História Minha própria história - Capítulo 19


Escrita por:

Postado
Categorias Boku no Hero Academia (My Hero Academia)
Personagens Denki Kaminari, Eijirou Kirishima, Iida Tenya, Inko Midoriya, Katsuki Bakugou, Midoriya Izuku (Deku), Shouto Todoroki, Tomura Shigaraki
Tags Bakugou, Midoria, Psicológico, Revelaçoes, Tododeku, Todoroki, Tortura, Yaoi
Visualizações 49
Palavras 1.605
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Científica, Lemon, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shonen-Ai, Slash, Survival, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Então... eu nunca disse que abandonaria a fic, mas só estava em uma pausa indeterminada, então postei esse capítulo não tão longo, pq a gente vai voltando aos poucos...

Espero que gostes, mas me falem uma coisa...

"GOSTAM DO BAKUGOU JUNTO DO KIRISHIMA?"

Respondam pfv!

Mas eu tb quero agradecer àqueles que não desistiram de mim, obrigada pelos favoritos e comentários, estou muito feliz com vocês.

Boa leitura!

Capítulo 19 - Vivos e Mortos


Depois de algumas horas de viagem, finalmente chegamos ao reino, logo o outro grupo se junto ao nosso, então entramos no reino. Sendo observados por todos, mas sem me importar, eu arrumo mais minha capa, cobrindo meus braços.

- Podem me esperar aqui? - Perguntei.

- Não, nos vamos com você! - Todoroki falou firme.

- Ele tem razão, jovem. Pode ser perigoso, na verdade, É perigoso - All Might afirmou. ⎯ Suicídio você ir sozinho.

- Desculpem, mas é problema meu e de mais ninguém - falei num tom frio.

Sem esperar respostas ou protestos, eu corri com Corvo, meu cavalo, até o castelo, onde encontrei vários guardas, eu rapidamente passei por eles e entrei no salão principal. Onde encotrei Todoroki Enji sentado no trono que pertence ao All Might. Ele sorria ameaçadoramente.

- Resolveu se entregar? - Perguntou num tom sarcástico, que eu ignorei.

- Desculpe, mas eu não sou de me render fácil. Apenas quero me desculpar.

- Desculpar? Hahaha! Fala sério, pra você não tem perdão. Nem Deus pode perdoá-lo por seus crimes.

Pude sentir que os outros estavam me olhando de longe, e quando digo outros, quer dizer, Todoroki, Kacchan, Uraraka, All Might, Kaminari, Kirishima e Momo. Virei um pouco meu rosto, e eles estavam na entrada da sala, me olhando fixamente.

- Isso mesmo, eu sei que tudo que fiz foi errado. E sei que o perdão será a última coisa que posso pedir. Na verdade, eu não estou em posição de pedir nada.

- Pelo menos sabe os próprios limites…

- Sim, mas mesmo assim eu quero seu perdão.

- Como eu disse, isso ultrapassa seu limite.

- Eu adoro ultrapassar meus limites.

Sorri, levantando o capuz, eu tirei minha espada e coloquei a mesma no chão, junto com minha capa, tirei as facas e adagas escondidas pela minha roupa. Afastei as armas brancas e cortantes com o pé, jogando elas para perto da parede bem decorada da sala.

- O que está fazendo? - Enji perguntou franzino o cenho.

- Quero me desculpar do modo que eu aprendi que é o certo, mesmo não sendo tão certo.

- Tirando a roupa? Ah, agora vai tentar transar comigo pra conseguir meu perdão… isso é uma atitude muito baixa até pra você, Capa Preta.

- Transar? Não, longe disso, eu não pretendo ter relações sexuais com o senhor. Quero que me castigue.

Ele me olhou confuso, eu tirei meu diário da capa no chão, olhei e folheei até a ultima folha, eu havia o terminado, totalmente e como prometido lá estava desde o dia que um certo alguém me tirou meus pais até aqui. Mas acho que o final mudará… além disso, eu não poderia deixar qualquer um ler. Sorri e coloquei ele em cima da capa. Peguei uma faca e me aproximei do rei, ele se manteve em posição de defesa se levantando do trono. Eu o entreguei a faca e tirei um pouco das minhas roupas, ficando apenas de calsa e sapatos, meu olhar era vazio, não havia emoções ali. Não mais. Ou talvez, não naquele momento.

- Você quer que eu lhe torture? - Enji perguntou arregalando os olhos.

