1. Spirit Fanfics >
  2. Minha "Dulce" Babá >
  3. Cap 25

História Minha "Dulce" Babá - Capítulo 25


Escrita por:


Notas do Autor


Boa leitura ;)

Capítulo 25 - Cap 25


Fanfic / Fanfiction Minha "Dulce" Babá - Capítulo 25 - Cap 25

- Está tudo bem aqui, Dulce? - Christopher entrou na cozinha e se aproximou, ele olhava com raiva para o irmão, seu maxilar estava tenso e seu punho fechado. Nunca senti-me tão aliviada em vê-lo

- Tudo ótimo - Victor respondeu cínico - Estávamos nos conhecendo

- Sua esposa está perguntando por você - Ucker encostou-se a pia ficando ao meu lado, cruzou os braços encarando o irmão o tempo todo - Miranda é mulher tão bonita, inteligente e fiel. Não pode se contentar só com ela?

- A babá é sua propriedade por acaso, bebezão? - Retrucou petulante e Christopher se aproximou ficando cara a cara com o irmão, tão perto que seu nariz quase encostava no de Victor, fiquei sem reação ainda com a mão atrás segurando a faca e certamente os olhos arregalados, eu nunca sei reagir quando vejo uma briga se iniciando

- Se encostar nela eu quebro seus dentes.

- Ficam sozinhos um minuto - Alexandra entrou na cozinha esbravejando - E já estão brigando? Será que no dia que eu morrer vocês vão brigar em cima do meu caixão também?

- Está tudo bem, mãe. É só seu bebê que nunca sabe dividir os brinquedos - Victor encarou Ucker por uma última vez e saiu, Alexandra nos olhou desconfiada e Christopher encostou-se de braços cruzados a pia de novo ficando ao meu lado

- O que ele quis dizer com isso, meu filho? 

- Mamãe pode me deixar a sós com a Dulce, por favor? - Pediu num tom seco ignorando a pergunta da mãe, ela não insistiu e apenas retirou da cozinha. Christopher respirou fundo e encarou a parede a nossa frente, ele não queria me olhar, estava quase me acostumando com isso, e mesmo que meu orgulho não me deixasse admitir a verdade é que isso me doía

- Já pode soltar a faca atrás de você.

- Eu não ia... Foi só pra caso de... - Gaguejei e soltei a faca - Quer saber, eu ia sim, se ele fizesse qualquer coisa eu ia...

- Não estaria errada se furasse ele - Ele riu e finalmente me olhou, por um momento ficamos em silencio nos olhando, acabo de perceber que eu senti uma enorme saudade dos seus olhos - Você está bem?

- E você se importa de verdade? - Perguntei levando em conta seu comportamento dos últimos dias. Christopher ficou em silêncio pensativo - Não precisa nem responder

- Diego deve se importar não é? Até transou com ele

- Transei mesmo, sou livre e dona do meu corpo, faço o que quiser e com quem quiser. - Christopher agora me olhava irritado - Quem é você pra querer me julgar? Dormiu com Belinda. - E foi só falar no diabo que o celular de Ucker começou a tocar, ele o pegou no bolso e olhou na tela quem era, consegui enxergar a foto de Belinda na tela. Me afastei imediatamente - Vai lá com a sua "Bel"

Minha paciência tinha sido saturada hoje e eu não pretendia explodir com ele, esse clima entre nós já estava desgastante, e infelizmente ainda precisava continuar próxima dessa família. A chuva lá fora não havia parado, mas eu decidi não esperar ela passar, qual o problema se tomar uma chuvinha? Não sou de açúcar mesmo.

Precisava ir para casa organizar meus pensamentos sobre tudo que havia encontrado nessa casa, necessitava de um banho e esquecer o olhar nojento do irmão Uckermann sobre mim. Saí da cozinha enquanto Christopher olhava seu celular, passei pelo hall de entrada sem ser notada, estavam todos na sala de estar, peguei minha bolsa e fui direto a minha moto sem me importar com a chuva. Dei partida e enfim saí daquele lugar maldito.

Ouvi Christopher me chamar, no retrovisor o vi parado na frente da mansão.

No caminho eu já estava ensopada, parei num semáforo fechado numa rua sem movimento e quando o sinal abriu minha moto simplesmente morreu. Tentei dar partida por várias vezes, comecei a ficar desesperada, a desgraçada resolveu dar problema logo numa noite de chuva numa rua deserta.

