrer a instrutora, que já estava agora no mar. Se as minhas provas fossem assim era fácil. Quero dizer, se eu as fizesse, ainda não sabia se as ia fazer ou não.

Ele lá foi, “resgatou” a instrutora (podia ter sido eu! Aff. Lily! OLHA A BOCA!), e depois voltou. A instrutora lá pôs uma toalha em volta do próprio corpo, e depois os dois instrutores disseram qualquer coisa ao Stu, e depois ele sorriu. Depois ele olhou para mim, disse qualquer coisa aos instrutores e depois fez-me sinal de que fosse lá. Eu levantei-me, peguei nas coisas, que eram leves, e fui em direção a eles.

- está é a Lily- apresentou-me o Stuart aos instrutores, que sorriam. Que simpáticos!- e este é o senhor Jon e a senhora Jane. São irmãos e salva vidas desta praia desde a nossa idade- disse ele.- ei, tens uma ceninha na bochecha- disse ele, e eu virei-me para ele, e aparentemente eu tinha “uma ceninha na bochecha”, que ele tirou com o polegar. Será que é preciso que foi super fofo e que se eu corasse já estaria pior que um tomate maduro?

- é só Jane e Jon, não é preciso a parte do senhor, que o senhor está no céu!- disse a Jane, rindo.

- olá- disse eu, um pouco envergonhada.

- olá- disseram eles.

- então esta é a rapariga que quer fazer a prova- disse-lhes o Stuart.

- eu ainda não sei se a quero fazer- disse eu- mas sim, ok.

- muito bem, então. As provas são só a 15 de julho. E é só a 15 de julho que o Stuart começa a trabalhar aqui, por isso vocês ainda vão ter muito tempo para estarem juntos, pombinhos!- disse a Jane.

- nós não…- dissemos eu e o Stuart juntos.

- sim, sim, como quiserem- disse o Jon, rindo- mas agora nós temos de ir.

- ok, prazer em conhecê-los- disse eu.

- igualmente- disse a Jane- uau, Stuart, arranjaste uma moça muito educada- disse ela.

- mas nós não…- dissemos eu e o Stuart de novo, juntos.

- ok, ok- disse o Jon- tchau. E depois eles foram embora.

Dei toalha ao Stuart, para ele secar. O sol brilhava muito lá em cima, e os cabelos do Stuart estavam todos pegados à testa dele, o que era adorável.

- obrigada por esperares por mim- disse ele- isto até foi rápido.

- verdade-disse eu- e então, passaste, não foi?

- claro! Mas isso ainda se pergunta?- respondeu ele, e nós rimo-nos.

- ok, então, vais trocar-te ou vais ficar de calções de banho?- perguntei eu.

- ah, acho que vou andar pela cidade de calções de banho, tu não ias aguentar, e além disso uma data de raparigas viria ter connosco- disse ele, rindo, e eu estendi-lhe o malote- já volto- dito isto, ele foi andando para os balneários, e passados 5 minutos já tinha voltado, e já estava com roupa normal. Adeus, visão privilegiada e muito apreciada por mim do Stuart da praia.

- então, onde é que é para ir agora?- perguntei eu, curiosa.

- bem, são 10:30, por isso podemos ir visitar algumas coisas em Milão, depois podemos ir almoçar, e depois podemos ir ver um filme- disse ele.

- ya, por mim tudo bem- disse eu.

- ainda bem, porque só pensei nisto- disse ele, e rimo-nos.

Lá fomos nós, visitando coisas pela cidade. Aquilo era muito giro.

- tu és tão alto- disse eu.

- uau, obrigada, acho eu- disse ele, rindo.

- sim, é um elogio- disse eu. Rimo-nos, mas depois a cara dele ficou séria, e eu não percebi porquê.- o que foi?- perguntei. Será que eu tinha dito algo que não devia? Aff, o que terá sido? Eu disse que ele alto, e isso é bom, certo? Já estava a entrar em pânico. Mas também, quando é que eu não entro em pânico?

