História Minha pequena princesa - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias The Seven Deadly Sins (Nanatsu no Taizai)
Personagens Alioni, Arthur Pendragon, Ban, Diane, Dreyfus, Elaine, Elizabeth Liones, Escanor, Gelda, Gilthunder, Gowther, Griamor, Guila, Gustav, Hauser, Hawk, Helbram, Hendriksen, Jericho, King, Margaret, Meliodas, Merlin, Personagens Originais, Raphael, Sariel, Simon, Twigo, Veronica, Vivian, Zaratras, Zeldris
Tags Drama, Melizabeth, Nanatsu No Taizai, Novela, Romance
Visualizações 189
Palavras 1.209
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ecchi, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 2 - Ela sente falta dele.


Fanfic / Fanfiction Minha pequena princesa - Capítulo 2 - Ela sente falta dele.

Elizabeth estava de bruços na cama, examinando a revista em suas mãos.

Como o esperado, a modelo da capa de revista era ninguém mais, ninguém menos que Penélope, sua mãe.

Realmente, não podia negar que ela era uma mulher muito bela, mesmo que já estivesse no auge dos seu trinta e oito anos, seu corpo era escultural e mantinha um rosto lindíssimo, uma modelo profissional.

Mãe e filha eram muito parecidas, ambas tinham os olhos azuis como o céu, a pele naturalmente pálida e os cabelos prateados.

Verônica e Margareth se assemelhavam mais ao falecido pai, Bartra, mas também tinham algumas características da mãe, como o nariz arrebitado e os lábios grossos.

Suspirando, ela jogou a revista em um canto qualquer, enquanto encarava o teto.

Fazia uma semana que Meliodas transformou-se em seu "ex" namorado, e Elizabeth estava simplesmente arrasada, não conseguia aceitar a ideia de que seu relacionamento havia acabado.

Nos três primeiros dias chorou muito, se achava insuficiente, mas agora só lhe restava um vazio no peito, tudo parecia sem sentido, havia se tornado dependente dele, "o amor de sua vida..."

Ou não.

Alguns latidos chamaram sua atenção, ela olhou para baixo, vendo o filhotinho de Corgi a encarando com os olhinhos brilhantes, como se tivesse percebido a tristeza alheia.

_ Hawk, venha aqui. _ o chamou, dando tapinhas fracos ao seu lado no colchão, qual era coberto pelo edredom cor-de-rosa.

O cãozinho pulou na cama, acomodando-se ao lado de sua dona, que acariciou sua cabeça.

_ Oh, docinho... _ o abraçou, sentindo lágrimas quentes escorrerem pelo rosto. _ Estou me sentindo tão sozinha, acho que preciso de um pouco de carinho.

O filhote de Corgi latiu novamente, como se estivesse tentando se comunicar com a prateada, se esfregou nela, lambendo sua mão.

Elizabeth estava vestida com um pijama rosado com estampa de coelhinhos, os cabelos prateados estavam soltos, caindo como uma cachoeira pelas suas costas.

Era raro vê-la de "cara lavada", normalmente, Elizabeth usava – pelo menos – base, blush, rímel e brilho labial.

Suspirou, levantando-se da cama e indo e direção a penteadeira, enquanto se olhava no espelho.

Tentava entender o motivo pelo qual tinha sido "abandonada", era feia? Estranha? Desinteressante? 

Elizabeth não entendia, tinha em mente que não era a moça mais bonita do mundo, nem a mais inteligente, mas era tão assustador pensar que Meliodas tinha a deixado para trás, seguir em frente sem ele? Isso nunca passou pela mente dela!

_ Elizabeth? _ ouviu a voz da mãe, que bateu três vezes na porta.

_ Entre. 

Penélope abriu a porta do quarto, adentrando a suíte.

_ Filha, preciso falar com você.

_ Então fale, sou toda ouvidos.

A mais nova se sentou na cama, puxando as pernas para o peito, enquanto observava a mãe fazer o mesmo.

_ Você anda muito pensativa ultimamente.

_ Ah, impressão sua... _ a filha deu de ombros.

_ Ellie, sei que alguma coisa está acontecendo, pode confiar em mim. 

Elizabeth fez uma careta, não podia revelar para a mãe que havia namorado escondida por mais de um ano, muito menos que ele havia terminado o namoro e a abandonado com um coração partido.

_ N-Não está acontecendo nada mamãe, estou apenas um pouco cansada. _ respondeu, sem olhar nos olhos da outra.

_ Elizabeth Liones, não minta para mim! Te conheço desde o dia em que nasceu, sei que algo está errado!

_ Eu estou bem!

_ Não, não está! _ Penélope cruzou os braços, atônita. _ Tem haver com o colégio? Brigou com as suas amigas?

_ Não.

_ Tem certeza? Parece que andou chorando.

_ De onde tirou isso? 

_ Seus olhos estão vermelhos e seu rosto está úmido.