- INFERNO! - Gritei enquanto descia da moto, a empurrei estacionando próxima a calçada, peguei meu celular na bolsa e tirei o capacete para tentar ligar para Anahí me buscar. Eu mal conseguia enxergar por causa da chuva que caía. Não bastando minha raiva, para minha completa humilhação o carro de Christopher se aproximou e estacionou próximo a moto. Ele buzinou e eu o ignorei. Então desceu do carro com as mãos tentando cobrir a cabeça

- Entra, eu te levo em casa.

- Eu não preciso. - Tentei procurar o contato de minha amiga e meu celular descarregou - PUTA QUE PARIU. - Christopher a essa altura já estava encharcado e tinha desistido de tentar se proteger com a mão, me olhava rindo - Posso saber qual é a graça?

- É engraçado te ver falando palavrão. Vai entrar no carro ou vou ter que te arrastar a força?

- Ue, por que não me manda ligar pro Diego? - Christopher agora ficara sério, ele passou as mãos sobre os cabelos molhados, bateu a porta do carro e caminhou até mim

- Que merda, Dulce! - Ele passou as mãos sobre o rosto impaciente, prestes a estourar de raiva - Você quer mesmo brigar não é?

- Você tem sido um imbecil todos esses dias, quer que eu de repente esqueça? E daí que eu transei com o Diego, o que você tem a ver com isso? Por que se mete nisso?

- Você ainda não entendeu não é?!

- Não! Não existe razão pra ser um babaca e querer se meter na minha vida! Por que teve que agir assim?

- Porque te ver com ele me fez perceber o quanto eu não suporto outro cara perto de você! Porque eu sou terrivelmente louco por você! Porque eu me importo sim, Dulce... - Meu coração disparou com suas palavras, um calafrio percorreu todo meu corpo. Ele se aproximou ainda mais e tocou meu rosto molhado pela chuva que descia forte sobre nossas cabeças - Eu tenho uma lista de porquês se você quiser...

- Eu acho que você está confuso... Descobriu coisas sobre a Na... - Christopher me interrompeu, olhando ansiosamente nos meus olhos

- Eu não estou nada confuso, sente isso Dulce - Ele pegou uma de minhas mãos e colocou sobre seu peito onde senti seu coração batendo forte e acelerado - É assim toda vez que eu estou perto de você. Toda vez que eu olho nos seus olhos, na sua boca, quando estou longe e lembro do seu cheiro, da maciez da sua pele, do seu beijo... Não to falando de apenas desejo Dulce. Eu estou apaixonado por você, parece loucura, mas esses dias afastado de você deixaram tudo mais claro, e quando eu te vi naquele palco no sábado... Meu Deus! - Ele olhou para o lado parecendo nostálgico, então sorriu e voltou a me olhar - Como você estava perfeita, naquele momento eu tive a certeza de que eu te quero, ao meu lado... Eu acho que a vida está me dando uma segunda chance de... - Ele suspirou pensativo - Se você quiser... - Christopher acariciou meu rosto, inevitavelmente fechei os olhos ao sentir seu toque - Se me der uma chance... Eu juro que eu vou fazer de tudo pra que a gente dê certo.

Ele está sendo sincero e não tenho como duvidar disso. Existe uma palavra que expresse todo meu alívio e alegria por ouvir Christopher se declarar assim? Existe uma palavra capaz de expressar o quanto eu o quero também? 

Eu não soube o que responder, não esperava que Christopher estivesse se sentindo assim, mas ao mesmo tempo meu coração disparava por saber, afinal meus sentimentos são recíprocos e eu enfim posso admiti-los... senti-los de verdade, eu posso finalmente deixar de lutar contra tudo que tenho sentido.

Hoje chegou o tempo. De libertar meus sentimentos

Christopher mergulhara seus intensos olhos nos meus, meu coração se aquece toda vez que me olha assim, ele esperava uma resposta minha. Eu não sabia o que falar. Selei nossos lábios de forma intensa, minhas mãos deslizaram até sua nuca e nossas línguas enfim se encontraram, arrepiando cada parte do meu ser.

A paixão, tal como o desejo, se expressa melhor em ações do que em palavras...

A chuva a nossa volta não era nada diante da imensidão de nossos sentimentos sendo enfim reconhecidos, nos afastamos docemente entre sorrisos e olhares. Estava decidido que iríamos nos dar a oportunidade de viver isso

-''-

- Christopher on -

Dulce abriu a porta da casa e entramos correndo, ensopando o chão de toda a sala.

- Vou colocar sua jaqueta para lavar e amanhã já te entrego - Ela tirou a roupa que a emprestei e colocou sobre o sofá, mas a peguei de volta rapidamente

- Não, já está limpa. Quero usá-la com seu cheiro - Suas bochechas coraram e eu me aproximei a olhando com desejo.