- são só uns tipos ali que infernizam a minha vida desde há 5 anos para cá.- disse ele, e eu meio que fiquei descansada! Não tinha sido eu, graças a Deus. Mas depois senti-me mal por estra feliz por não ter sido eu, porque isso quer dizer que há alguém que é mau para o Stuart, e isso é mau.

- eh, isso deve ser mau- disse eu, e depois percebi que eram os tipos do restaurante do outro dia.- afinal, o que é que eles fizeram?

- um dia eu conto-te- disse ele. – bem, vamos andando?

- claro-respondi eu.

Esses tais tipos passaram por nós.

- Stuart- disse um, tipo como que a gozar com ele. Entrelacei o meu braço no dele, para ele perceber que eu estava ali com ele, que ele não estava sozinho.

- Anthony- disse o Stuart, com desprezo.

- rapariga gira do restaurante chinês- disse esse tal de Anthony.

- que tem nome- disse eu, sarcástica.

- que é?- perguntou esse Anthony.

- que é demasiado bom para ser pronunciado por vocês- disse eu. Ele ficou com cara de parvo. Bem feita. Se eles infernizaram      a vida do Stuart é porque são estúpidos, e eu não me dou com estúpidos.

Eu e o Stuart continuámos a andar, ignorando os idiotas.

- tenho de admitir, aquela foi boa- disse o Stuart, por fim, quando já estávamos longe deles.

- obrigada, obrigada- disse eu. Continuámos a ver coisas em Milão, e aquilo era engraçado. e era fixe estar com o Stu. Ele é fixe. Eu gosto dele. COMO AMIGO, NÃO COMECEM A IVENTAR. Ok, talvez um pouquinho mais que amigo….LILY!

Quando eram já 13:30, fomos almoçar. Fomos, imaginem onde…ao Shopping, também conhecido como o meu habitat natural.

No fim de almoçarmos, fomos ao cinema que havia dentro do shopping, e vimos o filme “It, a coisa”. É de terror. Eu estava cheia de medo, e só me agarrava ao braço do Stuart, que só se ria da minha reação, mas que também se assustou umas poucas vezes.

- meu Deus, nem sei porque é que quis ver um filme de terror!- disse eu- eu estava a morrer de medo!

- é, eu percebi-disse o Stuart, quando tínhamos acabado de ver o filme.- e então, o que queres fazer agora?

- ir às lojas- disse eu, quase imediatamente- estava a brincar. Podemos ir experimentar roupas engraçadas a lojas, isso pode parecer idiota, mas tem muita graça!

- ok, podemos ir, então- disse ele, rindo.

Lá fomos nós. Ele começou por experimentar um fato tipo formal cor de laranja berrante, o que era muito engraçado, e eu fartei-me de rir. É que ele ainda por cima fazia poses super engraçadas.

Depois, eu experimentei um vestido comprido de lantejoulas muito estranho, e ele fartou-se de rir.

- vês, eu disse que era engraçado!- disse eu.

- é, tinhas razão-disse ele.- já sei! Agora vamos tentar encontrar coisas como se fosse para fazer um filme do 007.

- combinado- disse eu. Fomos a uma loja formal. Ele escolheu um fato preto normal, e eu escolhi um vestido preto super elegante com um corte numa das pernas, de lado, e tipo um decote até meio do peito. Não mostrava nada de nada, mas também não era 100% inocente. Epa, eu estava super gira! Mas tenho de admitir, ele estava super charmoso, a sério, se ele fizesse cara séria eu derretia, e quando ele sorria? Deus mio…

- estamos prontos para matar uns tipos- disse eu.

- matar alguém da máfia agora seria fácil: tu irias distrai-los, porque estás mais que gira com esse vestido, e eu depois matava-os por te estarem a chatear!- disse ele, e nós rimo-nos.

- obrigada, acho eu- disse eu- bem, agora tenho de tirar isto, se não ainda pensam que viemos aqui roubar esta coisa toda.

- tu já roubaste o meu coração-disse o Stuart, tipo bué baixinho, por isso devo ter ouvido mal. Se calhar ele disse “já roubaste um furão” ou assim. É, deve ser. Ou um limão, é, “já roubaste um limão”. É o mais provável.

