1. Spirit Fanfics >
  2. Minha amada Magnólia >
  3. Calmaria antes da tempestade

História Minha amada Magnólia - Capítulo 29


Escrita por:


Notas do Autor


Bommmmmmm
Não tenho desculpas pra demorar tanto, eu escrevo por hobbie, tenho 21 anos e trabalho o dia todo e estudo de noite, gnt meu tempo é super limitado e estou sempre exausta kkkkkk mas enfim, espero que os poucos e fieis fãs dessa historia ainda estejam aqui e quero dizer que amo todos vocês e amo quando comentam e que continuo escrevendo mesmo que demore kkkk
Acho que esse foi o maior texto que já fiz aqui no começo.
Boa leitura bbs

Capítulo 29 - Calmaria antes da tempestade


Natsu

 

O prazer ao sentir meu punho esmagando a cara de um idiota qualquer era indescritível. Em especial porque eu tinha onde descontar todo o meu desgosto por como meu relacionamento foi por água abaixo.

_ Salamander vence a luta! _ Um outro idiota gritou no microfone para os demais idiotas fora do ringue.

Esse lugar é nojento.

E eu também sou, já que estou ligado a ele.

Desci ignorando a todos e segui para o vestiário, precisava sair logo desse inferno. Se Lucy for na festa depois do jogo da escola, eu com certeza vou querer estar lá para vê-la.

Ainda que apenas ver de longe não seja nem perto o que quero fazer com ela.

_ Boa luta. _ Zera tinha um envelope em mãos enquanto aguardava ao lado da porta. Peguei o envelope sem me dar ao trabalho de responder.

Sequer olhei em sua direção quando me chamou de imbecil, apenas segui pela multidão acalorada gritando por sangue, e só pude respirar fundo quando já estava ao lado de fora.

Peguei meu celular e disquei para Sting.

_ Fala.

_ Ela vai na festa?

_ Cana vai convencê-la a ir, quando chegar lá me dá um toque, vou sair de perto pra você tentar falar com ela.

_ Ok, valeu.

_ Mas tenha paciência, você sabe que ela é sensível.

_ Eu vou ter.. _ suspirei _ Só não consigo ficar longe, faz meses que faço tudo com ela e quando finalmente ficamos juntos toda a merda acontece.

_ Eu sei, ela vai voltar ao normal, só precisa de tempo para se acalmar.

_ Espero que tenha razão.

 

~°~

 

A música era horrível como de praxe todos já estavam bêbados e a pessoa que eu queria ver ainda não estava aqui.

Andei pela casa lotada com uma cerveja na mão sentindo como se estivesse numa novela brega ou num filme clichê, ela não saía da minha cabeça em nenhum momento.

_ Você está um lixo _ sorri me virando para Lis.

_ Falou a garota com muletas _ Respondi apontando para sua perna imobilizada. Ela deu de ombros e encostou na parede ao lado parecendo cansada. _ Vamos procurar um lugar pra sentar.

Ela sorriu pra minha sugestão.

_ Soube que teve problemas depois do acidente. Sinto muito por isso. _ alguém havia contado sobre o que houve com Lucy pra ela.

As fofocas voam nessa escola…

_ Não se preocupe.

_ Lucy deve ter ficado chateada, em parte a culpa é minha, eu acho que fiquei muito ciumenta, todo mundo sabia que eu ainda gostava de você. _ lhe dei meu melhor sorriso de cafajeste.

_ Eu sou irresistível, a culpa deve ser minha.

Ela me deu um soco no ombro rindo.

_ Ai, cala a boca, sério!_ eu ri ainda mais de sua cara enjoada _ Você é um idiota.

_ É.. eu sei, não é a única a achar isso… _ falei com uma careta.

_ Lucy está brava?

_ Brava é amenizar a situação. Ela nem olha na minha cara.

_ Ela é doida por você, isso é óbvio pra todo mundo, tenta falar com ela hoje. _ Receber conselhos amorosos da minha ex era muito esquisito.

