1. Spirit Fanfics >
  2. Minha mulher é um pecado >
  3. Dai-me paciência

História Minha mulher é um pecado - Capítulo 10


Escrita por:


Notas do Autor


Então fazem dois meses que venho sem postar nada peço perdão, eu não abandonei a fic apenas estou sem betas. Infelizmente eu vim postar porque não quero adiar a postagem da fic mas ela ainda não está betada, portanto possa ser que tenha alguns erros assim que conseguir betar eu apago o capítulo e faço as alterações

Boa leitura.

Capítulo 10 - Dai-me paciência


Fanfic / Fanfiction Minha mulher é um pecado - Capítulo 10 - Dai-me paciência

Kim Taehyung

— Kim Taehyung você! - Abri meus olhos assustado, ainda são meio dia e essa louca gritando. O que ela quer meu Jesus amado? — Aish! Meu homem é um pecado - Pisquei meus olhos meio confuso, do que ela está falando? Enlouqueceu só pode.

— Tais maluca? O que deu em você? - Levantei da cama com uma ressaca triste, solucei ainda meio sonolento, clamando a Deus para ele fazer a minha mulher deixar eu dormir porque com Jagiya acordada só Deus na causa. Até porque a  noite de ontem foi uma loucura, devo afirmar que até um tanto quente. — Gritaria toda é essa pela manhã — cocei meus olhos e a encarei vendo ela rir enquanto me olhava de cima para baixo. Será que tem algo com a minha cara? Ou eu to fantasiado de palhaço. Olhei a mesma confusa e vi que ela estava com os peitos de fora e com minha cueca que eu usei ontem. 

— Nossa amor… nunca imaginei você tão sexy - Bufei indo para o espelho e me assustando de primeira. Eu estou com o sutiã da jagiya e a calcinha de renda azul dela, o que aconteceu ontem quando chegamos em casa? — Essas suas canelinhas finas meu deus… - Ela riu encarando minhas pernas magrinhas. 

— E do que tu ta rindo ein? Sua tábua que nem peito tem - Cruzei os braços com raiva, começando a rir da sua expressão logo depois de que eu falei isso. Sim eu estou pedindo para morrer, e não de qualquer forma, tô pedindo para ser esfaqueado, cortado em pedacinhos.

— O que você disse? - Ela estreitou a sobrancelha e olhou para seus peitos caídos. — Não tenho peito e sou uma tábua mas você gosta de pegar de chupar neh seu filho de uma mãe maravilhosa e perfeita que não merece um filho como você seu ingrato! - Oia.. Oia, oia! 

— Minhas pernas são finas, mas tu  ama usar elas quando eu tô em cima de você , neh! Seu pão de milho - Coloquei minha mão na cintura, afrontando ela com o todo o meu deboche. Se é para brigar então vamos brigar. 

— Me chamou de pão milho? — Ela abriu a boca indignada com meu xingamento, dei um passo para frente para ficar de frente a ela e a mesma deu outro com sua cabeça inclinada para cima só para me enxergar. — Tu não vem não, Olívia palito de Chernobyl. 

— Oia o Gnomo querendo brigar. - debochei colocando meu dedo indicador na testa dela.

— Falou o poste para o ser humano -  Ela segurou meu pulso e tirou de sua testa fazendo uma careta indignada — Para um poste você até cai bem nas minhas roupas íntimas.

— Para um gnomo, você até que é bonita com  minha cueca - Rimos e nos viramos para encarar o espelho, analisei aquela calcinha e me veio uma dúvida — Calcinha nova? Nunca vi antes.

— Comprei há uns dois meses. Gostasse? - Dois meses… fiz uma expressão de medo sendo que queria disfarçar, okay Tae releva isso… e agora meu deus? Tipo passou três meses e ela comprou a calcinha. 

— Bom… - Balancei minha cintura e empinei minha bunda para o espelho — Amei mona - Dei um tapa em uma de minhas nádegas fazendo uma expressão sexy, afim de  cortar esse clima pesado , ela me olhou e começou a rir das ações que eu acabara de fazer  — Calcinha bonita. Veste para eu ver como fica em você - Tirei a peça íntima e dei para ela assim como a mais nova  tirou a cueca e me entregou,  vesti minha cueca e tirei aquele sutiã que fazia par com a calcinha o jogando sobre a cama. 

