História Min Yoongi Sabia Demais - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga)
Tags Ailee, Barman, Era Pra Ter Top!tae, Mistério, Profissões, Repost, Srtamatsuoka, Taegi
Visualizações 72
Palavras 1.503
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Festa, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


repostando, é nóis

Capítulo 1 - ...Muito Mais do Que Deveria!


Fanfic / Fanfiction Min Yoongi Sabia Demais - Capítulo 1 - ...Muito Mais do Que Deveria!

Em um sábado à noite, muitas pessoas preferem aproveitar para descansar a mente de uma semana trabalhosa e agitada indo a grandes festas em boates conhecidas.

Existem três tipos de pessoas em lugares assim. Os tímidos novatos, que se impressionam com cada aspecto e estruturas do lugar porque só veem ambientes assim na televisão. Os que vão por diversão quando tem vontade e os frequentadores mirins que estão ali toda semana para encontrar rostos diferentes e quem sabe novas aventuras.

Também há Min Yoongi, que trabalha como barman em uma das boates mais famosas de Seul. Ele é quase uma mistura de todos aqueles tipos, apesar de não ser tão tímido.

É noite de sábado, e a boate Poison está mais lotada do que de costume. Esse é o dia da semana em que o movimento fica sempre maior em comparação aos outros.

Yoongi termina de enxugar um copo enquanto observa o balançar de corpos na pista de dança, sendo iluminados por luzes coloridas que mudavam de cor no ritmo das batidas de música. Ele já havia servido bebida para pelo menos trinta pessoas só essa noite.

Quem ouve falar em barman, sempre pensa que a única função dessas pessoas é servir bebidas prontas — ou às vezes batidas —, e somente isso. Mas quem exerce essa profissão sabe que não é bem assim.

Ser barman significava ser um grande “guardador de segredos”, justamente porque esse profissional acaba escutando muitas histórias, algumas parecidas, mas com começo e final diferentes e personagens novos.

Yoongi sabe muitas histórias, algumas sem um final, e essas ele prefere inventar o desfecho. Às vezes bom e às vezes ruim. São protagonistas diferentes, com personalidades diferentes, porém com histórias semelhantes. E Yoongi gostava de ouvi-las e imaginar tudo como se fosse um filme.

Muita gente frequenta esse tipo de lugar em busca de paz mental temporária, o que acaba fazendo com que desabafem com qualquer um que pareça disposto a escutar. É nessas horas que o Min se pergunta: “O que estou fazendo aqui quando eu poderia ser psicólogo?”.

Ele ganharia mais, com certeza. Mas teria tanta graça? Nem todos estão dispostos a pagar para serem ouvidos, isso é algo que deveria ser fundamental na vida de cada ser humano, e por isso Yoongi prefere continuar como um simples barman.

Olhando para o balcão, ele observa as pessoas que estão ali. Algumas conversando, paquerando, e outras apenas observando os que estão dançando. Então, alguém o chama e sussurra algo em seu ouvido, fazendo-o arquear a sobrancelha e quase respirar fundo com o que acaba de ouvir. Mas, como não podia se manifestar, simplesmente confirma de cabeça e vai buscar o que o homem alto de cabelos loiros pediu.

“Esse é o típico clichê”, pensou. Ele leva uma bebida verde com um pedaço de fruta presa na borda do copo até um jovem rapaz de cabelos cor-de-mel — aparentemente sozinho — e que parece distraído com o ambiente. O típico frequentador Tipo Um.

— Eu não pedi isso. — diz o jovem quando Yoongi põe a bebida em sua frente.

— Um “galanteador simpático” pediu para oferecer isso para você. Ele também me pediu para dizer isso. Cara loiro, terceiro à sua esquerda, vem aqui toda a semana e está à procura de um momento casual.

— Isso parece bio de sites de relacionamento. Céus! Cheguei não tem nem meia-hora e já está assim. Ele tem cara de pedófilo.

Yoongi acaba rindo. Acaba vendo que, apesar da possível inexperiência, claramente tinha conhecimento dos possíveis assédios que poderia sofrer.

— Como dizer educadamente que não ‘tô afim sem correr o risco dele se irritar por isso?

— Deixe comigo. — responde o barman — Conheço esse tipo.

O até então desconhecido acaba por sorrir e fazer uma breve reverência com a cabeça, agradecendo.

Yoongi já estava acostumado com esse tipo de situação, para ele era a coisa mais fácil do mundo livrar a pele de alguém de pessoas assim.

— Ele disse que não ‘tá afim. — explica para o homem que havia oferecido a bebida. — Se eu fosse você, não insistiria.

O homem parece não ter gostado, bufando e resmungando, indo procurar outro alguém que o agradasse. Yoongi acaba voltando para o jovem de cabelos claros e diz:

— Ele já foi. Pode ficar despreocupado.

— Será que seria injusto se eu ficar com a bebida? — o menor ri.

