História Minerais e Couro (Yoonseok, ABO) - Capítulo 37


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Abo, Bts, Drama, Mistério, Romance, Yaoi, Yoonseok
Visualizações 135
Palavras 3.273
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fluffy, Lemon, LGBT, Mistério, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Então... esse será o último capítulo oficial de Minerais & Couro... confesso que chorei bastante escrevendo ele.
Tudo que começa, tem que ter um fim não é mesmo? Vamos aproveitar esse último capítulo e o Epílogo, que vai sair depois desse. Eu espero do fundo do meu coração que vocês gostem! Sem mais delongas, vamos ao capítulo de hoje




Boa Leitura!!

Capítulo 37 - O Encontro da Verdadeira Paz


Capítulo 36

O Encontro da Verdeira Paz

Quero protegê-lo mais uma vez,

Antes que as lágrimas corram pelo seu rosto,

Mas o cristal fica mais longe do alcance,

Mas eu desejo isso,

Mesmo depois de cem anos quero viver

Com você, posso ser seu?

Não há nenhuma estrela neste céu nevado,

Oh algum dia, algum dia.

Bts, Crystal Snow

Jung Hoseok

 

Estávamos diante da cama de Namjoon. Ele olhava para nós com um olhar um pouco perdido, mas que existia um pequeno fundo de reconhecimento. Taehyung foi o primeiro a se aproximar, e dizer algo.

— Hey… como se sente? — murmurou a pergunta.

— Estranho… — respondeu franzindo o cenho. — Mas… me sinto bem, eu acho.

— Se lembra da gente? — perguntei dando um passo pra frente, e então o olhar de Namjoon recaiu sobre mim.

Ele assentiu, e fitou nós três. Em seguida, abaixou o olhar, parecendo envergonhado. Olhei para Yoongi que não desviava o olhar do outro alfa. Deduzi que aqueles dois precisavam conversar. Passei a mão pelo braço dele, e lhe dei um suave sorriso encorajador. Me dirigi a Taehyung, e nós dois deixamos o quarto. Caminhamos em silêncio até a lanchonete do hospital.

— Acha… que eles vão se entender? — murmurou a pergunta enquanto eu olhava os tipos de café que tinham ali.

— Acho que eles precisam disso. Que eles são amigos desde sempre, e que muita coisa aconteceu com os dois nos últimos tempos.

Tae assentiu, e então pedimos os cafés. Enquanto tomávamos a bebida quente, fitei Taehyung a minha frente, que parecia um pouco inquieto.

— Tá tudo bem? — perguntei levando a xícara aos meus lábios.

— Tá… só estou um pouco… indeciso. — disse encolhendo os ombros.

— E por que está indeciso?

Ele suspirou, ponderando se devia ou não falar.

— Recebi… uma proposta de trabalho. — disse e só então fitou meus olhos.

— E isso não é bom? — perguntei animado.

— É… mas ao mesmo tempo não. — umedeceu os lábios, e tomou um gole de café antes de voltar a falar. — É complicado, porque para pegar o trabalho, teria que me mudar…

Entendi naquele momento toda a hesitação dele.

— Olha, eu melhor do que ninguém sei o quanto mudar pode ser assustador. Entendo completamente o seu receio, afinal, sempre viveu nos trailers, e só conheceu essa realidade. Agora, a pergunta que importa aqui, é a se você está feliz conhecendo apenas essa realidade, ou se está infeliz e acomodado de mais?

Taehyung piscou algumas vezes, pensando na minha pergunta.

— Eu… eu acho que não estou feliz com a vida que levo hoje. — respondeu por fim.

— Então por que não tentar algo diferente? As vezes precisamos de algo muito drástico para percebermos que uma mudança precisa ser feita. Olha — segurei sua mão por cima da mesa. — Não estou dizendo pra ir ou pra ficar. O que estou dizendo, é que faça aquilo que lhe trará felicidade. Não importa o que seja, tenha coragem, e mude ou não. Mas a única pessoa que sabe essa resposta, é você mesmo.

Taehyung abriu um lindo sorriso quadrado, e colocou a outra mão por cima da minha.

— Obrigado, Hoseok.

***

Min Yoongi

 

Observei Namjoon após a saída de Hoseok e Tae. Ele se mantinha de cabeça baixa.

— Podemos conversar? — disse finalmente, me aproximando da cama.

Namjoon suspirou, e assentiu com a cabeça.

— Você… deve estar bravo comigo…

— Eu queria socar a sua cara. — disse sério. — Mas não vou fazer isso. Não enquanto não ouvir o seu lado da história.

Ele engoliu seco, e então me fitou.