_ Vou tentar, se ela vier…

_ Mas ela veio _ levantou uma sobrancelha _ Você não a viu? Na piscina com a Cana.

_ Eu não vi… _ levantei do sofá e olhei pra fora.

_ Está no canto, eu estava lá com elas, as líderes estão todas ali _ Ela sorriu maldosa _ você sabe, elas tem que exibir que são gostosas demais para qualquer cara dessa festa.

Estreitei os olhos para a provocação.

_ Vou tentar falar com ela. _ Respondi decidindo ignorar o que ela disse antes.

_ Boa  sorte _ acenou com os dedos e depois fez sinal para alguém atrás de mim. Eu ri ao constatar um dos caras do time levando bebidas para ela como servos.

Ao sair para a área da piscina, não tive que procurar muito as garotas. Lucy estava maravilhosa espalhada numa cadeira de descanso, com óculos escuros e um biquíni que ressalta todas as suas curvas, o cabelo preso em duas tranças a deixava totalmente linda, e a verdade é que estou tão fodido, que não existe nada que a deixasse menos bonita aos meus olhos.

Senti um sorriso idiota tomar meu rosto enquanto a olhava como um pervertido ou um perseguidor maluco. 

Mas cada boca que passava e cumprimentava ela com beijo no rosto me fazia sentir uma pontada aguda de ciúmes. Quantos caras pretendiam, ainda, cumprimentar a minha garota?

Mas, então,  alguém esbarrou em mim e quase me jogou na piscina. Me tirando dos diversos devaneios ridículos. 

_ Não olha por onde anda?! Seu filho da…

_ Você estava com cara de imbecil olhando a minha prima então decidi te ajudar _ Sting retrucou com ar superior.

_ Babaca… _ Resmunguei. E então ele me entregou os copos que segurava.

_ É pras meninas, vou pegar mais pra nós dois enquanto você leva esses.

_ Bom plano _ falei fingindo estar impressionado.

_ Eu sou um gênio.

Revirei os olhos e andei devagar até onde elas estavam, Lucy seria capaz de me enxotar aqui na frente da escola inteira? Tremi ao lembrar de seus olhos me fitando friamente, até mesmo ela pode ser malvada.

_ Espero que um desses copos seja pra mim Dragneel! _ Cana exclamou parecendo, já, bêbada o bastante na minha opinião, mas eu sabia que ela ia beber até cair. Cana era famosa por sempre encher a cara até o limite e o vexame. 

Eu tenho um vídeo dela de quando bebeu o bastante para subir dançar na mesa, bater a cabeça na viga do teto e desmaiar. Aquele dia foi muito engraçado.

Mas aparentemente ela não era a única bêbada.

_ Não chega perto de mim mentiroso do caralho! _ arregalei os olhos por ouvir o palavreado que eu não estava acostumado a ouvir de sua boca.

_ Lu, vamos conversar! _ Falei entregando as cervejas e sentando no chão ao lado da cadeira dela.

_ Não quero mais falar com você, mentiu pra mim. _ virou o rosto e bebeu mais da cerveja._ Me magoou, e fez mais coisas que não lembro agora mas me irritaram! 

_ Você não pode ficar brigando comigo! Vamos voltar, por favor.

_ Não, e a gente briga muito mesmo porque você é irritante, é melhor assim.

_ Para de ser louca, você que começa as brigas.

_ Você que reclama de tudo! Você reclama até dos sabores de sorvete que eu vou tomar!

_Certo, abacaxi ao vinho é esquisito. E eu vou reclamar menos, e vamos brigar menos.

Ela estreitou os olhos pra mim.

_ Não.

_ Você só pode estar me testando Heartfillia. Ainda mais desfilando nesse biquíni  minúsculo na frente da escola inteira! Vamos conversar em outro lugar.

_ Não, eu tô solteira, uso o que quiser. _ foi quando ela finalmente conseguiu me irritar. 

E ela sabe que paciência não é o meu forte.

