1. Spirit Fanfics >
  2. Minha preferida-Shawn Mendes >
  3. Capítulo Quatorze

História Minha preferida-Shawn Mendes - Capítulo 14


Escrita por:


Notas do Autor


Volteii

Boa leitura 🌌🖤

Capítulo 14 - Capítulo Quatorze



- Meninas a aula de hoje é sobre como fazer sexo oral em um homem, o famoso "boquete"- disse fazendo aspas com o dedo- e como é um assunto um pouco mais complexo se dividirá em duas aulas. E amanhã vocês farão a parte prática e um dos meninos vai avaliar vocês- só de pensar que eu vou ter que fazer isso em alguém já me dá calafrios 


S/n, pov.

A aula foi mais teórica, a Lox falou sobre o que fazer, o que não fazer, mostrou varias técnicas e depois nos liberou.

Depois da aula eu e Cloe fomos conversar no jardim. Sentamos na grama e ficamos olhando as flores enquanto ouviamos o canto dos passaros. Estava um silêncio tranquilo e relaxante até a Cloe quebra-lo

- Se todas nós nos juntarmos você acha que conseguimos fugir?

Fiquei um pouco surpresa com a pergunta repentina da loira então demorei alguns segundos a mais para responder.

- Eles tem armas.- disse um pouco seca

- Mas e se eles não vissem a gente? Tipo a gente pode esperar as outras garotas chegarem para ter mais gente no plano, aí a gente esquematiza tudo e pronto!- Cloe fala empolgada com a ideia.

- Não é tão fácil assim...- antes que pudesse continuar minha frase Cloe me interrompe.

- Você não quer sair daqui?

- É claro que eu quero! Só que é arriscado demais, eles podem matar a gente...

- Se nós planejarmos tudo certinho a gente tem uma chance de conseguir, além do mais o que nós temos a perder? 

Ela tinha razão visto que nesse ponto a morte não seria tão ruim.

- Ta, mas por enquanto isso fica entre a gente, não sabemos em quem podemos confiar- disse me rendendo e concordando com a garota

- Por que não podemos confiar nelas? Todas nós querem sair!- eu me impressiono com a ingenuidade de Cloe. Na verdade não sei bem se ela é ingênua ou se eu sou desconfiada, de qualquer modo disse o que pensava para ela.

- E se chegar nos ouvidos da Charlotte, por exemplo? Você não acha que ela vai contar para o Mendes só para ele gostar dela?- dei uma pausa e vi na expressão da menina que ela concordava, então continuei falando- Quanto mais pessoas souberem menos secreto nosso plano vai ficar, temos que pensar nisso. Se formos contar para alguém precisamos ter certeza de que esse alguém é confiável!

-Você tá certa. É melhor a gente começar a se encontrar todo dia para montar o plano

Concordo e nós seguimos com a conversa sussurrando todas as nossas ideias


                          [...]


Os dias aqui estão cada vez mais entediantes, depois de terminar de conversar com a Cloe nós duas subimos para os nossos quartos e eu fiquei lá grande parte do meu dia já que eu não estava com vontade de almoçar hoje. Eu fiquei tentando formatar um plano na minha cabeça mas nada parecia dar certo, se realmente quisermos fugir temos que pensar em tudo direitinho.

Observo a porta do quarto ser aberta dirigindo a minha atenção ao ser que entrava por ali.

- Não sabe bater?- disse para o menino de olhos azuis que acabara de entrar no meu quarto.

- Sei - disse simples caminhando até minha cama

- Então porque você não bateu? Eu podia tá pelada!

- Sendo sincero eu tava torcendo pra você estar- Nash sendo Nash.

Reviro os olhos e vejo ele sentar em minha cama logo reparando na marca roxa avermelhada em seu pescoço. Fico encarando o chupão e logo ele percebe escondendo o mesmo com a blusa.

- Por que você veio aqui?- perguntei ignorando a marca.

- Fiquei preocupado, você não apareceu no almoço.

- Tava sem fome.

- Que pena, hoje a comida tava muito boa. Foi strogonoff de carne...- parei de ouvir ali, ele ficou tagarelando sobre como o almoço estava bom e como eu havia perdido. Estava claramente enrolando.

Eu não estava entendendo muito bem o rumo que essa conversa estava levando mas ele parecia um pouco nervoso e se atrapalhava ao falar, parecendo que estava pensando em outra coisa, e com isso, eu estava ficando cada vez mais incomodada.