— Bem, tudo isso começou a algum tempo atrás. Um pouco depois de eu sair daquela gangue barra pesada que fiz parte na minha adolescência. — assenti e deixei que continuasse, me sentando na poltrona ao lado da cama e sustentando seu olhar. — Eu estava… tão vazio, tão perdido. Não sabia direito o que fazer depois das coisas que eu vi e fiz. E bem, naquela época, uma coisa veio a minha mente enquanto via nosso pessoal lá dos trailers. Nós sempre sofríamos, sempre pagávamos caro, enquanto ricos que eram mais sujos que qualquer um de nós, continuavam roubando, matando, destruindo vidas, mas sempre saindo impunes.

— E daí decidiu virar a porra do Demolidor, e sair por aí fazendo justiça com as próprias mãos? — perguntei usando um tom levemente irritado.

— Mais ou menos… — disse abaixando a cabeça. — Enquanto planejava como faria aquilo, como faria justiça, me deparei com uma Ordem. Ela é algo que nem nome tem, e se tem, não é mencionado. Eles lutavam pela liberdade do povo, pela justiça igualitária, e não seletiva. Era tudo aquilo que eu queria ser.

— E então você entrou pra essa “Ordem”? — perguntei franzindo o cenho.

— Sim… eles viram potencial em mim, já que eu tinha tido contato com armamento, e tinha acesso às áreas do subúrbio que eles não tinham acesso. — fez uma pausa, tomando um pouco de água antes de continuar. — E bem, foi assim que tudo começou.

— E por que permitiu que Hoseok fosse arrastado pra toda essa merda? Taehyung também? — indaguei sério enquanto sustentava o seu olhar.

— Não fui eu quem recrutou Hoseok. Foi outro membro da Ordem…

— Jin? — perguntei ao me lembrar de que Hoseok me contou que provavelmente o colega dele jornalista, fazia parte de tudo aquilo.

Namjoon assentiu com a cabeça.

— Sim. Ele sempre viu grande potencial em Hoseok. Depois dele descobrir que você era Min Yoongi, o garoto desaparecia ha quinze anos, foi meio que o momento em que Jin Hyung acreditou que Hoseok desempenharia um grande papel dentro da Ordem. Ele começou a se comunicar com ele, até que conseguiu convencê-lo a entrar pra Ordem. Eu soube apenas quando estava feito. — suspirou pesadamente e desviou o olhar. — Mas isso não quer dizer que me isento de qualquer culpa. Sei que devia ter acabado com tudo antes mesmo de começar… mas me deixei levar pelo fato de que aquilo tinha sido uma escolha dele, e que assim como eu, acreditava que a justiça precisava ser feita por nós mesmos.

Depois de ouvir tudo, ainda sentia um pouco de raiva de Namjoon, mas por outro lado, conseguia entendê-lo.

— Pelo que Hoseok me falou, você o liberou da Ordem naquele dia em que estávamos nos trailers, depois do surto dele. — murmurei.

— Sim. Naquele momento, percebi que Hoseok não tinha estrutura emocional alguma pra lidar com tudo que a Ordem faz. Foi como se aquilo tivesse atestado aquilo que minha intuição já sabia. Então decidi livrá-lo do peso da Ordem, o deixando livre pra cuidar de si mesmo.

— E como foi que você foi parar naquele lugar onde Jin e Hoseok te encontraram?

— Bem… — fechou os olhos e então ao abri-los, me fitou intensamente. — Eu estava lá para matar Sun hee.

Franzi o cenho e arregalei levemente os olhos.

— Você…

— Eu tentei executá-la a sangue frio. Sempre soube que ela nunca te deixaria em paz, e depois de tudo com Hoseok, decidi que era hora de fazer aquilo. Não vou me desculpar por tentar.

Foi a minha vez de desviar o olhar. Não por estar horrorizado por Sun hee, mas por perceber o quão pouco conhecia do meu próprio amigo. Eu sabia que dentro de todo aquele combo, possivelmente se encontrava a tentativa de assassinato do meu pai. Pelo menos por enquanto, decidi deixar o assunto de lado, já que não sabia muito bem como me sentia com relação a aquilo.

— Acho que… eu e você ainda temos muitas coisas para resolver. — disse erguendo o olhar para ele. — Mas por enquanto, vamos deixar as coisas como estão, ok?

Namjoon assentiu.

— Sei que existem muito mais coisas que você quer saber, mas por enquanto, é isso que posso te contar.