_ Você tá solteira porra nenhuma! _ me inclinei para seu rosto emburrado e não resisti e dar um selinho naquele bico. Ela estava irritada, mas foda-se eu também estava. _ Vai ter que me aceitar de volta.

Lucy me fitou profundamente e pude ver a raiva faiscando nos seus olhos quando me empurrou e levantou da cadeira. Vestiu um shorts jeans que estava no chão e andou para fora da área da piscina comigo em seu encalço.

Dava pra ver o quanto tinha bebido quando ela teve que se apoiar um pouco no corrimão da escada que levava ao deque na praia, para manter o equilíbrio. Isso me fez querer socar a Cana, a minha Lucy geralmente não bebe tanto.

Ou talvez a culpa seja minha mesmo, ela estava chateada por minha causa.

_ Opa! _ segurei seu braço quando ela titubeou novamente.

_ Me solta! _ puxou o braço e então vi que ela estava chorando quando se virou pra mim. A essa altura já estávamos pisando na areia clara e eu podia ouvir melhor as ondas batendo no mar.

Não tinha ninguém ali, por conta da festa bombando. Mais uma vez estávamos na praia de noite, só que agora não era ela quem me queria, eu a queria de volta.

Segurei seu braço novamente e a virei pra mim forçando-a a olhar no meu rosto. Seu rosto banhado em lágrimas era doloroso de ver.

_ Me perdoa. _ falei puxando corpo pra mim e abraçando enquanto ela desabava. _ Me desculpa Lu. Eu juro que não foi nada planejado ou calculado pra te machucar. Eu apenas não achei que precisaria te contar, ele estava preso e não temos mais nenhum relacionamento…

Ela não me abraçou e quando os soluços pararam ela me afastou.

_ Você não me dá espaço! Eu preciso respirar, Natsu. Você não entende mas quando as coisas ficam assim fora do meu controle eu fico maluca! Eu não consigo reagir, Brain está solto por aí e eu estou sendo seguida por seguranças pra todo lado.

Olhei em volta mas não vi ninguém.

_ Sting os deixou do lado de fora da casa, disse que eu ficaria ali dentro sob qualquer circunstância._ esclareceu.

_ Eu não consigo te dar espaço. Quero estar com você o tempo todo, eu estive com você o tempo todo desde que veio pra cá _ Segurei seu rosto e me aproximei _ Não me pede pra ficar longe, princesa, porque é mais forte que eu, só quero ir onde você estiver e fico insuportável por não me aproximar.

Lhe dei um selinho e senti nossos lábios molhados por suas lágrimas.

_ Para com isso…. _ falei novamente e ela colocou a mão no meu ombro. Pensei que fosse me afastar novamente, mas então, eu estava sendo puxado para seus lábios que encostaram nos meus ansiosos e abertos, deixando sua língua invadir minha boca ainda fechada de surpresa.

Ela foi ainda mais fundo explorando minha boca, e eu retribui voltando da surpresa em que fui pego. Ela sorriu entre o beijo e a puxei colando nossos corpos ansioso por mais contato.

_ Senti tanta saudade… _ murmurei baixo e senti uma das pernas dela se levantar e entendi que ela queria subir. Me curvei para puxar a outra perna e impulsionei seu corpo pra cima, Lucy envolveu as pernas em meu quadril e eu procurei um apoio para encostá-la.

Não havia lugar nenhum ali, se voltasse pra casa os outros nos veriam. Ela desceu beijos para o meu pescoço e lambeu o lóbulo da minha orelha. 

Eu gemi baixo e ela riu.

_ Vamos fazer isso aqui no chão…_ Ela falou baixinho e senti um arrepio subir a espinha. Transar na praia. Na areia. Era o que ela estava sugerindo.

Respirei fundo, precisando recuperar o juízo. Ela está bêbada, nada do que diz pode ser levado em consideração.

_ Vamos pra minha casa… _ Minha mãe está de plantão e o pessoal não está lá, era uma ótima oportunidade.

Ela suspirou e me soltou pulando do meu colo.

