1. Spirit Fanfics >
  2. Minha forte obsessão >
  3. A culpa é das vozes

História Minha forte obsessão - Capítulo 4


Escrita por:


Capítulo 4 - A culpa é das vozes


Fanfic / Fanfiction Minha forte obsessão - Capítulo 4 - A culpa é das vozes

Depois que sai do quarto dele, contei à Galaxy e Moon sobre o que aconteceu

- Isso se chama drogas! - Moon comenta

- Tá! Mas quem nunca? - Galaxy pergunta em tom de deboche - E não acredito que c anda contrabandeando as drogas, Moon! É bem capaz desse Mattew ter pego os trecos que a Moon fuma!

- Que!? - Pergunto sem entender a confusão que minhas amigas são

- É tudo culpa da Galaxy! - Diz Moon

- Tá! Mas... o que eu faço? - Eu quis saber

- CORRE! Ou pra longe ou pra cima! Ele só é um pouco tsundere, fazer o que? - Galaxy me aconselha

- Mas será que ele realmente é um sociopata? - Pergunto

- Quem liga? Você que não é, pra poder julgar o menino - Diz ela girando o cabelo, antes que eu pudesse reagir ela completa - Tu também não é muito normal não - Diz ela me impurrando de leve, as vezes esqueço o quanto ela pode ser espontânea

- Valeu, guria! Talvez eu arrisque desvendar o mistério dele! - Até porque só se vive uma vez

Vou até até a sala de música, distraída e com fones, Mattew, que chega de repente sem eu ao menos perceber, me joga contra a parede, mãos e cotovelo na parede de cada lado do meu corpo, ele me pega de surpresa.

- Sinto muito por mais cedo, não queria que tu presenciasse um momento meu de surto, por isso fui rude! - Ele se explica

- Surto?

- Não acho que tu entenderias - O rapaz me solta e dá um passo para trás - Eu... não sou o tipo de pessoa que merece estar perto de uma rosa

- Pera, que eu não tô entendendo é mais nada! - Como que ele insinua que quer estar perto de mim e depois fala para eu me afastar? - O que c vive tentando me dizer?

- Eu... fui diagnosticado com sociopatia e esquizofrênia. Meu lugar seria em um hospício, mas meu pai queria que eu tivesse uma vida "normal". Se as pessoas que me "conhecem" vissem tu falando comigo... aconselhariam tu ires embora

- Como alguém que chama uma garota de rosa, é o mesmo que age com um comportamento estranho.

- Eu gosto de ti! De verdade. Mas... - Ele estava nervoso com algo - Eles não gostam.

- Posso saber quem não gosta de mim?

- Sei que pode parecer uma loucura, e é uma loucura! M-Mas eu escuto vozes que costumam me manipular, usam-me de marionete. Vejo coisas que ninguém vê e sei que não são reais.

- Não tem como trabalhar isso? Para essas coisas não te dominarem mais.

Mattew pega em minha mão e me arrasta até a sala de música

- Tu já esteve perto de alguém que suja suas mãos de sangue?

- Eu acho que não.

- Vê estas mãos? - Ele as mostra e coloca uma mão na parte de trás baixa de minha cabeça e puxa levemente meu cabelo - Elas estão sujas. Sujas de sangue inocente. Estes olhos... - Ele prende meu corpo à parede, sua outra mão está na minha cintura - Já presenciaram coisas terríveis em primeira pessoa - Ele para de puxar meu cabelo - Não posso ser considerado um humano... E com tudo o que te falei... Tu queres estar perto de mim, pequena flor do deserto?

- O que as vozes estão te falando?

- "Aproveite o momento. Não tem ninguém olhando. Mate-a."

- Por que tu não faz o que elas mandam?

- E-Eu não posso... te matar.

- Posso saber o motivo?

Ele se afasta e fica de costas para mim

- Eu gosto de ti. Pela primeira vez... Eu consigo ir contra essa loucura de ser eu. - O rapaz se vira novamente pra mim - Pela primeira vez, minha emoção e minha razão estão trabalhando. Mas isso só acontece quando estou contigo.

- Uou! Então... Tem como fazer tu se libertar das cordas que te controlam?

- Provavelmente não.

Eu me aproximo dele

- Mas... e se tentarmos? Eu posso te ajudar. Farei meu máximo.

- Não quero que se machuque. Apesar de que sei que nada, nem eu mesmo, pode me afastar de ti.

- Você não irá me machucar. Mas se quiser lutar contra isso... Precisa dar uma chance a si mesmo.

- Não entendo porque tu queres me ajudar.

- Sei que apesar do que és, conseguirá superar o que dizem sobre ti e o que as vozes te orientam.

- Acho que tu és a primeira e única pessoa no multiverso que acredita nisso.

- Todos merecem a chance de se tornar a melhor versão de si mesmo.

- Muito obrigado por acreditar em mim. - Ele me abraça, um abraço caloroso, onde poderia fazer meu lar

Na hora do jantar, uma garota que não me dava bem veio caçar conversa comigo.

- Oi, esquisitona! Soube que c tá andando com o Mattew, dizem que ele ouve vozes que não existem, seria legal se c fosse uma delas e não existisse! - Ela fala, sinceramente, não sei o motivo de ela ter marcação comigo (Sou mó de boas)

- Bem top! Só que ao invés de estar prestando atenção na minha vida, c bem que podia cuidar da tua. - Eu respondo séria

- Minha vida está muito bem cuidada, se c quer saber!

- Eu nunca disse que queria saber da tua vida! - Eu a interrompo

- Mesmo não querendo, sabe! - Não sei o porquê ela parece confiante, ela nem é tudo isso, é só mais uma que aderiu aos padrões podres da sociedade - Mesmo não querendo, é inferior à mim, sempre será. Nem sabe se vestir. - Eu estava com um pijama de panda, daqueles fofo (Como assim não sei me vestir!?), a nojentinha sai sorrindo.

No outro dia, foi a mesma coisa. No recreio, ela zoou meu físico, por eu ser magra e usar roupas folgadas. Eu não conto para minhas amigas para não gerar problemas. Pareço não ligar para esses comentários, mas ligo sim. Passo o resto do dia no meu moletom do BTS, por cobrir meu corpo. Acho que o Mattew ouviu os comentários e viu que eu me senti mal por eles

Mattew vem até mim, quando a noite começa. Ele olha em meus olhos e diz:

- Não deixarei ninguém fazer mal a ti!



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...