História Million Dollar Man - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Ariana Grande, Justin Bieber
Personagens Ariana Grande, Justin Bieber, Personagens Originais
Tags Ariana Grande, Jariana, Justin Bieber, Lolita, Ninfeta, Sadomasoquismo
Visualizações 102
Palavras 2.095
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Gente, não revisei o capítulo, então me avisem qualquer erro.

Capítulo 2 - Starting The Plan.


Fanfic / Fanfiction Million Dollar Man - Capítulo 2 - Starting The Plan.

    Justin Bieber

 

    Era visível o charme que a mãe da minha querida Ariana jogava, o café da manhã (que fui quase obrigado a participar pela mesma) foi uma emboscada daquela mulher na faixa etária dos quarenta anos, para cima de mim, flerte em flerte, não se deu em nada, era uma mulher bonita, mas não me apetecia. Sempre gostei de mulheres mais jovens, que ainda estavam conhecendo tudo, experimentando, e mostrando um pouco do seu mundo para mim,  porém minha ex-namorada tinha trinta anos, era bem resolvida e muito madura, mas não conseguia tirar minha obsessão pela jovialidade, Ariana exalava isso, gostaria de saber como seria seu gosto, sua pele bronzeada me lembrava Miami em seus melhores momentos.

 

    Depois de me despedir da Sra.Grande, que me passou seu número para que, segundo ela, tivesse algum problema com a nossa aliança empresarial eu a ligasse.

Entrei na minha BMW i8, e dirigi até o trabalho, direto, não tinha tempo para parar em casa, e já tinha tomado o café da manhã, então não vi nenhum problema em não passar em casa.

    Depois que arrumei uns documentos e toda sua burocracia, resolvi passar na mesa de Jack, que conhecia a família Grande razoavelmente bem, (já que Ariana passou pela minha mente várias vezes, precisava saber mais sobre ela), ele me contou que seu pai é um Italiano milionário, dono de uma grande empresa de confecções de roupas, ele até tentava dar uma atenção necessária a morena, mas Anne tentava ao máximo impedi-lo. E que o internato que a garota ficava era na França, foi uma escolha da jovem, disse ele.

Sobre a vida amorosa dela, Jack falou que não sabia de quase nada, a garota era muito na dela, mas comentou um dia que achava James, (um dos sócios da empresa de sua mãe) encantador, e ele deveria estar na casa dos trinta anos, o resto que eu consegui tirar de Jack foi que ela era uma amante da década de cinquenta e sessenta, e seu artista favorito era o Frank Sinatra. Parei com o interrogatório, quando eu percebi que estava ficando estranho e ele estava desconfiado o porquê de tantas perguntas sobre a filha da Sra. Grande.

 

    Voltei ao meu trabalho, e continuei o fazendo até dar a hora do almoço, onde comi apenas um coxa de frango e alface roxa, Jenna ao meu lado, devorava um hamburger do Mc Donalds, enquanto tomava sua coca cola calmamente.

 

    — Eu dei curtida em todas as fotos que mostrava a cara dele, e ele nem me seguiu de volta! — Jenna esbravejou, olhando para o celular.

    

    — E o que isso tem? —  Perguntei confuso.

    

    — Justin, em que mundo você vive? — Ela disse debochadamente.— É assim que se paquera hoje em dia, e eu, acabei de levar um fora.

 

    — Como assim? — Questionei mais uma vez, fazendo a mulher revirar seus olhos.

 

    — Eu curti ontem, todas as fotos daquele barman gatíssimo, depois que consegui achar seu instagram.

    

    — Ele pode não ter entrado no instagram ainda, eu não entro no meu faz um bom tempo. — Comentei dando os ombros.

 

    — Ele postou um stories essa manhã, eu só acho que ele entrou. — Disse ela ironicamente.

    

    Isso me fez ter uma ideia, resolvi então perguntar para Jenna algo.

    

    — Você acha que a Sra Grande tem instagram? — Ela me deu um olhar questionador.

    — Acho que sim, por qual razão? Quer dar em cima dela é? — A mulher riu da minha cara, e começou a digitar no celular.

 

    — Aqui, achei, ainda é aberto, aw, tem várias fotos com a filha dela, fofas. — Jenna me mostrou, e pronto, toquei na foto e lá estava marcado o instagram de sua filha, não demorei muito para pegar o meu celular e a procurar.

 

    Encontrei um instagram aberto, ela tinha várias fotos de comidas e de viagens internacionais com a sua filha, Ariana, cliquei na foto, e pronto, lá estava a rede social da jovem, porém era privada, não hesitei em pedir uma solicitação para seguir a mesma. Também comecei a seguir sua mãe, eu tinha um plano.

