História Minha "Amiga" Vampira - Capítulo 27


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Vampiros
Visualizações 6
Palavras 1.412
Terminada Não
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Ficção Científica, Mistério, Romance e Novela
Avisos: Linguagem Imprópria
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 27 - Analógico


Sem ter muito o que fazer eu continuei o tratando mal, principalmente pelo fato de já ter começado com isso, mas algumas vezes o fitava e me perdia em pensamentos relacionados a ele, como esse garoto é o Panda, como ele consegue fazer o que faz e porque ele veio parar aqui.

Hoje seria o dia em que a professora de história passaria um filme que retratava sobre um homem que virou escravo e ficou do lado do faraó do Egito, José o nome, se não me engano, já assisti diversos filmes relacionados a essa história bíblica, mesmo assim nunca deixam de ser interessantes.

- Bom dia alunos – A professora disse entrando na sala com o computador em mãos – Hoje, como sabem, nós vamos assistir ao filme que eu lhes disse – Explicou colocando o computador na mesa, então olhou para a sala enquanto – Quem lembra o nome do filme?

- José – Respondemos, fitei o novato e o vi deitar a cabeça sobre a mesa.

- E por que vamos assistir esse filme? – Ela perguntou, eu me levantei para responder e o novato respondeu junto comigo, com as mesmas palavras, eu o fitei, mas ele estava fitando o quadro apenas, eu me sentei e esperei a professora colocar o filme, entretanto me surpreendi quando ela começou a mexer no computador com desespero, o novato foi para a cadeira dela e entendeu do que se tratava.

- Isso é um vírus, professora, um dos grandes – Respondeu, arqueei uma sobrancelha, como se isso não fosse óbvio.

- Ótimo, eu mal-uso ele e ele ganha um vírus quando uso, droga!

- Deixa que eu resolvo, só preciso da cadeira e de um telefone, você poderia me emprestar o seu, por favor – Falou, coloquei minha mão sobre o queixo e notei vários alunos que estavam se preparando para dormir se ajeitar em sua carteira e ver o que o novato estava fazendo.

- Claro, aqui está – Ela respondeu entregando-o o celular ele discou um número e colocou na viva voz.

- Alô, senhor? – O homem falou no telefone, arregalei os olhos e notei muitos outros fazerem o mesmo.

- Sim, sou eu.

- O que o senhor deseja – A forma que esse cara falava era estranha, era como se o Novato tivesse criado ele ou ele fosse seu mestre.

- Estou com um problema de computador, preciso do analógico, tem como você enviar ele para mim? – Perguntou, dei uma risada, mas a segurei rapidamente, como assim enviar?

- Certo, já peguei sua localização, abra a janela do lado da mesa, ele chegará em 10 segundos, esteja preparado para o pouso – Segurei o riso novamente, eu estava voando no que ele estava falando, mas o vi ir para a janela e abri-la.

- Enviando agora – Falou e começou uma contagem e quando terminou um avião de papel apareceu e pousou na mesa da professora.

- Recebido, obrigado – Falou e fechou a janela.

- Por nada – O homem do telefone respondeu pouco antes de encerrar a ligação.

- Agora a parte mais importante, retirar esse vírus daqui – Falou retirando uma espécie de controle antigo do avião, depois conectou no computador.

- Isso é um jogo!? – A professora berrou, me fazendo arquear uma sobrancelha.

- É a maneira mais legal de acabar com um vírus, agora se me der licença – Falou apontando para a cadeira onde ela estava sentada, ela se levantou e ele sentou na cadeira dela.

- Não pense que vou deixar de ver o que está fazendo, garoto – Falou, ele acenou com a cabeça e ela ligou o data show, revelando que o que ele estava vendo era realmente um jogo, uma espécie de jogo de luta, ele usava um personagem que era mal desenhado, o famoso personagem-palito e o inimigo era estranho, uma forma de energia pura, era bonito de se ver, ele lutou contra um oponente revelando uma incrível habilidade em jogos de luta e quando o oponente foi derrotado o data show mostrou a tela do computador normalmente.

- Ok, já foi – Falou retirando o controle do computador e indo para seu lugar, ele se sentou, guardou o dispositivo, deitou a cabeça na mesa e tentou dormir, revirei os olhos, mesmo assim admito que foi impressionante.

