História Minha obsessão - Capítulo 11


Escrita por: , Diely e YaraUchiha

Postado
Categorias Naruto
Tags Sasunaru
Visualizações 59
Palavras 1.934
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Bishounen, Drama (Tragédia), Ecchi, Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, Lemon, Literatura Feminina, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shounen, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


OLÁ MEUS AMORES...
Ñ vou prolongar muito a conversa pq já sei qe muitos querem me matar (incluindo minha querida irmã)
Espero que gostem e boa leitura!

Capítulo 11 - Reconciliações


Fanfic / Fanfiction Minha obsessão - Capítulo 11 - Reconciliações

(Anteriormente)

-Boruto, depois preciso conversar com você.

-Tudo bem pai.

Entramos e deixei eles na sala de espera enquanto eu ia ver como Naruto estava.

(Agora)

 

Pov’s Boruto

Tudo foi muito rápido.

Primeiro, eu fui traído.

Segundo, eu trai.

Terceiro, minha irmã tava apaixonada.

Quarto, meu appa passou mal e está no hospital.

E quinto, agora tenho um tio.

O que mais falta acontecer?

Depois de falar para ele quem era o nosso pai, o cara ficou branco feito fantasma e revelou que era o nosso tio e que estava no shopping para comprar presentes para nós. Ele pretendia fazer uma visita no final de semana para nos conhecer, mas, no final, acabou tudo desse jeito. Claro que nós desconfiamos daquela história, mas só entramos no carro dele para seguir a ambulância porque o tio Sai e o tio Shikamaru conheciam meu suposto tio e disseram que podíamos confiar.

Enquanto seguíamos a ambulância, ele ligou pro meu pai e em seguida contou a história pra gente.

Pelo que entendi. Ele é o irmão mais velho do meu pai. Quando eram crianças, sofreram um acidente de carro, onde meus avós morreram. E no hospital onde eles ficaram, as fichas dele e de um cara foram trocadas. O cara morreu e meu tio foi dado como morto no lugar dele. Depois de sair do hospital, meu tio não se lembrava de nada e uma senhora cuidou dele e depois ele cuidou dela até o fim da vida. Ele nos contou também que trabalhava no hospício que meu pai atende de vez em quando e que só agora eles se reencontraram.

Fora tudo isso, eu estava pensando positivo. Até meu pai aparecer com uma cara que não me agradou nada.

-Como o appa está? _ Himawari estava mais preocupada do que eu.

-Ele está bem querida. Só precisa descansar. Estão fazendo alguns exames agora. A tia Sakura descobriu que ele teve uma disautonomia e vai precisar ficar internado alguns dias só para garantir, mas está tudo bem.

-Disau…? _ Himawari estava confusa com o termo técnico que nosso pai usava.

-Disautonomia. Uma disfunção dos nervos que regulam as funções corporais involuntárias, como frequência cardíaca, pressão arterial e transpiração. _ Ele tentava explicar da forma mais simples possível para minha irmãzinha.

Depois da explicação, todos respiraram aliviados, mas eu ainda sentia um aperto no peito. Na verdade, estava me sentindo assim desde que deixei Mitsuki no parque.

-Boruto, vem comigo.

Eu olhei pra ele, pro meu novo tio e depois pra minha irmãzinha. Por algum motivo eu queria confirmar se era só comigo que ele estava falando.

Levantei da cadeira e o segui até sua sala. Na minha cabeça já estava passando mil e uma coisas, mas eu tentava me acalmar, já que meu pai parecia bem tranquilo. Acho que se tivesse acontecido alguma coisa com o appa, ele não estaria tão calmo.

Assim que entrei na sala ele indicou a cadeira em frente a sua mesa para eu sentar e em seguida fechou a porta.

-Boruto, o assunto é delicado. Então quero que mantenha a calma. Tudo bem?

-Porque? O que houve com o appa? _ O pânico invadia meu peito, mas minha mente dizia para ouvir o papai.

-O appa está bem. Não é sobre ele que quero falar com você?

-Então o que é?

-É sobre o Mitsuki. _ Eu travei e a única coisa que conseguia fazer naquele momento era respirar e tentar escutar o que meu pai tinha a dizer.

