1. Spirit Fanfics >
  2. MILUDIR - As Diferenças que se Deram tão Bem >
  3. A Prova de Tudo

História MILUDIR - As Diferenças que se Deram tão Bem - Capítulo 56


Escrita por:


Notas do Autor


dúvidas, fingimento

Capítulo 56 - A Prova de Tudo


Enquanto isso no hospital de Greenville, Feliciano está na companhia de Taciana, que se recuperava do atentado, ele tenta se aproximar dela como pai e querendo saber tudo da sua vida:

- Taci, me conta o que aconteceu nos últimos tempos na sua vida, está trabalhando? Tem algum namorado? Já teve filhos? Está morando onde?

- Uma pergunta por vez, eu sei que agora está querendo recuperar o tempo perdido, prometo que respondo tudo, eu acabei de terminar meu curso de direito, vou prestar o exame da OAB no próximo semestre. Eu não tenho namorado, aliás estou tentando esquecer o amor que eu sinto por ele já que ele não pode ser meu, não tenho filhos e nem pretendo ter tão cedo. Por enquanto eu estava morando em São Paulo, agora com esses últimos acontecimentos não sei se ainda quero morar lá.

-  Minha filha, desculpe, não sei se devo te chamar assim, Taci. Poderia me contar quem é o tal rapaz que a iludiu dessa forma?

- Quanto ao rapaz, ou melhor dizendo, ao homem maduro que eu sou apaixonada, não tenho coragem de olhar nos seus olhos e dizer seu nome, afinal ele praticamente é quase da mesma idade que você.

- Agora eu estou entendendo o motivo de você ter vindo para Serro Azul, veio atrás dele. Quem é esse desgraçado que iludiu minha filha? É um homem casado? Vou agora acabar com ele.

- Calma Feliciano, ele não é casado, eu só não sabia que ele tinha um amor e ainda estão juntos, não importa o nome, agora preciso me conformar que não posso ter o amor dele e fim de papo. Deixo te perguntar você ainda é apaixonado pela Mirtes?

- Eu a amo muito, por mais que eu tente esquecer que ela fez aquilo com você quando você era recém-nascida e com aquele gesto de amor te doando sangue me faz ficar completamente rendido ao seu amor, por um lado eu quero perdoar ela e por outro não.

-  Eu não vou perdoar ela jamais por aquela crueldade comigo, pode ter sido um gesto só para fazer média contigo e esquecer o passado, comigo isso não funciona. Agora pode me deixar um pouco sozinha?

- Volto mais tarde para ficar com você essa noite no hospital.

- Não se dê ao trabalho, eu vou ficar bem sozinha, vai cuidar dos seus afazeres.

- Eu acho que não é uma boa ideia, mas quem sou eu para contrariar, se precisar de algo, me liga.

Feliciano se despede de Taci, por mais que esteja se recuperando, se via nitidamente que a garota não aceita Mirtes de jeito nenhum como mãe. O ex mendigo ao sair do hospital, ele pede uma luz para sua questão amorosa e quem aparece naquele exato instante: Ondina.

A cafetina está indo pegar umas encomendas na casa de uma conhecida lá em Greenville, ela encontra o amigo guardião todo cabisbaixo e se aproxima dele:

- Feliciano você está com uma cara péssima, foi os últimos acontecimentos que te deram assim? Será que dessa vez teremos paz com relação ao Olavo e o Sampaio?

- Ondina não tem nada a ver com a irmandade, não é possível que toda Serro Azul não esteja sabendo que eu e a dona Mirtes, ou melhor a Mirtes tivemos um cacho no passado e ainda por cima teve uma filha minha.

- Como assim eu não estou sabendo de nada disso, onde eu estava que eu perdi o plantão de fofoca do Adamastor? – Ondina ri e logo pede desculpas; sinto muito pela piada amigo o assunto é sério mesmo.

- É uma longa história que envolve eu e a Mirtes, agora preciso de um conselho de uma mulher vivida como você: Eu não sei se a perdoo ou a esqueço de uma vez por todas, porque a mentira dela não sei se é capaz de superar o amor que sinto por ela.