- Nash, você não gosta de ir direto ao ponto? Então vai! Por que eu já tô ficando irritada- disse o interrompendo pois já estava cansada dessa enrolação.

Vi o garoto suspirar e finalmente dizer o que o incomodava.

- Com quem você vai fazer a aula prática de sexo oral?

Arregalei os olhos pois a pergunta me pegou de surpresa mas logo me recuperei e respondi.

- Com você...- disse um pouco vermelha- Por que?

- Nada, é que pelo o que o Mendes falou você meio que gostou bastante da noite de vocês, e achei que você quisesse fazer as aulas práticas com ele.

- Espera, ele saiu por aí falando sobre o que aconteceu?

- Só pra mim e para o Cameron- babaca ao extremo.

- Você não quer mais que eu faça as aulas práticas com você?- digo decidindo ignorar, por agora, a falta de respeito do Shawn por ter falado sobre o que aconteceu.

- É claro que eu quero! Por isso tô aqui... tava com medo de você ter se rendido ao Mendes.

Soltei uma leve risada anasalada por ele ter pensado uma coisa dessas.

- Fica tranquilo que eu nunca vou me render a esse babaca.

- Fico feliz por isso- disse rindo- já tá na hora da aula, é melhor você não se atrasar- Nash disse olhando para o relógio que estava em seu pulso.

Concordo e nos dois saímos do quarto, fui em direção a aula e ele para o terceiro andar.

Cloe estava conversando com uma menina de pele morena e cabelos cacheados escuros, eu ja tinha visto ela mas ainda nao sabia seu nome. Me aproximo delas e Cloe logo me apresenta.

- Oi, essa aqui é a Abbygail a gente tava conversando sobre aquele assunto de mais cedo- não precisei pensar muito para perceber que era sobre a fuga- ela quer ajudar.

- Claro mas a gente tem que pensar muito sobre como isso vai acontecer, qualquer erro e a gente morre- disse meio pé no chão.

- Sobre o que vocês estão falando?- Charlotte disse se enfiando no meio da gente como se fossemos amigas.

- Para de ser intrometida, Charlotte- Abbygail disse revirando os olhos, pelo visto ninguém aqui gosta dela.

- Você só tá assim porque o senhor Mendes vai me escolher para ser a preferida dele e não você- apesar dela aparentar ter uns 19 anos ela age como se fosse uma criança mimada.

Antes que a Abbygail pudesse revidar, a Mahogany abriu a porta e mandou a gente entrar. Quando todas nós terminamos de nos acomodar Mahogany começou a aula, em todas as mesas tinham três pintos de borracha de tamanhos diferentes.

- Bom! Vocês vão encontrar pintos de vários tamanhos e vocês tem que saber se adaptar a cada um, por isso cada uma vai fazer sexo oral em três tamanhos diferentes. Vamos começar com o menor.

Mahogany explicou o que fazer e pediu para que nós fizessemos igual. Eu não sei exatamente o porquê mas eu tava muito nervosa, talvez seja porque eu nunca fiz isso na vida e eu vou ter que fazer em alguém depois. Olhei para os lados e todas já haviam começado, Mahogany passou de mesa em mesa falando no que as meninas estavam errando e no que elas estavam acertando até chegar em mim.

- Não vai começar?

- Eu não quero.

- Eu sei querida mas eu acredito que você não tenha outra opção- era engraçado o jeito meio delicado e meio ameaçador que ela falava.

Respirei de forma pesada e comecei o trabalho, depois de um tempo você se acostuma com a textura emborrachada.

Mahogany foi falando coisas como: "não tão rápido" e "um pouco mais de intensidade" até eu acertar. Ela passou de em mesa em mesa ate todas as garotas acertarem.

- Ok, agora vamos para o médio.

E tudo se repetiu. Ela explicou, nós a imitamos, ela corrigiu e fomos para o próximo. No último já estávamos todas cansadas e com a mandíbula dolorida mas a Lox disse que a gente teria que se acostumar com a dor e ir para o próximo, no entanto, quando íamos começar o Mendes aparece de surpresa na sala e sussurra algo no ouvido da Mahogany e sai pela porta, seus passos eram engraçados, pois, estavam mais rapidos e apressados que o normal e ele ainda estava meio debilitado do tiro que levara, mas nada que o impedisse de andar.

