História Millennium - Interativa - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Interativa, Original, Yaoi, Yuri
Visualizações 112
Palavras 1.136
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Festa, Ficção, Ficção Científica, Lemon, LGBT, Orange, Policial, Romance e Novela, Sci-Fi, Steampunk, Suspense, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


HEY, HEY! Estou levemente (para caralho) fora do prazo, afinal já é dia 13 e muitos de vocês já devem até estar achando que abandonei a fanfic outra vez; errou!!
Bem, galera, demorei por conta do google docs com os aceitos, me deu muitíssimo mais trabalho do que eu imaginei que daria, o que me atrasou. De qualquer forma, este capítulo é só simbólico, não tem muita função para o plot, é quase como um segundo prólogo e nele foram apresentados dois personagens, o restante irá dar as caras em seus propícios momentos, então não fiquem zangados rs

É ISTO! BOA LEITURA! link nas notas finais mas nada de pular direito para lá, estou de olho, hein. ah, caso haja erros ortográficos, não me massacrem, estarei revisando amanhã pela manhã szsz AGORA SIM É ISTO, BOA LEITURA!

Capítulo 2 - Boas Novas - Prólogo Dois


Fanfic / Fanfiction Millennium - Interativa - Capítulo 2 - Boas Novas - Prólogo Dois

— Ele se recusou a deixar a casa, é uma das condições para trabalhar conosco.

 

Margot detinha do direito de falar, atraindo para si a atenção de todos ao redor da mesa em formato pentagonal. Nomes importantes encontravam-se na sala de reuniões mais vigiada do Departamento de Defesa dos Estados Unidos para o encontro emergencial reclamado por ela mesma. Aliados, gente de patentes as quais nem se tem conhecimento das paredes do Pentágono a fora; Diminuindo Dumont a uma simples servente.

 

— Eu proponho o seguinte… — A loira põe-se de pé. Nas mãos um tablet da mais moderna tecnologia atual. Ela desliza os dedos sobre a tela e dentro de poucos segundos um holograma é reproduzido no centro da mesa. — O perímetro urbano ao redor da residência é favorável. Boa parte dos imóveis está vazia. Poderíamos instalar uma equipe para a proteção de Kepler, criar bases remotas e ao mesmo tempo monitorá-lo, desta forma todos fariam seus respectivos trabalhos.

 

A bancada se cala, pondo a analisar os gráficos do maltrapilho que o matemático chama de casa e o seu redor.

 

Há dois dias desde que James fora contatado pelo pelo FBI. O senhor não foi insistente ao impor condições, apenas curto e objetivo, não deixando pontas para especulações, afinal, é de seu conhecimento mais do que de qualquer um o quanto tem de poder sobre o país e até mesmo o mundo. Ninguém ousaria contradizer. Ao menos não alguém sensato.

 

— E por que deveríamos fazer as vontades do velho? — A voz grossa e áspera do comandante Charleston P. Daniels soa antes de qualquer outra, muito mais alto do que precisaria para ser audível. — Prenda-o e entregue a pesquisa a NSA, temos homens aptos lá.

 

O superior não hesitou em enfatizar que ao usar o termo homens referia-se propriamente ao sexo masculino, uma vez que o elenco feminino na organização é vergonhosamente minoria. Charles Daniels e sua mania de menosprezar a figura que mais destacou-se durante seus anos sob o comando da divisão de Chicago, e junto dela o lado da moeda que tanto luta para defender e incluir.

 

— Senhor, espero que tenha consciência de que não estou aqui por ter colocado atrás das grades pessoas inocentes, por ter entregado meu trabalho a outros ou até mesmo por vontade sua. — Margot o responde em um só fôlego, temia apenas não ser direta o suficiente. Quando ele se cala, sem muito ao que recorrer, ela desce os olhos âmbar esverdeados para o tablet ainda em mãos, trocando o ângulo do holograma para que pudesse prosseguir. — Pedi para minha equipe providenciar as simulações geográficas do lugar, está tudo em andamento para que possamos ter todas as cartas na nossa manga.

 

Sua frieza ao revidar as palavras sexistas de seu superior basta para calar opiniões parecidas a mesa repleta de figuras masculinas. Charleston estava errado do início ao fim, sem contar que não havia uma única pessoa presente simpatizada o suficiente a ponto de defendê-lo, pelo contrário, sua presença não era de fato bem-vinda e ainda que optassem por não demonstrar, divertiam-se com o desconforto do homem a cada vez que a única mulher presente na sala o colocava em seu devido lugar.

