História Mine - Capítulo 39


Escrita por:

Postado
Categorias Girls' Generation
Personagens Hyoyeon, Jessica, Seohyun, Taeyeon, Tiffany, Yoona, Yuri
Tags Taeny, Yoonhyun, Yulsic
Visualizações 281
Palavras 2.965
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishoujo, Comédia, FemmeSlash, LGBT, Orange, Shoujo-Ai, Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olar, to um pouco pistola, porém vamos seguindo!

Estão preparados? Então vamos.

Capítulo 39 - Se fosse a Sica, saberia o que fazer.


 

Pov Yuri


- Eu adoro quando a gente sai juntas.

- É, eu também. Parece tipo um desconectar dos probleminhas e coisinhas chatas. Com você parece mais legal, mais engraçado, mais tudo.

- Sinto o mesmo. Às vezes eu sinto maior falta de você.

[14h38] Yoong: Marrentinha, tá aí?

[14h38] Yuri: Sim, tudo bem?

[14h38] Yoong: ah, tô bem.

[14h39] Yoong: tem como a gente se ver hoje? – será que tem? Eu queria vê-la, dar um abraço naquela garota, matar a saudade de uma semana (sim, já tem) e dar risada de besteiras, sem esquentar com nada. Mas dessa vez não ia dar.

Bebi meu refrigerante grande cheio de gelo, pensando. Pra que tanto gelo? Deixa o refri sem gosto depois que derrete. Além de que vem menos refri. Se eu tô pagando eu quero beber, só acho.

[14h40] Yuri: Acho que não posso te encontrar hoje, mas tô no shopping agora, se quiser me encontrar...

[14h40] Yoong: Não sei se quero, Yul. – dá pra entender? Quem deu a ideia foi ela!

[14h40] Yuri: Vem pra cá, Yoong!

[14h41] Yoong: Tá com quem aí? – não é possível que você vai julgar se vem ou não a partir da pessoa que está comigo, Yoona. Sério isso? Dei um muxoxo. Recebo uma batata frita na cara.

- Ai! Pra que isso, vadia?

- Pra você largar esse celular. Tá falando com quem?

- É só uma amiga, deixa de ser ciumenta! Eu não reclamei de você cheia de áudios melosos pra Tiffany há menos de dez minutos. Me deixa ser feliz, Taeyeon.

- Não fale dos meus áudios pra minha mulher. E não eram melosos. – “tô aqui com a viada da Yuri, mas daqui a pouco eu vou ficar com você, meu anjo”. Só faltou vozinha. Pelo menos elas não têm vozinha, graças.

- Você me tacou uma batata frita. É comida. Uma batata frita desperdiçada. Eu devia te fazer sentir culpada.

- Você tava aí dizendo coisas super fofas e do nada me trocou por esse celular.

- Ah, é só porque...

[14h43] Yuri: Tô com a Taeyeon e ela me tacou uma batata frita ¬¬

[14h44] Yoong: kkkkkkkkkkk

[14h44] Yoong: Mas mesmo assim, deixa pra próxima Yul. Eu só senti saudades de você do nada. Só que tenho uma coisa pra estudar, é meio que importante.

[14h45] Yuri: Eu também senti saudades, mas tudo bem.

Porra, Yoona!

- Por que você tá fazendo beicinho?

- Nada, esquece, come sua batata e não taca em mim.

- Hm, ok. Já arrumou as tralhas?

- Pra ir pra casa de praia? Eu deveria perguntar isso porque é minha casa de praia, mas tá, sim, arrumei.

- Ainda bem, porque vai uma galera e tal.

- Já sei. O Heechul me falou que vai levar três amigos. Folgado, cara. Mas tudo bem, desde que sejam legais.

- Acho que ele não os levaria se não os achasse legais, e são dois amigos e o namorado dele.

- O Heechul tá namorando um boy?

- Dizem.

- Tá nada, deve estar só pegando.

- Foi isso que a Tiffany disse. Você chamou a Sunmi?

- Chamei.

- E a Yenny?

- Também...

- E a Jess?

- Você acha que eu ia esquecer de chamar... Puta merda. Eu não falei com a Sica.

- Eu sei disso. Falei com ela hoje e pedi que se aprontasse. O que seria de você sem mim, hein?

- Ainda estou sujeita a morrer, porque a Jessica com certeza não gostou de eu ter esquecido.

- Ela comentou comigo que você anda muito com o celular e esquecida. Olha lá, hein Yuri. – mais uma coisa pra eu me martirizar, olha que lindo. Que vida filha da puta.