- Sim, eu quero. ⎯ Sorri falsamente.

Ele pegou a faca e eu continuei a o encarar, ele logo me deu um soco e logo depois um chute. Eu continuei no mesmo lugar, apenas o olhando sem nenhuma expressão. Senti a faca perfurando minha barriga, cuspi sangue, ele apenas sorriu.

⎯ PAI! ⎯ Todoroki gritou ao entrar na sala. Eu não olhei pra trás nem me mexi, apenas continuei encarando o rei, que olhava para o filho. ⎯ PARE COM ISSO!

⎯ Ele é um assassino podre que merece morrer! ⎯ Enji respondeu, no mesmo tom do filho. ⎯ Sabe quantas pessoas ele já matou?

⎯ Não importa o número de mortes, o que importa é o mais importante que as pessoas ignoram. O QUE REALMENTE IMPORTA É QUE ELE É UM VERDADEIRO HERÓI, DO JEITO DELE, BUSCANDO JUSTIÇA PARA TODOS OS INOCENTES. Ele apenas mata quem merece morrer, assim como os Nobres e Reis fazem. Como você faz.

⎯ Mas mesmo assim, ele não têm individualidade alguma-

⎯ Idai? Ele ainda sim ganhou de todos os seus homens, e ainda saiu vivo lutando contra você.

⎯ Eu não admito esses seres desprezíveis no meu reino, não permito que eles vivam!

⎯ Não estamos no seu reino…

Olhei pra trás e vi que o Todoroki mais novo realmente alterado, ele parecia outra pessoa. Logo uma trilha de gelo cobriu o chão e congelou o rei, mas este usando a individualidade de fogo, descongelou enquanto Shouto pegava minha espada do chão e pulava em cima do rei.

⎯ Desculpe por isso, mas o senhor me ensinou que a justiça deve ser feita não importa o sacrifício. E, eu tenho nojo de te chamar de pai. ⎯ Shouto falou, segundos antes de cortar o pescoço do rei, fazendo a cabeça rolar e parar ao meu lado, imóvel.

Muito sangue jorrava do corpo, e Shouto estava de costas pra mim. Sem pensar duas vezez, eu levantei, com dificuldade por conta do corte, corri e o abracei por trás, logo ele virou e me abraçou também.

⎯ Não acredito que fiz isso… ⎯ Ele sussurrou, com a cabeça deitada no meu ombro.

⎯ Calma… vai ficar tudo bem, você fez certo. Fez muito certo, todos merecem justiça.

Ele balançou a cabeça e logo senti meu ombro ficar molhado pelas lágrimas do bicolor. Sorri minimamente apertando o corpo do mesmo mais ainda.

⎯ Vai… ficar tudo… bem… ei, Shouto… você quer ler o diário? Haha… é bom saber… com quem… você está abraçado… é sempre… bom… ⎯ Falei, com a respiração ofegante. Meu corpo estava ficando fraco, e logo senti uma tontura e muita dor no local do corte. Depois a escuridão tomou conta da minha mente.

***

Abro lentamente os olhos e vejo que estou numa espécie de sala em cima de uma cama um pouco dura. Tento me levantar, mas sem sucesso.

⎯ Ah, você acordou! Finalmente… ⎯ Uma voz falou, logo pude ver a face preocupada do Shouto me olhando. Eu vi aue ele lia o diário, sorri.

⎯ O que houve?

⎯ Você desmaiou depois de derramar muito sangue, por um milagre o corte não atingiu nenhum órgão vital, está assim há algum tempo. Você ficou em coma depois da cirurgia.

⎯ Uau. Bem a minha cara.

Todoroki riu, aliviado. Logo se sentou ao meu lado numa cadeira.

⎯ Eu… li seu diário.

⎯ O que achou? Não vai me mandar pra guilhotina ou forca, né?

⎯ Não… claro que não, eu só vou...

Ele me abraçou, de tudo o que eu esperava era a última coisa, me abraçou, eu logo retribuí um pouco trêmulo.

⎯ Obrigado por tudo, Shouto… ⎯ Sussurrei. ⎯ Não sei o que eu faria sem você aqui…

⎯ Eu que agradeço…

⎯ E… você está bem? ⎯ Perguntei, me afastando do abraço. ⎯ Digo… com tudo o que aconteceu…

⎯ Estou… eu não gostava dele mesmo. Sabe, ele fazia eu ficar sem comer por dias quando não o obedecia. Mas eu tenho algumas perguntas sobre… sua história.