-O Mitsuki foi trazido pro hospital pouco antes do Naruto. Pelo que me contaram, ele acabou brigando com um garoto maior do que ele. _ Ainda não conseguia falar nada, mas baixei minha cabeça. _ Ao que tudo indica. _ Ele continuou. _ Mitsuki brigou com esse rapaz por sua causa.

Eu não sabia como interpretar essa notícia. Como contar tudo o que aconteceu antes para o meu pai? Não sabia nem por onde começar.

-Boruto, eu sei que você e o Mitsuki tem um relacionamento. _ Meus olhos se expandiram com a surpresa. Não que eu tentasse esconder, mas fui pego de surpresa pelo meu progenitor. _ Não precisa ficar com essa cara. Você já está na idade de namorar e ter as suas aventuras, mas preciso da sua ajuda nesse momento. Sua irmã também está em uma idade crítica e seu appa precisa de um pouco mais de atenção agora. E eu preciso da sua ajuda, já que nem sempre estou presente. Entendeu?

Como eu ainda estava de cabeça baixa, apenas a balancei em sinal de positivo. Não imaginava que meu pai seria tão compreensível com relação a isso, mas aparentemente, eu ter um relacionamento com Mitsuki não é ruim.

-Porque você não conversa com o Mitsuki e tenta entender o que aconteceu? Tenho quase certeza de que tudo foi um mal entendido e que logo vai se resolver.

Eu já estava secando minhas lágrimas. Meu pai se levantou da cadeira e veio me dar um abraço e aquilo me confortou de um jeito que acalmou meu coração.

Quando eu me senti melhor fui em direção ao quarto onde Mitsuki estava no andar superior. Eu precisava vê-lo. Precisava entender o que havia acontecido.

Pov’s Mitsuki

Depois de ganhar uma bronca da minha mãe no hospital, na frente da enfermeira e meu pai dizer que eu estava bem, o tio Sasuke entrou na sala com uma cara muito preocupada. Pensei ter visto um olhar que dizia “sinto muito por incomodar” antes de dizer pra minha mãe que precisava de ajuda. Enquanto saiam só ouvi ele dizer que o tio Naruto estava passando mal e isso era preocupante.

Boruto nem em casa deveria estar para ajudar a irmã, ou ele simplesmente chegou naquele estado e o appa dele não gostou nada de saber que nós brigamos. Acho que devo desculpas ao tio Naruto.

Meu pai, o diretor do hospital, por outro lado, mandou que uma enfermeira preparasse um quarto para mim, e ele mesmo resolveu me levar. Ele é muito tranquilo em relação a família Uchiha e gostou muito de saber que eu estou namorando o Boruto, mas me alertou das broncas da minha mãe caso eu pisasse na bola.

Claro, ele gosta de passar a mão na minha cabeça, mas também briga quando eu preciso ser corrigido. E nesse momento, enquanto esperávamos o elevador, eu não sabia direito o que ele pretendia.

Quando o elevador chegou e a maca onde eu estava foi empurrada para dentro, percebi a armadilha e não podia nem correr. As portas se fecharam e eu comecei a rezar.

Levar broncas da minha mãe é uma coisa, pois é naquele momento e pronto, mas levar bronca do meu pai era uma coisa completamente diferente. Ele é calmo demais e quando explode é pernas pra quem te quero.

Olhei de relance para ele e percebi seu olhar sobre mim. Um gelo percorreu minha espinha e já estava sentindo o beijo da morte quando ele disse…

-Você chegou a acertá-lo pelo menos? _ Fiquei sem entender até perceber que ele se referia a briga.

-Algumas vezes, mas acho que não fez efeito algum, já que ele conseguiu me derrubar com dois golpes.

-Não se preocupe com isso. As coisas vão se resolver com o tempo e pelo menos você o acertou em cheio.

-Como sabe?_ Meu pai sorriu.

-Vi ele indo para a enfermaria depois que saímos da sala de trauma. Ele parecia estar com bastante dor no queixo.

Nós começamos a rir, pois imaginar que eu tenha conseguido fazer isso era hilário. Assim que as portas se  abriram no 2 andar, meu pai me deixou no quarto e mandou que eu ficasse quieto, pois apesar de não ter tido fratura, eu precisaria de repouso. Fui deixado sozinho depois que a enfermeira me medicou “levemente” nas palavras dela.