_ Vamos, mas vai me pagar uma pizza.

_ Tudo bem. _ concordei de imediato e recebi um sorriso maldoso.

_ Fácil assim? 

_ Fácil assim _ concordei acenando.

_ Eu também quero uma massagem…

Acenei novamente concordando.

_ E sorvete? _ Ela continuou falando coisas que queria enquanto eu acenava que sim até chegar no meu carro, enquanto Lucy ria pensando em mais coisas que me obrigaria a fazer. E eu faria.

 

Levy

 

Desci da moto ainda rindo da situação inusitada em que me meti.

_ Você nunca vai cansar de rir? Quase fomos pegos no flagra. _ Gajeel resmungou segurando a minha mão ao seguir para a casa lotada de Bradd.

_ Mas é que a sua cara quando eu desci, bem fina, fazendo a louca foi impagável. 

_ Você não viu a cara que seu pai fez quando me viu no sofá.

_ Mas eu imagino _ Ri novamente olhando em volta. _ Vamos beber?

Ele arqueou uma sobrancelha.

_ E desde quando nerd bebe?

_ Essa bebe, vamos!

_ Porque tenho a impressão de que vou ser sua babá hoje?

_ Não quer ficar comigo, vai pros seus contatinhos. _ provoquei olhando a muvuca de pessoas. _ Eu encontro as meninas rapidinho.

Ele segurou mais firme a minha mão e me puxou pra perto. 

_ E perder o show que você vai me dar quando começar a dançar? Não me provoque, Levy, eu te coloco no meu colo aqui na frente de todo mundo.

Corei com a promessa. Mas ainda assim o provoquei novamente.

_ Ah! Eu duvido.

Ouvi apenas seu riso irônico antes de avistar Juvia acenando pra mim na beira da piscina, onde Gray dentro da água estava confortavelmente apoiado em suas coxas pálidas.

_ Senta com ela, vou buscar as bebidas. _ Gajeel decretou.

_ Você perdeu o casal problema reatando e lavando a roupa suja. _ Ela se referia a Natsu e Lucy. Era incrível como viviam brigando.

_ Como sempre? _ Eu ri, mas não podia falar muito nesse aspecto da vida alheia, eu tinha meu próprio cara problema, e Juvia também costuma brigar em público com Gray._ Cadê eles?

_ Eu vi ele roubando um beijo e depois ela levantou e saiu, devem ter brigado mais um pouco e agora estão transando.

_ Provavelmente.

_ Sexo de reconciliação costuma ser quente. _ Eu corei, ainda não estava acostumada com o jeito despreocupado com que ela falava. Mas Gray riu e a olhou malicioso.

_ Vamos brigar por esse biquíni indecente que está usando? _ Ele flertou e eu ri da insinuação, Juvia apenas abaixou para flertar mais e era como se eu não estivesse aqui quando começaram os beijos.

Até que a minha bebida chegou.

_ Devíamos seguir esse belo exemplo de como curtir uma festa, e continuar o que começamos na sua casa _ Gajeel sussurrou sentando ao meu lado. Eu balancei a cabeça e lhe dei um sorriso. 

_ Se comporte.

_ Acho que não _ ele falou antes de pegar meu copo e se aproximar devagar do meu rosto. Senti sua mão grande nas minhas costas e fechei os olhos querendo um beijo. Gajeel me deu um singelo selinho nos lábios e eu me dei conta de que sua intenção não era me beijar.

Gritei ao ser empurrada para água.

_ Eu vou te matar _ prometi quando ele entrou em seguida.

A briga infantil de água durou apenas o tempo de Gajeel conseguir se aproximar de mim e me levantar, enrosquei minhas pernas ao redor do tronco forte e tive a boca tomada por um beijo calmo.

Ali na piscina, na frente da escola toda.

Ele não se importava com quem estava nos olhando e eu apenas corei dos pés à cabeça com isso.

Ele estava definitivamente nos assumindo em público.