Respirei fundo, e me levantei da poltrona, me aproximando da cama. Olhei para baixo, e então abracei Namjoon. Ele não demorou muito para retribuir, e então senti algumas lágrimas silenciosas do meu amigo umedecerem o tecido da minha camiseta. Fechei meus olhos com força, e me permiti sentir aquele momento. Estava com tanto medo de perder meu melhor amigo, e agora que ele estava de volta, podia deixar para depois os questionamentos. Por enquanto, apenas aproveitaria a sua presença, e principalmente, o seu abraço.

***

Depois de deixar o quarto de Namjoon, caminhei pelo corredor, a procura de Hoseok e Taehyung. Como não encontrei nenhum deles, decidi mandar uma mensagem para Hobi, perguntando onde estavam. Assim que desbloqueei o celular, franzi o cenho e abri a mensagem de Jimin.

 

Jimin

Sei que isso tudo foi um transtorno pra você, sei que não me ama mais, ou pelo menos não do jeito que quero que me ame. Hoje de manhã, enquanto tomava banho e me preparava para mais um dia, Jihyo apareceu. Nós conversamos como sempre, e então ela me perguntou algo que me pegou desprevenido. Jihyo me perguntou por que eu não era mais feliz. Aquilo bateu tão fundo dentro de mim, que me fez refletir. A única resposta que tenho nesse momento, é que estou triste, porque estou esperando por você. Não sou feliz, porque ainda mantenho dentro de mim a ilusão de que nosso filho pode nos unir. A verdade, é que estou cansado. Cansado de esperar. Então, decidi que vou ir atrás da minha felicidade, e vou fazer isso longe daqui, longe de você. Sei que provavelmente vai me odiar, mas é melhor assim. Me desculpe por qualquer coisa, e espero que seja feliz. Espero que tenha uma linda família, e que alcance todos seus sonhos. Sei que queria o nosso filho… e que cuidaria dele muito bem, mas não posso ficar aqui, vendo você amar outro homem, enquanto gero dentro de mim, o fruto do que um dia foi o nosso amor. Sinto muito mesmo por isso… e espero que um dia me entenda. Eu te amo, Suga. Sempre vou te amar.

 

Li a mensagem um pouco desesperado, e então mandei várias respostas pra ele.

Yoongi

Jimin!

Jimin, fala comigo!

Jimin, por favor, não faça isso!

Jimin!

 

Desisti das mensagens, e então liguei pra ele. Nada, Jimin não me atendia. Ele tinha ido embora, e levado nosso filho consigo.

***

Dois meses depois

Jung Hoseok

 

Eu vestia o meu terno branco, e a todo momento me observava no espelho. Uma ansiedade enorme subia pelo meu estômago, me fazendo sentir milhares de borboletas voarem livremente pela minha barriga. Tae dizia que eu precisava me acalmar, e minha omma me dava água. Depois ela voltava a me ajudar com a maquiagem, e ele ajeitava meus cabelos. Estava tudo uma bagunça, mas era a melhor bagunça possível.

— Daqui a pouco você vai ter um treco, Hoseok. — disse minha omma, colocando a coroa de flores na minha cabeça. — Não morra antes de casar.

Ri e respirei fundo, vendo meu reflexo no espelho. Algumas lágrimas quiseram cair dos meus olhos, mas prontamente as engoli, mantendo a compostura. Taehyung passou as mãos pelos meus ombros, e sorriu.

— Você está lindo, Hoseok.

Fechei os olhos, e sorri também. Limpei rapidamente uma lágrima solitária que insistiu em escorrer, e então respirei fundo, pegando o buquê feito de lindos girassóis.

— Tenho que fazer uma coisa antes de irmos. — disse pegando o meu celular, e ligando para Jin.

Alguns segundos depois, ele me atendeu.

Hoseok! A essa hora você não devia estar casando?

— Sim… sim eu devia. — disse com a voz embargada. — Mas… precisava falar com o meu amigo… mesmo ele não podendo vir ao casamento.

Ah, meu amigo! Sinto muito mesmo por não poder estar aí… mas espero que saiba que mesmo assim, te desejo todas as felicidades do mundo, e pro Yoongi também.

— Obrigado. — disse rindo. — Vai dar tudo certo, não é Hyung?

Vai sim, Hoseok. Você merece ser feliz. Agora chega de conversa! Está na hora de se casar meu pequeno.

— Obrigado por tudo, Jin Hyung.

Não precisa agradecer, você conquistou tudo isso.

Encerrei a ligação, e passei as mãos pelas mangas do meu terno para me certificar de que tudo estava no lugar. Então assenti para Taehyung e minha mãe.

— Podemos ir.

