História Minha Garota - Camren - Capítulo 103


Escrita por:

Postado
Categorias Camila Cabello, Fifth Harmony
Personagens Camila Cabello, Lauren Jauregui
Tags Ally Brooke, Austin Marrone, Bruno Mars, Camila Cabello, Camren, Demi Lovato, Dinah Jane, Halsey, Justin Bieber, Lucy Vives, Normani Kordei, Norminah, Veronica Iglesias
Visualizações 191
Palavras 1.082
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Não tenho o que declarar, mas espero que continuem e fiquem, queiram permanecer. Serão dias de lutas!

Capítulo 103 - Ao amor


L  A U R E N

Fiquei igual criança, quando pede uma coisinha qualquer pra mãe mais que é muito importante pra gente e ela simplesmente nega. Dai, a criança vai lá e chora desesperada. Eu estava desesperada. Era a mulher que amo, saindo de casa e eu? Travada na porra do meu quarto. Eu estava ficando sem ar, de tanto catarro de choro que de forma rápida e dolorosa se acumulavam no meu nariz, enquanto só chorava e chorava. Ouvi a porta bater forte foi o ápice pra querer chorei de verdade, caída no chão.

— eu estraguei tudo. Estraguei tudo... — ela chegou com flores. Estava linda, a minha garotinha do ponto de ônibus me deixou... Ela estava me deixando e no fundo eu correr atrás dela, mas me sentia cansada. Meus comandos não estavam sendo obedecidos, e me levantei com muito sufoco, pesada. A dor é a pior do mundo, eu nunca fui tão certinha, e eu não estava sendo egoísta. Querer apresentar a experiência de uma forma abstraída não é ser egoísta e eu não tinha mente pra continuar aceitando, esse joguinho. Então que ela fosse embora... por que eu nem conseguia abrir a porta do quarto para sair daquele espaço sufocante.

Toda a minha vida fui cercada por pessoas que me amam. Eu acredito e sempre que encontrei alguém e depositava tudo de mim, elas fugiam, me humilhavam, me deixavam. Acho que foi por isso que cresci na minha bolha, pondo pouca fé nelas. Mas conhecer Camila, foi tão magico. Sim! Ela me deu um presente mais lindo do mundo, mais ainda não foi o suficiente e entendo que pra chegarmos aqui, não ajudei muito, e ela estar fazendo o que acha certo pra ela, então que seja.

Destruí a casa, a mesa. O almoço foi lançado a parede. Quebrei até minha tv de plasma 50. Foda-se. Destruí cada espaço da minha casa principalmente os sofás onde transamos muito. A sensação de solidão tomava conta de mim outra vez. Eu fiz tudo errado, a única coisa que não parecia mudar era o meu passado. Eu não desejei isso, eu mudei. Sofri. Mas dei a volta por cima e, me sentir mal agora é confortante. Não teve um só objeto ali o qual eu tivesse quebrado. Entre a bagunça encontrei meu celular ...

— Mãe ... — liguei para clara e fiquei contente quando o celular vibrou, notificando que ela havia me atendido.— me sinto tão perdida. Vem pra casa, vem me ajudar. — pedi entre soluços de choros ... O bar da casa era o único que parecia sobreviver, alcancei a garrafa de gim da noite anterior e a tomei como água. O que aumentou minha dor, junto com a ardência dolorosa que queimava meu tórax.

 o que houve amor, eu demoraria  uma hora para chegar. — falou gritando por Mike. — estar tudo bem, com Nicolas ?

 ele deve estar na creche, é seu primeiro dia hoje. Eu não o levei para creche... Mas Camz,, estar me deixando e estou desesperando com uma dor insuportável no peito e sem coragem alguma de enfrentar o mundo, ou muito menos, ir atrás dela.

 o que aconteceu com vocês?

 Ela não tem certeza sobre nós. E eu estraguei tudo, planejei algo impossível e ela se foi... eu quero sair e usar drogas, eu beber até ter uma overdose, por favor , não me deixe só.

 já estou no táxi. Chego em uma hora. Por enquanto não faça nada. Ta bom?

Ok.

Ah o meu celular o arremessei contra a parede. A garrafa de quebrei ao meu lado. Todo o liquido molhou minha perna. Eu não errei, não errei.

Ela estava tão linda, carregando aquelas flores... eu sei ela vai embora, e tudo ficara tão estranho... nunca fui do tipo de correr atrás, porem me sinto totalmente frágil, pequena. Também não consigo entender como tudo ficou tão estranho de repente, Mas se ela saiu de casa, é porque de verdade nunca quis estar aqui. Vou vestir minha melhor armadura , mas também não posso me permitir enganar-se outra vez. Eu falhei, conheço meus erros. Mas não a deixaria, não sairia de casa, não. Ela queria isso, só não soube como fazer e agora estar claro. Ao menos pra mim.

O Som da campainha invadiu minha casa me assustando. E não consegui nem me levantar, estava mesmo perdida, em meus devaneios, não conseguia nem mesmo sentir qualquer sentimento que fosse. Apenas chorar, essa vontade não cessava. O cheiro que exalou o lugar era totalmente conhecido e suave.

— Oh my god. Você enlouqueceu mulher? — Allysson. Era ela. — porta estava aberta e tem alguns vizinhos lá fora preocupado com o barulho que se teve aqui dentro. Estar tudo bem? — fiquei em silencio. — Ok. Eu vou avisa-los que estar tudo bem. — ela me deixou só e voltei a chorar. Não tinha bebida para aliviar a dor.

Ela voltou recolhendo algumas coisas do chão e, puxou a cadeira mais próximas. Ficou calada, como se não soubesse o que falar. E preferi. Só que depois de algum , aquele silencio com seu olhar me secando, deu raiva. Mas não podia misturar as coisas eu sabia disso, e ela estava me esperando falar.

— Eu nunca encontrei alguém que suprisse o que faltava em mim. Suprir não é certo, mas parece justo. Quando encontrei Camila no ponto de ônibus, onde eu a conheci, acreditei que seria só aquele momento. Então depois ela apareceu em seu bar, eu a encontrei novamente. Descobri que ela filha do cara mais nojento que existiu. Então eu me apaixonei ... — as lagrimas me torturavam, era uma palavra para cada dois baldes cheios de lagrimas. E soluços chatos, sufocantes. — ela é uma criança, é assim que eu a vejo agora. Eu entendo que ela precisa de espaço ou ate mesmo se descobrir por ser uma menina jovem e mãe. Que encara a vida com responsabilidades, simplesmente poderia estar curtindo, viajando, era o que eu fazia na idade dela. E só agora entendo que não devo força-la a viver comigo, por que não vai valer a pena se ela não me tem amor, como antes do nosso filho, onde eu só a maltratava e vivia fugindo. Ela tem o direito de fugir agora, eu não vou impedir.

— Você a ama, e reconhece seus erros. Não desista de tentar faze-la entender isso.

— Eu to sofrendo... Ela tem que se descobrir vei, eu to cansada de encontrar pessoas e afasta-la. Não quero isso, se nos amamos de verdade, vamos saber nos encontrar outra vez. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...