Elizabeth corou de vergonha, secando o próprio rosto com as mangas do pijama.

_ Já falei: estou bem.

Penélope estalou a língua no céu da boca, olhando desconfiada para a mais nova, a mulher tinha um detector de mentiras excepcional, nada passava despercebido por aqueles olhos azuis.

_ Elizabeth, você precisa me dizer alguma coisa...?

O coração palpitou tão rápido que parecia que a qualquer momento saltaria pela boca, Elizabeth encarou a mãe buscando sinais de desconfiança.

"Meu coração dói, estou com muitas saudades do meu ex namorado..."

Pensou em dizer a verdade, mas preferiu ficar em silêncio.

_ Não, estou muito bem assim.

_ Certo, então... _ Penélope suspirou, aparentemente derrotada. _ Filha, sabe que pode me contar qualquer coisa, não sabe? 

_ Sei...

Um momento de silêncio se instalou no cômodo, enquanto as duas se encaravam.

De um lado: Penélope, com os braços cruzados e semblante impassível.

Do outro: Elizabeth, com as bochechas rubras e um grande desconforto.

_ Bem, eu também queria falar sobre outro assunto com você. _ segurou a mão da mais nova. 

_ O que?

Penélope corou, isso era raro, normalmente era uma mulher quase impossível de se constrangir, e então veio a "bomba".

_ Eu estou namorando.

Elizabeth arregalou os olhos, surpresa com aquela notícia repentina.

_ Isso é sério? 

_ Sim, é sério. _ Penélope assentiu. _ Bom, ele é alguns anos mais novo que eu, mas nós não nos importamos muito com isso.

Elizabeth sorriu, mesmo que estivesse triste, era ótimo ver que sua mãe estava seguindo em frente.

_ Estou alegre por você, mamãe. _ ela disse docemente, abraçando a mais velha. _ Espero que vocês sejam felizes! Como ele é?

_ Oh, ele é bonito, inteligente, confiante, humorado, carinhoso... _ Penélope riu com os próprios pensamentos.

_ Por favor, me diga que ele não é um pervertido!

_ Hm... Talvez um pouquinho!

As duas riram, obviamente, a risada de Elizabeth era forçada, mas não queria que sua mãe pensasse que estava deprimida.

Hawk pulou no colo de Penélope, que o acariciou. 

_ Hawk, seu cachorrinho folgado! _ ela riu.

_ Mamãe, quando vou conhecê-lo?

_ Amanhã. _ respondeu. _ Ele quer muito conhecer você e suas irmãs.

_ Ele virá jantar conosco?

_ Exatamente, estamos até pensando que ele poderia passar a noite aqui... O que você acha da ideia?

A expressão da jovem ficou estranha.

_ Os dois irão dormir em quartos separados, não é? _ Elizabeth questionou, desconfiada, o que fez sua mãe rir. 

_ Lógico que sim! Sou uma mulher descente, lembre-se disso.

_ Mamãe, não deixe ele passar dos limites com você!

_ Ora, era eu quem devia lhe dar estes tipos de conselhos sobre os rapazes!

Ambas riram novamente, enquanto Elizabeth pendia a cabeça no ombros da mae, que a abraçava com carinho.

As duas sempre foram muito conectadas, adoravam a companhia uma da outra, aqueles simples momentos de demonstrações de afeto eram inesquecíveis, e durariam para sempre como memórias importantes.

_ Não vai começar a namorar e me esquecer, né?

_ Jamais. _ Penélope deixou um beijo no rosto da filha.

A mulher penteou a franja da mais nova com os dedos, a levando para trás da orelha, deixando seu olho dourado a mostra.

_ Mamãe, não faça isso! _ Elizabeth reclamou, escondendo o olho com uma das mãos.

_ Elizabeth, seu olho é lindo! Não precisa esconde-lô apenas por ser de uma coloração diferente. 

_ Mesmo assim. _ ela puxou a própria franja de volta, ocultando o olho exótico, deixando apenas o azulado a mostra.

Não era novidade que Elizabeth simplesmente odiava o fato de ter heterocromia, mas sua mãe não entendia isso, achava aquela multação genética algo incrível! 

Meliodas também gostava muito dos olhos dela, sempre dizia que eram um "charme a mais", algo que a tornava diferente das outras pessoas.

_ Meliodas... _ sussurrou para si mesma, ao sentir o peito apertar por se lembrar dele.

_ Disse alguma coisa, querida? _ Penélope estranhou.

_ N-Não... Nada.

Ela sentia muito a falta dele.




Notas Finais


Haha! No próximo capítulo já teremos o reencontro do Meliodas e da Elizabeth, o que vocês acham que vai acontecer?
Ah, pessoal, por favor comentem, isso me alegra e também me dá disposição para escrever.
Leia também: "Little Cat" https://www.spiritfanfiction.com/historia/little-cat-13849479
Categoria: Nanatsu No Taizai


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...