***

Quando a música começou a tocar, e as portas da casa de campo de Yoongi se abriram, meu coração acelerou, enquanto caminhava de braço dado com meu pai. Milhares de memórias surgiram na minha mente. Tudo aquilo que tinha passado para chegar a aquele exato momento. O momento em que reconheceria o meu amor verdadeiro, aquele que sempre acreditei estar por aí no mundo, esperando por mim. Ver Yoongi lá, parado no altar, com um lindo terno preto e seus cabelos loiros, me fez quase começar a chorar ali mesmo. Me perguntei por um instante se seria capaz de amá-lo do jeito que merecia, e se até mesmo estava pronto para receber o seu amor. Eu sabia muito bem a resposta para aquelas perguntas. Sim, eu estava pronto para amar e ser amado.

Mantive o foco em Yoongi enquanto caminhava, mas tive o vislumbre de Namjoon, Jungkook, o senhor Kim Chul, Sun hee e Jiwoo. As duas últimas estavam na festa por uma simples formalidade. Yoongi havia me contado que ele acreditava que Sun hee havia envenenado Dak-ho, e Jiwoo possivelmente sabia de tudo. Quando a carta de herança que o senhor Min tinha feito fora aberta, todos ficaram surpresos, já que ele tinha deixado majoritariamente quase toda a fortuna para Yoongi, com poucas ações para Sun hee e Jiwoo. A verdade era que depois que Dak-ho se foi, a família Min se separou por definitivo, indo cada um para o seu lado.

Deixando de lado os pensamentos terríveis relacionados aos parentes do meu noivo quase marido, eu finalmente tinha chegado ao altar, e meu appa me entregou para Yoongi. Durante grande parte da cerimônia, eu chorei. Chorei de alívio, chorei por tudo que tinha passado para chegar até ali… chorei pois amava Yoongi tão profundamente, que não sabia direito como lidar com o sentimento dentro do meu peito. Nós dois, naquele momento, compartilhamos nossas emoções por conta da nossa marca. Sentimos um ao outro, da maneira mais pura e intensa. Quando Yoongi colocou a aliança no meu dedo, minhas mãos tremiam, assim como a dele, quando fui repetir o ato.

Assim que o juiz de paz encerrou a cerimônia, e disse que o noivo podia beijar o noivo, abri um sorriso, sentindo a mão do alfa no meu rosto, fazendo um suave carinho. Fechei os olhos, me permitindo sentir todas aquelas sensações, e foi então que os lábios de Yoogi tocaram nos meus. Era como se fosse a primeira vez. Milhares de borboletas voaram livres por todo meu corpo, e me agarrei ao seu pescoço, enquanto sentia suas mãos na minha cintura, e sua língua se encontrando com a minha na mais perfeita sintonia. Assim que o beijo acabou, fiquei de olhos fechados por alguns segundos, antes de abri-los e fitar Yoongi, o amor da minha vida.

***

Depois de muita festa, e confraternização na festa pós casamento, Yoongi e eu nos retiramos mais cedo. Eu podia usar a desculpa do cansaço, ou qualquer merda assim, mas a verdade era que o queria loucamente. Nós entramos na casa já tirando a roupa, e sentindo o corpo um do outro. Yoongi me ergueu no seu colo, deixando uma perna minha de cada lado do seu quadril, e me carregou até a cama. Meu corpo foi de encontro ao colchão macio com agressividade, e logo senti os lábios dele por todo meu corpo, beijando e mordendo minha pele.

Yoongi arrancou minhas calças, as jogando longe, e beijou minhas coxas subindo até perto do meu pênis. Me virou de bruços na cama, e começou a beijar minhas costas, enquanto suas mãos passeavam pelo meu corpo. Senti minha cueca ser retirada, e logo em seguida o fitei por cima do ombro. O alfa passava a mão pela minha bunda, e me olhava com pura luxúria e desejo. Arfei ao senti-lo massagear minha entrada, que já se encontrava lubrificada. Yoongi então mordeu a minha bunda, e virou mais uma vez o meu corpo.

Sem demora, colocou meu pênis na sua boca, e começou a chupá-lo enquanto acariciava a minha cintura. Gemi e me remexi na cama, sendo atingido pela sensação maravilhosa da língua de Yoongi na minha glande. Choraminguei manhoso, quando senti uma leve mordida na minha glande, e uma energia passou por todo o meu corpo. Ele começou a aumentar a velocidade que me chupava, e arqueei as costas, respirando fundo e gemendo intensamente. Logo toda aquela energia que tinha se espalhado pelo meu corpo se concentrou no meu pênis, e então me desfiz na boca de Yoongi, gemendo manhoso, com o corpo trêmulo.