Desde aquele dia na festa com a Yoona, onde minha calcinha ficou em estado quase inutilizável por causa da maldita sensualidade dela e daquele rebolado maravilhoso, descobri que ela me causa um coiso, provavelmente um fogo que me deixa maluca. E agora, eu sei que corri pra casa da Sica porque meu compromisso com ela não me permitia correr pra outro lugar. Minha mente me obrigou a desejar somente a Sica, porque eu preciso ser fiel ao nosso namoro.

Sim, eu amo a Sica; sim, eu ainda a desejo; não, ela nunca vai “perder a graça” pra mim, sexualmente falando. Nós temos uma coisa íntima, como se os mais profundos de nossos seres se tocassem e não somente nossos corpos despidos, e isso é avassalador. E muito quente. Por mais marcas e por menos delicadeza nos toques, ainda fazemos amor.

Mas a Yoona me atrai, não posso negar. E estaria tranquila se fosse sexual, apenas. Eu tive sonhos quentes com ela, eu acho que tê-la na cama seria foda, inclusive sonhei com a Sica e a Yoona transando comigo ao mesmo tempo.

Sim, esse sonho foi um dos melhores que já tive na vida.

A porra do problema é que eu tenho pensado demais na Yoona pra ser uma simples atração. Eu tenho pensado em ter algo com ela. Além de uma noite de sexo selvagem. E me sinto uma vagabunda por isso.

Em outras palavras, isso significa dizer que eu estou gostando da Yoona. Admiti isso pra mim. E foi a pior coisa.

Porque a Jessica não merece nada disso. Ela tenta ser a melhor pra mim, me dar o que eu preciso, estar ali pra mim. Ela me ama com todo o coração.

E eu retribuo gostando de outra. A minha vontade é de me flagelar, porra, por que eu fui tão filha da puta? Eu amo a Sica, mas não sei se consigo continuar, e ela não tem culpa nenhuma nisso. Mas não quero que ela sofra, nem que a Yoona sofra, nem quero sofrer, também.

Mas só dá pra conseguir dois de três. Ou um de três, ou nenhum dos três. Na verdade, eu não faço ideia.

- Minha cabeça anda cheia...

- Acho bom você começar a lembrar das coisas, a Jess não tem obrigação de aguentar isso não.

- É, você tem toda razão.




Pov Jessica


Detesto chorar. Detesto sucumbir à tristeza ou decepção tão grande pra me deixar fraca a ponto de derramar lágrimas. Chorar não alivia. Não a mim.

O problema é que quando eu começo a chorar, não consigo parar. Tudo bem que eu vou demorar muito pra chorar de novo. Mas passar uma hora ou mais chorando é uma merda, porque depois de uns 20 ou 30 minutos, você parece chorar sem motivo aparente. Tipo, porra, eu não consigo parar. Alguém faz parar, por favor.

Por que eu tô falando isso?

É meio óbvio, né? Eu estou chorando.

Ah, por que eu estou chorando?

Simples também, porque eu preferi me enganar e me odeio por isso. Eu sabia que não ia aguentar. E eu provavelmente já ia parar de chorar, mas vocês me fizeram lembrar o motivo.

Numa porra de semana, fodeu tudo. E olha que começou lindo.

Comecei recebendo uma nota boa, com a minha namorada sendo um amorzinho. O probleminha veio justamente com a minha maldita capacidade de ler as pessoas. A Yuri não estava à vontade comigo, como sempre. Ela se esforçava pra ser fria com todas as meninas que tinham um contato mínimo com ela e não fossem a Taeyeon, a Tiffany ou a Sunmi. Não demorei a pensar que ela fazia isso por não querer que eu sentisse ciúme, logo, eu tinha um motivo para sentir ciúme.

A Yuri tinha um peso enorme na consciência e que só ficava mais pesado, porque isso piorou com o decorrer da semana. E só eu percebi isso. Só eu conseguia ver que uma luta desesperadora e completamente interna acontecia com ela.

Se ela não tinha me traído, isso só podia significar uma coisa: que um pedaço dela já se separou de mim.

Alguma parte dela, ainda que seja pequena, não quer mais estar comigo. Sei, por causa de uma decisão tomada por mim, de início. O que quer que tenha acontecido, o que quer que tenha mudado lá naquela noite de sábado, naquela festa, levou aquele pedaço dela. Ainda que ela tenha voltado. Na verdade, foi por isso que ela veio de madrugada. Agora toda a porra faz sentido.

E isso me destruiu, me trazendo uma levada de uma das piores sensações que o ser humano pode experimentar. E talvez a mais odiada por mim.

Arrependimento.

Não gosto de gente que se arrepende das escolhas. Porque se isso acontece, não pensou o suficiente antes de tomar a decisão. Eu raciocino cada passo que dou, e consigo fazê-lo rapidamente, tomar decisões das quais não me arrependerei e levarei as consequências numa boa, posto que sei que ninguém teria culpa além de mim. É, eu me arrependi pela primeira vez. Sempre há uma primeira vez pra tudo.