 

Sting

 

Eu definitivamente não sou o tipo de homem que vai ficar apenas olhando as provocações dirigidas a mim sem mover nem mesmo um músculo.

Cana sorria para aquele maldito mauricinho de forma quase obscena enquanto dançava de biquíni na beira da piscina, ela já tinha passado do ponto há algum tempo pelo que notei da quantia que ela bebeu. Mas saber que a morena estava bêbada não diminuiu meu desgosto ao ver o resultado de sua embriaguez.

Mas me consolava ver que ele estava longe dela, nem mesmo tentou chegar perto, provavelmente temia ser detonado pelas outras garotas, as líderes costumavam ser bem fechadas nas festas. No sentido de que nenhum cara aleatório iria conseguir tirar uma bêbada do meio do grupo. Era como uma guarda. 

Só que isso não me deixava menos irritado, ela devia estar olhando pra mim, dançando pra mim. James cada vez mais parecia uma pedra no meu sapato. Até a respiração do infeliz me irritava à essa altura.

Cana finalmente saiu de onde estavam as meninas e seguiu em direção ao cara. Fechei o punho e virei toda a minha cerveja para ir atrás dela.

Mas não vai ficar com ele mesmo!

_ Opa! _ falei quando cheguei perto e ela cambaleou quase caindo, ia ser uma queda direta para dentro da piscina._ Tá ventando é?

Ela deu risada ao se segurar em mim.

_ Cala a boca Eucliffe. _ A morena me encarou com os olhos caídos de tanto beber.

_ Acho que devemos ir, já bebemos demais e essa festa está um saco.

_ Não! Eu estava indo falar com o gatinho do comitê. _ Apontou para o rapaz sentado em uma das mesas com mais alguns idiotas nerds do mesmo naipe.

_ James? De novo? _ Abracei sua cintura a obrigando a olhar pra mim _ Você nem se aguenta mais em pé.

_ Ele pode me carregar.

_ Tenho certeza de que ele não aguenta… _ Sorri para sua cara se fechando.

_ Está dizendo que estou gorda?! _ Ela olhou para a própria barriga chapada e até mesmo com deliciosas entradas para o pecado nas quais me perdi alguns segundos encarando por conta da roupa indecente e do shorts totalmente aberto para mostrar o biquíni.

_ Eu estou dizendo que ele não vai conseguir te carregar. _ Forcei o braço para mostrar meus bíceps, a fazendo rir de novo _ Já esses maravilhosos braços podem te levar pra onde quiser.

Ela deu um sorriso sacana que nunca tinha sido dirigido a mim tão diretamente. Ainda mais com essa maldita cara de safada.

_ Pra onde eu quero ir, você não pode me levar Stingzinho.

Ah, porra. Engoli seco tentando me concentrar em outra coisa que não fosse o fato de que ela estava literalmente encostando em mim e espremendo os peitos nos meus no processo.

_ Você está fora de si, nunca faria isso em sã consciência.

_ Se me deixar beber mais um copo podemos ir embora, ok?

Era uma ideia ruim, ela ficaria ainda mais maluca. Mas ela não pediu exatamente a minha opinião sobre o assunto, simplesmente foi tropeçando até onde estavam fazendo bebidas e encostou no balcão falando diretamente com Bradd.

_ Ei gostoso _ Revirei os olhos para sua língua solta ao falar com outro cara. _ Faz alguma coisa gostosa pra eu beber…

Era uma ordem. Cruzei os braços observando a interação. Bradd estava tão bêbado quanto ela.

_ Olha princesa, não vai ser tão gostosa quanto eu.

_ Hmm, mas você serve então. _ Arregalei os olhos para a situação, que havia acabado de sair do controle e coloquei a mão entre os dois impedindo que ele conseguisse beijar essa maluca.

_ Mas que merda! _ Gritei para ela irritado e peguei um copo qualquer que já estava pronto no balcão. _ Acabou pra você hoje Cana. E você _ Apontei para Bradd que levantou os braços saindo de perto de mim _ Fica esperto.

