1. Spirit Fanfics >
  2. Minha doce vingança >
  3. Capítulo 3

História Minha doce vingança - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


Oi gente, bom voltei de novo e acabei de postar na wattpad agora vim aqui. Espero que gostem do capítulo mas se não gostarem por favor esperem o próximo as vezes estou sem inspiração e também não sou lá uma pessoa criativa mas espero que seja do gosto do cliente. Me avisem caso vejam algum erro ortográfico e se as pontuações ficaram estranham me desculpem, eu me confundo toda nisso aí. Enfim chega de notas que Provavelmente ninguém lê e boa leitura. ♥️

Capítulo 3 - Capítulo 3


Fanfic / Fanfiction Minha doce vingança - Capítulo 3 - Capítulo 3

- DROOOGA!


" Seu nerd de merda, nem ao menos sabe se defender, você tinha mesmo que ser a porra de um inútil sem individualidade?!" pensou bakugou com lágrimas escorrendo seu rosto.


Depois de tudo katsuki foi a delegacia e informou sobre o sequestro de deku. O policial chamou inko e a mesma chegou aos prantos pois não queria aceitar de jeito nenhum e para tentar tranquilizar um pouco a esverdeada o policial garantiu que iriam procurar imediatamente por midoriya.


UMA SEMANA DEPOIS


Em casa inko chorava, já fazia uma semana que seu filho foi sequestrado e não tinham nenhuma pista de seu paradeiro até que o telefone toca. Inko seca as lágrimas e atende.


- A-alô?


- Senhora midoriya, estamos ligando da delegacia. Por favor venha ate aqui junto bakugou.


- S-sim eu irei.


Finalizou a chama e depois ligou para mãe de bakugou perguntando se ele poderia ir junto.

Inko e bakugou chegaram na delegacia e foram levados a sala do delegado.


- Senhora Midoriya, posso te perguntar se essa mochila- apontou para uma mochila cheia de sangue seco em cima da mesa- é a de seu filho?


Midoriya olhou para mochila e teve um choque ao ver que era de izuku.


- É a mochila que ele usava naquele dia.


Respondeu bakugou pois inko estava muito impressionada. 


- O-onde achou ela?


- Achamos numa caçamba de lixo e analisamos o conteúdo, só encontramos DNA de izuku mas nada do sequestrador, até procuramos nos locais próximos de onde achamos isso mas não tivemos resultado; e também encontramos alguns cadernos na mochila.


Mostrou todos os cadernos, um deles sendo aquele que izuku anotava coisas sobre herois. Bakugou tentava segurar as lágrimas pois lembrou o dia que queimou o caderno e o jogou pela janela da sala de aula.


- Senhora midoriya iremos procurar seu filho por mais algum tempo mas se não for encontrado iremos arquivar o caso.


Inko sentiu que vomitaria alí mesmo porém se conteve. Bakugou deixou uma lágrima escorrer por seu rosto, apenas uma, não deixaria sair mais nenhuma, pelo menos não ali.


Depois de conversarem mais um pouco com o delegado, inko e bakugou seguiram o seu próprio caminho.


Inko só sobreviveu pois ainda tinha esperança de ver seu filho de novo, sorrindo e jantando com ela novamente, pois só via o filho a noite e apesar de ser ocupada era uma ótima mãe. As vezes quando entrava de férias viajava com izuku que ficava muito animado para passar mais tempo com inko. Lembrava também de quando comprou os posters, bonecos e camisetas de All might para midoriya que só faltava explodir de felicidade. Fazia de tudo por seu filho, fazia de tudo para ele sorrir e só de pensar que talvez nunca mais… Inko não suportava a ideia de perder izuku, lá no fundo ela sabia que ele estava vivo, ela sentia e isso que fazia ela levantar todos os dias.


Katsuki estava destruído, ele se culpava por não ter salvo midoriya a tempo, por ter tratado ele como lixo, isso tudo era inveja de como izuku tinha esperança, de como ele defendia os outros mesmo sendo fraco, de como modoriya sempre sorria apesar de tudo que o loiro fazia. No final bakugou viu que midoriya era um verdadeiro herói já que defendia os garotos que katsuki batia; apanhava no lugar daqueles que nem sequer agradeciam por terem sido defendidos. Após o desaparecimento de deku, bakugou percebeu que gostava dele pois sempre pensava no sorriso brilhante de midoriya, de como as sardas no seu rosto eram bonitas, de como seu cabelo cacheado o deixava fofo. Tinha esperança de que midoriya voltasse e caso voltasse katsuki o pediria perdão e se declararia.


NO DIA DO SEQUESTRO


Depois de passar pelo portal, estava num quarto com uma cama onde foi deixado e um homem entrou curou seu ferimento e saiu para que izuku dormisse já que aparentava estar muito cansado e assim o fez. Acordou meio confuso porque aquele quarto não era familiar mas logo se lembrou de tudo. Levantou e saiu para conhecer seu novo lar. Andou por aí vendo portas e nesse trajeto viu um bar onde um homem feito de névoa estava atrás de um balcão conversando com shigaraki.


- Oi. Disse midoriya num tom baixo.


- Vejo que já está melhor midoriya-kun. Esse é kurogiri. Disse apontando para o outro.


- Prazer em conhecê-lo, midoriya-kun.


- O prazer é meu, kurogiri-san. Onde estamos?


- Aqui é o nosso esconderijo.


- Entendi.


- Volte para o quarto, amanhã o mestre vira conversar com você.


- Eu…Posso comer antes?


- Sim midoriya, irei preparar algo. Respondeu kurogiri.


Depois de comer, conversou mais um pouco com kurogiri e percebeu que apesar de ser um vilão o mesmo era muito gente boa e meio que parecia ser um… pai?


Foi para o quarto pensar no que tinha acontecido, mal tinha saído de casa e já estava com saudade de sua mãe, mas pretendia vê-la algum dia.


Pensava também em kacchan, que apesar de tudo viu o loiro em pânico quando midoriya entrou no portal, mas não deixaria tal pensamento o atrapalhar de se vingar de seu "amigo".


" Ah kacchan, você vai se arrepender do dia em que começou a me tratar assim, vai se arrepender de ter destruído meus sonhos, vai se arrepender por ter nascido!" e com isso vieram pensamentos de " mil maneiras para fazer kacchan se arrepender"; poderia arrancar membros, poderia usar ele de porta facas, atirar em pontos não vitais para ele sofrer um pouco, poderia enforca-lo, envenena-lo ou estupra-lo já que um dos motivos para katsuki humilhar izuku era por conta da sexualidade. Imaginava tudo dando um sorriso bem macabro.


Ah eram tantas as opções que só de imaginar midoriya ficou excitado e um pouco assustado pois nunca imaginou que ficaria excitado por pensar nisso. Para se acalmar entrou no banheiro de seu quarto e tomou um banho gelado, escovou os dentes, vestiu um pijama e deitou.


- Me aguarde kacchan.


Continua?




Notas Finais


É isso por hoje, talvez eu volte hoje ou amanhã, já que tenho alguns capítulos prontos meus dedos coçam para postar kkkkkk. Espero que tenham gostado do capítulo e por hoje é isso. Beijos e até a próxima. ♥️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...