Uns 15 minutos depois, percebi duas silhuetas na frente da minha porta.

A maior era do tio Sasuke e a menor do Boruto que me olhava com cara de sofrimento.

-Vou deixá-los conversando. Qualquer coisa estou lá em baixo. _ Boruto só balançou a cabeça positivamente enquanto o tio Sasuke saía do quarto.

-Como está seu appa? _ Era a maior preocupação no momento.

-Estável. Dizem que está com uma tal de disautonomia e que precisa ficar em observação.

-Minha mãe vai cuidar bem dele. Não se preocupe.

-Eu sei disso. E você, como está? Meu pai disse que você brigou e se machucou feio.

-Pelo menos ninguém falou nada de morte. _ Consegui imaginar a cara de susto da minha mãe.

-Aposto que a tia Sakura estava morta de preocupação.

-E você se importa?

-Porque não me importaria? Apesar de tudo eu ainda te amo. _ Boruto mordeu o lábio inferior e fez a cara que eu mais amo nele. Um sexy tímido. _ Mesmo com aquela intrometida tentando te tirar de mim.

-E aquele esquisito?

-Ele me pegou de surpresa, confuso e desprevenido. Não terá uma próxima vez e muito menos perdão para o que fez com você. _ A cara de raiva dele era cômica, mas senti que ele ainda estava em dúvida se chegava perto de mim ou não. Eu simplesmente levantei o cobertor e abri espaço para ele do meu lado, na cama.

-Vamos deixar esse assunto para quando nós encontrarmos aqueles dois, aí mostraremos que não há espaço para eles. _ Falei indicando trégua.

-Seu otimismo é surpreendente. _ Aquele imbecil que beijou o Boruto apareceu na porta e encostou no batente.

-O que quer aqui? _ Boruto perguntou de cara feia para ele depois de se assustar com a repentina presença no quarto.

-Só vim ver se seu namorado estava vivo. Como eu disse antes, não estou a fim de dar entrevista sobre a morte de ninguém.

-Bom, como pode ver, estou em perfeitas condições. _ Ele me olhava com curiosidade.

-Porque atacou daquele jeito se não sabe lutar?

-Porque beijou o Boruto se ele não deu consentimento? _ Ele riu e desencostou da porta.

-Meu nome é Iwabe. E pelo que já deve ter notado, eu estudo com o Boruto.

-Então você é o tal repetente?_ Boruto perguntou como se tivesse matado uma charada.

-Não repeti por ser um mal aluno se quer saber. Só fiquei doente e não pude estudar por um ano. Por isso sou um ano mais velho que você Boruto. _ Ele olhou direto para mim. _ O fato de ser mais forte é que antes de voltar a estudar, eu precisava fortalecer meu corpo e por isso eu faço luta.

-Que tipo de luta você faz? _ Eu perguntei enquanto chamava Boruto outra vez para o meu lado, mas ele olhou o celular e fez uma cara triste.

-Preciso descer. Himawari está com o irmão do meu pai e não quero deixá-la sozinha por muito tempo.

-Irmão do seu pai? _ Agora eu estava confuso.

-Longa história. _ Ele chegou perto de mim e perguntou. _ Estamos bem então?

-Claro que estamos. _ Eu o abracei e beijei meu namorado, mas enquanto o beijava profundamente fiz questão de olhar para Iwabe com cara de triunfo.

-Tá, eu já entendi. Ele é seu. Não precisa ficar se insinuando. _ Parei de beijar o Boruto e começamos a rir da cara do Iwabe.

Depois que Boruto saiu, Iwabe e eu ficamos conversando sobre lutas. Uma enfermeira pediu que ele saísse, pois eu iria ser avaliado mais uma vez a pedido da minha mãe. Antes que ele fosse  embora, eu pedi que ele voltasse depois, pois me interessei muito em fazer algum desses cursos de luta. Ele concordou e saiu do quarto.

 


Notas Finais


Desculpas mais uma vez pela demora meus amores, mas tive uns probleminhas aki...
Bem, espero que tenham gostado.
Deixem seus comentários!
Lembrando qe amo todos vocês do fundo do meu coração!
Bjokas e até mais! =*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...