_ Você cortou dois esquemas meus já, seu imbecil! _ Ela virou todo o conteúdo do copo de uma vez e quase caiu da cadeira. Coloquei um de seus braços sobre meu ombro e a puxei indo em direção à saída da casa enquanto ela me xingava. _ Isso, por acaso é ciúmes Eucliffe?

Nesse momento, quase a derrubei.

_ Ciúmes? De você? _ Zombei nervoso de repente. E Cana com uma força que não devia ter, me virou de frente pra ela e me encostou no carro de alguém que estava no gramado da frente.

_ É..._ O sorriso malicioso dominou seu rosto de novo e fez meu membro se apertar na bermuda que estava usando, que por acaso era de tecido fino e facilmente notável. _ Você tem ciúmes de mim, mas ultimamente está pior.

Ela soprou em meu ouvido e depois deu um beijo em meu pescoço que me fez tremer e ficar mais excitado.

_ Cana, você não devia fazer isso, vai estar arrependida amanhã. _ Falei tentando manter minhas mãos longe do corpo dela que estava totalmente apoiado no meu.

_ Eu podia me arrepender de pegar qualquer um aqui, Sting, mas não você _ Ela foi para o outro lado do pescoço e distribuiu ainda mais beijos e lambidas. _ Fazer o que eu quiser com você vai ser apenas a realização da maioria das minhas fantasias…

Eu prendi a respiração com a confissão e senti o desconforto no meu pau se aliviar um pouco quando ela se esfregou na minha ereção descaradamente.

_ Porra, Cana! _ Reclamei puxando sua cintura contra mim e enfiando meu rosto em seu pescoço apenas para sentir seu perfume. O perfume que me deixa louco durante as madrugadas que ela dorme na minha cama sem imaginar metade das coisas que eu queria fazer com ela.

_ Você nunca se sentiu tentado? _ Perguntou em um gemido enquanto passava uma mão em meu cabelo e me obrigava a olhar em seus olhos para responder. _ Porque dormir com você é uma tortura pra mim loirinho.

Ela me beijou logo depois de confessar que eu não era o único fodido na nossa amizade, o gosto de cerveja e vodka inundou meu paladar enquanto a língua dela explorava minha boca com veemência. Minha reação tardia a essa investida, foi segurar o rosto dela e olhar em seus olhos, Cana estava muito bêbada, e não importa se o que ela sente é verdade.

_ Eu me sinto tentado, morena… Mas vamos falar sobre isso depois, agora eu tenho que te dar alguma coisa pra comer e te dar um banho, você nem consegue andar. _ Fechei os olhos irritado _ Você provavelmente nem vai se lembrar disso amanhã. 

Ela me encarou vesga por um segundo e eu quis rir de sua cara de idiota, até que ela se curvou e vomitou tudo, quase me acertando no processo.

_ Ainda bem que não foi no meu carro, você ia ter que lavar sozinha amanhã.

_ Cala a boca, imbecil.

Ela continuou vomitando enquanto eu segurava seu cabelo em uma mão e ligava para Lucy com a outra.

_ Eu tô saindo fora, vai comigo? _ Perguntei quando ela atendeu.

_ Estou no Natsu, Cana está com você?

_ Cana deu PT.

_ Merda, ela ia pegar as minhas coisas, ficou tudo na minha bolsa, dá pra você pegar e trazer pra mim? Pede pra alguma das meninas, As minhas coisas que estão na piscina são só uma camiseta e uma bolsinha.

_ Pego… _ Revirei os olhos. _ Sabe se essa idiota trouxe alguma coisa? Ela está quase pelada aqui.

_ Tem uma camiseta dela e o celular só eu acho. Nós deixamos quase tudo no carro.

_ Ok.

 

~º~

 

_ Vamos lá gata, vai ter que tirar essa roupa molhada e tomar um banho… _ Falei colocando a morena sentada no vaso sanitário do meu banheiro. Tive que fazer malabarismos para entrar com ela sem meus pais verem.