    Depois de um tempo, já estava de volta ao trabalho, e não prestei muita atenção no meu celular, só fui olhar já no fim do expediente, e fui verificar se a garota tinha me aceitado, e sim, pude ter o privilégio de ver as fotos daquela bela criatura, ela não era de postar muitas fotos de sua face, tinha várias fotos da natureza, mas às vezes uma selfie aparece no feed.

    Ariana tinha me seguido de volta e sua mãe também, comecei a curtir todas as selfies da jovem, poderia estar me  arriscando, mas não vou mentir, estava me divertindo.

    Resolvi mandar uma mensagem para Anne Grande, me convidando para jantar em algum dia em sua casa, ela rapidamente respondeu que gostaria de me receber e que poderia ser amanhã, sorri com a resposta.

    — O que você anda aprontando aí, hein, espertinho? — Jenna me perguntou quando viu eu sorrindo para o celular.

    — Nada do seu interesse. — Falei rindo, com a resposta grossa que eu tinha dado.

    — Você é um ogro, por isso não consegue ninguém. — Disse ela revirando os olhos, essa doeu.

    — Você sabe que é brincadeira. — Respondi a ela, que apenas mostrou o dedo do meio e saiu da minha sala.

    Ela tinha deixado uma pilha de documentos para eu verificar, suspirei, não posso deixar trabalho acumulado, porém o cansaço estava me ganhando, precisava dormir, mas fiquei até duas da manhã verificando as papeladas, eu era o único na empresa, fui para casa morto de cansado, estacionei meu carro e subi as escadas, nunca na minha vida quis tanto que o meu quarto fosse no térreo, abri a porta do meu quarto e apaguei na cama.

 

    Acordei atrasado, não tinha ouvido o despertador, fui correndo para a empresa, nem ao menos tomei meu café matinal da manhã, chegando na empresa não comprimentei ninguém, apenas fui para minha sala me trancando lá, ainda não tinha terminado de verificar aqueles documentos, até que Jorge entra na sala, sem bater na porta, e vem dizendo:

 

    — Você precisa convencer essa empresa a se associar conosco. — Ele me mostrou com os dados da empresa só cresciam, Empresa Butera, já vi esse nome em algum lugar.

 

    — Só tem um problema, o dono, é o ex marido de Anne Grande. E eles têm uma relação péssima, Anne nem deixa ele visitar direito sua filha. — O loiro me disse rapidamente. — Se ela descobrir, pode ser que ela desfaça o contrato que temos com ela.

 

    — Eu vou tentar meu máximo para que ela não descubra, e que eu consiga um negócio com a empresa desse italiano. — Disse com um sorriso, adoro desafios.

    

    Saí da empresa mais cedo, para poder passar em casa e me arrumar apropriadamente, eu iria encantar aquela jovem que ela não esquecesse de mim, nem se queresse. Tomei um banho, e coloquei meu terno branco, passei meu perfume azzaro pour homme, com essência de âmbar e musgo de carvalho, não era dos mais caros, porém é um dos meus preferidos, sempre recebia elogios.

    Entrei no meu carro e coloquei o GPS para funcionar, em quinze minutos estava na frente do condomínio que Grande morava, me identifiquei e estacionei meu carro no local para visitantes, entrei no primeiro prédio, e fui para o último andar, moravam em um duplex, o elevador abriu já na porta do apartamento, que era de vidro, mas estava aberta.

    — Com licença. — Disse entrando e vendo se tinha alguém por ali, não lembrava muito bem como era casa, mas tinha uma noção que a sala era para minha direita, segui minha intuição e acabei parando na sala de jogos, onde Ariana jogava just dance com uma amiga, ela usava um shortinho curto de seda que deixou minha mente louca, sua blusinha era do mesmo tecido e cor, ela mexia seu corpo rapidamente, e por causa disso a poupa da sua bunda ficava a vista, estava hipnotizado, meus pensamentos rondavam em como seria delicioso sentir aquele corpo, amarrar suas mãos que não paravam quietas e bater em sua bundinha, enquanto ela gemia meu nome pedindo por mais, sai do meu transe quando escutei alguém falar comigo atrás de mim.

 

— O senhor é o Sr. Bieber? — Uma mulher já de idade, com um uniforme que julguei ser a empregada, me perguntou.

 

As duas garotas olharam para trás, fui descoberto, Ariana apenas riu e disse:

 

    — Não se preocupe Maria, eu chamo a mamãe. — A adolescente foi andando e sua amiga, uma morena de cabelos bem cacheados, também bonita, foi atrás.