Ele estava muito nervoso fazendo parecer que algo sério estava acontecendo.

- Fiquem aqui!- Mahogany disse pegando a chave e saindo da sala nos trancando ali dentro.

Ficamos nos olhando sem entender nada, até que ouvimos um tiro, depois outro e outro até que não conseguimos ouvir nada além de tiros e correria. Ficamos assustadas e nos abaixamos para de baixo das cadeiras.

Era a polícia? Era outra gang? Nós iríamos sair dali? Nos seríamos mortas? Essas perguntas nn saiam da minha cabeça e provavelmente não saiam da cabeça das outras garotas naquela sala.

Estávamos esperando os tiros diminuírem mas parecia que eles só aumentavam. Depois de um curto período pudemos escutar algo sendo arremessado contra a porta da sala em que estávamos repetidas vezes demostrando que alguém tentava arrombar.

A pessoa teve sucesso e entrou já erguendo a arma. Um homem jovem, musculoso, não muito alto e com cabelos loiros escuros se encontrava parado em frente a porta muito cansado devido ao esforço que tinha feito momentos atrás.

- Oi meninas! Não vou machucar vocês, só tô aqui atrás da S/n. Me fala qual de vocês é ela e o resto vai sair ilesa- disse o homem sem dar pausas.

Prontamente Charlotte aponta para mim e logo dou um pulo de desespero, ele olha no fundo dos meus olhos parecendo me ver por completo apenas com aquela olhada. Ele da um sorriso sarcástico e vitorioso.

- Você não tem noção do quanto você vale- sussurrou enquanto caminhava na minha direção.

Ele pega meu braço com força me tirando do chão.

- Vou ficar rico com você, princesa!- disse enquanto acariciava meu rosto com sua mão áspera.

Ele aperta ainda mais o meu braço e caminha até a porta indicando que passaríamos no meio do tiroteio, antes ele pega um walk-talk que estava em sua cintura.

-Tô com ela- falou o homem para o aparelho.

- Saia pela porta, estamos distraindo eles- respondeu uma voz do outro lado do walk-talk.

Ele me abaixa e me puxa com força até o lado de fora onde tínham dois carros parados, entramos em um e o motorista que já estava nos esperando acelerou.

Antes que eu pudesse ter alguma reação o homem que estava ao meu lado pega uma seringa de dentro de uma maleta que já estava no banco e injeta o conteúdo no meu braço fazendo tudo ficar confuso e minhas pálpebras ficarem cada vez mais pesadas.


                       [...]


Acordo em uma pequena sala mal iluminada com uma porta de metal, estava amarrada em uma cadeira.

Minha cabeça doía e latejava e eu só conseguia pensar na sorte que eu tenho por ter conseguido ser sequestrada pela segunda vez!

Sem entender nada tento me desamarrar e ouço o barulho da porta de metal sendo aberta.

- Que bom que acordou!- disse aquele mesmo homem.

-Onde eu tô?- pergunto meio desorientada.

- Não interessa, meu bem. Tudo o que você precisa saber é que eu vou ganhar muito dinheiro com esse seu corpinho.

Ganhar dinheiro? Com o meu corpo?! Do que esse homem está falando? Antes que pudesse perguntar alguma coisa uma mulher entra e caminha até ele.

- Você precisa ver uma coisa- disse chamando ele para fora da sala.

Ele saiu pela porta e eu voltei a ficar sozinha, tento me desamarrar de novo mas não parecia funcionar.

Depois de aparentemente uma hora sozinha naquela sala, vejo a porta metalica ser aberta novamente, por ela passa um homem alto todo coberto de preto, exceto os olhos.

Quando se aproxima pude notar que ja conhecia aquele par de olhos castanhos, logo, senti o cheiro cítrico de sempre invadir minhas narinas.

Ele se abaixou calmamente até ficar de joelhos e apoiou o seu peso sobre minhas coxas indo em direção ao meu ouvido, um arrepio involuntário percorreu todo meu corpo. Com ele mais perto pude sentir melhor seu perfume e tive certeza de quem estava na minha frente o que me fez sentir culpada por estar com aquele frio na barriga. Com ele próximo ao meu ouvido pude escutar claramente o que ele me dissera.

- Não se preocupe, darling. Vou tirar você daqui.




Notas Finais


Esse cap ficou chatinho mas ele é importante para a historia💕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...