⎯ Ah, claro, eu esperava por isso, responderei todas. Mas onde estão os outros?

⎯ Lá fora. Quer que eu os chame?

⎯ Por favor…

Ele se levantou e caminhou até a porta, abriu a meama e chamou algumas pessoas. Logo o grupo entrou.

⎯ DEKU! ⎯ Uraraka gritou correndo até mim, mas sendo parada por Shouto. Que lhe lançou um olhar mortal. ⎯ Ah! Desculpe…

Ela se aproximou e me abraçou.

⎯ Parece que você está bem, companheiro ⎯ Kaminari comentou, num meio sorriso. ⎯ Sabe, não é a primeira nem a última vez que você quase morre.

⎯ Que bom que está vivo! ⎯ Kirishima falou, animado.

⎯ Se você tivesse morrido. Eu te ressuscitaria só pra te matar denovo, seu idiota! ⎯ Bakugou falou, num tom rude. Ele parecia nervoso e irritado. ⎯ Nunca mais ouse me assustar assim! Seu filho de uma-

⎯ Bakugou… ⎯ All Might o interrompeu. ⎯ Não fale assim com ele, ou quer matar ele de vez? ⎯ Bakugou revirou os olhos, olhando pro teto. ⎯ Fico feliz que esteja bem, garoto.

Sorri e concordei.

⎯ Eu… também estou feliz por você não ter… morrido… ⎯ Yaoyorozu comentou.

Sorri convencido, maa claro, não perdi a oportunidade de brigar com ela:

⎯ Claro que sim. Você não viveria um dia se quer sabendo que eu morri. Você cometeria suicídio para se juntar à mim.

⎯ CLARO QUE NÃO!

Soltei uma gargalhada, balançando a cabeça negando.

⎯ Izuku. ⎯ Shouto me chamou, eu logo parei de rir e o fitei, curioso. ⎯ Temos uma surpresa pra você…

⎯ Eu não gosto de surpresas, diga logo, o que vocês têm pra mim?

⎯ Ahm… veja você mesmo…

Ele apontou pra porta, que foi aberta. Pude ver qie era alguém baixo, uma mulher. Cabelos… VERDES?

Sem hesitar ou parar para pensar, pulo da cama e a abraço, deixando as lágrimas carregadas de nada mais que culpa caírem. Ela me abraça também.

⎯ Mãe… a senhora… está viva!

⎯ Izuku… ⎯ Ela chorou, me abraçando. ⎯ Meu filho… você está bem?

⎯ Sim… mas… como…?

⎯ O rei Todoroki Enji me prendeu por achar minha individualidade muito fraca, e quando descobriu que você era o… assassino… ele me trouxe pra cá, com a intenção de negociar minha vida pela sua. Mas parece que não fez isso…

⎯ Ah mãe. Me desculpa!

Abracei-a por alguns minutos, logo ficamos todos conversando na enfermaria do castelo. Eu já estava bem melhor e Todoroki me chamou pra conversar.

⎯ Sei que… não é o melhor momento, você está ferido, mas tenho que saber.

⎯ Eu entendo. Manda a ver! Quais perguntas?

⎯ Quem te prendeu e torturou todos aqueles anos?

⎯ … ⎯ Eu esperava essa pergunta, logo eu suspirei e disse: ⎯ O assassino que matou sua mãe e várias outras pessoas… Tomura Shigaraki.

Os olhoa heterocromados agora estavam arregalados, e a boca entre-aberta, sua face mostrava surpresa.


Notas Finais


Então, né. Kk
Gente, pra quem nn entendeu, o diário conta coisas que eu nn contei na história (What? :/)

É basicamente sobre como foi que ele sofreu nas mãos da pessoa que nn fala dela no diário, mas que é o Tomura, sei que muitos já sabiam

( ͡° ͜ʖ ͡°)

Ou desconfiavam...

Ah! E uma amiga que lê a fic perguntou: CADÊ O LEMOOOOOOON?????!

Calma! Ele está perto ( ͡° ͜ʖ ͡°) é q essa história é difícil de trabalhar.

Sabem que eu nn esqueci do nosso querido Lida, né? Ele vai aparecer dnv e olha...

×mini spoiler×

Ele vai aparecer no próximo ep, dando uma de herói!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...