Fomos cada um para o seu provador (não pensem coisas que não devem, se faz favor! Kkkk), e depois saímos, com as nossas roupas normais.

-e então, o que é que preferes? Gelado ou bolo?-perguntou-me o Stuart, quando saímos da loja.

- bolo gelado- disse eu, rindo.

- é a melhor combinação do mundo- disse ele- quero dizer, há combinações melhores, mas bolo gelado é uma das melhores combinações de sempre.- tipo nós, pensei eu. Nós somos um grande combinação.

- verdade- respondi eu. – há aqui algum sitio onde se possa comer bolo gelado?

- Yup, num café mais ali à frente.- respondeu ele.

Fomos andando e conversando sobre coisas normais, e também nos ríamos. Deus, o Stuart é muito fofo! E muito engraçado! Eu gosto da companhia dele, ele é fixe.

Chegámos ao cafezinho, e logo um rapaz veio atender o nosso pedido. Ele era pálido, mas não tanto como o Stuart, tinha os cabelos escuros, quase pretos, e os olhos verdes bué giros. Eita. Tinha de falar nele à Ema!

- e então, o que desejam?- perguntou ele, olhando para o bloco de notas. Depois olhou para nós- Stuart? Meu Deus-disse ele.

- Charlie! Olá! Senta-te connosco!- disse o Stuart. Ok, aparentemente o senhor jeitoso (kkkk, tenho a certeza de que seria assim que a Ema lhe chamaria!) chama-se Charlie. Bom nome. Mas ainda não sei que ele é.

- olá!- disse ele para mim, sorrindo.

- olá- disse eu, sorrindo para ele também.

- Charlie- disse ele, estendendo-me a mão, a qual apertei.

- Lily- disse eu.

- bem, Lily, este é o Charlie, o meu melhor amigo cá de Milão- disse o Stuart- lá em Los Angeles não tenho amigos verdadeiros, por isso ok.

- tens-me a mim- disse eu.

- isso meio que não conta, porque eu te conheci cá em Milão, praticamente, mas ok- disse o Stuart.- Ah, e Charlie, esta é a Lily, a minha mais recente e mais querida amiga- disse ele. Uau, até me senti lisonjeada.

- a Britanny vai ficar zangada quando souber, vai pensar que tem “concorrência”- disse o Charlie- ah, a Britanny é uma rapariga que gosta do Stu há uns 5 anos, desde que temos 13 anos ou assim.- disse ele- mas o Stuart não gosta nada dela. Pelo que ele diz.

- ela é uma chata, uma oferecida e nem amiga minha eu a considero. Não, eu não gosto dela- disse o Stuart.

- vejo que arranjaste aqui uma linda princesa, caro príncipe- disse ele, e eu ri-me. Ele era engraçado. Mas claro que esta é umas daquelas vezes em que eu coraria que nem um tomate maduro.

- é, e as tuas princesas?-perguntou o Stuart, e percebi que ele não se estava a referir a raparigas, não sei como, mas percebi que ele não se estava a referir a raparigas.

- podes dizer-lhe, se ela está contigo é de confiança e curtida- disse o Charlie- pronto, eu digo. Eu sou gay.

- na boa, eu sempre quis ter um amigo gay- disse eu. E é verdade.

- e eu sempre quis ter uma amiga curtida- disse ele- encontrei-a!- disse o Charlie, e eu apenas me ri.

- bem, Charlie, eram 2 bolos gelados, por favor- disse o Stuart.- não, 3. Senta-te connosco!

- ok, deixa-me ir só avisar o grande chefe, ou o meu pai, como preferires- disse ele, e foi em direção ao balcão, falou com um senhorzinho, depois pegou em 3 pratos, em seguida pôs 1 fatia enorme de bolo gelado em cada prato, e depois trouxe os pratos para a nossa mesa.

- voi lá- disse o Charlie.

- Merci- respondi eu.

- é, obrigada- disse o Stuart.

- então, como é que vocês se conheceram, mesmo?- perguntei eu.

- bem, ele vinha aqui todos os dias, então eu meti conversa com ele, e agora somos melhores amigos- disse o Charlie.