 

    Fui direcionado a sala de estar, fiquei sentado no sofá de cor marrom, observava o cômodo enorme, com uma lareira e duas grandes poltronas em cada canto. Não lembrava daqui, acho que fomos direto para sala de jantar.

    Não demorou muito para Anne Grande aparecer com um sorriso grande estampando seu rosto.

— Justin, que bom te rever, fiquei muito feliz com sua mensagem. — Disse ela me dando um abraço.

 

— Fiquei igualmente feliz quando Senhora aceitou meu pedido. — Falei com uma falsa felicidade.

 

— Senhora não, né? Senhorita é melhor. — A mulher riu, jogando sua cabeça para trás. — Pode me chamar de Anne.

 

— Como quiser, Anne. — Respondi sorrindo.

 

— Queira me acompanhar, para sala de jantar. — A mais velha foi andando na minha frente e eu apenas a segui, me relembrando do dia que vim aqui.

 

As garotas já estavam no cômodo de paredes amarelas, com uma mesa grande de madeira com uma toalha dourada em cima. As duas falavam animadamente sobre as audições para líder de torcida.

As entradas foram servidas, e as garotas atacaram rapidamente a comida, fazendo Anne repreender tal ato, Ariana apenas revirou os olhos e continuou a comer.

    — Assim você não vai conseguir comer o prato principal. — Falei em tom de brincadeira, queria interagir com a jovem, que apenas riu, mostrando sua adorável covinha e me respondeu:

    — Você não sabe o quanto eu posso aguentar. — Ela falou inocentemente, (eu acho), não consegui decifrar seu sorriso, mas minha mente levou para um lugar muito malicioso me fazendo reprimir um sorriso safado.

    Observei a jovem o jantar inteiro, comia o caranguejo ao coco com voracidade, igual sua amiga, a pele bronzeada de Ariana brilhava contra a luz, seu pescoço bem exposto me fazia querer beijar, morder e chupar todo ele, até a sua clavícula, marcar tudo, para todos saberem que ela era minha, mas precisava ser paciente, “paciência Justin”, minha mente dizia. A sobremesa foi petit gateau e as duas o comiam com facilidade, terminaram e imediatamente saíram da mesa, Anne avisou:

    

    — Só sair quando todos acabarem Ariana. — Ela bufou e sentou de novo, sua amiga a acompanhou, as duas pegaram seus celulares e ficaram digitando algo. Parei de encarar a jovem para não ser descoberto, era difícil com uma beleza estonteante na minha frente, mas não posso dar um passo errado, se não, meu plano vai por água abaixo.

    Quando terminei de comer, perguntei onde era o banheiro e uma de suas empregadas me guiou até ele, grande, como tudo nessa casa, e de uma paleta bege, com uma grande banheira e um box maior ainda. Quando sai trombei com alguém:

 

    — Aí — Olhei para baixo, e encontrei Ariana, pegando seu celular do chão.

 

    — Desculpe, eu te machuquei? — Perguntei, realmente preocupado, tocando em seu ombro.

    — Fique tranquilo, não foi nada. — Ela me deu um sorriso encantador, e eu não pude evitar de sorrir de volta.

 

    — Que bom, espero que esteja tudo bem com seu celular também. — Disse tentando alongar a conversa.

    

    — Está sim, Sr. Bieber. — Nunca vi o meu sobrenome ficar tão bonito e sexy como agora, e ainda senhor, porra!

    

    — Não precisa me chamar de senhor, não sou tão velho assim né? — Dei um risada e ela fez o mesmo. Mordeu o lábio e me encarou, com seus grandes olhos e disse:

    

    — Eu acho melhor continuar te chamando de Sr. Bieber. — Ela riu e desviou o olhar. — Não quero desrespeitar o senhor de qualquer forma.

    

    — Não vai, fique tranquila. — Respondi, conseguia sentir sua respiração bater no meu peito, ela olhou para baixo e riu.

    

    — Então tudo bem. Agora preciso ir, não quero que minha mãe venha me procurar e  me achar com o senhor, você não é o melhor em esconder suas encaradas, Senhor Bieber, eu posso te ensinar um dia como se faz, e você pode me ensinar outras coisas em troca. — Ela tocou levemente meu peito, e riu, se virando para trás e indo para trás do corredor e sumindo, me deixando chocado com sua ousadia, ela quis dizer mesmo o que eu acho que ela quis dizer? Oh, Deus, eu vou morrer com essa menina.


 


Notas Finais


Quando começo a ficar inspirada, vem a faculdade hahah, mas vou tentar postar mesmo assim.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...