— Acho que não, dinheiro não parece ser um grande problema para ele. Isso nem é tão caro, na verdade.

— É, tem razão. — o desconhecido diz levando o copo até a boca e toma um gole. — A propósito, obrigado por fazer isso por mim. Eu não teria coragem para fazer essas coisas.

— Não foi nada. Na verdade, até gosto de fazer isso.

O mais novo fica intrigado com aquele homem de cabelos negros e pele alva, além de que, é claro, ele não parece se má pessoa. Até mesmo tinha senso de humor.

— Como se chama? — pergunta.

O barman fica surpreso. Dificilmente o perguntam isso. Não que seja algo estranho, só era novo. E apesar de já ser paquerado algumas vezes em seu trabalho por ser um homem bonito, ninguém nunca tinha demonstrado tamanho interesse.

— Min Yoongi. — responde.

— Belo nome, é bem original.

— Original, sério? Que forma engraçada de elogiar. — ele ri por educação.

— É porque é um nome diferente, não é comum e ainda é bonito.

— Obrigado...

— Kim Taehyung. — o mais novo completa, sorrindo gentilmente — Não é um nome tão incomum.

— Combina com você. Não que você seja comum, é só... Apenas combina.

Pela primeira vez Yoongi viu um novo tipo de frequentador para a sua lista, um que conseguia pegar um pouco de cada um daqueles estereótipos e formar o Tipo Kim Taehyung. Ele não parece ter histórias para contar, na verdade, é bem provável que esteja em busca de uma.

— Você veio sozinho, Taehyung? — a pergunta foi apenas para quebrar o gelo.

— É, eu realmente não tinha muito que fazer em casa, além de ser bom conhecer coisas novas.

— Quanto a mim, não vejo nada de muito novo por aqui, apenas uns rostos diferentes. Mas no fundo são todos iguais.

— Você parece ser um bom observador. Quero ser assim quando crescer. — o mais novo brinca.

Inteligente e com um bom senso de humor, é assim que Taehyung podia ser descrito. Aos poucos dá para perceber a sua personalidade única, o que é interessante e contemporâneo.

— Sabe, quando você começa a trabalhar num ambiente como este, acaba conhecendo novas histórias.

— Então o papel de um barman é servir bebidas e contar histórias?

— Às vezes faço papel de psicólogo. — Yoongi explica.

A conversa flui bem, porém, Yoongi ainda tinha trabalho a fazer, e ele só se toca disso quando um cliente o chama.

— Preciso ir, o dever me chama. — ele avisa.

— Pode ir, não tomarei muito do seu tempo. Acho que vou tentar curtir um pouco, minha música está tocando.

— Boa sorte, Taehyung.

 

Já é madrugada, quase quatro da manhã. Todos os funcionários da Poison foram para as suas casas. Yoongi ficou encarregado de fechar os fundos, por onde ele geralmente saía. Ele havia tirado a sua gravata borboleta, mas permaneceu com a camisa e as calças sociais.

Há um cigarro aceso preso em sua boca, que só é segurado quando o Min termina de fechar um cadeado para prender uma corrente na grade da porta. Todavia, apenas no tempo em que seus dedos se afastaram um pouco para que pudesse dar uma tragada, o cigarro logo é arrancado dele por um outro alguém.

Ao olhar para o lado, acaba se surpreendendo com quem encontra, o garoto de mais cedo, Kim Taehyung. Yoongi acaba rindo com ironia ao ver o garoto usar o seu cigarro e, só com o olhar, deixar claro que não irá devolver.

— Ficou aqui até agora? — o barman questiona.

— Pois é, este lugar acabou ficando interessante.

— O que viu de tão fascinante?

No fundo, Yoongi gostaria de pedir o seu cigarro de volta, embora o outro não estivesse preocupado com isso, mas apenas tenta fingir que nada aconteceu.

— Você foi a coisa mais interessante que eu vi a noite inteira. — o Kim sussurra nos ouvidos do mais velho.

O de cabelos escuros mal consegue piscar com esse comentário, a ponto de sentir um arrepio lhe percorrer a espinha. Por um momento, ele se sente constrangido, mas ao menos tempo está gostando da intimidação. Então, decide entrar na provocação ao sorrir de canto e dizer:

— Você é um garoto mal, não é? Como um lobo em pele de cordeiro que tenta enganar com esse olhar inocente, mas quem sabe o que há no  fundo deles?

Taehyung nada responde, apenas apaga o cigarro no chão após soltar a última fumaça presa em seus pulmões e agarra Yoongi pela cintura, beijando-o terno e brevemente.

— Você quer descobrir? — é a sua última frase.

É uma pergunta bastante tentadora, mas Min Yoongi apenas sorri e confirma com a cabeça. Sem sombra de dúvidas será divertido protagonizar a próxima história, afinal de contas, o “homem que sabia demais” também tem que ter algo para contar sobre si mesmo.

 


Notas Finais


obg, @vemk_bangtan pela betagem sz


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...