_ Não quero! _ Ela cruzou os braços como uma criancinha.

_ Por favor, morena não me complica, tira o biquíni enquanto eu pego uma roupa e toma banho pra dormir de boa.. Tem até um lanche pra você ali na cama, lembra?

Cana continuava me testando e levantou os braços indicando que eu devia tirar o biquíni dela. Respirei fundo tentando achar meu juízo e bom senso, um cara decente não iria ceder a isso.

_ Eu...Não posso. _ Falei rapidamente ouvindo sua risada idiota ecoar no banheiro.

_ Me ajuda a tirar _ Falou dengosa e pegou minha mão levando até seu biquíni para indicar o que queria de mim.

Deus me ajude.

 

Lucy

 

Acordei durante a madrugada sentindo a mão de Natsu agarrando possessivamente minha cintura e quando me mexi um pouco, tentando sair para tomar água, ele me puxou ainda mais perto me prendendo com os dois braços.

_ Não sai daqui..._ Murmurou baixo colocando o rosto na minha nuca e respirando fundo._ Seu cheiro me acalma.

_ Só preciso tomar água… _ Expliquei tentando sair novamente. Ele gemeu descontente e me soltou.

_ Tudo bem… Eu deixo.

Revirei os olhos com desdém para sua declaração. 

_ Como se eu precisasse da sua autorização… _ Sussurrei para provocá-lo e corri antes que seus braços pudessem me puxar de volta.

Tomei meu copo de água sentindo a cabeça latejar e fucei algumas gavetas nos armários procurando remédios para dor.

Tomei e voltei ao quarto.

Deitei lentamente na cama e quando dei por mim já estava entre os braços forte que que seguravam preguiçosamente enquanto uma mão descia vagarosamente pelo meu corpo ofeguei ao sentir sua respiração no meu pescoço e o estiquei querendo a boca dele ansiosa.

A mão tocou no meu clitóris e eu gemi baixo, empurrei meu corpo para trás querendo ter todo o corpo dele encaixado no meu. Senti o pênis duro preso na cueca e estremeci perdendo toda a postura com o prazer que ele estava me proporcionando.

Coloquei uma mão para trás alcançando o membro pulsante e o apertei entre meus dedos, a carne quente ficou ainda mais firme e ele ofegou aprovando minha iniciativa.

Estávamos suados apenas com isso, enquanto nos masturbamos em harmonia e eu sentia o que ele queria pois ele o fazia no meu próprio corpo.

Era alucinante estar ali, mas eu queria mais.

_ Tira isso _ falei da cueca que me impedia de puxá-lo para fora e encaixar perfeitamente em mim.

Os segundos que demorou para que ele puxasse a roupa para baixo e que nos ajeitamos de forma que ele pudesse entrar em mim daquela forma lenta e deliciosa, fizeram tudo parecer ainda mais insano.

Natsu era gostoso demais para ser meu.

Apertei o rosto contra os lençóis da cama e gemi alto quando ele me estocou mais fundo. Toda a saudade que sentimos um do outro estava ali, era alucinante sentir nossos corpos pele a pele.

Eu sentia êxtase enquanto ele penetrava com força e lentamente e sua mão ainda estava massageando meu clitóris tortuosamente.

Estiquei uma mão para trás puxando seu rosto em direção ao meu pescoço e me encostei totalmente nele. Nenhum espaço poderia ficar entre nós e quando a língua quente passou em minha orelha eu senti meu corpo inteiro tremer e não contive o grito de prazer que me fez desmontar em seus braços.

_ Isso, meu amor… você ficou linda assim, gozando pra mim. _ ele me apertou ainda mais em seus braços e me segurou enquanto eu tremia convulsivamente.

Natsu só me soltou quando lembrou que não tínhamos usado proteção e gozou em minhas coxas, me fazendo ter uma crise de riso por nosso descontrole.

_ Não é engraçado! _ ele resmungou se levantando e me puxando em direção ao banheiro.