 

— Diga-me, Margot… Por que Kepler escolheria a própria casa quando poderia ter em mãos tecnologia de ponta para dar continuidade aos estudos?

 

Quem agora põe-se a frente nas palavras é Griffin Church, ninguém menos que o Procurador Geral da Justiça dos Estados Unidos. O maior e mais poderoso a mesa, também considerado por Dumont como “o homem a quem devo a vida”.

 

— São fatores psicológicos, senhor. Estive conversando com profissionais da área e todos disseram que James apenas não quer deixar o berço da obra. Se verídico, o que creio que seja, é definitivamente o trabalho de sua vida, de uma vida inteira, e ele não a quer entregar por completo.

 

— Faz sentido. E como o homem tem a chave da segurança mundial, contrariá-lo não seria viável.

 

Os fatos são reforçados por um ritmado sotaque britânico. Eros Smith falava por todo o governo inglês uma vez que enviado à Washington exclusivamente para representar o Reino Unido, fiel aliado americano. A loira o agradece com um singelo aceno de cabeça, era bom ter alguém do seu lado para variar.

 

— Você está trabalhando com um “se verídico”? — Charleston torna a se intrometer, usando de um tom de voz que claramente debocha da agente. — Em minha época reuniões assim eram para tratar de assuntos sérios!

 

Em contrapartida, não resistindo a chance de usar seu bom e velho aliado, o sarcasmo, Thomas Harrison rebateu:

 

— Se uma ameaça mundial não é sério para o comandante, talvez devesse rever seus critérios.

 

O Major-General do exército americano não precisou de muito mais que palavras ácidas para expor seu lado. Assim como todos presentes — exceto por C. P. Daniels — mostrava-se calmo ainda que por dentro refletisse quanto ao risco a sua amada pátria.

 

Um debate se inicia do qual Charleston se abstém, recusando-se a acreditar que realmente a haviam levado a sério, e estendeu-se durante todo o dia. Trataram de planos, riscos, finanças; criaram teorias conspiratórias e até mesmo confabularam sobre como a descoberta de Kepler poderia ser usada em favor aos Estados Unidos da América.

 

Ao cair da noite, Margot deixou o distrito federal levando à sua amada Chicago a vitória com entre os grandalhões da segurança mundial e dois novos integrantes para o time, Thomas e Eros foram designados a acompanhar de perto o desenvolvimento do caso. Não lhe agradava em um todo, pois sentia-se espionada pelo exército e o governo britânico respectivamente, mas obviamente nem mesmo discutiu a decisão de Griffin. É incontestável os interesses em comum, mas deixou claro, em sua equipe, em seu bloco, quem manda é ela.

 

Ao viajar para comparecer a reunião deixou ordens expressas para que quando retornasse, na manhã seguinte, todos estivessem a esperando na sala tática e lá estavam todos eles poucas horas após o sol dar as caras. Seu pequeno relógio de pulso escondido pela manga do blazer marcava exatas seis horas quando o atrito de seus saltos com o chão ecoou pelo cômodo, atraindo a atenção para ela e os dois homens bem trajados a acompanhar. Haviam rostos novos no perímetro, alguns nem tanto, e todos expressaram curiosidade, exceto por Mark que sequer estava presente por ter sido designado a monitorar James.

 

— Trago boas novas.

 

A diretora do recinto adianta-se antes que alguém ouse perguntar.  Ela caminha a passos lentos e elegantes até o centro da sala, os olhares curiosos a acompanham.

 

— Ontem tive de escutar que a NSA está mais apta ao trabalho, até sobre a CIA comentaram, mas vocês bem sabem; eles não são nem de longe melhores que nós... Aos novatos, bem-vindos ao bloco C, vocês agora fazem parte de um um grande time. E ao meu time, nós estamos no caso.


Notas Finais


Antes de mais nada, OBRIGADO a todos que dispuseram de seu tempo para criar um personagem. Eu gostaria de ter aceitado todos mas não posso, pois são muitos para lidar. Foi relativamente difícil chegar ao resultado do link a seguir, realmente gostei de todos os personagens e prolonguei a lista de aceitos ao máximo que pude. Aos que lá estão, bem-vindos ao bloco C;

https://docs.google.com/document/d/1aw8wJL3kQyqcrkDkJV5U_0yul-WsB9XNmrKH3JQPdZI/edit?usp=drivesdk


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...