- ya. Há pessoas que sabem que ele é gay, então perguntam se nós namoramos, mas nós dizemos que não- disse o Stuart.

- uau- disse eu. Ainda me lembrava como é que tinha conhecido a Ema e o Robin. Meu Deus, estava super longe de imaginar que eles seriam namorados! Mas essa é uma história para outra altura, eu depois conto-vos. É uma história bastante engraçada.

- é, a vida dá voltas- disse o Stuart. Ficámos lá a falar com o Charlie por mais uma hora, mais ou menos. Ele é curtido. No fim de nos despedirmos do Charlie, fomos embora. Fomos de táxi, até minha casa. Eram umas 16:30.

- bem, o encontro foi agradável- disse eu, quando estávamos à frente do portão de minha casa.

- tenho de concordar- disse o Stuart, sorrindo.

- bem, tchau- disse eu, meio envergonhada. Como é que eu me havia de despedir dele?

- que triste, e eu a pensar que ganhava o meu beijinho como nos filmes!- disse ele, o que me fez revirar os olhos, sorrir e ir dar-lhe um beijinho na bochecha. Eu tive de me por em bicos dos pés, e ele ainda teve de se baixar um bocadinho, mas foi engraçado.

- melhor?- perguntei eu.

- muito- disse ele, sorrindo.- bem, adeus, querida donzela.

- adeus, querido cavalheiro- disse eu.

- ei, espera! De manhã, disseste que eu existia para muitas coisas, mas disseste para eu te perguntar depois. Para que é que eu existo?- perguntou ele.

- bem, uma das coisas para que tu existes é para me fazer rir- disse eu, rindo- e depois digo-te mais. Ah! A minha melhor amiga pediu-me uma foto tua, por isso vá, faz uma pose, senhor cavalheiro.

- ok, senhora donzela- disse ele, depois ele fez uma pose super engraçada, como se estivesse a agarrar uma mala tipo na parte contrária ao cotovelo, e como se fosse uma daquelas tias super afetadas.

- obrigada, senhor cavalheiro- disse eu, enviando a foto à Ema.

- ok, ok- disse ele, rindo. Eu entrei em casa e depois vi que ele ainda estava lá fora, a olhar ara a janela do meu quarto. Acenei-lhe, sorrindo, e ele acenou e sorriu, e depois começou a andar pela rua. Acho que ele só se queria certificar de que estava tudo bem comigo e que eu tinha chegado sã e salva ao meu quarto. Ele é um fofo.

Vesti o pijama, liguei à Ema e ao Robin (por vídeo chamada), para lhes contar tudo o que tinha acontecido. E claro que eles ficaram muito felizes e isso tudo. E até estavam entusiasmados. Ah, e também lhes contei sobre o Charlie, e a Ema ficou toda “ohh quem?”. E claro, eles disseram que o Stuart era giro, porque eu já tinha enviado à Ema a foto dele, e ela mostrou a foto ao Robin.

Eram agora umas 17:00, e eu não tinha nada para fazer (olha, que novidade!). O meu tio estava no escritório, provavelmente a fazer coisas de negócios, e a minha tia tinha ido visitar uma amiga não sei onde.

O que é que eu vou fazer agora? Bem, já que tinha o computador ligado, fui ao meu e-mail, e estava lá um mail da Netflix, onde tinha o guião. Fiquei muito surpreendida com o facto de as gravações serem cá em Milão, e nas férias! Antes das gravações, havia as audições. Como eles me tinham convidado, à partida o papel já era meu, mas ainda podia não o ser, então tinha de me esforçar (era o que dizia o mail que eles mandaram agora). Nesse mail, havia um anexo. Abri esse anexo e era o guião. Eu faria a audição para ser a Alyssa.

No tal anexo, também estava a descrição psicológica dela, e uma das cenas, com falas e tudo. Ok, na boa. Era só decorar, ter expressividade e está feito. Não devia ser assim tão difícil, certo?

Mandei mensagem à Ema e ao Robin (para o grupo), com o anexo, e eles disseram que o papel era perfeito para mim. Depois, mandei mensagem e o anexo para o Stuart, e ele disse que depois me ajudava a treinar, e que aquele papel era perfeito para mim.