Porque julguei que a dor que eu sentiria seria mais tardia, e menos dolorosa, verdade. Eu achei que seria forte pra aguentar isso enquanto fosse embora. Só que isso veio muito antes do que eu esperava. A Yuri me deixando de lado sem querer.

Estou fodida, não sei viver sem a Yuri. E, pelo jeito, vou ter que aprender bem antes do que esperava.

Por isso coloquei músicas tristes pra tocar nos meus fones e chorei mais. Vocês não tem noção de como dói, é muito. E foi assim até eu cair no sono.

Mas, como eu disse ali no início, vou demorar pra chorar de novo. E ficar se lamentando não é do meu feitio. Eu vou superar isso, e esperar até quando a Yuri se sinta pronta, ou tão pressionada a ponto de me contar o que acontece, apenas pra confirmar minhas suspeitas, acho. Daí será a hora de pôr todas as cartas na mesa.

Todas mesmo.





Pov Yuri

Ao chegar em casa, já à noite, foi como se meus ombros não aguentassem o peso que levavam. Eu desabei na cama. Estava perdida. Não sabia o que fazer, pra quem dizer o que, com quem ficar, o que resolver.

Não tinha nem algo próximo da maturidade pra essa situação.

Se fosse a Sica, saberia o que fazer. Mesmo, ela tem uma solução pra tudo, e essa costuma ser rápida e eficiente. Ela é foda.

Por pensar nisso, me senti mal. Não era justo pra minha nerd. Nem pra Yoona.

Porra, eu não mereço nenhuma das duas. Eu deveria morrer sozinha.

- Filha, você não quer jantar?

- Não quero nada, mãe.

- O que tá acontecendo? Você passou a semana toda agindo estranho. – ela senta na beira da cama e me olha com ternura. – Adoro sua independência, seu jeitinho solto de ser, e detesto ser uma mãe que ultrapassa limites, mas desse jeito eu vou pensar que você está viciada ou coisa pior. – tive que rir disso.

- Eu não estou viciada, mãe. Só fodida.

- Palavrões? – sua voz era suave, mas seu olhar me repreendia.

- Desculpa. Não me expressei bem.

- O que tem de errado?

- Na verdade, eu não consigo ver outra palavra. Com todo o respeito, mas eu estou fodida. E tudo, tudo tá errado. Eu sou o erro.

- Não fale assim, todos erram. O que você fez?

- Bem, eu simplesmente amo a Sica, a senhora bem sabe que eu a amo muito. – ela assentiu, provavelmente sem saco de me ouvir dizer aquilo, de tanto que eu falo. –E a gente namora. Aí vem a parte em que eu estrago tudo. Conheci uma garota e...

- Você realmente vai me contar o que eu acho que vai?

- Não, eu não traí a Sica. Você e o papai me ensinaram que nunca se deve trair alguém e que isso é imperdoável.

- Nada é imperdoável. Mas é a coisa mais difícil de se perdoar, sim. Eu não perdoaria. – me surpreendi, minha mãe sempre defendeu que todos devem ter uma segunda chance. – Não sou santa, Yuri. Mas se não traiu a Jessica, qual é exatamente o pro... Ah. Você está gostando dessa garota.

- É.

- Mas a culpa não é sua. Você ainda gosta dela.

- É minha sim, isso não deveria acontecer.

- Se você pudesse evitar, evitaria?

- Lógico que sim!

- Então, a culpa não é sua. Acontece. É uma coisa muito chata, e você vai ter que contar à Jess. Além de que há o risco dessa garota não valer a pena.

- Ela... – eu não tinha pensado nem por um segundo desde que me vi gostando da Yoona que ela poderia não valer esse esforço todo. Mas eu tinha uma estranha certeza de que valia sim. – Vale sim.

- Você hesitou.

- Eu pensei, é diferente.

- E de você, ela gosta?

- Eu estou nesse dilema mental desde que ela me contou isso. E, tipo, ela disse que não tinha o direito de se meter entre eu e a Sica e tentar ficar comigo.

- Porque ela não tem mesmo.

- É, mas... Se isso parte de mim, a culpa também não é dela.

- Não há um culpado, Yuri. Acredite ou não, há coisas que simplesmente acontecem. Agora, volto a dizer, você precisa contar à Jessica.

- Eu sei, eu vou. E se ela não aceitar?

- Tenho bastante certeza de que a Jess é civilizada e evoluída o suficiente pra entender isso. Mas, se não aceitar, só lamento, vai ter que aprender a lidar.

- Mãe, é sério.

- Conversem, ok? Eu sei que vocês não são adultas, mas sejam maduras com essa situação.

- Ok.

- E não vou brigar dessa vez, mas da próxima vez que ficar sem comer pra remoer angústia, eu boto você de castigo.