- Primeiro Feliciano você não está falando coisa com coisa, como quer que eu ajude se nem sei o que aconteceu entre vocês.

- Vou resumir a nossa história: nós vivemos uma linda história de amor, que depois foi separada por ironias do destino e a fez mandar matar a nossa filha quando era apenas uma bebê porque achou que eu tinha a abandonado, agora descubro essa história e fico completamente arrasado, que ela foi capaz de isso. Eu ainda a amo muito, mas não sei se consigo perdoá-la.

- To chocada com isso, por mim eu a mandava plantar batatas, mas eu vejo nos seus olhos que você ainda a deseja e a ama, que tal pensar você colocar o amor dela à prova?

-  Não entendi. Seja mais clara por favor, pelo que eu entendi eu tenho que mostrar que não quero mais nada com ela?

- Sim eu pensei que você podia inventar que eu e você estamos tendo um caso, quem melhor do que eu a pessoa que ela mais odeia tendo um caso com o amor dela, assim ela ficará morta de ciúmes e terá que provar que realmente te merece Feliciano.

- Adorei a sua ideia, quando podemos começar nosso “romance”?

- Hoje mesmo Feliciano, agora vou aproveitar que tenho umas encomendas para pegar ali e pegar sua carona, aí chegamos juntinhos em Serro Azul.

- Perfeito...

O “novo casal” está de carro chegando em Serro Azul, naquele exato momento encontra o grupo de orações ligado a Mirtes, incluindo a própria que estranha a proximidade deles naquele veículo. Primeiro Feliciano sai do carro, abrindo a porta para Ondina, ele estica sua mão para ajuda-la e os dois trocam olhares.

Mirtes não sabia se largava o seu grupo e voava no pescoço da cafetina para tirá-la de Feliciano ou finge não dar a mínima. O seu sangue falou mais alto, para resolver aquela situação e foi em direção a Feliciano e Ondina e começa a trocar insultos:

- Eu já entendi tudo aqui, a cafetina resolveu mostrar que é capaz de dar um golpe do baú nessa idade, quanto a você mendigo de araque, não tem vergonha nessa cara de ficar para cima para baixo com uma mulherzinha de quinta.

- Pára com isso sua beata dos infernos, você achou que o Fefe ainda a deseja está muito enganada, ele está comigo agora e ainda bem que ele percebeu que a mulher certa para ele sou eu e não você.

Mirtes não acredita nas palavras de Ondina e arregala os olhos só de ouvir da inimiga que ela está de cacho com o amor da sua vida, não podia ser verdade aquilo tudo. Ela sentia uma mistura de sentimentos: ódio, ciúmes, decepção; a beata avança em direção a Feliciano:

- Que tipo de homem é você? Eu te odeio Feliciano Pataxó.

Feliciano para provocar ainda mais Mirtes, ele encontra os lábios de Ondina e a beija com afinco sob os olhares de Mirtes que fica enlouquecida de ciúmes. Ao mesmo tempo que desperta a ira de Mirtes, ao sentir pela primeira vez os seus lábios tocarem na boca de Feliciano, Ondina percebe o quanto ele é maravilhoso e ágil com sua língua durante aquele beijo. Sem perceber a mão dela que segurava o leque, ela o atira longe e as duas mãos dela o seguram com força que não parava aquele beijo ardente.

Mirtes está em estado de choque vendo aquele beijo trocado em plena praça sob os seus olhares e de outras pessoas, ela só diz:

- Vocês vão me pagar, isso não vai ficar assim.

A beata os deixa ali sozinhos que dão pulos de alegria e Ondina comemora com ele:

- Ela ainda o ama meu amigo, você viu que ela está morrendo de ciúmes. Você me acompanha até a pousada?

- Claro eu não posso te deixar andando sozinha, vai que a Mirtes te pega na esquina. – Feliciano ri do próprio comentário.

Feliciano e Ondina estão felizes com o teatro que convenceu Mirtes, mas, por outro lado ambos ficam mexidos com o beijo que haviam trocado e não sabiam que estavam sentindo.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...