***

- Vejo que fez amigos agora, novato – Falei em tom de deboche assim que cheguei na mesa dele, junto dele estavam Jake e Eduardo, basicamente 2 nerds da sala.

- Nós somos três e vocês são três, sabem o que quer dizer? – Riley perguntou.

- Que nós vamos fazer um ciclo de amizade? Duvido muito – Respondeu.

- Só porque você sabe mexer com computadores não quer dizer que conquistou todos – Vivi falo.

- Sei muito bem disso, mas é melhor ter 2 ou 3 amigos que várias pessoas que possam te trair a qualquer momento – Respondeu.

- Garota temos um problema, acho melhor você ir ver e rápido – Jacob falou, eu coloquei a comida no lixo, deixando apenas a maçã, depois fitei o novato.

- Considere isso um agradecimento por ter nos poupados da aula – Falei, então segui para onde Jacob estava – O que foi? – Perguntei assim que estava em um local seguro, já que Jacob é um fantasma e apenas eu e meu pai podemos vê-lo, ele apenas apontou para frente e eu vi os amigos de Damien conversando.

- Eles viram você, eles sabem que o novato sentou em seu canto e contaram a ele, eu ouvi os planos deles e eles planejam dar um trato no novato – Explicou, fazendo aspas com os dedos ao falar trato e isso só podia significar uma coisa.

- Essa não – Falei chocada, Damien nunca vinha na primeira semana de aula, assim como alguns outros alunos, hoje era sexta-feira e o que quer que ele faça com o novato, terá sido culpa minha.

- Mesmo que não admita, você tem um coração bom – Jacob falou e eu percebi que estava chorando.

***

No ônibus, as meninas insistiam que eu contasse o porquê de eu ter saído naquela hora, ou o porquê de eu estar com os olhos levemente inchados quando voltei para a sala.

- Qual é, diz para a gente – Riley insistia.

- Você sabe que a gente não vai contar para ninguém – Vivi confirmava, estavam falando baixo para que os outros não ouvissem, mas creio que isso não era necessário, já que a conversa do resto estava relativamente alta, eu estava com a cabeça deitada sobre os joelhos.

- Você sabe que é melhor quando conta né? – Riley falou, eu acenei com a cabeça.

- Então conte para nós – Vivi pediu e eu acenei negativamente.

- Tem algo a ver com ele, não é? – Riley perguntou, eu acenei positivamente com a cabeça e senti as duas me fitarem sérias, mas elas pararam de perguntar pelo menos e pouco depois elas saíram e depois eu saí do ônibus na minha parada. Ele andava calado, com as mãos no bolso e olhando para baixo.

- Pergunte, pergunte enquanto pode – Jacob falou, eu suspirei baixo.

- Porque aquele Daniel disse enviar pelo telefone? – Falei fitando o chão.

- Lembra que ele me enviou aparelho através do avião de papel? O símbolo de enviar em um e-mail é o avião de papel.

- A outra pergunta – Falou, estalando os dedos na minha frente, ok, você venceu.

- Você acredita no amor à primeira vista – Perguntei ainda sem fita-lo.

- Não.

- Porque?

- Eu acredito na tesão, paixão, ódio, etc. à primeira vista, mas o amor é diferente, porque amor é algo que se constrói e prédios sem estruturas caem.

- Uau, impressionante – Jacob falou e eu tenho de concordar, isso foi lindo de se ouvir.

- Tchau – Falou e eu percebi que estávamos em minha casa.

- Tchau – Respondi, notei ele travar por um instante e me virei para entrar em casa.

- Quem é esse garoto, filha? – Meu pai perguntou assim que cheguei em casa.

- Era um amigo – Respondi sem querer e reparei no que eu disse, eu o chamei de amigos, mas desde quando somos amigos?

- Nicky é um bom garoto, senhor, eu gostei dele, é meio estranho, mas é um cara legal – Jacob falou e depois estalou os dedos em minha frente – Acorda garota, você ainda quer tomar banho, certo? – Falou sorrindo, acenei com a cabeça e fui no meu quarto pegar a toalha e outra roupa para ir no banheiro tomar um banho e depois do banho fui fazer as atividades em meu quarto.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...