Decidi ver um filme (no fim de ler o guião e de decorar algumas partes), e decidi ver o filme “Lar da Senhora Peregrine para crianças peculiares”. E, para minha surpresa, era com o Stuart! E era recente, o que quer dizer que tinha sido filmado à pouco tempo. O que quer dizer eu ia ver o Stuart de agora a representar. Mesmo antes de começar a ver (o filme já estava a carregar e tudo), o Stuart mandou-me mensagem.

“já viste o filme “Lar da senhora Peregrine para crianças peculiares”?” Meu Deus, era como se ele tivesse lido os meus pensamentos.

“ainda não, mas estava mesmo quase a vê-lo agora, o filme já estava a carregar e tudo”- disse eu.

“ainda bem que ainda não viste o filme, espera para ver comigo! É que eu faço esse filme”- respondeu ele.

“ eu sei, eu vi o elenco”- disse eu “a rapariga é bué gira! No filme, o que é que acontece entre ti e ela?”- disse eu. Quero dizer, não que eu tivesse qualquer coisa a ver com a vida amorosa dele, mas não sei porquê não o queria ver a beijar outra rapariga! E ela é tão gira…será que eles tinham namorado na vida real?

“ kkkk ya, ela é muito gira. E não te vou dizer o que é que acontece! Tens de esperar para quando eu vir contigo!”- disse ele. Então ele diz que ela é gira… muito é, se calhar eles namoraram…espera, não podem ter namorado, porque ele diz que só namorou com uma pessoa e foi obrigado a fazer isso, por isso, a menos que aquela rapariga seja aquela com quem ele foi forçado a namorar, eles não namoraram! Não sei porquê, mas senti-me um pouco aliviada. Mas ele pode ter gostado dela, porque ele disse que ela era gira, por isso…eles podem ter só curtido, ou ter tido uma curte tipo no Verão, tipo nada sério, ou assim. Sei lá!

“aff”- foi só isto que respondi “ bem, então agora tenho de ver outro filme! Bem, tchau”.

“tchau, donzela- disse ele.

Escolhi o filme “jumanji”, fui fazer pipocas enquanto o filme carregava, e depois vi o filme, e ri-me tanto que decidi que depois o iria ver de novo com o Stuart. É que vocês não estão bem a ver, é muito engraçado!

Depois, já eram umas 19:30 quando o filme acabou. Como ainda faltava uma hora para o jantar, decidi escrever uma das minhas histórias. Eu adoro escrever, é tão…libertador. E como sou criativa e inteligente, é fácil. Estava a escrever uma história sobre uma rapariga que ia passar férias a casa dos tios e conheceu um rapaz no aeroporto (Autora: isso é plágio, Lily!), e pensei que essa história até era parecida com a minha e a do Stu. Será que eu me tinha inspirado nisso ou assim sem saber? (Autora: claro que sim! Daa) bem, deixa estar.

Consegui escrever uma data de capítulos (2 kkkkk), e depois a Teresa chamou-me para jantar, e eu lá fui. O jantar era coelho no forno. É tão bom! Peço desculpa a quem for vegetariano, mas eu não sou kkkk.

No fim do jantar, fui ver um episódio de “13 reasons why”. Meu Deus, vocês já viram o quão giro é o Clay? (autora: claro que já! Até já estou a escrever uma fic com ele!) ahahahahaahah ele é uma gracinha. Seria um máximo conhecê-lo!

Depois fui ver um vídeo do meu youtuber favorito (o Mikey Murphy), e adivinhem lá, ele também é uma gracinha. Uma gracinha muito grande! Ahahahahahahah um amor. Mas, aparentemente, ele já estava ocupado com a tal de uma Sónia: fez um vídeo para ela a pedir desculpa pelos amigos dele e convidou-a para sair! Alguma coisa me diz que essa Sónia não é nada boa! Até porque o Mikey já tinha feito um vídeo sobre uma outra rapariga. Será que é a mesma? Não me parece! (autora: kkkkk a isto chama-se integração de fics kkkk meu Deus, cara Lily, não, a Sónia não presta. Ups…)

E depois, bem, depois fui ler um livro. Até ir dormir (claro que antes lavei os dentes, mas vocês perceberam, né?).