- Mãe!

- O que?

- Sabia que eu tenho quase 18 anos?

- Sim, e aí? Qual conta você tá pagando mesmo? – Tramontina corte certo, por minha mãe. – Eu só tô dizendo que não vou deixar você pular refeição, se alimentar é importante.

- Mais tarde eu como, certo?

- Vou confiar. – ela fechou a porta. Melhor mãe, ela entra, ajuda, sai e fecha a porta. Sei que tem muita mãe por aí que não fecha a porta quando sai. Eu amo a minha mãe.

Peguei o celular e disquei o número da Sica. Ela não me atendeu.

- Que ótimo. – Liguei de novo, nada. – Jessica, por favor! – falei como se ela pudesse ouvir. E tentei de novo.

- Oi Yuri. – sua voz estava rouca. – Eu estava dormindo. – ela funga e seu nariz parece entupido.

- Oi amor. Tá gripada?

- Não, tô bem. Só estava com um pouco de coriza.

- Olha lá pra não ficar doente, eu cancelo a farra da galera.

- Qual? A que você nem falou comigo sobre?

- É... Eu realmente vacilei amor. Desculpa.

- Não tem exatamente um problema, é compreensível que sua cabeça esteja cheia e tal... Mas eu gostaria de ser avisada por você, e não pela Taeyeon. – se bem que a ideia foi dela – E foda-se que a ideia foi dela. – nossa.

- Eu nem sei o que te dizer, Sica.

- Eu poderia te bater. Eu deveria te bater.

- Deveria mesmo, tô merecendo.

- Me dê um tempo, tô chateada.

- Tudo bem.

- Que horas você vem me pegar amanhã?

- Cedo, tá com tudo pronto?

- Aham.

- Tá tudo bem?

- Já falei, tô chateada. Mas amanhã fica tudo bem.

- Você vai ter toda a minha atenção esse final de semana.

- Yuri, não promete o que não vai cumprir...

- Vou cumprir. Eu sou de palavra. Não é possível que duvide da minha palavra. É sério?

- Certo, extrapolei. Não duvido da sua palavra.

- Espero que não, mesmo.

- Eu vou desligar, sim?

- Ok, preciso terminar as coisas por aqui mesmo. Tchau, te amo.

- Eu também te amo. – ela desliga no segundo que termina a frase.

Ai, ela tá muito puta comigo.

[19h49] Yoong: Marrentinha...

[19h51] Yoong: Foi mal por hoje, é que eu tô um problema. E isso também me impediu de estudar, puta que pariu.

[20h28] Yuri: Tudo bem, Yoong. Quer desabafar?

[20h30] Yoong: Não, por dois motivos: não acho prudente falar isso pelo WhatsApp, e talvez eu não deva te envolver nisso, não me leve a mal. Mas mesmo assim eu queria passar um tempo contigo, pra distrair a mente.

[20h31] Yuri: Nesse fds eu realmente não posso.

[20h32] Yoong: Ok, de boa.

[20h34] Yuri: Yoong, não fica fria. Eu odeio quando você faz isso.

[20h35] Yoong: É que, às vezes eu penso que te incomodo.

[20h35] Yuri: Nãaaaaao, não me incomoda.

[20h36] Yuri: Yoong, eu não sei o que passa na sua cabeça e tal, mas você sabe que eu lembro do que você me disse na balada. – rapidamente apareceu “escrevendo”, eu esperei, nada, continuei – Mas eu não tenho, sei lá, dó de você.

[20h37] Yoong: Ainda bem, mas por que eu não consigo me afastar de você? O que você tem, explica, por favor.

[20h37] Yuri: Eu juro que não sei. Mas eu não quero que você se afaste.

[20h38] Yoong: Aí você tá fodendo. Tá fodendo.

[20h38] Yuri: Yoong...

[20h39] Yoong: Yul...

[20h39] Yoong: Relaxa, é só me dar um tempo, eu posso esquecer de você. Não no sentido ruim, no sentido que você quer.

[20h39] Yoong: Eu volto, confia.

[20h40] Yuri: Mas e o seu problema? Eu quero te ajudar.

[20h40] Yoong: Você não precisa Yul, mesmo.

[20h41] Yuri: Mas eu quero. Eu não te quero sofrendo. Eu te quero perto de mim. – porra, polegares, parem já!

[20h42] Yoong: Miga, pare. Eu resolvo isso, tá? – “miga pare”. Ok, é hora de parar.

[20h43] Yuri: Bom, você quem sabe. Mas eu tô aqui qualquer hora.

[20h43] Yoong: Eu sei, baby. Por isso adoro você. – eu li isso e a foto dela sumiu.






Caralho, ela me bloqueou?



*********


Notas Finais


isso aí vai daaaaar....


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...