— Pronto -  Ela falou indicando que já tinha posto a calcinha o que me fez, virar de frente a ela,  para encará-la e meu deus do céu … que linda! esses seus quadris bem definidos e suas coxas grossas,  me enlouquece — Combina comigo não é? Eu amei essa calcinha quando vesti e comprei várias outras de cores diferentes. Tem até uma com sua cor preferida. Verde. - Ela abaixou a cabeça meio envergonhada vendo suas pernas cruzadas uma na outra. 

— Ai meu deus do céu você é muito linda  - Coloquei minhas mãos uma de cada lado de sua cintura e a joguei em cima da cama vendo ela rir. — Linda linda. Com essa calcinha ficou mais linda ainda. - Disse subindo em cima dela, depositando  um selinho em sua bochecha e começando a fazer cosquinhas na mais nova. 

— Taehyung para! - Ela expressou rindo, tentando se livrar das minhas cosquinhas, até que conseguiu segurar minhas mãos, mas eu fui mais esperto e juntei seus pulsos em cima da sua cabeça, tal ato que me fez encará-la por alguns segundos, meu mundo pareceu ter parado, seu olhar era tão impregnante que me fez ficar  naquela posição por um minuto inteiro. Olhei no fundo de seus olhos e respirei profundamente, saudades da minha menina. 

— Eu te amo pequena - Sussurrei colando meus lábios no dela em um beijo calmo e molhado. Fechei meus olhos aproveitando mais daquele momento,  eu a amo tanto... é tão bom ficar assim com ela porque passei tanto tempo sem tocar nela? 

— Eu também - Ela me disse assim que nos separamos dando um sorrisinho, envergonhada — Seu bobo - jagiya bagunçou meu cabelo fazendo-me sorrir minimamente deitando ao seu lado enquanto minha mão fazia um pequeno carinho em sua bochecha. Agarrei sua cintura e comecei a mexer em sua barriga  — Porque você me ama?

— Bom… com certeza não é pela sua fome, nem pelo seu dinheiro, muito menos pela sua aparência porque com esse buchinho e esse rosto nunca na vida iria ficar com você - zombei, sentindo uma tapa que a mais nova deu em mim. — Calma - Ri — Porque você me ama, você que iluminava meus dias apenas por sorrir para mim. Os momentos que passei com você foram ficando cada vez mais especiais , seu jeitinho todo animado e o poder que você tem mesmo sendo quieta e tímida. Apesar da timidez você  não tem quase nada. Resumindo tudo, porque você era diferente e não qualquer uma.

— Taehyung… - Ela falou meu nome chorando, sorri apenas com os dentes e a abracei até a cacheada se acalmar mais.

— E porque você me ama?

— Não sei direito… de repente nos meus dias mais difíceis você me fazia sorrir, você nunca julgou a minha maneira de pensar, nunca julgou minhas vontades e estranhamente você foi cada vez mais ficando na minha mente cada vez mais só de ouvir seu nome eu sorria. E inexplicavelmente, eu comecei a te amar  - Ficou um silêncio por um momento, até alguém bater na porta do quarto, me separei da mais nova e ambos olhamos para a entrada do quarto. 

— Amiga… - Ela é a Stéfany? O que ela fazia aqui? Me cobri com o lençol da cama e Jagiya  se levantou para colocar o roupão. A tal amiga da minha esposa estava quase chorando, o que houve pelo amor de Deus?

— Kim Taehyung! - Após uns segundos, Jimin apareceu com o maior sorriso. Eu conheço esse sorriso que ele tá dando, tenho certeza que esse daí aprontou alguma.  Saí da cama às pressas pegando minha calça e blusa me vestindo rapidamente enquanto Jagiya descia para a sala com a sua amiga — O que estavam fazendo? - Ele fez uma expressão safada vindo até mim e sentando na cama. 

— O que tu fez? Conta logo - Cruzei os braços de frente a ele já me preparando para xingar o moreno de todos os nomes.

— Meu filho, não fiz nada demais, a culpa não é minha. - Desviou o olhar de mim encarando a parede. 

— Então foi de quem? - Falei.

— Dela! A negah fica bêbada e vai para o meu apartamento, acha que fiz o que? - Ele me encarou com um deboche tão grande, nossa como  me deu vontade de dar um soco naquele lindo rostinho — Ver só… foi assim. - Ele começou a me contar a história da noite toda e eu no início entendi nada e no final eu estava no início.