O alfa não me deu nem tempo direito para respirar. Retirou a cueca que era a única peça que vestia, e ergueu minhas pernas. Posicionou seu pênis na minha entrada, e então me penetrou lentamente, entrando e saindo. Soltei um gritinho e agarrei o lençol da cama, arqueando as costas. Mais uma vez ele entrou e saiu de mim, me fazendo movimentar meu quadril ansioso por mais. Eu o queria inteiro dentro de mim. Yoongi então parou de brincar, e me penetrou de uma vez, fazendo um gemido alto sair dos meus lábios. Revirei os olhos, e senti ele se debruçar sobre mim, pegando minhas mãos, e as colocando acima da minha cabeça, entrelaçando nossos dedos.

Ele começou a se movimentar, e ouvi seus arfares de prazer, enquanto nossos corpos se uniam na mais perfeita sintonia. Ergui minha cabeça, a procura dos seus lábios, e logo os encontrei. Yoongi me beijou intensamente enquanto me fodia com força. Nossas línguas se movimentavam juntas, em uma enorme confusão de sentimentos. Era o caos mais perfeito do mundo. Atingi o segundo orgasmo, assim que o pênis dele chegou ao meu ponto sensível. Tive meus gemidos abafados pela boca dele, que continuou mantendo o ritmo acelerado. Yoongi interrompeu o beijo, mas uniu nossas testas enquanto se movimentava dentro de mim.

Uma de suas mãos deixou a minha, e foi até o meu pescoço, o apertando suavemente. Tudo estava confuso na minha cabeça, era tanto prazer que eu não conseguia processar. Yoongi então começou a gozar dentro de mim, formando o nó. Nós dois nos encaramos naquele momento único e perfeito. Ele soltou o meu pescoço, e então o nó se desfez. A mão trêmula de Yoongi foi ao meu rosto, acariciando a região. Respiramos o mesmo ar, e então ele saiu de dentro de mim, se jogando na cama ao meu lado. Ficamos em silêncio, apenas ouvindo a respiração um do outro. Fitei o teto, e então ponderei se era o momento certo para falar aquilo. Eu acreditava que sim.

— Estou esperando um bebê, Yoonie. — sussurrei e senti o olhar dele sobre mim. Não o fitei, apenas continuei a encarar o teto.

Desde que Jimin tinha sumido sabe-se lá pra onde com o filho dos dois, Yoongi ficou muito deprimido. Ele queria tanto aquele bebê… queria dar o amor que nunca tinha recebido. Mesmo não estando com Jimin, queria mostrar para aquela criança que a amaria, não importando o que acontecesse. Sabia que aquilo era muito importante pra ele, então, estava procurando o momento certo de contar.

— É sério? — perguntou ainda me fitando.

Virei o rosto para ele, e sorri.

— Sim, meu amor. É muito sério.

Yoongi abriu o mais lindo sorriso gengival, e me abraçou com todo o amor do mundo. Ele me encheu de beijos e fez carinho na minha barriga, maravilhado com tudo aquilo. Depois de tudo, Yoongi e eu encontramos o nosso final feliz. Não seria fácil, nunca é, mas estaríamos juntos, e aquilo era um bom motivo para seguirmos em frente. Fiz carinho nos cabelos loiros de Yoongi, enquanto ele deitava na minha barriga. Era bom aquele sentimento, era bom finalmente sentir paz.


Notas Finais


Esse é o fim de Yoonseok... mas aguardem, pois o Epílogo lhes trará muitas coisas inusitadas...
No mais, gostaria de dizer que Minerais & Couro foi uma história muito desafiadora e incrível pra mim. Desde o desenvolvimento de personagens, e tramas que existiram, tudo foi pensado com muito carinho, e foi também uma bela maneira de me expressar. Muitas pessoas se identificaram com os personagens, e embarcaram nessa jornada comigo. Essa história não era nem pra ser tão longa assim, mas eu sempre estava tendo ideias, então decidi explorá-las da melhor maneira possível. É com muito orgulho que encerro essa história do meu shipp favorito, e me vejo pronta para a próxima aventura! Muito obrigada a todos que me acompanharam, ao pessoas do grupo no whatsapp que sempre me ajudavam sem nem mesmo saberem que estavam o fazendo, aos meus amigos que me enchiam de inspiração, e aos amigos que surgiram exatamente por causa dessa história. Obrigada a todos... e acho que já falei demais kkkkkkk vejo vocês em Girassóis de Fogo, e em quem sabe, uma nova aventura.

Link do grupo no whatsapp: https://chat.whatsapp.com/3JWg9qkcKGK48uoCCQ2gh8

Muito obrigada mesmo, por tudo. Como sempre, lembre sempre de amar a si mesmo(a)!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...