_ É sim… olha isso _ empinei meu traseiro com sêmen escorrendo em sua direção. 

Ele estreitou os olhos.

_ Isso está me deixando excitado de novo, melhor entrar no chuveiro logo _ ele riu me dando um tapinha antes de nos colocar dentro do box.

Eu lhe dei um beijo enquanto a água caía sobre nós e parecia que minha vontade dele não ia passar tão cedo.


 

Wendy

 

_ Você é um idiota se acha que pode me trazer aqui! Esse lugar é nojento. _ Falei para Romeo enquanto era guiada pelo corredor escuro até a maldita luta para a qual ele foi chamado, luta essa que acabava com minhas expectativas de filme para essa noite.

_ Eu perguntei se queria que eu te levasse pra casa antes.

_ Eu queria fazer alguma coisa divertida!

_ Você sabe que eu não tenho controle dessa merda! Porra, eu te liguei avisando também.

Entramos em uma porta de madeira toda batida e dentro havia um vestiário comum, parecido com o de qualquer academia, só que mais sujo.

_ Eca.

_ Hmmm, as acomodações incomodam a princesa _ ele zombou tirando a camiseta. 

_ Um pouco, mas não posso reclamar da vista _ sorri encarando seu abdômen.

Romeo cobriu o corpo com a camiseta e fingiu estar indignado.

_ Wendy não estou gostando desse seu caráter _ Nós dois começamos a rir pelo seu tom de voz ridículo. 

_ Uau, isso está virando uma creche. _ A voz feminina carregada de sarcasmo soou e me virei em direção á porta.

A garota era linda e isso não se podia negar, o sorriso era debochado, assim como sua postura. Romeo imediatamente ficou sério.

_ Boa noite, srta. Vermillion. _ falou formalmente fazendo a outra revirar os olhos.

_ Ela não devia estar aqui, vai acabar me arrumando problemas. _ Ela parecia levemente aborrecida.

_ Ela vai ficar quieta.

_ Viu a multidão lá fora de homens, vão pisoteá-la! _ ela suspirou e me encarou, por um segundo seu olhar ficou terno como se me conhecesse. _ Tudo bem. Ela fica comigo, você luta e depois de se trocar sobe buscá-la na minha sala.

Romeo travou por alguns segundos.

_ Não sei se…

_ Não se preocupe, eu não sou esse monstro que vocês pintam, posso cuidar dela por alguns minutos.

Romeo me olhou pedindo desculpas e dei de ombros mostrando que ficaria bem. Ela não parecia ser alguém que me prejudicaria de graça.

Mas eu nunca imaginei que aquela noite seria tão traumática na minha vida.

 

.

 

 

.

 

 

.

 

 

.

 

 

.

 

 

Zeref

Meus dedos se fecharam com força em volta do celular ao ver a foto da garota de cabelos azuis. Dentro. Do. Meu. Bar.

"Essa princesinha te parece familiar?" 

O numero desconhecido fez com que todos os pêlos do meu corpo se arrepiassem com a ameaça implícita na mensagem.

Protegi Lucy Heartifillia como pude, sem pensar que talvez, ela estivesse velha demais para Brain e que o alvo de sua vingança poderia ser eu.

A minha irmã....

Olhei a foto, Zera estava ao lado dela, e ambas olhavam para o ringue. O garoto Heartifilia a levou até lá, mesmo depois que eu disse para Zera não deixá-lo fazer isso.

Disquei o número da morena completamente fora de mim.

Zeref? _ela estava com medo.

_ Tire Wendy daí, ela está em perigo, leve o garoto e quantos guardas conseguir, proteja-os e se esconda!

Desliguei acelerando o carro ao máximo, vou achar quem tirou essa foto e torturá-lo até encontrar Brain.

Dessa vez esse filho da puta arrumou um problema com o qual ele não vai saber lidar...

 

 

 


Notas Finais


Hihibi espero que estejam PEGANDO FOGO.
porque é o que vou fazer com essa história agora.
ESPERO QUE COMENTEM


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...