— Meu Jesus amado! Dai-me paciência. 

Duas horas depois.

—  Eita, corre depressa 'home! Se salva amigo - Agora estávamos na sala de estar, eu estava dando  uns pulos em cima do sofá vendo a minha mulher correndo atrás dele para pegá-lo. Stéfany contou tudo o que aconteceu na noite passada para sua amiga e o resto vocês já sabem o que aconteceu neh? Eu particularmente estou amando tudo isso, afinal de contas ver uma treta de vez em quando é tão bom. 

—  Como pôde fazer isso com a minha amiga? - Ela jogou a sandália que se encontrava em sua mão de longe, o que a fez acertar bem no meio da testa do moreno, ambos estavam separados ela de um lado da mesa e ele do outro enquanto ficavam correndo em círculos. 

— Do que você tá falando? Eu não a forcei em nada, ela aceitou de bom grado e se bem que tenho certeza a mais baixa ali no canto, amou - Jimin se gabou, dando um sorriso cínico em direção a Stéfany finalizando com uma piscadinha. Por que eu tenho um amigo tão canalha? — E se ela quiser eu posso repetir quantas vezes mais aguentar comigo.

— Aguentar com você? Desde quando tu é  tão poderoso assim na cama? - Jagiya perguntou cruzando os braços um no outro fazendo uma careta — Para mim tu ainda vai se assumir gay - A cacheada desistiu de correr atrás daquele menino e se sentou na cadeira se debruçando na mesa. 

— Para falar a verdade… - Depois de uns minutos em silêncio à tal Stéfany se pronunciou chamando nossa atenção para ela — Eu realmente gostei da noite passada e… - Ela começou a falar várias palavras que estavam me chocando, chocando o Jimin e a Jagiya. 

Uma hora depois.

— Acha que isso vai dar certo? - Jimin e Stéfany já tinham ido em bora a algum tempo, estava sentado no sofá junto a minha mulher, eu estava numa ponta do sofá e ela do outro com nossas pernas enroladas,  tomava um copo de suco enquanto a mais nova uma xícara de café. Fiz essa pergunta devido ao fato que ocorreu momentos atrás com o Jimin e a Stéfany.

— Olha Taehyung, eu tô achando isso muito ridículo! Como ela… Aish! Com o Jimin ainda por cima - Não é de hoje que ela não gosta do meu amigo, mas não a culpo, o Jimin que não ajudou ela em nada! Desde o momento que ele a conheceu não foi com a cara dela, ficava intrigado com ela por perto e quando começamos a namorar ele se afastou quando casamos a relação deles ficou assim. 

— Eu sei amor… mas temos que aceitar neh - Desviei meu olhar do dela, bebendo um pouco do meu suco meio assustado mulheres que se estressam por conta de uma pergunta preferem o silêncio do que escutar alguém falando.

— Affs - ela deixou a xícara de café na mesinha de centro pegou o copo de suco da minha mão e colocou no mesmo local e se sentou no meu colo  — Só tô preocupada com Stéfany, Jimin é um mulherengo babaca - Bufou prendendo seu cabelo em um coque.

— Calma amor, não se estressa com isso - Coloquei minha mão na sua cintura dando um pequeno aperto, Jagiya revirou os olhos e se inclinou para me beijar mas eu desviei, ela fez uma expressão brava e tentou de novo. 

— Tais frescando? - Perguntou.

— Amor… você tá de greve, te beijar nessa posição não me ajudaria muito - Senti minhas bochechas esquentarem e meus olhos automaticamente se desviarem do seu envergonhado. Eu ainda sou meio tímido com essas coisas, o oposto dela que nunca sentiu timidez ao falar sobre, até quando éramos amigos.

— E daí? Só me beija logo - Arregalei os olhos assustado, o que ela queria? Me provocar? 

—  Algo de errado não está certo - Tirei a cacheada do meu colo e me levantei colocando minhas duas mãos na cintura enquanto encarava sua expressão de tacho — eu não confio em você com essas coisas depois de ontem, melhor me prevenir do que remediar - Dei as costas e fui pra cozinha fazer um miojo.

— A mulher tá aqui disposta a sair da greve dar uns pega no marido e o marido o que? E o marido nada… as vezes eu te estranho Taehyung — Jagiya veio até a cozinha em passos pequenos vendo a minha expressão de desgosto com as suas palavras.