A encostei na parede e beijei seus doces lábios fervorosamente. Dulce me respondeu carregada de malícia

Dessa vez, ela parecia não ter nada que a impedisse de se entregar a mim, ela queria isso, e eu também, Dulce parecia estar livre de qualquer pensamento que antes a impedia e agora estava livre nos meus braços. Correspondeu ao meu beijo violento me impedindo de parar nossos extintos, a peguei sobre meu quadril segurando sua bunda e sem afastar nossas bocas caminhei até o corredor dos quartos, Dulce entrelaçou suas pernas em volta de mim, mas eu não entrei no quarto...

- No banheiro? - Perguntou confusa quando percebeu para onde a levei

- Sim. - A coloquei no chão e dei alguns passos atrás me afastando - Não é o que você está pensando, ô safadinha, embora eu esteja louco pra tirar sua roupa não é de hoje. - Pausei meus olhos em seus seios suavemente marcados por baixo da blusinha molhada, balancei a cabeça para espantar os pensamentos maliciosos que me vieram a mente e voltei a olha-la nos olhos - Vai tomar um banho quente e vestir uma roupa seca, vai tomar uma bebida quente também antes que fique doente

- Tem certeza disso? - Perguntou arqueando as sobrancelhas

- Dulce... - Apoiei as mãos em seus ombros e a olhei firme nos olhos - Eu te desejo loucamente, mas quero fazer isso com você do jeito certo. Não quero uma transa qualquer com você. Eu quero que seja especial pra nós dois, com direito a uma saída para jantar e tudo mais, depois se quiser, vamos para um lugar a sós onde eu vou tirar sua roupa e aproveitar cada parte desse seu corpo e te dar todo prazer.

- Então ta...  - Dulce deu de ombros parecendo não ter dado a mínima importância para tudo o que eu disse e tirou a blusa, fitei os peitos dela sob o sutiã preto e não conseguir evitar de arregalar os olhos ao ver o quão fartos eram, a ruiva soltou uma risada, provavelmente achando graça da cara de bocó que eu estava fazendo, então começou a tirar os sapatos, em seguida as meias

- O que você está fazendo?

- Eu vou tomar banho ue.

- E vai ficar pelada na minha frente assim?

- É só você sair. Preciso tomar banho logo antes que fique doente, se lembra?  Vá logo para casa Christopher, você também precisa tirar sua roupa molhada - Sorriu sarcástica e começou a desabotoar a calça jeans. Como eu saio daqui com a imagem dos seus peitões na minha cabeça? Passei as mãos sobre o rosto tentando não surtar e saí repentinamente do banheiro batendo a porta, andei rápido até o carro e respirei fundo ao sentar no banco. O que essa maluca quis fazer? Ela quis me provocar? Fez de propósito e conseguiu.

Como eu volto pra casa pensando naqueles peitos, no que eu poderia ter feito e... Caralho, eu não consigo.

Enfiei a mão no porta-luvas do carro e peguei o que precisava, voltei pra dentro daquela casa tão rápido quanto saí. Entrei no banheiro e Dulce estava abrindo o chuveiro apenas de lingerie, uma calcinha preta combinando com o sutiã envolta a sua feminilidade, se assustou ao me ver entrar de repente no banheiro, mas sorriu maliciosa ao me ver encarando seu corpo, senti meu desejo pulsar só de pensar no que faria em seguida

- Que droga Dulce, não era pra ser assim - Esbravejei e antes que ela falasse algo a agarrei beijando-a fervorosamente, Dulce mais que depressa puxou minha camisa para tirá-la e eu me afastei de seus lábios para ajuda-la, assim que fiquei sem camisa voltei a tomar sua doce boca.

Como fui capaz de aguentar todos esses dias longe desses lábios? As delicadas e ágeis mãos de Dulce deslizaram até o botão de minha calça que ela ligeiramente desceu e a ajudei tirando junto com os calçados. Colei nossos lábios novamente, deliciando-me com os suaves gemidos dela, desenhando com a língua a perfeição de seus lábios e sem nos separarmos entramos em baixo do chuveiro, a água quente caindo sobre nós não era nada comparada ao calor dos nossos corpos, ao mar de excitação que nos rodeava...


Notas Finais


É pra glorificar de pé irmãs e irmãos, finalmente eles se reconciliaram kkkkk

Espero que gostem, como eu fiquei bem felizinha com todos os comentários do último capítulo, vou postar de bônus um mini capítulo hoje mesmo em forma de gratidão hehe vcs são fod*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...