E depois fui dormir (olha lol não, ias fazer o quê?). Tive um sonho tipo estranho, que era num casamento, o casamento da Ema e do Robin, e o padre era aquela rapariga que fazia o filme com o Stu, e eu ia ao casamento e o Stu era o meu acompanhante, e a rapariga beijava o Stu e eu depois ia para ao pé do Clay (13 reasons why) e do Mikey Murphy, e eles estava com uma rapariga pálida com o cabelo castanho e olhos azuis, e ela chamava-se Sophia (espera lá, mas o vídeo que ele fez foi para a Sónia! Quem é a Sophia? Ela é muito gira! Parece melhor do que a Sónia, e eu não conheço nenhuma das duas!) (autora: integração de fics!) e depois o Mikey e a Sophia beijavam-se, mas depois chegava lá uma rapariga chamada Sónia e ela dava uma chapada à Sophia…e entretanto a Ema e o Robin estavam num carro voador, e era o Stuart que se estava a casar com a rapariga do filme…

Finalmente, acordei, e escusado será dizer que estava super confusa! Que raio de sonho tinha sido aquele? Eu só posso estar a ficar (ainda mais) maluca!

Eram 12:15 horas, e eu estava super confusa, então liguei às únicas pessoa que me podiam ajudar: a Ema e o Robin, por videochamada.

Eles riram-se do meu sonho, e gostaram do pormenor de se estarem a casar. Mas acharam estranho tudo o resto. No fim de conversarmos por mais ou menos uma hora, a Teresa chamou-me, e eles dois foram almoçar fora os dois. Eles são uma gracinha! Quem me vir pensa que eu acho que tudo é uma gracinha. Eu não acho tudo uma gracinha! Não acho a rapariga do filme com o Stuart uma gracinha! Nada mesmo, nada mesmo.

Fui almoçar (chili de carne, estava tão bom!), e depois o meu tio foi para o escritório, e eu e a minha tia fomos às compras. Voltamos 3 horas depois, carregadas de sacos. Eu tinha comprado, entre milhentas coisas, um biquíni lindo, lindo, lindo! Estou ansiosa para o usar! Eu depois mostro, ele é lindo! LINDO. E um fato de banho…ui, nem me digam nada! São tão giros!

Quando cheguei a casa, o Stuart ligou-me, a perguntar-me se eu queria ver um filme com ele ou assim. Eu disse que sim, e ficou combinado que ele estaria aqui (em minha casa) dentro de 10 minutos. Ele é tão fixe! Contei aos meus melhores amigos o que tínhamos combinado, claro que eles ficaram tipo “opa essa é a 2ª vez que ele vai a tua casa” e tals, mas ficaram felizes.

Vesti o pijama (leggings e camisola de manga comprida, mas a camisola em si é comprida, e é fininha, mas não transparente!).

Alguém tocou à campainha, e eu corri (literalmente) para chegar lá primeiro do que uma das empregadas. A minha tia estava a dormir, mas elas podiam avisar o meu tio (por mais que eu os tenha avisado e pedido autorização para que o Stuart pudesse cá vir).

- olá- disse ele, quando eu abri a porta. O Stuart estava apoiado com o cotovelo direito no batente da porta, e olhou para mim de uma maneira bué charmosa! Só tenho 2 palavras: Deus mio. Nunca tinha visto ninguém com tanto charme. Ahahahah acho que vou derreter.


Notas Finais


ahahahah parece que o Stuart não está morto, hein? kkkk espero que tenham gostado! e ai, só que é que acho que eles são uma gracinha? já agora, para quem não percebeu, aquele sonho que ela teve, onde aparecia o Mikey e a Sónia e a Sophia, isso são tudo referências à minha fic "Rain on Friday's". kkkk espero que tenham gostado. já estou a fazer o próximo e tals kkkkk. beijinhos com sabor a bolo gelado (aqui em Portugal é verão, embora não esteja lá muito calor...). até ao próximo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...