— Olha aqui Joyce amorim gabriela da silva! — Chamei seu nome completo causando-lhe um pouco de irritação —  Te conheço muito bem e você não está disposta, de maneira nenhuma! Sair da greve… então me dê licença

— Eu já te falei para não falar meu nome completo, não falei Taehyung? - dei de ombros não ligando ao que ela disse — Me chame de Jagiya. Ver só Kim Taehyung-shi,  agora não estou mais disposta, mas alguns momentos atrás, sim. É uma pena que rejeitou essa oportunidade. 

— Tu não começa com essas coisas! - Fiz um bico pensativo, será que eu perdi mesmo? Balancei minha cabeça afastando tais pensamento, calma Taehyung ela só está te provocando, não caí no rio dessa piranha — Eu não acredito em você. 

— Amor… - Me chamou com uma voz toda dengosa, chegando perto de mim  fitando meu corpo de cima para baixo, rodeando seus braços em torno de meu pescoço — Eu posso te dar outra oportunidade, é só me dar um beijo… um único beijo - Aquela frase, a maneira como ela falou, seus lábios atraentes chamando minha atenção,seu corpo colado ao meu. Parecia que tudo tinha parado e a única coisa que passava na minha mente era essa frase, "Um único beijo".

— Não, não, não, não, não, não! - Tirei seus braços de torno de mim e sai correndo daquela víbora me trancando no banheiro — Sua serpente! Você quer manipular minha mente, eu te conheço muito bem… - sentei no chão do banheiro e abracei minhas pernas assustado, passou um tempo e ela bateu na porta. Acho que ficar muito tempo sem ela me fez ficar mais carente e sensível. 

— Amor abre a porta, eu to falando sério. 

— Eu não vou abrir a porta - Fiz birra.

— Taehyung olha aqui,  eu também tô carente, sabia? Acho que mais do que você… e eu não tentei manipular sua mente abre a porta - Escutei ela bufa impaciente, já posso imaginar ela passando sua mão entre os fios de seu cabelo meio estressada. 

— Então estava sendo sincera? Queria parar a greve? 

— Sim… - Suspirou.

— Depois de dois dias? - Expressei indignado fazendo uma careta olhando para a porta como se a estivesse encarando — Falou tão confiante que iria passar cinco meses - ri — Olhou bem no fundo de meus olhos e disse "Aguentando horas ainda não joguei meu consolo fora" não foi você que falou isso? Não era nera? 

— Affs. Na verdade eu nem consolo tinha - Descarada mentiu na minha cara… — Amor tô chateada, carente, eu só quero ficar com meu marido, sinto saudades eu não posso? 

— Já que é assim - abri a porta do banheiro e assim que fitei meus olhos nos dela a puxei para um beijo, não era isso que ela queria? Coloquei seus braços em torno de meu pescoço e segurei em sua cintura encostando na parede. 

— Hm… Tae - Ofegou dando um impulso e rodeando suas pernas em minha cintura. Não acho que tô pronto pra isso agora, acho que ela vai ter o que merece depois de ontem, a levei até o quarto e a joguei em cima da cama ficando em cima dela, segurei na barra de sua camiseta e tentei tirar até que ela me impediu o que fez eu a encarar confuso — Sabe Taehyung de uma coisa - Jagiya trocou as posições comigo e ficou por cima me dando um sorriso descarado — A melhor manipulação que existe é passar de uma coitadinha… - O que ela tá querendo dizer? — Eu ainda tô de greve, bobinho. 

Fela da p* 

Jagiya se levantou, deu um sorriso e saiu do quarto me deixando lá cheio de tesão e todo animado, que ódio dessa mulher! Tinha que me casar com alguém PSICOPATA! De agora em diante nunca mais eu caio no rio dessa piranha. Nunca!


Notas Finais


Desculpem os erros de pontuação, infelizmente não sou tão inteligente assim espero que tenhas compreensão comigo

Beijos meus amores

Ainda tem muita coisa para acontecer nessa estória, só estou colocando os detalhes dela aqui e como eu falei eu peguei inspiração de outras fics para construir essa!

A do Taehyung veio de uma fanfic "Kim Taehyung está de greve" deixo todo os créditos a escritora o link pra fic está no primeiro capítulo.

Vou me apressar para postar o próximo capítulo mais rápido possível e se caso não achar uma beta irei postar como postei agora, tudo bem para vocês?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...