História Minha Garota - Capítulo 29


Escrita por:

Postado
Categorias Jogos Vorazes (The Hunger Games)
Visualizações 63
Palavras 1.043
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Gente minha demora se deve ao fato de que eu simplesmente tive um bloqueio e não consegui escreve nada, então novamente peço desculpa pela demora e prometo que ate domingo tem capitulo todo dia. Graças a deus consegui resolve o que me impedia de escrever.

Boa Leitura

Capítulo 29 - Amor


Faça o café da manhã das crianças e coloco a mesa, enquanto isso vou checar minha caixa de e-mails e minha agenda do hospital. Logo meus filhos estão tomando o café da manhã e falando sobre o dia que terão com pai, pretendo ir ver meus pais enquanto eles estiverem com o Peeta.

 Eles terminam de tomar o café e vamos se arrumar, quando eles já estão de banho tomado e roupas trocadas. Eu sigo para mesa para retirá-la e lavar os pratos, isso me ajuda a ocupar a mente e não pensar no Peeta.

 Às 9 horas em ponto o telefone toca e eu já sei quem é ele, atendo após o segundo toque.

Peeta: — alô

Katniss: —alô, Peeta bom dia

Peeta: — Bom dia, Katniss. Gostaria de saber se as crianças já estão prontas para irmos tomar sorvete como havíamos combinado ontem à noite?

Katniss­­: —­Sim elas já estão prontas

Peeta: — Então vou dar uma passada na casa do Finn e depois vou buscá-los

Katniss: — tudo bem, tchau.

Peeta: — Tchau.

Desligo o telefone e quando me viram para dar o recado aos meus filhos vejo que eles estavam me observando sentados na bancada da cozinha.

Matt: — era o papai?

Sofia: — que horas ele vem?

Katniss: — sim, era o pai de vocês. Ele vai dar uma passada na casa dos seus padrinhos e depois vem pegar vocês

Sofia: — a senhora não vai com a gente?

Katniss: —não querida, vocês vão passear somente com o pai de vocês, Assim vocês e ele podem se conhecer melhor.

Matt: — mas gostaríamos de irmos todos juntos, mamãe.

Katniss: —quem sabe no outro dia querido.

 Passo por eles e dou um beijo em suas cabeças e vou para sala pega o meu notebook e começo a trabalhar um pouco, tenho que rever alguns exames e estudar alguns casos clínicos de alguns pacientes.

 

 Não demora muito e logo Peeta chegar, meus filhos abrem a porta e se jogam nos braços dele. Me levanto de onde estou e vou recebe - lo.

Peeta: — Oi novamente Katniss, tudo bem?

Katniss: — Sim tudo bem e com você?

Peeta: — Estou ótimo, você vai vir com a gente?

Katniss: — na verdade não, tenho que visitar meus pais e também vou ver como o Finn está

Peeta: — então antes de irmos tem algo que eu deva saber sobre eles?  Por exemplo eles tem alergia a algum tipo de comida ou planta?

Katniss: — não se preocupe Eles não têm alergia nenhum tipo de comida e a nenhum tipo de planta.

Pela sua expressão posso ver que ele está nervoso com a possibilidade de ficar sozinho com as crianças.

Katniss: — não precisa ficar nervoso, você vai se sair bem

Peeta: — Tomara que você tenha razão.  A que horas você quer que eu traga de volta?

Katniss: — eu poderia dizer, a hora que eles quiserem voltar. No entanto existe a possibilidade que eles não queiram voltar e por isso quero eles em casa no fim da tarde. Qualquer coisa pode me ligar eles sabem o número do meu celular ou do celular dos meus pais.

 Me despeço dos meus filhos e do Peeta também, fico na calçada olhando o carro enquanto ele vai se afastando em direção ao centro da cidade.

 

Pov. Peeta.

 Estamos na sorveteria que Eles escolheram como a sua preferida, pedimos nossos sorvetes e sentamos em uma das Mesas dispostas no local, todas as pessoas que encontramos nos encaram meus filhos apenas sorri de volta para elas.

 Durante todo o percurso os meus filhos não param de conversar e contando sobre suas rotinas, por isso no momento em que eles ficam em silêncio fico um pouco preocupado.

 

Matt: — Você ama a minha mãe?

A pergunta feita assim na lata me pega de surpresa porém me recupero do Choque assim que percebo que eles estão me observando esperando uma resposta minha.

Peeta: — Sim.

Eu respondo sem hesitação.

Sofia: — realmente a ama de verdade?

 Onde essas crianças estão aprendendo essas coisas.

Peeta: — Onde vocês aprenderam essas coisas?

Não me lembro de saber o que era o amor aos nove anos de idade. Meu foco era só futebol e quão longe eu poderia jogar a bola. Assuntos do coração não me incomodavam ainda nessa idade.

Matt: — Escola.

Peeta: — é acho que já esperava essa resposta

Sofia: — Você está fugindo da pergunta, Papai. O senhor ama a mamãe como você amava antes?

Sinto que a conversa vai me colocar em uma saia muito justa.

Peeta: — Sim.

Eu digo de novo, porque é a verdade. Eu nunca deixei de ama- lá e a ausência não mudou nada, porém seria errado colocar algum tipo de esperança no coração dos meus filhos sobre algo que tal vez nunca aconteça.

 Sofia: — Então porque não ficam juntos?

Coloco minha mão sobre cada uma das mãos deles, antes de começar a fala.

Peeta: — Mas isso não muda as coisas, eu e sua mãe mudamos muito e nem sempre podemos estar com quem amamos, Mas eu e vocês apesar disso seremos sempre companheiros. Entenderam?

Eles balançam a cabeça e sorriem para mim, essa é a única certeza que posso dar aos meus filhos, a certeza de que agora eu nunca mais vou deixar ele sozinhos.

Quando nossos sorvetes chegam eles começam a comer e voltam a me conta sobre eles e também me perguntam coisas sobre minha vida. Será um dia bem longo e farei de tudo para que eles se divirtam.

 

 

Pov. Katniss

Chego a casa dos meus pais um pouco antes do almoço sei que Prim está em casa já que seu carro está na garagem, tenho que conta a eles sobre as crianças saberem quem é o pai delas.

Assim que estaciono o carro noto que tem uma Mercedes preta parada na frente e me pergunto quem será que está na casa dos meus pais, antes eu saia do carro vejo que Prim sai da Mercedes e entra em casa.

Agora eu to bem curiosa para saber quem era que estava com ela naquele carro, deveria ter olhado a placa para saber se era da cidade ou não. Isso me faz pensa no misterioso caso de amor que minha irmã mais nova teve.

Ela nunca me disse o nome e ter certeza que se não estivesse embriagada não teria nem contado sobre ele.


Notas Finais


" Peço desculpa pelos erros // Qualquer comentário e critica é bem vindo :):)"


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...